Dirceu Arcoverde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Dirceu Arcoverde
"Dirceu"
"Bom Jardim"
"Vitoriosa da Ditadura"
"Cidade dos Pequenos Planaltos"
Vista da região central da cidade (lado sul); Pôr do sol ao lado da torre da Igreja de Nossa Senhora de Fátima; e Câmara Municipal de Vereadores de Dirceu Arcoverde.

Vista da região central da cidade (lado sul); Pôr do sol ao lado da torre da Igreja de Nossa Senhora de Fátima; e Câmara Municipal de Vereadores de Dirceu Arcoverde.
Bandeira de Dirceu Arcoverde
Brasão de Dirceu Arcoverde
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 30 de novembro
Fundação 30 de novembro de 1979 (35 anos)
Gentílico arcoverdense, arcoverdino
Lema 'No rumo certo para o desenvolvimento.
Padroeiro(a) Nossa Senhora de Fátima
CEP 64785-000
Prefeito(a) Carlos Gomes de Oliveira (cassado) (PR)
(2013–2016)
Localização
Localização de Dirceu Arcoverde
Localização de Dirceu Arcoverde no Piauí
Dirceu Arcoverde está localizado em: Brasil
Dirceu Arcoverde
Localização de Dirceu Arcoverde no Brasil
09° 20' 16" S 42° 25' 40" O09° 20' 16" S 42° 25' 40" O
Unidade federativa  Piauí
Mesorregião Sudoeste Piauiense IBGE/2008 [1]
Microrregião São Raimundo Nonato IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Norte: São Lourenço do Piauí;
Sul: Estado da Bahia;
Leste: Coronel José Dias;
Oeste: Fartura do Piauí.
Distância até a capital 560 km
Características geográficas
Área 1 005,7 km² [2]
População 6 818 hab. [3]
Densidade 6,56 hab./km²
Altitude 740 m
Clima Semiárido Tropical
Sub-Úmido Seco (C1)[4]  
BSh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,620 médio PNUD/2010 [5]
Gini 0.520 PNUD/2010[6]
PIB R$ 24 839 IBGE/2012[7]
PIB per capita R$ 3 670,57 IBGE/2012[7]
Página oficial

Dirceu Arcoverde é um município brasileiro do estado do Piauí.

Localiza-se a uma latitude 09°20'17" sul e a uma longitude 42°25'40" oeste. Situa-se na Mesorregião do Sudoeste Piauiense, Microrregião de São Raimundo Nonato. Até 2010 possuía uma população de 6.677 em uma área de 1005,7 km²[3] .

Sua economia está voltada ao setor primário e terciário, tendo maior destaque o setor de prestação de serviços]], que responde por mais da metade do Produto Interno Bruto do município[7] .

Estando a uma altitude média de 740 metros acima do nível do mar, o distrito sede do município se constitui como a cidade de maior altitude em todo o estado do Piauí, seguida pela cidade de Pedro II na Serra dos Matões, norte do estado[8] .

Talhada pela Barragem de Bom Jardim, a cidade de Dirceu Arcoverde divide-se em dois planos urbanos, norte e sul da represa.

Subdivisão de planejamento[editar | editar código-fonte]

O “Planejamento Participativo para o Desenvolvimento Sustentável” é um recurso, cunhado pelo Governo do Estado do Piauí, que visa desenvolver um amplo e participativo processo de planejamento territorial. Além de definir estratégias de desenvolvimento de médio e longo prazo, tal planejamento tem como ênfase a elaboração e implementação de planos regionais, tornando fundamental a participação efetiva dos municípios e comunidades.

No plano estadual de desenvolvimento o município se situa[9] :

  • Macrorregião dos Semiáridos Piauienses;
  • Território Integrado da Serra da Capivara;
  • Aglomerado 17.

História[editar | editar código-fonte]

Região habitada e politicamente interessada em tornar-se um município desde 1880, a localidade de Bom Jardim só foi municipalizada em 30 de novembro de 1979 com a denominação de Dirceu Arcoverde, em homenagem ao então senador Dirceu Mendes Arcoverde, que morreu no exercício do cargo. A cidade foi desmembrada do município de São Raimundo Nonato [10] .

