Divina Misericórdia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A primeira imagem/quadro de Jesus Misericordioso mandada pintar por Santa Faustina Kowalska (1934).

Divina Misericórdia é uma devoção religiosa católica de origem polonesa, e cuja divulgação se deve a Santa Faustina Kowalska, que é considerada uma das grandes místicas da Igreja Católica. Em seu Diário, a religiosa relatou ter recebido instruções de Jesus, através de aparições, para que desse a conhecer ao Mundo a Sua Misericórdia. O processo de beatificação desta religiosa se iniciou por iniciativa do, então, Cardeal Arcebispo de Cracóvia, Karol Wojtila, e, posteriormente, foi canonizada pelo mesmo bispo, já enquanto Papa João Paulo II.

Mais tarde, a devoção à Divina Misericórdia foi reforçada pelos apelos feitos por Jesus à famosa mística italiana Mamma Carmela Carabelli.

Elementos da devoção[editar | editar código-fonte]

Segundo os católicos, Jesus Cristo não apenas ensinou a Irmã Faustina Kowalska os pontos fundamentais da confiança e da misericórdia para com os outros, mas também revelou maneiras especiais para vivenciar a resposta à Sua Misericórdia. A isso chamam de devoção à Divina Misericórdia. A palavra "devoção" significa o cumprimento das nossas promessas. É uma entrega da vida ao Senhor, que é a própria Misericórdia. Entregando a vida à Divina Misericórdia - ao próprio Jesus Cristo - a pessoa se torna instrumento da Sua Misericórdia para com os outros, assim podendo vivenciar o mandamento Bíblico:

Sede misericordiosos como também vosso Pai é misericordioso.(Lc 6,36)

Acreditam ainda, que, através da Irmã Faustina Kowalska, Jesus Cristo deu aos fiéis meios especiais de fazer uso da Sua Misericórdia:

  • a Imagem da Misericórdia Divina,
  • o Terço da Misericórdia,
  • a Festa da Divina Misericórdia,
  • a Novena da Divina Misericórdia
  • a Oração das 3 horas da tarde (em memória da hora da Sua morte).

Esses meios especiais são, segundo os devotos, um acréscimo ao Sacramento da Eucaristia e da Reconciliação que foram dados à Igreja.

Festa da Divina Misericórdia[editar | editar código-fonte]

O Papa João Paulo II, em Maio de 2000, instituiu a Festa da Divina Misericórdia para toda a Igreja, decretando que a partir de então o segundo Domingo da Páscoa se passasse a chamar Domigo da Divina Misericórdia. Segundo os católicos, por meio desta apóstola da Misericórdia, a Irmã Faustina Kowalska, Jesus prometeu: "Neste dia, estão abertas as entranhas da minha Misericórdia. Derramo todo um mar de graças sobre as almas que se aproximam da fonte da Minha Misericórdia. A alma que se confessar e comungar alcançará o perdão das penas e culpas. Neste dia, estão abertas todas as comportas divinas pelas quais fluem as graças. Que nenhuma alma tenha medo de se aproximar de mim".

Terço da Misericórdia[editar | editar código-fonte]

  • Início

Pai Nosso... Ave Maria... Creio em Deus Pai...

  • Nas contas grandes

Eterno Pai, eu Vos ofereço o Corpo e Sangue, Alma e Divindade de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo,
em expiação dos nossos pecados e dos do mundo inteiro.

  • Nas contas pequenas

Pela Sua dolorosa paixão, tende Misericórdia de nós e do mundo inteiro.

  • No fim do terço (rezar três vezes)

Deus Santo, Deus Forte, Deus imortal, tende piedade de nós e do mundo inteiro.

Leituras recomendadas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

As Apóstolas da Divina Misericórdia:

Outros Rosários/Terços:

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Páginas oficiais dos Santuários da Divina Misericórdia:

Páginas de informação (e divulgação) sobre a devoção: