Diksha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde julho de 2013).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Satsvarupa das Goswami During ISKCON diksa ceremony in 1979.

Diksa (Sanskrit: दीक्षा em Devanagari, dīkṣā, Tamil: தீட்சை) também chamado deeksha ou deeksa no uso comum, traduzido como uma "preparação ou consagração para a cerimônia religiosa",[1] é um mantra ou uma iniciação em religiões indianas, como o Hinduísmo, Budhismo e Jainismo. Diksa ocorre em uma cerimônia "um para um", e tipticamente inclui a assunção de uma séria disciplina espiritual.[2] A palavra é derivada do termo sânscrito ("dar") mais kṣi ("destruir") ou alternativamente a partir da raiz do verbo dīkṣ ("consagrar").[3] Quando as mentes do guru e do discípulo se tornam uma, então diz-se que o discípulo foi iniciado pelo guru.[4]

Vishnu Yamala (tantra) diz: "O processo que confere divyam jnanam (conhecimento espiritual, transcendental) e destrói o pecado (pāpa), a semente do pecado e da ignorância, é chamado diksha pelas pessoas espirituais que viram a verdade (desikais tattva-kovidaih)."[5]

Diferentes tradições e seitas tratam o diksa de várias maneiras. O Tantra menciona cinco tipos de iniciação ou diksa: a iniciação por um ritual ou samaya-diksa; o sparsa-diksa, uma iniciação ao toque, feita sem um ritual; '"vag-diksa é feita por palavra ou mantra; sambhavi-diksa é decorrente da percepção da aparência externa do guru, mano-diksa é quando a iniciação é feita na mente.[6] Para os membros da ISKCON o primeiro diksa, ou iniciação harinama-diksa, é realizado como parte de um sacrifício onde grãos, frutas e ghee são colocados em uma fogueira.[7] Na tradição de Lahiri Mahasaya, a iniciação no Kriya Yoga é entendida como Diksa.[8] O Bengali santo Anandamayi Ma muitas vezes deu sparśa dīkṣā (toque divino) ou drik diksa (através de seu olhar), no qual ela concederia a śaktipāt'' (graça divina).[9]

Outro tipo de diksa, em um ordem monástica, envolve um voto de celibato, a renúncia de todos os bens pessoais e de todos os direitos do mundo, inclusive os laços familiares. Diksha tem o mesmo significado no jainismo, onde é também chamado Charitra' ou' Mahanibhiskraman.

A iniciação no hinduísmo envolve realizar um dos vários rituais, dependendo da pessoa que está sendo iniciada e o grupo hindu envolvidos.


Referências

  1. Monier-Williams Sanskrit-English Dictionary d pp. University of Cologne. Visitado em 2009-04-19. [ligação inativa]
  2. Coward, Harold G.; David J. Goa. Mantra: hearing the divine in India and America. [S.l.]: Columbia University Press, 2004. ISBN 978-0-231-12960-2.
  3. Grimes, John A.. [ttp://books.google.com/books?id=qcoUFYOX0bEC&pg=PA117 A concise dictionary of Indian philosophy.] [S.l.]: SUNY Press, 1996. 117 pp. ISBN 978-0-7914-3067-5.
  4. http://www.gurumaa.com/content/deeksha-master-disciple-mind-connection.html
  5. Pandey, Vraj Kumar. Encyclopaedia of Indian philosophy. [S.l.]: Anmol Publications, 2007. ISBN 978-81-261-3112-9.
  6. The madness of the saints by June McDaniel, University of Chicago Press, (1989) p. 106 ISBN 0-226-55723-5
  7. Introduction to New and Alternative Religions in America [Five Volumes]Eugene V. Gallagher, W. Michael Ashcraft (2006) Greenwood Publishing Group, p. 23 ISBN 0-275-98713-2
  8. Yogananda, Paramhansa. Autobiography of a Yogi. [S.l.]: Sterling Publishers Pvt. Ltd, 2003. 102 pp. ISBN 978-81-207-2524-9.
  9. Hallstrom, Lisa Lassell. Mother of Bliss: Ānandamayī Mā (1896-1982). [S.l.]: Oxford University Press US, 1999. 140–144 pp. ISBN 978-0-19-511647-2.

Ver também[editar | editar código-fonte]