Durante o seu processo de emancipação, o município passou por alguns momentos que marcaram sua história. Exemplo disso foi o ano de 1962, quando o povoado de Bom Jardim foi elevado à categoria de município, tendo Tidinho como primeiro administrador. Um acontecimento bastante esperado, mas que logo foi revertido. Dois anos após a suposta emancipação, Bom Jardim retornou a condição de povoado, permanecendo nesse impasse durante 15 anos até definitivamente se tornar município, em 1979.

O município foi emancipado sob o número de ordem 115 no estado do Piauí. O período em que ocorreu sua emancipação foi marcado pela retração no processo de reorganização política-administrativa do estado do Piauí, fato que se deu em função do governo ditatorial que se instalou no Brasil entre os anos de 1964 e 1985. Durante a ditadura militar, Bom Jardim foi o único povoado a alcançar o status de município no Piauí, fator que atribuiu à cidade de Dirceu Arcoverde o apelido de "Vitoriosa da Ditadura"[11] .

Entre o fim dos anos 80 e início da década de 90, momento em que todo o país passava por um acentuado processo de reorganização político-administrativa, o município de Dirceu Arcoverde teve o seu primeiro desmembramento, dando origem ao município de Fartura do Piauí, em 29 de julho de 1993.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Junto a 17 outros municípios do estado, Dirceu Arcoverde integra a região da Serra da Capivara, que junto ao Parque Nacional da Serra das Confusões, constituí a região turística do Polo das Origens no Piauí.

Reconhecido como Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade pela Unesco, o Parque Nacional Serra da Capivara representa um dos mais importantes exemplares do patrimônio histórico-cultural do país[12] .

Festas populares[editar | editar código-fonte]

O mês de maio é o período de maior fluxo turístico, que se dá em função das festividades religiosas da padroeira da cidade e também do festival de maio, evento que ocorre junto ao novenário da padroeira e que oxigena a economia local.

Aspectos políticos[editar | editar código-fonte]

As primeiras eleições ocorreram 15 de novembro de 1982, quando Olímpio Dias dos Passos foi eleito primeiro prefeito municipal de Dirceu Arcoverde. O então prefeito, que governou entre os anos de 1982 e 1988, foi sucedido por Hipólito Miguelino Braga, natural do emergente município.

Dentre os sete governantes que o município já teve apenas Francisco de Castro Ribeiro exerceu o cargo por oito anos seguidos[13] .

Apesar de ser um município relativamente jovem, Dirceu Arcoverde já teve um de seus prefeitos cassado, sendo ele Carlos Gomes de Oliveira; que havia sido eleito no pleito de 2012 para o período 2013-2016 mas que foi cassado no ano de 2015.

Economia[editar | editar código-fonte]

Composição econômica do município
Impostos
4,3%
Serviços
80%
Agropecuária
4,3%
Indústria
11,4%

A madeira foi durante muito tempo fonte de renda na região, usada principalmente nas atividades agropecuárias e na indústria de transformação. No entanto, a vasta exploração das frágeis florestas semiáridas não possibilitou a manutenção dessa atividade, que deixou marcada na história do município o rastro da devastação. Atualmente, em contraste com o panorama estadual, Dirceu Arcoverde é um dos municípios que menos desmata, seja para a produção de carvão vegetal, lenha ou madeira[11] .

O município também já foi palco de explorações minerais. Até o fim da década de 90 houve a extração de talco em pedra, atividade que foi extinta devido a sua desvalorização econômica e falta de pesquisas. Entretanto, ultimamente a região vem sendo alvo de estudos que indicam à possibilidade de exploração do minério de ferro, bastante concentrado na região.

Na agricultura, têm-se o cultivo sazonal de culturas de milho, feijão, mandioca, sorgo e mamona. Culturas como a mandioca e a mamona possuem maior destaque na região, gerando tapioca/farinha e biodiesel, respectivamente. Na pecuária há a exploração de atividades relacionadas à criação de bovinos, ovinos, caprinos, suínos e galináceos, além da apicultura.

