Disgenia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Setembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

Disgenia é o estudo dos fatores que produzem a acumulação e perpetuação de genes defeituosos e desvantajosos em proles de uma população ou espécie específica[1] [2] . É uma oposição à eugenia.

Efeito disgênico da medicina[editar | editar código-fonte]

O homem primitivo vivia em um ambiente hostil e desconfortável, à beira da extinção. Isso condicionava o homem em uma seleção natural extremamente rigorosa, que mantinha uma baixa freqüência de genes nocivos, e promovia uma adaptação cada vez mais precisa ao ambiente. Com o desenvolvimento da tecnologia moderna, o homem passou a adaptar o ambiente a suas preferências, em lugar de adaptar-se biologicamente a ele.

O resultado foi o afrouxamento da seleção natural e o aumento da variabilidade genética, pois muitos genótipos, inviáveis nos tempos primitivos, passaram a ter possibilidades de sobrevivência e reprodução.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. dysgenics [ligação inativa] (em Inglês) The American Heritage Dictionary of the English Language. Visitado em 18 de setembro de 2011. Cópia arquivada em 18 de março de 2009.
  2. Merriam Webster. dysgenics (em Inglês). Visitado em 18 de setembro de 2011.