Discussão:Beynac-et-Cazenac

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Castelo de Beynac Origem: Wikipedia, a enciclopédia livre


 Castelo de Beynac.

O Castelo de Beynac está localizado na comuna francesa de Beynac-et-Cazenac, no departamento da Dordonha, e mais especificamente no Périgord Negro, França. O castelo é um edifício medieval, austero, empoleirado no topo de um penhasco calcário que domina a vila, na margem direita do rio Dordonha. História Seu nome é atestado pela primeira vez no ano de 1115, quando vários senhores do Périgord, entre os quais se encontrava Mainard de Beynac (pertencente a um dos quatro baronatos), ofereceram suas terras a Roberto de Arbrissel, fundador da Abadia de Fontevrault. Nestas terras cobertas por florestas é fundada também, no mesmo ano, a Abadia de Cadouin. Numerosas doações mencionadas durante o século XII pelo registro desta abadia, indicam que as propriedades da família de Beynac se estendiam sobre um território considerável. O filho de Mainard de Beynac, Adémar, que participava entre 1146 e 1148 da Segunda Cruzada, morre em 1194, sem ter herdeiro direto; no mesmo ano, Ricardo Coração de Leão volta do cativeiro. Naquela época, a fortificação de Beynac, dominada por uma torre de menagem, cercada por uma muralha com ameias e defendida por um fosso, constituía um importante enclave de vigilância do vale do rio Dordonha. Foi uma das fortalezas francesas. Esta zona da Dordonha era a fronteira entre França e Inglaterra; não muito longe dali, do outro lado do rio Dordonha, o Castelo de Castelnaud estava em mãos dos ingleses.

 Porta de entrada.

A região foi cenário de numerosas lutas de influência, rivalidades e, às vezes, combates entre partidários dos ingleses e dos franceses, tanto que a nível local, os conflitos franco-ingleses materializavamm-se em confrontos quase permanentes entre Castelnaud e Beynac; seus respectivos senhores pretendiam afirmar seu poder sobre o Périgord. Ricardo Coração de Leão toma o castelo e o oferece a Mercadier, um de seus mais fiéis companheiros, a quem ele havia confiado a guarda de seus castelos na Aquitânia durante sua ausência. Em 1200, Mercadier é morto em Bordeaux e o castelo passa a pertencer novamente à família dos Beynac. A grande fronteira Em setembro de 1214, menos de dois meses após a vitória de Filipe Augusto em Bouvines, Simon de Montfort, o chefe militar da cruzada albigense, dirige-se para o sul de Périgord. A região encontrava-se situada nos limites entre o condado de Toulouse e o Ducado da Aquitânia, propriedade dos Plantagenet. Simon de Montfort apodera-se sucessivamente dos castelos de Montfort, Domme e Castelnaud e, finalmente, chega ao de Beynac, governado, segundo Pierre dels Valls de Cernay, cronista dos Cruzados, por um senhor "muito ruim, muito cruel, e muito violento, opressor da igreja". Sobre esta grande fronteira que representa a Dordonha, acusar os senhores locais de heresia era uma desculpa fácil para subjugar a região. Embora o senhor de Beynac não tenha resistido e tenha-se proclamado "o único sobre esta terra a servir ao rei de França e não ao rei de Inglaterra", Montfort atacou o castelo e o destruiu. Provavelmente devido à intervenção do rei de França, a mansão feudal permaneceu em mãos dos Beynac que reconstruíram o castelo. Longe de serem aniquilados pela cruzada, experimentaram um período de grande prosperidade, testemunhado pelas numerosas ampliações da casa senhorial.

 Torre de menagem, do século XII.