Com base em dados levantados pelo IBGE, até 2012 a renda per capta bruta anual em Dirceu Arcoverde era de R$ 3.670,57, que equivale a uma renda per capita mensal média de R$ 305,88, a terceira maior da Microrregião de São Raimundo Nonato. O município possui um Produto Interno Bruto a preço corrente em torno de R$ 24.839,00, desse total, 4,3% era proveniente de atividades agropecuárias, 11,4% do setor de indústria, 80% do setor de serviços e 4,3% de impostos sobre produtos líquidos[7] .

Educação[editar | editar código-fonte]

Evolução Demográfica
do município
Ano População
1991 5 523
2000 6 066
2007 6 721
2010 6 677

Até o ano de 2010, a proporção de crianças de 5 a 6 anos na escola era de 91,87%. No mesmo ano, a proporção de crianças de 11 a 13 anos frequentando os anos finais do ensino fundamental era de 68,39%; a proporção de jovens de 15 a 17 anos com ensino fundamental completo era de 37,83%; e a proporção de jovens de 18 a 20 anos com ensino médio completo era de 19,74%.

Entre 2000 e 2010 o indicador de Expectativa de Anos de Estudo avançou de 5,90 anos para 8,45 anos, o que ainda deixa o município abaixo da média estadual, que é de 9,23 anos. Cerca de 36,06% dos adultos com 25 anos ou mais ainda são analfabetos, um agravante para o contexto educacional do município[14] .

Escolas públicas[editar | editar código-fonte]

  • Unidade Escolar Dr.Barroso
  • Unidade Escolar Alegria Do Saber
  • Unidade Escolar Luiza Lima De Aguiar
  • Unidade Escolar Pequeno Mickael

Escolas privadas[editar | editar código-fonte]

  • Fundação Educacional Rei Davi

Urbanização[editar | editar código-fonte]

Pôr do Sol ao lado da torre da Igreja de Nossa Senhora de Fátima, Centro.

De modo geral, a cidade de Dirceu Arcoverde possui mais de 50% de seus bairros com pavimentação em paralelepípedo e iluminação pública, contudo, em quase toda a cidade não há plano de saneamento básico[15] . A estrutura de concreto mais alta da cidade é a torre da Igreja Matriz de Nossa Senhora de Fátima, no centro.

A cidade não possui um plano de planejamento urbano, contudo, a irregularidade das ruas e avenidas ainda não compromete o fluxo de transito, porém não favorece a circulação de pedestres ou ciclistas.

O perímetro urbano da cidade de Dirceu Arcoverde é formado pelos seguintes bairros:

  • Boa Vista
  • Bom Jardim
  • Centro
  • Creches
  • Dona Cotinha
  • Lagoa da Onça
  • Loteamento Almir Paes Ribeiro
  • Loteamento Altiplano Norte

Vias e Praças Urbanas[editar | editar código-fonte]

A cidade é cortada pela PI-140, rodovia de jurisdição estadual que liga Dirceu Arcoverde às cidades de São Lourenço do Piauí e Remanso. A rodovia estende-se desde a fronteira com o Estado da Bahia até a cidade de Floriano, às margens do Rio Parnaíba. Destaca-se também a estrada vicinal de sentido oeste, que dá acesso ao município de Fartura do Piauí e a alguns dos principais distritos do município.

Considerando seu espaço geral, a cidade é disposta em dois planos urbanos nitidamente separados pela represa da Barragem de Bom Jardim, um situado ao norte e outro ao sul da represa. Considerando essa subdivisão as principais vias e praças da cidade são:

No Plano Norte

  • Avenida José Ribeiro Galvão

Integra os bairros Bom Jardim-Altiplano Norte e dá acesso à saída para Fartura do Piauí.

  • Avenida São Raimundo

Integra os bairros Bom Jardim-Boa Vista e dá acesso à saída para São Lourenço do Piauí.

