Época Tinita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Dinastia tinita)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde outubro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Antigo Egito
Faraós e dinastias
Período pré-dinástico
Período protodinástico
Época Tinita: I - II
Império Antigo: III IV V VI
1º Período Intermediário:

VII VIII IX X XI

Império Médio: XI XII
2º Período Intermediário:

XIII XIV XV XVI XVII

Império Novo: XVIII XIX XX
3º Período Intermediário:

XXI XXII XXIII XXIV XXV

Época Baixa: XXVI XXVII
XXVIII XXIX XXX XXXI
Período Greco-romano:
Dinastia macedónica
Dinastia ptolomaica
Período Romano

A Época Tinita ou Período Arcaico refere-se a um período da história do Antigo Egipto que inclui as primeira e segunda dinastias (ditas tinitas), datando de cerca de 3100 a.C. (após o período pré-dinástico) até cerca de 2700 a.C., quando se inicia o Antigo Império. Alguns egiptólogos também incluem a terceira dinastia.

Os antigos egípcios registram suas origens na Terra de Punt, que eles chamavam Ta Netjeru, que significa "Terra dos Deuses", que atualmente acredita-se que seja a moderna Eritreia ou o Sudão. Eles consideravam-se "o povo das duas terras", sendo estas terras o Alto Egito e Baixo Egito.

De acordo com o historiador Manetão, o primeiro rei foi Menés. No entanto, o mais antigo rei conhecido da primeira dinastia é Hor-Aha, e o primeiro rei a reivindicar ter unido as duas terras foi Narmer (o último rei do período pré-dinástico). Conhecemos seu nome por que ele está escrito numa paleta comemorativa, a Paleta de Narmer, usada para triturar minerais para kohl, um tipo de cosmético muito usado pelos antigos egípcios para contornar os olhos (famoso cajal ou o lápis de olho que as mulheres usam). As práticas funerárias do povo em geral eram iguais às do período pré-dinástico, mas os ricos exigiam algo mais. Então, os egípcios iniciaram a construção das mastabas.

Anterior à unificação do Alto e Baixo Egito, por volta de 3100 a.C., as terras eram ocupadas por vilarejos autônomos. Nas primeiras dinastias, os governantes estabeleceram uma administração nacional e apontavam os governadores reais. As edificações do governo central eram tipicamente templos ao ar livre construídos de madeira ou arenito.

Os túmulos reais, que sobreviveram a essa época (século XXXI a.C. - século XXVII a.C.) documentam que a ideia de uma monarquia de direito divino já era algo de concretizado. Nasciam, aqui, os fundamentos mais remotos do Absolutismo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Egiptologia é um esboço relacionado ao Antigo Egito. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.