Distúrbios no Barein entre 1994 e 1999

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Distúrbios no Barein entre 1994 e 1999
Map of Bahrain.svg
Mapa da localização do Barein
Data 19941999
Local  Bahrein
Desfecho Reformas democráticas no Barein
Combatentes
Esquerdistas, liberais e muçulmanos Bahrein Governo do Barein
Principais líderes
 ? Isa bin Salman al-Khalifa
Ian Henderson

Os distúrbios no Barein entre 1994 e 1999 referem-se a união de forças contrárias ao governo do Barein durante parte da década de 1990, a fim de tornar o país mais democrático.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Em 1975 o Parlamento do país foi dissolvido pelo governo dos Al-Khalifa, que comandavam a nação desde 1961. Com isso, em 1994, cresciam as manifestações pela reabertura da câmara. O governo, em 1995, tenta fazer negociações com a oposição, os quais fracassam, causando a retomada dos protestos.

Em 1996, o ativista Isa Ahmed Hassan é submetido à primeira execução realizada no país desde 1977. E o governo barenita acusa o Irã de apoiar grupos terroristas xiitas para desestabilizar o país.

Em 1999 morre o emir, xeque Isa bin Sulman al-Khalifa, assumindo o cargo seu filho mais velho, o xeque Hamad bin Isa al-Khalifa. Ele mantém o xeque Khalifa bin Salman al-Khalifa como primeiro-ministro, dando continuidade à política pró-Ocidente e, priorizando uma abertura política, o que desta vez surtiu efeitos imediatos. Em 2000, pela primeira vez mulheres e não muçulmanos são incluídos na renovação da Shura (o conselho consultivo indicado pelo emir). E em 2001 um referendo constitucional dá início à reformas democratizantes, a aprovação de uma monarquia constitucional e a restauração do Legislativo, além de anistia a presos políticos.

Fonte[editar | editar código-fonte]