  • Praça Bom Jardim

No Plano Sul

  • Avenida Joaquim Amâncio Ribeiro

Avenida expressa que integra todo o plano sul da cidade e dá acesso à saída para Remanso.

  • Rua Tancredo Neves

Rua onde estão localizadas as Escolas Dr. Barroso, Luiza Lima de Aguiar e Rei Davi, além da Prefeitura Municipal.

  • Rua João De Deus

Rua expressa do plano sul que liga o centro da cidade ao bairro Dona Cotinha.

  • Praça Antonio Amâncio Ribeiro
  • Praça Olímpio Dias Dos Passos
  • Praça do Abrigo
  • Praça Tia Gina
Vista Panorâmica de parte da cidade de Dirceu Arcoverde.

Regiões Municipais[editar | editar código-fonte]

Em toda a sua extensão o município comporta uma grande quantidade de comunidades e vilas, mas pela concentração populacional destacam-se as localidades de[16] :

  • Lagoa do Buraco – Região Oeste
  • Capim do Zé Macário – Região Noroeste
  • Teodoro – Extremo Oeste
  • Lagoa do Leandro – Região Sul
  • Queimadas do Senhor do Bonfim – Região Sudeste
  • Carretão – Centro Norte

Serviços e Comunicações[editar | editar código-fonte]

Telefonia e Internet[editar | editar código-fonte]

Companhia Hídrica[editar | editar código-fonte]

Companhia Elétrica[editar | editar código-fonte]

Relevo[editar | editar código-fonte]

Câmara Municipal de Vereadores de Dirceu Arcoverde.

Tendo sua sede caracterizada como a cidade mais elevada de todo o território piauiense, o município de Dirceu Arcoverde apresenta um relevo de leves ondulações, que são extensões das Serras Cristalinas, situadas ao sul da cidade. Estando a uma altitude média de 740 metros acima do nível do mar, a cidade de Dirceu Arcoverde se localiza sobre as médias elevações de terra pertencentes a Serra Dois Irmãos, que se constitui como conjunto geológico que separa e define as bacias dos rios Parnaíba e São Francisco.

A região central da cidade ocupa uma das áreas mais baixas do relevo urbano, tendo a norte e sul bairros de maior elevação como Alto da Boa Vista e Dona Cotinha, respectivamente.

Compreendendo um relevo de traços irregulares, o município proporciona contínuas paisagem de declives inconstantes que são acentuadas pelos inúmeros montes e colinas existentes.

Basicamente o relevo do município compreende chapadas baixas, relevo plano, suaves ondulações com altitudes variando entre 150 a 300 metros; além de chapadas altas com altitudes entre 400 e 500 metros, encostas, serras, morros e colinas[17] .

Clima[editar | editar código-fonte]

Gráfico climático para Dirceu Arcoverde
J F M A M J J A S O N D
 
 
150
 
31
21
 
 
150
 
29
21
 
 
125
 
31
19
 
 
100
 
31
17
 
 
0
 
31
15
 
 
0
 
31
17
 
 
0
 
31
17
 
 
0
 
31
17
 
 
0
 
33
19
 
 
0
 
35
21
 
 
75
 
33
21
 
 
150
 
31
21
Temperaturas em °CPrecipitações em mm

No município de Dirceu Arcoverde distinguem-se dois tipos climáticos, que na classificação de Thornthwaite variam entre as condições semiáridas e subúmidas, fator que caracteriza a região como zona de transição entre o sertão semiárido e o cerrado sazonal. No que se refere à classificação didática do clima, convêm-se utilizar a classificação de Köppen, que define a região como típica de clima semiárido de tipo BSh com variações de altitude e características tropicais[11] .

Como é típico das regiões semiáridas, a região costuma apresentar condições extremas de temperatura, chegando a registrar amplitudes térmicas de até 16°C. Esse fenômeno está relacionado aos baixos índices de umidade do ar, que geralmente ficam entre 40 e 50% no inverno arcoverdino.

