Disenteria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Disenteria é uma doença inflamatória do intestino, especialmente do cólon, que resulta fortes dores abdominais, ulceração das mucosas, tenesmo e diarréia, sempre acompanhada de muco e sangue, após estágio inicial de diarréia aquosa. Se não for tratada, a disenteria pode ser fatal.

Sintomas[editar | editar código-fonte]

Em países desenvolvidos, a disenteria é geralmente uma doença moderada, causando sintomas pouco graves como dores de estômago e passagem frequente de fezes. Os sintomas aparecem após um a três dias e geralmente desaparecem após uma semana. A frequência da defecação, o volume das fezes, e a presença de muco, pus ou sangue dependem do agente patogénico. Intolerância à lactose pode ocorrer, e em casos mais graves pode durar anos. Em raras situações, os sintomas podem também apresentar-se sob a forma de vómito com sangue, dores abdominais intensas, febre, choque circulatório, e delírio. [1] [2] [3] [4]

Mecanismo[editar | editar código-fonte]

A disenteria resulta de infecções virais, bacterianas, protozoárias ou parasíticas. Estes agentes patogénicos chegam ao intestino grosso após ingestão de comida ou água contaminada, ou contacto oral com objectos contaminados.

Cada agente patogénico tem o seu próprio mecanismo de patogenicidade, mas em geral a infecção provoca danos no revestimento intestinal, resultando em inflamação. Isto pode causar aumento da temperatura, espasmos dos músculos intestinais, inchaço ou edema, e danos no tecido devido à resposta imunológica (por células do sistema imunitário e respectivas citocinas). O resultado pode levar a uma absorção de nutrientes defeituosa, perda excessiva de água e minerais pelas fezes, e, em casos graves, entrada dos organismos patogénicos na corrente sanguínea.

Alguns microorganismos – por exemplo a bactéria do género Shigella – segregam substâncias conhecidas como citocinas que danificam o tecido intestinal. Os vírus atacam directamente as células intestinais e usam o metabolismo destas células para se replicarem, levando à morte celular.

Forma de contágio[editar | editar código-fonte]

Os micro-organismos que causam disenteria são disseminados por mãos, alimentos e águas contaminados com fezes ou resíduos fecais. O curioso é que a contaminação através das mãos contaminadas é muito eficiente e apenas um pequeno número de bactérias (por exemplo 10 a 100) já podem causar a disenteria.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Os quatro principais componentes do tratamento da disenteria são:

antibióticos;

hidratação;

alimentação;

• acompanhamento medicinal.

Sintomas[editar | editar código-fonte]

Pessoas com disenteria em geral apresentam febre, tosse, cólicas intestinais e diminuição do apetite, podendo levar rapidamente à perda de peso e até à desnutrição.

Referências

  1. DuPont HL. (1978). "Interventions in diarrheas of infants and young children". J. Am. Vet. Med. Assoc. 173 (5 Pt 2): 649–53. PMID 359524.
  2. DeWitt TG. (1989). "Acute diarrhoea in children". Pediatr Rev 11 (1): 6–13. DOI:10.1542/pir.11-1-6. PMID 2664748.
  3. Dysentery symptoms. National Health Service. Página visitada em 2010-01-22.
  4. Bacillary dysentery. Dorlands Medical Dictionary. Página visitada em 2010-01-22.
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.