Diana (cantora)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diana
Diana, em Show em Feira de Santana Bahia, ano 2000
Informação geral
Nome completo Ana Maria Siqueira Iorio
Nascimento 2 de junho de 1954 (60 anos)
Origem Rio de Janeiro
País  Brasil
Gênero(s) Romântico[1]
Período em atividade 1969 - atualmente
Gravadora(s) Caravelle

CBS
Veleiro
Polydor
Copacabana
K-tel
Somarj
Maurício Produções
GEMA

Ana Maria Siqueira Iório (Rio de Janeiro, 2 de junho de 1954), conhecida pelo nome artístico de Diana, é uma cantora e compositora brasileira.

Começou a carreira durante a fase final da Jovem Guarda, em 1969. Gravou quatro compactos simples até 1971, quando obteve seu primeiro grande sucesso comercial com o lançamento do compacto de "Ainda Queima a Esperança", que figurou em sétimo lugar entre as 50 mais daquele ano, segundo o Nopem, orgão de pesquisa do mercado de discos[2] . A partir dali, foi emplacando mais sucessos, entre os quais, Uma Vez Mais, Fatalidade, Um Mundo Só pra Nós, Estou Completamente Apaixonada, Hoje Sonhei com Você e Porque Brigamos, este último o maior sucesso de sua carreira.[3] [4]

Ganhou de seu público e da mídia os apelido de "A Voz que Emociona" e "A Cantora Apaixonada do Brasil", devido ao conteúdo apaixonado e melancólico de suas canções[4] . Depois da grande popularidade vivenciada na década de 1970, a carreira musical da cantora entrou em declínio, ainda assim, ela está na ativa, fazendo shows pelo interior do Brasil. Recentemente, Diana adotou uma nova grafia para seu nome artístico: "Dianah"[5] .

Carreira[editar | editar código-fonte]

Diana iniciou sua carreira no final da década de 1960, seguindo os passos da Jovem Guarda, que dominava o cenário musical jovem na época.

Em 1969 gravou seu primeiro disco, um compacto simples, pela Caravelle, trazendo as canções Menti pra Você (Lado A) e Sítio do Pica-Pau Amarelo (Lado B), ambas de sua autoria, sendo a segunda em parceria com Carlinhos, um dos membros do grupo Renato e Seus Blue Caps e primo do guitarrista e lider do grupo, Renato Barros. Menti pra Você, carro-chefe deste disco, ficou em primeiro lugar na Rádio Globo por mais de 40 semanas.[carece de fontes?] O sucesso de Menti pra Você lhe rendeu o convite de Evandro Ribeiro, então produtor da gravadora CBS, para fazer parte do catálogo de artistas da empresa, cobrindo a vaga deixada por Wanderléa.

Em 1970, gravou um compacto simples, pelo selo EPIC, com duas canções, intituladas Não Chore Baby e Eu Gosto Dele. Diana passou, então, a ser produzida por Raul Seixas, que comporia em parceria com Mauro Motta algumas das baladas do repertório da cantora para seu LP de estreia, Diana.[6] [7] O produtor e compositor capixabaRossini Pinto ficou encarregado de complementar as composições do álbum com versões de sucessos internacionais da época. Lançado em 1972, o LP teve êxito comercial, com destaque para as faixas Porque Brigamos e Ainda Queima a Esperança.

Em 1974, Diana trocou de gravadora. Na Polydor, gravou três discos entre 1974 e 1976. Desta fase, resultam os sucessos Foi Tudo Culpa do Amor, Lero-Lero, Sem Barulho e Uma Nova Vida, sendo esta última uma composição que Odair José fez para Rosemary. Curiosamente, na voz de Rosemary a canção não teve êxito porém, em 1975, gravada por Diana, foi sucesso no Brasil.

Em 1978, Diana gravou pela RCA seu último LP dos anos 70, que contou com arranjos de Azymuth, Maurício Einhorn, Hélio Delmiro, Nivaldo Ornelas, José Roberto Bertrami e Oberdan Magalhães[8] . Destaque nesse disco foi a faixa Vida que Não Pára, composta por Odair José e gravada por ele em 1972.

Na década de 1980, Diana gravou alguns compactos e um LP, além de participar de um tributo ao cantor Evaldo Braga no disco Eu Ainda Amo Vocês, onde cantou em dueto com Evaldo a canção Só Quero. Embora sua carreira artística tenha entrado em declínio durante essa década, Diana prosseguiu com shows, especialmente por cidades pequenas e médias do Brasil.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Diana nasceu no bairro do Botafogo, filha de Regina Siqueira e Osvaldo Iório. Foi no bairro do Leblon, também no Rio, que Diana cresceu.