A Guerra dos Cem Anos Vassalos do bispo de Sarlat, os senhores Beynac continuavam sendo, durante o conflito, leais ao rei de França. Seus principais inimigos eram os senhores do demasiado próximo castelo de Castelnaud, passado por casamento à família de Caumont, defendendo assim, de fato, a posição do rei da Inglaterra. Ambos os castelos agrupavam em torno deles os nobres de Périgord, em uma luta onde era difícil distinguir entre os ódios locais e o conflito entre os reis de França e Inglaterra. O Castelo de Beynac nunca foi atacado, enquanto que o de Castelnaud mudou muitas vezes de mãos, de franceses e de ingleses, até o ano de 1442, data em que Pons de Beynac e cinco outros barões, sob o comando de Carlos VII, expulsam definitivamente aos ingleses do castelo.

A família dos Condes de Périgord foi exterminada durante a guerra; os quatro barões mais importantes da região, Biron, Bourdeille, Mareuil e Beynac, mergulharam em lutas contínuas pelo título de primeiro barão do Périgord durante os finais do século XV e a primeira metade do século XVI. Das Guerras de Religião à época contemporânea Convertidos ao protestantismo, os senhores do castelo de Beynac participaram dos numerosos conflitos do reino em finais do século XVI. Em 1585, sob as ordens do rei de Navarra, defenderam o castelo, que serviu muitas vezes de refúgio ou de prisão, e experimentou grandes transformações. O papel da família Beynac, no entanto, é pouco importante, na sombra das proezas e ações de capitães como Blaise de Monluc para os católicos ou de Geoffroy Vivans para os huguenotes.

Depois da morte, em 1753, do último herdeiro varão, as propriedades passam por casamento de sua filha, à família dos Beaumont, que deixam abandonada a fortaleza até finais do século XIX quando o Marquês de Beaumont estabelece sua residência de novo no castelo de Beynac e começa uma importante campanha de restauração que o leva à falência. Seus descendentes não podem manter o castelo que, classificado monumento histórico em 1944, é comprado por um particular em 1961. Cultura popular O castelo tem servido como cenário de gravação de filmes como Jeanne d'Arc de Luc Besson em 1999, Les Visiteurs de Jean-Marie Poiré em 1993, La Fille de d'Artagnan de Bertrand Tavernier em 1994, Les couloirs du temps de Jean-Marie Poiré em 1997 ou Le Chocolat de Lasse Hallström em 2000. Barões de Beynac • Maynard (1115-1124) • Adhémar (1147-1189) • Ricardo Corazón de León, rey de Inglaterra (1189-1199) • Pons (1200-1209) • Gaillard (1238-1272) • Pons (1251-1300) • Adhémar (1269-1348) • Pons (-1346) • Boson, llamado Pons (1341-1348) • Pons (1362-1366) • Philippe (-1403) • Pons (1461-1463) • Jean-Bertrand (-1485) • Geoffroy (-1530) • François (-1537) • Geoffroy (-1546) • Geoffroy • Guy (1643-) • Isaac • Guy • Pierre • Marie-Claude (1732-18??) • Christophe-Marie (1764-18??) • Louis, dit Ludovic (1784-18??) • Christophe-Amable-Victoire (1831-18??) • Soffrey-Paul-Louis-Armand (1857-19??) • Amable-Avit-Christophe (1895-) • Pierre-Aimé-Soffrey-Armand (1929-)

                                        Muralhas.
                                                            
 Vista noturna.
                                                                                    Uma das salas.

• Maynard (1115-1124) • Adhémar (1147-1189) • Ricardo Corazón de León, rey de Inglaterra (1189-1199) • Pons (1200-1209) • Gaillard (1238-1272) • Pons (1251-1300) • Adhémar (1269-1348) • Pons (-1346) • Boson, llamado Pons (1341-1348) • Pons (1362-1366) • Philippe (-1403) • Pons (1461-1463) • Jean-Bertrand (-1485) • Geoffroy (-1530) • François (-1537) • Geoffroy (-1546) • Geoffroy • Guy (1643-) • Isaac • Guy • Pierre • Marie-Claude (1732-18??) • Christophe-Marie (1764-18??) • Louis, dit Ludovic (1784-18??) • Christophe-Amable-Victoire (1831-18??) • Soffrey-Paul-Louis-Armand (1857-19??) • Amable-Avit-Christophe (1895-) • Pierre-Aimé-Soffrey-Armand (1929-)