Disputa (escolástica)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Maio de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2014).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Uma disputa entre escolásticos judeus e cristãos, (1483).

No sistema escolástico de educação da Idade Média, disputas (em Latim: disputationes, singular: disputatio) ofereciam um método formal de debate designado para descobrir verdades na teologia e nas ciências. Regras fixas governavam o processo: elas demandavam dependência na tradição escrita de autoridade e o completo entendimento de cada argumento por ambas as partes.

Disputas medievais[editar | editar código-fonte]

Disputas inter-religiosas[editar | editar código-fonte]

Uma categoria significativa de disputas ocorreu entre teólogos cristãos e judeus como forma de debate tanto teológico quanto filosófico, e também de proselitismo. Frequentemente, o lado cristão era representado por um convertido judeu. Cristãos acreditavam que apenas a recusa dos judeus a aceitarem Cristo estava no caminho para a Segunda vinda de Cristo.[carece de fontes?]

A única maneira do lado judeu 'vencer' o debate era forçar um empate levando o lado cristão a uma posição em que era necessário negar o Velho Testamento para vencer, cometendo heresia.[carece de fontes?] De acordo com Michael J. Cook, "Como 'vencer' o debate poderia prejudicar a segurança da comunidade judaica como um todo, considerações políticas certamente entravam no que os disputantes judeus diziam ou recusavam-se a dizer publicamente ... Escritos oficiais destes procedimentos, então, podem não reproduzir o que realmente transpirou; em alguns lugares o que foi registrado não foi o que aconteceu, de fato, mas sim polêmica revisão cristã após o fato.".[1]

c. 1208. Esta pintura do séc. XV por Pedro Berruguete mostra a lenda de São Domingos de Gusmão e seu opositor albigense disputante jogando seus livro no fogo. O de são Domingos teria, miraculosamente pulado do fogo.

Surgimento do Protestantismo (1518-1550)[editar | editar código-fonte]

Martinho Lutero iniciou a Reforma Protestante demandando uma disputa sobre suas 95 teses, em 31 de Outubro de 1517. Apesar de apresentada como um chamado para uma disputa escolástica comum, o debate oral nunca ocorreu.[carece de fontes?]

Disputa de Heidelberg (1518)[editar | editar código-fonte]

Durante a convenção realizada em Heidelberg em Abril de 1518, Lutero dirigiu uma disputa em 28 teses teológicas e 12 filosóficas. Ele foi bem sucedido em vencer contra Johannes Brenz e o dominicano Martin Bucer.

Disputa de Leipzig (1519)[editar | editar código-fonte]

João Maier envolveu-se em uma disputa literária com Andreas Karlstadt e desafiou seu adversário a um debate público em Leipzig, apesar da faculdade da universidade abrir um protesto, e dos bispos de Merseburgo e Brandemburgo despacharem proibições e uma excomunhão, a disputa tomou lugar sob a proteção do Duque Jorge da Saxônia. Maier foi a Leipzig com um acompanhante; Lutero e Karlstadt entraram na cidade com um exército de acólitos, a maioria estudantes. De 27 de junho a 4 de Julho de 1519, Maier e Karlstadt debateram a questão do livre-arbítrio e nossa habilidade de cooperar com a graça divina. Maier forçou seu antagonista a fazer admissões que atordoaram a nova doutrina luterana, e o próprio Lutero veio à frente para atacar o dogma da supremacia romana por direito divino. Ao debate sobre a primazia papal, sucederam-se discussões sobre Purgatório, indulgências, penitência, etc.. Em 14 e 15 de Julho, Karlstadt continuou o debate sobre o livre-arbítrio e boas obras. Finalmente, o Duque Jorge declarou a disputa encerrada, e cada disputante partiu, como era costume, clamando a vitória.

Das duas universidades às quais a decisão final foi reservada, a Universidade de Erfurt recusou-se a intervir e retornou os documentos; a Universidade de Paris julgou sobre os escritos de Lutero, anexando a cada uma de suas opiniões uma censura teológica. Lutero ganhou o apoio de Filipe Melâncton.

A Disputa de Leipzig foi a última ocasião onde o costume ancestral de jurar antecipadamente não avançar nenhum princípio contrário à doutrina católica foi observado. Em todos os debates subsequentes entre católicos e protestantes, o texto puro da Bíblia foi tomado como autoridade. Isto colocou os católicos em uma posição desvantajosa. Este foi particularmente o caso na Suíça, onde Ulrico Zuínglio e seus seguidores organizaram vários debates unilaterais sob a áugide das câmaras das cidades já convertidas ao protestantismo. Assim foram as disputas de Zurique (1523), Baden (1526) e Berna (1528). Em todas elas o resultado foi a abolição do culto católico e na sua opinião a profanação de igrejas e instituições religiosas.