Foi casada com o cantor e compositor Odair José[9] , o qual conheceu no final da década de 1960, quando os dois ainda iniciavam a carreira artística[10] . O casamento oficial foi em 1973, mas durou pouco e se encerrou de maneira conturbada - ocupando as páginas dos jornais entre 1974 e 1975 devido a violentas brigas.[11] [12]

Em 1976 nasceu a filha do casal, Clarice[13] . A união de Odair e Diana terminou definitivamente em 1981; entrevistado por um blog, Odair José declarou que, segundo o advogado Paulo Lins e Silva, eles foram o quarto casal a obter o divórcio no Brasil[9] .

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1969 - Compacto Simples (Caravelle)
  • 1970 - Compacto Simples (Epic)
  • 1971 - Compacto Simples (CBS)
  • 1971 - LP As 14 mais nº25 - faixas 3 e 12 (CBS)
  • 1972 - Compacto Simples (CBS)
  • 1972 - LP As 14 mais nº26 - faixas 4 e 6 (CBS)
  • 1972 - Compacto duplo (CBS)
  • 1972 - LP Diana (CBS)
  • 1973 - Compacto Simples (CBS)
  • 1973 - Compacto Simples (CBS)
  • 1973 - LP As 14 mais nº27 - faixa 2 (CBS)
  • 1973 - Compacto duplo - Porque brigamos (CBS)
  • 1973 - LP Uma Vez Mais (CBS)
  • 1973 - LP O melhor de Diana (CBS)
  • 1974 - LP Você Prometeu Voltar (Polydor)
  • 1974 - Compacto duplo - do LP Uma vez mais (CBS)
  • 1975 - Compacto duplo - do LP Você prometeu voltar (Polydor)
  • 1975 - Compacto duplo - Agora que sou livre (CBS)
  • 1975 - LP Uma Nova Vida (Polydor)
  • 1976 - LP Sem Barulho (Polydor)
  • 1976 - Compacto duplo - do LP Uma nova vida (Polydor)
  • 1977 - Compacto simples (RCA)
  • 1978 - LP Flor Selvagem (RCA)
  • 1979 - Compacto Simples (Kelo music)
  • 1981 - Compacto Duplo (Continental)
  • 1983 - Compacto Duplo (Copacabana)
  • 1986 - LP Reencontro - Diana & Odair (Polyfar)
  • 1987 - LP Eu Ainda Amo Vocês (Polydor) (cantou com Evaldo Braga a canção Só Quero)
  • 1989 - Pra Sempre (Somarj)
  • 1995 - Diana (Maurício Produções)
  • 1999 - A Discoteca do Chacrinha (Universal Music) (Regravou a canção Ainda Queima a Esperança)
  • 2000 - Diana Ao Vivo (GEMA)

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lucas Nobile (11 de março de 2014). Título não preenchido, favor adicionar (em inglês). O Estado de S.Paulo. Página visitada em 12 de março de 2014.
  2. Diana - Dados Artísticos. Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Página visitada em 6 de junho de 2012.
  3. (11/12/1971) "Hits of The World - Brazil". Billboard Magazine. Página visitada em 7 de junho de 2012.
  4. a b de Araújo, Paulo César. Eu Não Sou Cachorro Não. São Paulo: Record, 2002. Página visitada em 6 de junho de 2012.
  5. Leonardo Lichote (02/06/2010). Com um 'h' a mais e aura de 'cult', Dianah prepara CD, DVD e livro. O Globo Online. Página visitada em 19 de junho de 2012.
  6. Marcelo Froés. Raul Seixas: o Baú do Maluco Beleza. Portal Jovem Guarda. Página visitada em 19 de junho de 2012.
  7. Danilo Ribeiro Gallucci. Raulzito convocou a Sociedade da Grã-Ordem Kavernista. Almanaque Brasil. Página visitada em 19 de junho de 2012.
  8. Josué Ribeiro (05/11/2007). Enquete lançada no blog revela que com 44% dos Votos, a cantora Diana é quem mais tem a cara dos anos 70. Blog Música Popular do Brasil. Página visitada em 6 de junho de 2012.
  9. a b Torturra Nogueira, Bruno. (junho 2004). "Especial 2 ou 1: Amor por Odair". Revista Trip (123): 75. Página visitada em 6 de junho de 2012.
  10. Marcos Sampaio (19 de novembro de 2012). Odair José, O trovador da luz vermelha (parte 4). O Povo Online. Página visitada em 10 de fevereiro de 2014.
  11. Diana - Biografia. Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Página visitada em 6 de junho de 2012.
  12. Marcos Sampaio (19 de novembro de 2012). Odair José, o trovador da luz vermelha. O Povo Online. Página visitada em 10 de fevereiro de 2014.
  13. Cléber Eduardo. Do brega às cabeças. Revista Época. Página visitada em 10 de fevereiro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]