Apresentando um clima relativamente instável, o município proporciona temperaturas médias anuais que variam em torno dos 26°C. A precipitação média varia entre 600 a 800mm anuais. Sua precipitação anual é definida pelo Regime Equatorial Continental. A média máxima de temperatura fica em torno dos 31°C, enquanto que a mínima varia por volta dos 19°C[18] .

De acordo com o Atlas Climatológico do Estado do Piauí, as temperaturas mais elevadas no município de Dirceu Arcoverde ficam em torno dos 35°C, enquanto que a mínima pode atingir os 15°C. No município, a ocorrência de ilhas de calor é bastante caracterizada, fator que pode estar ligado a pouca utilização de áreas verdes e que provoca um acréscimo na temperatura de até 3°C na zona urbana.

Em termos regionais, o município pertence à Mesorregião Climática dos Semiáridos Piauienses, localizado sobre as cadeias montanhosas do alto vale da grande bacia do Rio Parnaíba. Apesar da altitude, o município não apresenta variações climáticas típicas de regiões serranas, isso acontece devido a sua localização geográfica em relação à Linha do Equador e ao Meridiano de Greenwich.

A região apresenta favoráveis condições à ocorrência de ventanias, que durante o inverno podem alcançar até 8 metros por segundo, favorecendo a formação de redemoinhos de grande intensidade. Nesse período os ventos costumam seguir com mais frequência à direção sudeste, sendo ventos alísios do hemisfério sul[11] .

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Serra Dois Irmãos ao sul do município de Dirceu Arcoverde.

O município pertence à Macrorregião Hidrográfica do Rio Parnaíba, rio que constitui a mais extensa entre as 25 bacias da Região Nordeste. Integra ainda a Sub-bacia Hidrográfica do Rio Piauí, que nasce no Planalto do Meio-Norte e deságua na altura do médio Parnaíba[19] .

Caracteriza-se como uma região de deficiência hídrica. Em toda a sua extensão, o município não é cortado por nenhum curso permanente de água, os principais recursos disponíveis provém dos riachos: Seco, Pedregulho e Cavalheiro. Por não são perenes, tais fontes apresentam vazão apenas na alta temporada da estação cheia, no verão.

Dos reservatórios superficiais existentes no município, destacam-se as represas de Bom Jardim, Malhadinha e Pedregulho. Dessas reservas disponíveis, chama a atenção a Represa de Bom Jardim, construída no encontro dos Riachos Lotéro e Nova Olinda, no perímetro urbano da sede do município.

No contexto hidrogeológico distinguem-se dois domínios mais aflorados: as rochas cristalinas e os depósitos detrítico-lateríticos.

As rochas cristalinas representam o que é denominado comumente de “aqüífero fissural” e representam cerca de 95% da área total do município. Compreendem rochas pré-cambrianas representadas litologicamente por gnaisses. Nessas rochas a ocorrência de água subterrânea é condicionada por uma porosidade secundária representada por fraturas e fendas, o que se traduz por reservatórios aleatórios, descontínuos e de pequena extensão.

A unidade Depósitos Detrítico-Lateríticos correspondem a sedimentos não consolidados que afloram em manchas isoladas. Sua constituição litológica é desfavorável ao armazenamento de água subterrânea, e tem pouca expressão de área no município[17] .

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Floração do Pau D’Arco em zona urbana

O bioma predominante é o da caatinga, bioma exclusivamente brasileiro com características particulares que não são encontradas em nenhum outro lugar do planeta. Coberto em sua grande parte por densas chapadas, a região apresenta árvores próprias desse bioma. Na região há ocorrência de duas Unidades Geoambientais, os Pediplanos do Sertão da Divisa Piauí/Bahia e os Pediplanos do Extremo Sul do Sertão do Piauí[15] .

Na região predomina o subtipo de caatinga arbustivo-arbórea. As caatingas arbóreas, presentes em grandes proporções na região, são mais frequentes em locais mais úmidos como serras ou chapadas o que permite o desenvolvimento de árvores de maior porte, como angico e aroeira. Contudo, há também locais onde se encontra o subtipo arbustivo, que é mais frequente em ambientes mais secos onde comumente encontram-se favelas e marleleiros[11] .