Dieta de Ratisbona (1541)[editar | editar código-fonte]

O Imperador Carlos V tentou trazer os problemas religiosos da Alemanha a um "término rápido e pacífico" através de conferências entre católicos e protestantes. Os protestantes proclamaram sua determinação a aderir à Confissão de Augsburgo e, além disso, formalmente repudiaram a autoridade do pontífice romano e "não admitiriam nenhum outro juiz da controvérsia senão Jesus Cristo"; tanto o Papa Paulo III quanto Martinho Lutero previram fracasso. Entretanto, como o imperador e seu irmão, o Rei Fernando, persistiam no propósito de um julgamento, o papa autorizou seu núncio Giovanni Girolamo Morone a dirigir-se a Speyer onde o encontro fora convocado para Junho de 1540. Como a praga assolava aquela cidade a conferência aconteceu em Haguenau. Nem o Eleitorado da Saxônia nem o Condado de Hesse puderam ser convencidos a comparecer. Filipe Melâncton estava ausente por doença. Os líderes dos teólogos protestantes foram Martin Bucer, Johannes Brenz, Oswald Myconius, Ambrosius Blarer e Urbanus Rhegius. Os líderes católicos foram Johann Faber, Bispo de Viena, e João Maier. João Calvino estava presente, então exilado de Genebra; ele apareceu como um agente confidencial do Rei da França. Após um mês, o Rei Fernando prorrogou a conferência para reunir-se novamente em Worms em 28 de Outubro.

Sem se abalar pelo fracasso da conferência Haguenau, o imperador fez esforços mais vigorosos para o sucesso do colóquio seguinte em Worms. Ele despachou seu ministro Antônio Perrenot de Granvela e Ortiz, seu enviado, para a corte papal. Este último trouxe com ele o jesuíta Pedro Fabro. O papa enviou o bispo de Feltre, Tommaso Campeggio, irmão do cardeal, e ordenou Morone a participar. Eles não deveriam tomar parte nos debates, mas foram para assistir a eventos de perto e relatar a Roma. Granvela abriu o evento em Worms em 25 de Novembro, com um discurso eloquente e conciliador. Ele descreveu os males acontecendo na Alemanha, "uma vez a primeira de todas as nações em fidelidade, religião, piedade e adoração divina", e advertiu seus ouvintes que "todos os males que virão sobre ti e ao teu povo se, pelo apego teimoso a noções preconcebidas, vocês impedirem a renovação da concórdia, serão atribuídos a vocês como os seus autores." Em nome dos protestantes, Filipe Melâncton retornou "uma resposta intrépida"; ele jogou toda a culpa em cima dos católicos, que se recusariam a aceitar o novo Evangelho.

Uma grande quantidade de tempo foi gasta em dissenções sobre questões de ordem; finalmente foi decidido que Maier deveria ser o porta-voz dos católicos e Melâncton dos protestantes. A disputa começou em 14 janeiro de 1541. A Confissão de Augsburgo foi a base da conferência; a Confissão de Augsburgo de 1540 era um documento diferente da Confissão de 1530, tendo sido alterada por Melâncton para adequar-se à sua visão sacramentarista da Eucaristia. Maier e Melâncton batalharam quatro dias sobre o tema do pecado original e suas consequências, e uma fórmula foi elaborada a que ambas as partes concordaram, os protestantes com uma reserva.

Neste ponto Granvela suspendeu a conferência, a ser retomada em Ratisbona, onde o imperador havia convocado uma dieta ao qual prometeu comparecer em pessoa. Esta dieta, onde o imperador antecipou resultados brilhantes, foi iniciada 5 de Abril de 1541. Como legado do papa compareceu o Cardeal Contarini, assistido pelo núncio Morone. Calvino estava presente, ostensivamente para representar Luneburgo, mas na realidade para fomentar a discórdia pelo interesse da França. Como coparticipantes na conferência religiosa que se reuniu simultaneamente, Carlos nomeou João Maier, Julius von Pflugk, e Johann Gropper para o lado católico, e Felipe Melâncton, Martin Bucer, e Johann Pistorius para os protestantes. Um documento de origem misteriosa, o "Livro de Ratisbona", foi apresentado por Joaquim, Eleitor de Brandemburgo como base do acordo. Esta compilação, descobriu-se mais tarde, foi resultado de conferências secretas realizadas durante a reunião em Worms, entre os protestantes Bucer e Wolfgang Capito de um lado, Gropper e um secretário do imperador chamado Veltwick do outro. Ele consistia de vinte e três capítulos, nos quais foi feita uma tentativa de formular as doutrinas controversas em que cada parte podia encontrar os seus próprios pontos de vista neles expressos. O quanto Carlos e Granvela tiveram participação na sua elaboração é desconhecido; eles certamente sabiam e aprovaram. O "Livro" foi apresentado pelo eleitor de Brandemburgo ao julgamento de Lutero e Melâncton; seu tratamento desdenhoso foi um mau augúrio para o seu sucesso.

