Divisão territorial e administrativa da cidade de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A divisão territorial e administrativa da cidade de São Paulo é feita oficialmente de duas formas: uma administrativa e outra geográfica. Outras subdivisões não oficiais são ainda adotadas por empresas privadas, ONGs e órgãos variados.[1]

Administrações Regionais[editar | editar código-fonte]

Até 2002, a cidade estava dividida em administrações regionais que tinham como função representar o poder municipal na área geográfica sob sua jurisdição. Entre suas atribuições se encontrava a fiscalização, notadamente em relação ao uso e à ocupação do solo (obras e edificações residenciais, instalações de comércio e de serviços de pequeno porte), bem como, em relação à limpeza pública, a varrição de ruas, a conservação de jardins e de áreas verdes, pequenas obras de manutenção, logradouros, a administração das usinas de asfalto e o gerenciamento dos veículos e máquinas da prefeitura.[2] A partir da gestão Marta Suplicy, foram implantadas as subprefeituras, que propõem maior autonomia financeira à gestão local. As antigas administrações regionais coincidiam em grande parte com o território das atuais subprefeituras, embora tenha havido algumas alterações de distritos e de limites físicos.

Subdivisões geográficas[editar | editar código-fonte]

A prefeitura de São Paulo reconhece dez zonas geográficas,[3] utilizadas para referência de localização na cidade. Essas zonas foram estabelecidas dividindo a cidade radialmente a partir do centro e cada uma delas é representada por uma cor diferente, nos ônibus urbanos e na cor das placas de rua, que começaram a adotar essas cores a partir de 2007. Deve-se notar, contudo, que o único critério usado para essa divisão são os limites geográficos (avenidas, rios, etc.) , não tendo relação alguma com as divisões administrativas. Pode acontecer, inclusive, de um mesmo distrito estar parte em uma zona, parte em outra. Essas zonas são as seguintes:

Subdivisões da cidade de São Paulo
Localização População Área
Zona est. de 2008 em km²
Central' 328.597 31
Noroeste' 1.007.691 144
Norte ou Nordeste 1.181.582 152
Leste 1 1.212.099 140
Leste 2 1.342.924 68,8
Sudeste 1.494.770 128
Sul 2.346.913 607
Centro-Sul 715.910 74
Oeste 872.817 128
10.940.311 1509
Fonte:[4]

Divisão administrativa[editar | editar código-fonte]

Administrativamente, o município está dividido em 32 subprefeituras, cada uma delas, por sua vez, divididas em distritos. As subprefeituras estão oficialmente agrupadas em nove regiões (ou "zonas"), levando em conta a posição geográfica e história da ocupação. Essas regiões são apenas utilizadas em órgãos técnicos e do governo, não sendo identificadas por qualquer comunicação visual na cidade.

Subprefeituras do município de São Paulo[5]
  Subprefeitura Área População     Subprefeitura Área População
1 Aricanduva 21,5 km² 266 838 Mapa sp.svg 17 Mooca 35,2 km² 305 436
2 Butantã 56,1 km² 345 943 18 Parelheiros 353,5 km² 110 909
3 Campo Limpo 36,7 km² 508 607 19 Penha 42,8 km² 472 247
4 Capela do Socorro 134,2 km² 561 071 20 Perus 57,2 km² 109 218
5 Casa Verde 26,7 km² 313 176 21 Pinheiros 31,7 km² 270 798
6 Cidade Ademar 30,7 km² 370 759 22 Pirituba 54,7 km² 390 083
7 Cidade Tiradentes 15 km² 248 762 23 26,2 km² 373 160
8 Ermelino Matarazzo 15,1 km² 204 315 24 Santana 34,7 km² 327 279
9 Freguesia do Ó 31,5 km² 391 403 25 Tremembé 64,1 km² 255 435
10 Guaianases 17,8 km² 283 162 26 Santo Amaro 37,5 km² 217 280
11 Ipiranga 37,5 km² 427 585 27 São Mateus 45,8 km² 422 199
12 Itaim Paulista/Vila Curuçá 21,7 km² 358 888 28 São Miguel Paulista 24,3 km² 377 540
13 Itaquera 54,3 km² 488 327 29 Vila Maria 26,4 km² 302 899
14 Jabaquara 14,1 km² 214 200 30 Vila Mariana 26,5 km² 311 019
15 Lapa 40,1 km² 270 102 31 Vila Prudente 33,3 km² 523 138
16 M'Boi Mirim 62,1 km² 480 823

