Diocese da Panônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Dioecesis Pannoniarum
Diocese da Panônia
Diocese do(a) Império Romano
314–década de 440
Location of Diocese da Panônia
Ilírico e Dácia por volta de 400
Capital: Sirmio
Governador: vigário
Período : Antiguidade Tardia
 -  Criada originalmente como parte da pref. pret. da Itália 314
 -  Incorporada pela recém-criada pref. pret. da Ilíria 356
 -  Reincorporada pela Itália depois da morte de Teodósio I 395
 -  Presenteada ao imperador romano do oriente Teodósio II 425
 -  Conquistada pelos hunos década de 440

A Diocese da Panônia (português brasileiro) ou Diocese da Panónia (português europeu), conhecida a partir de 395 como Diocese do Ilírico (Illyricum) ou Diocese da Ilíria, foi uma diocese do período final do Império Romano[1] cuja capital, sede do vigário, era Sirmio.

História[editar | editar código-fonte]

As províncias da diocese originalmente faziam parte da prefeitura pretoriana da Itália, mas posteriormente juntaram-se à prefeitura pretoriana da Ilíria quando a diocese foi criada em 356.[carece de fontes?] Disputada por ambos as metades do império, a Panônia era uma das duas dioceses que foram incorporadas à porção oriental da Tetrarquia que não tinha raízes culturais gregas (a outra era a Dácia), e acabou sendo transferida definitivamente para o Império Romano do Ocidente com a morte de Teodósio I em 395 e reincorporada à Itália.[2] Pelas décadas seguintes a Panônia foi continuamente ocupada por tribos bárbaras, principalmente godos e hunos. Em 427, os romanos alegaram terem conseguido retomar a região.[3]

Em 425, Gala Placídia, em um acordo firmado com o imperador Teodósio II (r. 408–450), concedeu ao Império Bizantino a cidade de Salona, na Dalmácia.[4] Seu destino final é incerto: a região foi perdida para os hunos na década de 440,[2] embora a Dalmácia tenha ficado sob controle imperial até a década de 480.[5] Em 454, com o colapso do Império Huno, o imperador bizantino Marciano (r. 450–457) assentou os ostrogodos liderados pelos irmãos Valamiro, Videmiro e Teodomiro na Panônia como federados.[6] Em 504, sob Teodorico, o Grande (r. 474–526), os ostrogodos tomaram Sírmio e o distrito vizinho que estava sobre controle dos gépidas.[7]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A Diocese da Panônia incluía as seguintes províncias:[2]

Estava ainda sob sua jurisdição o exarca de Sirmio, as metrópoles de Lauríaco, Vindomana, Sirmio, Salona, Salisburgo e o "locus incertus" (veja Miholjanec).

Referências

  1. Burns 1994, p. 165
  2. a b c Džino 2010, p. 75
  3. Wolfram 1990, p. 256
  4. MacGeorge 2002, p. 39
  5. Martindale 1980, p. 815
  6. Wolfram 1990, p. 261
  7. Martindale 1980, p. 886

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Burns, Thomas S.. Barbarians Within the Gates of Rome: A Study of Roman Military Policy and the Barbarians, Ca. 375-425 A.D.. [S.l.]: Indiana University Press, 1994. ISBN 0253312884
  • Džino, Danijel. Becoming Slav, Becoming Croat: Identity Transformations in Post-Roman and Early Medieval Dalmatia. [S.l.]: BRILL, 2010. ISBN 9004186468
  • Martindale, J. R.; A. H. M. Jones. The prosopography of the later Roman Empire. 2. A. D. 395 - 527. [S.l.: s.n.], 1980.
  • MacGeorge, Penny. Late Roman Warlords. [S.l.]: Oxford University Press, 2002. ISBN 0199252440
  • Wolfram, Herwig. History of the Goths. [S.l.]: University of California Press, 1990. ISBN 9780520069831
  • The Times History of Europe, Times Books, London, 2001.