Quando foi mostrado para o legado e Morone, o último era por rejeitá-lo sumariamente; Contarini, depois de fazer uma série de emendas, notavelmente no artigo 14 enfatizando o dogma da Transubstanciação, declarou então que "como uma pessoa privada", ele poderia aceitá-lo; mas como legado, ele deveria consultar os teólogos católicos. Maier garantiu a substituição de uma exposição mais concisa da doutrina da Justificação. Assim emendado, o "Livro" foi apresentado aos coparticipantes por Granvela para consideração. Os quatro primeiros artigos, tratando do homem antes da queda, o livre arbítrio, a origem do pecado e o pecado original, foram aceitos. A batalha começou de fato quando o quinto artigo, sobre justificação, foi atingido. Após longos e veementes debates, uma fórmula foi apresentado por Bucer e aceita pela maioria, redigida de forma a ser capaz de suportar uma interpretação católica e uma luterana. Naturalmente, não foi satisfatória para ambas as partes. A Santa Sé condenou e administrou uma repreensão severa a Contarini para não protestar contra ela. Não alcançaram-se maiores sucessos quanto aos outros artigos de importância.

No dia 22 de Maio a conferência terminou, e o imperador foi informado quanto aos artigos acordados e aqueles em que acordo era impossível. Carlos ficou muito desapontado, mas ele estava impotente para efetuar mais nada. O decreto conhecido como Ínterim de Ratisbona, publicado em 28 de julho de 1541, ordenando a ambas as partes a observância dos artigos acordadas pelos teólogos, foi desconsiderada por ambos os lados.

Igualmente sem resultado foi a última das conferências convocadas por Carlos em Ratisbona, em 1546, pouco antes da eclosão da Guerra de Esmalcalda.[5]

Disputas de Akbar, o Grande[editar | editar código-fonte]

Akbar, o Grande, o terceiro dos imperadores mogóis da Índia (1542-1605), mostrou uma atitude intolerante com os hindus e de outras religiões durante os primeiros anos de seu reinado, entretanto mais tarde exerceu tolerância para com as religiões não-islâmicas revertendo algumas das estritas leis da charia.[6] [7] [8] Ele então iniciou uma série de debates religiosos onde estudiosos muçulmanos debateriam assuntos religiosos com os hindus, jainistas, zoroastristas e jesuítas católicos romanos portugueses. Ele tratou estes líderes religiosos com grande consideração, independentemente de sua fé, e reverenciava-os.

Disputas na Bíblia[editar | editar código-fonte]

A palavra "disputa" ocorre duas vezes na Bíblia do Rei Jaime.

  • "Tendo tido Paulo e Barnabé não pequena disputa e contenda contra eles, resolveu-se que Paulo e Barnabé, e alguns dentre eles, subissem a Jerusalém, aos apóstolos e aos anciãos, sobre aquela questão. (Atos, 15:2)
  • "Ora, quanto ao que está enfermo na fé, recebei-o, não em contendas sobre disputas." (Romanos, 14:1)

Na ficção[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • David Berger, The Jewish-Christian Debate in the High Middle Ages (Philadelphia: Jewish Publication Society, 1979)
  • Jeremy Cohen, The Friars and the Jews (Ithaca, N.Y.: Cornell University Press, 1982).
  • Robert Chazan, Daggers of Faith: Thirteenth Century Christian Missionizing and the Jewish Response (Berkeley: University of California Press, 1989).
  • Martin A. Cohen, "Reflections on the Text and Context of the Disputation of Barcelona," Hebrew Union College Annual 35 (1964): pp. 157–92.
  • Georgiana Donavin, Carol Poster, and Richard Utz, eds. Medieval Forms of Argument: Disputation and Debate (Evanston, IL: Northwestern University Press, 2002.)
  • Daniel J. Lasker, Jewish Philosophical Polemic against Christianity in the Middle Ages (New York: Ktav, 1977).
  • Hyam Maccoby, ed. and trans., Judaism on Trial: Jewish-Christian Disputations in the Middle Ages (East Brunswick, N.J.: Associated University Presses, 1982)
  • Oliver S. Rankin, ed., Jewish Religious Polemic (Edinburgh: University Press, 1956)
  • Frank E. Talmage, ed., Disputation and Dialogue: Readings in the Jewish-Christian Encounter (New York: Ktav, 1975)

Referências

  1. Cook, Michael J.. Jesus Through Jewish Eyes: Rabbis and Scholars Engage an Ancient Brother in a New Conversation: Evolving Jewish Views of Jesus. Beatrice Bruteau ed. Nova Iorque: Orbis Books, 2001. p. 15n-16.
  2. Slater, Elinor & Robert (1999): Great Moments in Jewish History. Jonathan David Company, Inc. ISBN 0-8246-0408-3. p.168
  3. Grätz, l.c. vii. 121-124 (from the Jewish Encyclopedia)
  4. Disputations (Jewish Encyclopedia, 1906 ed.)
  5. Seção principal da wikisource:Catholic Encyclopedia (1913)/Religious Discussions.
  6. Subrahmanyam, Sanjay. Mughals and Franks. [S.l.]: Oxford University Press, 2005. p. 55. ISBN 978-0-19-566866-7
  7. Habib 1997, p. 85
  8. Habib 1997, p. 84

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Este artigo incorpora texto da Catholic Encyclopedia, publicação de 1913 em domínio público.