Didímio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde dezembro de 2009). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Didymium in the first edition periodic table of Mendeleev

O didímio é uma mistura de dois elementos: praseodímio e neodímio. É usado em óculos de proteção na fundição do vidro, filtrando a luz emitida pelo sódio durante a fabricação deste material, sem ter muito efeito na visão geral, ao contrário dos vidros escuros dos óculos de proteção dos soldadores. Quando usado como filtro fotográfico tende a acentuar as cores avermelhadas. Também é usado em materiais de calibração.

O didímio ( do grego elemento "gêmeo" ) foi descoberto por Carl Mosander em 1841 , assim nomeado porque era muito similar ao lantânio junto ao qual foi encontrado. Mosander acreditou que era um único elemento químico, entretanto, em 1885, Carl Auer von Welsbach descobriu que o didímio era, na realidade, uma mistura de dois elementos químicos: praseodímio e neodímio. Mosander concluiu, então, que o "ceria" ( chamado também de cerita ) isolado por Jöns Jacob Berzelius em 1803 era, na realidade, uma mistura de cério, lantânio e didímio. Errou ao acreditar que o didímio era um único elemento químico.