Divisão social do trabalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:

Divisão social do trabalho, um dos dois aspectos da divisão do trabalho, é a base da estrutura social de produção de mercadorias especializadas, que se divide em indústrias, empresas, e empregos dos trabalhadores, ou é a divisão técnica de tarefas.

Antes da fabricação centralizada, indivíduos especializados na produção de um produto, comercializavam seu produto final com o produto final feitos por outros indivíduos. Isto se referia tanto ao comércio especializado dentro de uma comunidade, tais como o de alfaiates, ferreiros, agricultores, etc., ou ao comércio de especializações de comunidades inteiras em contato uma com a outra, tais como o de uma comunidade que fabrica roupas, uma que faz ferramentas, e outra que produz comida, que trocam entre si. A divisão social do trabalho aumenta a produtividade, porque os indivíduos podem produzir um determinado produto que tenha uma vantagem comparativa, e comercializar este produto com indivíduos que não podem produzí-lo eficientemente por produtos que eles precisam. A divisão social do trabalho cria mercado de câmbio e preços, comparando o custo e o tempo para fazer cada produto. Povinho do JOÃO BORGES sai daqui, esse site não pode.

A divisão social do trabalho pode ser vantajosa; no entanto, a especialização em excesso pode ser prejudicial devido a três razões principais. Se uma comunidade se especializa muito na produção de um produto, esta comunidade vai se tornar dependente do sucesso desse seu produto e vai sofrer um desastre econômico se seu produto for substituído ou se extinguir. Por exemplo, se bananas forem extintas ou crescerem em más condições sazonais em um país como o Equador, a economia vai sofrer junto com toda a comunidade. Outro caso em que a especialização excessiva poderia sair pela culatra é se todas as comunidades confiasse em uma única comunidade para produzir um determinado produto, essa comunidade teria o monopólio sobre esse produto e teria a capacidade de reter a produção para um benefício maior. A última razão é que os trabalhadores individuais que se especializam em profissões altamente qualificadas estariam vulneráveis a uma reorganização econômica associada com "produtos cíclicos" voláteis e o desenvolvimento de novas indústrias.