Doença de Raynaud

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Mãos de uma pessoa com a doença de Raynaud

Doença de Raynaud (Reinô) é uma condição que afeta o fluxo sanguíneo nas extremidades do corpo humano — mãos e pés, assim como os dedos, nariz, lóbulos das orelhas — quando submetidos a uma mudança de temperatura inferior ou estresse. Foi nomeada por Maurice Raynaud (1843-1881), médico francês que descreveu tal enfermidade pela primeira vez em 1862.

Sintomas[editar | editar código-fonte]

Quando paciente da doença de Raynaud expõe as extremidades do corpo a baixas temperaturas, o suprimento de oxigênio se reduz, e torna a coloração da pele branca, empalidecida, além de fria e às vezes dormente. Quando o oxigênio é totalmente consumido pelas células esgota-se, então a pele adquire coloração azulada ou roxa (chamada cianose). Esses eventos são episódicos — cuja duração varia de pessoa a pessoa, de acordo com a gravidade da doença. Findo o episódio, a área é aquecida, o fluxo de sangue retorna por vasodilatação e a cor rubor da pele normaliza, o que, às vezes, provoca formigamento e inchaço.

Na variação mais comum da doença de Raynaud são três as alterações de cor presentes (branco ou empalidecido; azul, roxo ou cianose; e avermelhado ou rubor), apesar de alguns pacientes não apresentarem todas as fases dessas mudanças.

Doença versus Fenômeno[editar | editar código-fonte]

É importante distinguir a doença de Raynaud do fenômeno de Raynaud.

A doença de Raynaud (ou Raynaud primário) é diagnosticada quando os sintomas ocorrem isolados, não associados a outras doenças. Frequente em garotas de 13 a 19 anos de idade e mulheres jovens adultas, essa forma de Raynaud é hereditária.

O fenômeno de Raynaud (ou Raynaud secundário) ocorre subsequentemente a um grande grupo de doenças, principalmente aquelas ligadas a desordens do tecido humano, como artrite, esclerodermia dentre outras. No entanto, tal forma de Raynaud pode progredir para necrose e gangrena dos dedos.

A diferenciação das duas formas de Raynaud é feita pela observação de alguns sinais, como artrites ou vasculites e exige testes de laboratório.

Segundo o cirurgião vascular do Hospital das Clínicas de São Paulo, Celso Ricardo Bregalda Neves, a síndrome de Raynaud atinge até 3% da população mundial. Deste total, 80% são mulheres. Relata que a maioria dos casos ocorre na faixa etária entre 15 e 25 anos, para a doença, e acima dos 35 anos para o fenômeno.[1]

Prevenção[editar | editar código-fonte]

Os conselhos aos pacientes com a doença de Raynaud são: manter a área afetada aquecida (com luvas e meias); evitar tocar objetos frios e estar em ambientes com baixa temperatura; se possível, não vivenciar situações estressantes; não ingerir substâncias que causem a vasoconstrição, como a nicotina (do cigarro) ou a cafeína (do café, chá etc.); e também fármacos que provoquem a vasoconstrição, como descongestionantes nasais .

Tratamento[editar | editar código-fonte]

A gravidade da doença varia de média a séria. Em pessoas com casos intermediários, pode ser simplesmente um episódio momentâneo em virtude de alguma situação inusitada, estressante. Casos mais graves podem requerer intervenção médica a fim de evitar risco de gangrena e possível amputação.

O tratamento da doença de Raynaud pode incluir receita médica para drogas de efeito vasodilatador, como bloqueadores do canal de cálcio (nifedipina). Casos medianos podem ser ministrados por técnicas de biofeedback ou para controlar funções involuntárias do corpo, tal como a temperatura da pele; outro método alternativo consiste em ministrar niacina pois causa a dilatação dos vasos sanguíneos, aumentando o fluxo de sangue na pele. Em casos graves, o procedimento de simpatectomia pode ser realizado: tal método consiste em cortar cirurgicamente os nervos que levam o sinal para os vasos sanguíneos dos dedos.

Referências[editar | editar código-fonte]

Raynaud AGM. De l'asphyxie locale et de la gangrène symétrique des extrémités. Paris, Rignoux, 1862. (Academic thesis).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Artigos:

Outros idiomas

ótimo site conciso e completo sobre o assunto.