Outras subdivisões[editar | editar código-fonte]

Zoneamento administrativo oficial de São Paulo.

Até 1986, São Paulo era dividida em distritos e subdistritos, conforme legislação estadual. Os primeiros, àquela época, eram em número de dez: São Miguel Paulista, ex-Baquirivu (criado em 1891), Santana (1898, transformado em subdistrito), Itaquera (1920), Guaianases, ex-Lajeado (1929), Perus (1934), Parelheiros (1944), Jaraguá (1948), Ermelino Matarazzo (1958), Itaim Paulista (1980), Sapopemba (1985) e São Mateus (1985). Depois surgiram Capão Redondo (1998) e Jardim São Luís (2002).

Os subdistritos originários dos séculos XVIII e de 1900 a 1950 foram acrescentados os subdistritos de Butantã, Osasco (emancipado como município em 1962), Lapa, Liberdade, Consolação, Bom Retiro, Mooca, Bela Vista, Ipiranga, Perdizes, Jardim América, Saúde, Tucuruvi (ex-Tremembé), Indianópolis, , Santa Cecília, Belém, Pari, Brás, Cambuci, Vila Prudente, Tatuapé, Jardim Paulista, Santo Amaro (município de 1832 a 1935), Ibirapuera (antigo distrito policial do Brooklin, no extinto município de Santo Amaro), Pirituba, Capela do Socorro, Alto da Mooca, Cerqueira César, Barra Funda, Vila Maria, Aclimação, Vila Matilde e Vila Madalena.

Finalmente, em 1964, haviam sido criados os subdistritos de Brasilândia, Cangaíba, Jabaquara, Jaguara, Limão, Pinheiros, Vila Formosa, Vila Guilherme e Vila Nova Cachoeirinha.

Essa subdivisão, baseada na lei estadual n° 8.092, de 28/02/1964, dividia o município no distrito de São Paulo, composto por 48 subdistritos, e mais 8 distritos, sem subdistritos. Em 1991 a divisão municipal foi redefinida ( Lei nº 10.932 de 15/01/1991 e Lei nº 11.220, de 25/05/1992), estabelecendo a à atual divisão municipal em 96 distritos e extinguindo os subdistritos. A divisão distrital ainda é seguida no critério das delimitações dos cartórios de registro civil, divisão das zonas eleitorais e na organização dos Censos Demográficos.

Muitas repartições e órgãos públicos (delegacias de polícia, zonas eleitorais, fóruns distritais, por exemplo), além das empresas prestadoras ou concessionárias de serviços, como os correios, as centrais telefônicas na cidade de São Paulo e a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), têm, contudo, subdivisões próprias que se sobrepõem às divisões oficiais existentes no município.

Os limites usados na referência cotidiana, no entanto, nem sempre coincidem com os limites territoriais oficiais, uma vez que os limites entre os distritos nem sempre respeitam a contigüidade física - delimitada por rios e grandes avenidas. Há casos como os bairros Alto da Mooca e Jardim Anália Franco, ambos na zona sudeste, geograficamente contíguos respectivamente à Mooca e ao Tatuapé, mas oficialmente parte dos distritos de Água Rasa e Vila Formosa. E há também casos de bairros que estão divididos entre dois distritos, como o Brooklin, dividido entre Campo Belo e Itaim Bibi, e o Sumaré, dividido entre Pinheiros e Perdizes.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]