Divulgação científica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde novembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Carl Sagan foi um dos principais nomes da divulgação científica durante a segunda metade do século XX, especialmente após a série televisiva Cosmos, de sua autoria, exibida pela primeira vez em 1980.

Divulgação científica é o mesmo que "popularização da ciência" sendo este termo mais utilizado dentro da tradição de países anglo-saxônicos a partir da década de 1950 para caracterizar atividades que buscam fazer uma difusão do conhecimento científico para públicos não especializados.A divulagação cientifica é fundamental para o desenvolvimento da ciência, uma vez que ela é responsavel pela circulação de ideias e divulgando resultados de pesquisas para a população em geral. Desta forma potencializando o debate cientifico e instigando novos talentos para atividades de ciências.[1]

Outras expressões com sentidos mais restritivos são também usadas, tais como: comunicação pública da ciência, vulgarização científica e jornalismo científico.

A divulgação científica iniciou-se há mais de cinco mil anos. Mais recentemente, a popularização da ciência tem sido interpretada também como um instrumento para tornar disponíveis conhecimentos e tecnologias que ajudem a melhorar a vida das pessoas e que deem suporte a desenvolvimentos econômicos e sociais sustentáveis. Tais ações podem ter ainda um importante papel de apoio às atividades escolares. Mas não devem ser vistas apenas pelo seu caráter complementar ao ensino formal. Tem seu significado próprio, ao se dirigirem a um público mais amplo, que já passou (ou não) pelas escolas.

Atualmente, a divulgação científica ocorre em praticamente todos os formatos e meios de comunicação: documentários de televisão, revistas de divulgação científica, atigos em periódicos, websites e blogs.[2] Existem, inclusive, canais de televisão dedicados exclusivamente a divulgação científica, tais como Dicovery Channel e National Geographic Channel, evidenciando o grande interesse dos meios de comunicação por fazer da ciência um de seus temas centrais.

No Brasil, alguns proeminentes divulgadores de ciência são Drauzio Varella (medicina), Ana Beatriz Barbosa Silva (psiquiatria), Marcelo Gleiser (astrofísica) e Raquel Rolnik (urbanismo).

Referências

  1. Massarani, Luiza et al. Ciência e Público: caminhos da divulgação científica no Brasil. Rio de Janeiro: Casa da Ciência – Centro Cultural de Ciência e Tecnologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2002. 232 pp. ISBN 85-89229-01-7 Página visitada em 22 de novembro de 2013.
  2. Porto, Cristiane de Magalhães (org.). Difusão e cultura científica: alguns recortes. Salvador: UFBA, 2009. Capítulo: Divulgação científica independente na internet como fomentadora de uma cultura científica no Brasil. , p. 93-112. ISBN 978-85-232-0619-2 Página visitada em 29 de novembro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Ciência (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.