Assim como em outras regiões das Sub-bacias dos Rios Piauí e Canindé, no município há ocorrência de vegetação de clima tropical, como por exemplo os campos cerrados e cerradões. Nesses locais a precipitação anual é ligeiramente maior do que na maior parte do município, possibilitando o desenvolvimento de vegetações esparsas de baixa estatura, no caso de campo cerrado, ou vegetações arbóreas densas e contínuas, quando a ocorrência é de cerradões[19] .

A região abriga uma grande variedade de espécies nativas da caatinga, porém o potencial vegetal desse bioma ainda não é devidamente explorado na arborização urbana. Atualmente, a pouca arborização na sede municipal é defina quase que maciçamente pelo uso de espécies exóticas. Dentre as espécies nativas da caatinga mais aptas a arborização destacam-se[20] :

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 de dezembro de 2010.
  3. a b Centro de Pesquisas Sociais e Econômicas do Piauí. [www.cepro.pi.gov.br/download/201102/CEPRO25_e268c294b2.pdf Dirceu Arcoverde] Site CEPRO. Visitado em fevereiro de 2015.
  4. Aderson Soares de Andrade Júnior; Edson Alves Bastos; Alexandre Hugo Cezar Barros; Clescy Oliveira da Silva; Adriano Alex Nascimento Gomes. Classificação climática do Estado do Piauí. Embrapa Meio-Norte, , 2004.
  5. Centro de Estudos Econômicos e Sociais do Piauí. Diagnóstico Socioeconômico CEPRO. Visitado em fevereiro de 2015.
  6. PNUD. Consulta de Perfil Municipal Atlas de Desenvolvimento Humano - Brasil. Visitado em fevereiro de 2015.
  7. a b c d Instituto Brasileiro de Geografia e Estátistica. [www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=220335 IBGE Cidades] Site IBGE. Visitado em fevereiro de 2015.
  8. Centro de Pesquisas Sociais e Econômicas do Piauí. [www.cepro.pi.gov.br/download/200801/CEPRO22_04cea7f8c7.pdf Anuário CEPRO] Site CEPRO. Visitado em fevereiro de 2015.
  9. Governo do Estado do Piauí. Lei complementar no 87, de 22 de agosto de 2007 Seplan Piauí. Visitado em 20 de maio de 2014.
  10. Histórico (IBGE) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em Março de 2014.
  11. a b c d e ARAÚJO, José Luis Lopes (org). Atlas Escolar do Piauí: Geo-histórico e cultural. João Pessoa: Editora Grafset, 2011. Atlas Escolar do Piauí
  12. Polo das Origens Governo do Estado do Piauí. Visitado em 24 de abril de 2014.
  13. Reeleito em 2004, iniciou um novo mandato nos termos da Emenda Constitucional nº 16 de 4 de junho de 1997.
  14. Contexto Educacional do Município Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas. Visitado em Março de 2015.
  15. a b Plano de Desenvolvimento da Bacia do Parnaíba Codevasf. Visitado em Março de 2015.
  16. [www.cprm.gov.br/rehi/atlas/piaui/mapas/072.pdf CPRM Mapa Municipal] Brasil – Ministério de Minas e Energia. Visitado em Abril de 2014.
  17. a b [www.cprm.gov.br/rehi/atlas/piaui/relatorios/072.pdf CPRM Diagnóstico Municipal] Brasil – Ministério de Minas e Energia. Visitado em Abril de 2014.
  18. Atlas Climatológico do Piauí Embrapa Meio Norte. Visitado em Abril de 2014.
  19. a b Análise da Bacia do Rio Canindé/Piauí Agência Nacional de Águas. Visitado em Março de 2015.
  20. Semiárido, EMBRAPA. . "Arborização Urbana no Semiárido". EMBRAPA Documentos. Visitado em 22 de novembro.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Piauí é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.