Doidivanas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Doidivanas
Doidivanas decima quadrado.jpg
Doidivanas - Viagem ao Sul da Terra, 2002
Informação geral
Origem Pelotas, Rio Grande do Sul
País Brasil Flag of Brazil.svg
Gênero(s) rock
Período em atividade 1995 — atualmente
Página oficial www.doidivanas.com.br
Integrantes
Felipe Mello
Rodrigo Osório
Con6
dMart

Doidivanas é uma banda de rock brasileira, criada em 1995, na cidade de Pelotas.

A Doidivanas faz uma fusão entre o rock, elementos da cultura regional gaúcha e estilos contemporâneos. O estilo de som que a banda desenvolve já foi chamado de rock bagual, funk gaudério, pop nativista e world music, entre outros.

Doidivanas [de doido + vão]. Indivíduo leviano, imprudente, estouvado, excêntrico. Folgazão, estrambótico, doidelo.

Integrantes[editar | editar código-fonte]

  • Felipe Mello (vocal e violão)
  • Rodrigo Osório (baixo)
  • Con6 (guitarra)
  • dMart (bateria)

Histórico da banda[editar | editar código-fonte]

Era uma vez...[editar | editar código-fonte]

A banda surge em março de 1995, em Pelotas, no Rio Grande do Sul, cidade que fica no sul do sul do Brasil. É formada por um grupo de amigos que curte a fusão do rock com outras tendências musicais.

A Doidivanas começa a tocar e compor influenciados por bandas e artistas como Red Hot Chili Peppers, Living Colour, Pearl Jam e Faith No More, além, é claro, de Chico Science e Nação Zumbi, Almôndegas, Vítor Ramil, Mano Lima, Engenheiros do Hawaii, Nei Lisboa, Tangos & Tragédias, Cenair Maicá, Kleiton & Kledir, dentre outros artistas da cena musical sulista.

A banda se apresenta em bares, festas, boates e espaços alternativos. Em 95, a Doidivanas é finalista do Circuito de Rock, promovido pela RBS TV, em Capão da Canoa (RS), e participa da coletânea do Musivale, festival da cidade de Lajeado (RS).

A balada bovina[editar | editar código-fonte]

Ainda em 1996, participa do festival Moenda da Canção, na cidade de Santo Antônio da Patrulha (RS), com Balada Bovina, uma mistura de rock, funk e vanerão. A ótima receptividade da mídia, artistas e público impulsiona o trabalho de composição.

A partir daí, a banda intensifica a pesquisa e a mescla do rock com elementos da musicalidade regional gaúcha e brasileira. Lançam, em 1998, o CD de estréia, Liber Pampa, semeando ideias sonoras que extrapolem as fronteiras geográficas e culturais do Rio Grande do Sul.

Da boate até o galpão[editar | editar código-fonte]

Com o álbum Liber Pampa, a banda realiza cerca de quarenta espetáculos em todo o Rio Grande e no Uruguai. Toca em festivais, feiras, mostras coletivas e outros eventos, tais como a Festa da Uva, em Caxias do Sul, Payada - Festival de Arte Crioula do Cone Sul, em Arroio Grande, RS Música, em Porto Alegre, Ato-Show Lagoa Limpa, Acorde! - Festival de Cultura e Arte, Fenadoce, Cabobu, em Pelotas, Verão com Vida, no litoral norte, Musicanto, em Santa Rosa, Moenda, em Santo Antônio da Patrulha, Circuito Estadual de Música, na serra gaúcha, Festival de Folclore de Minas y Abril, no Uruguai, entre outros.

A banda é indicada na categoria revelação no Prêmio Açorianos de Música 99, evento promovido pela prefeitura de Porto Alegre (RS) que destaca o melhor da produção musical do estado.

Música e HQ[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 1999, lançam o projeto Sou de Pelotas, Por Quê?!, uma parceria da banda com o cartunista André "Alma" Macedo. O projeto é um kit com CD e uma revista em quadrinhos, na qual viram personagens de HQ. Alma é o criador do universo dos personagens Libório e Betinho, muito populares em Pelotas e na região sul do RS.

De 1999 a 2001, a Doidivanas produz diversas demos e traça novos rumos para a sonoridade da banda. A principal mudança é o uso de samplers e programações rítmicas, utilizando o computador como parceiro de arranjos. No período, a banda compõe mais de 40 músicas.

Outra viagem[editar | editar código-fonte]

Em 2000, monta seu próprio estúdio de gravação, o Doctor Audio, onde grava e produz seu novo trabalho. Em janeiro de 2002, a banda lança seu segundo álbum, o Viagem ao Sul da Terra, através do seu selo, Bugioganga Records.

No mesmo ano, a banda toca na etapa final do festival Rock’n’Halls, em São Paulo. O trabalho foi um dos quatro selecionados, dentre mais de 2400 inscritos no país. A Doidivanas participa do Novo Som do Brasil, quadro do Jornal Hoje, veiculado na rede Globo para todo o Brasil. O álbum Viagem ao Sul da Terra rende o primeiro videoclipe à banda: Bah!.

Em 2003, a canção Balada Bovina integra a coletânea Conexão RS, lançada pela rádio Pop Rock FM, na região metropolitana de Porto Alegre. Participam da coletânea também as bandas Vera Loca, Gallaxy Trio e outras.

Uns rock[editar | editar código-fonte]

Organiza e participa do festival Uns Rock, uma mostra de música independente gerada a partir da lista de discussão oficial da banda na internet. A lista foi criada em maio de 2002 pelo publicitário Daniel “Cuca” Moreira. O evento recebe oito bandas que representam diversos estilos e tendências da atual cena do rock gaúcho: Tom Bloch, Irmãos Rocha!, Freak Brotherz, Auto Retrato, entre outras. O Uns Rock também abriu espaço para banca de camisetas, CDs independentes e fanzines. O festival foi transmitido ao vivo pela internet.

Nosotros[editar | editar código-fonte]

Em 2003, a banda entra novamente em estúdio para gravar e produzir seu novo projeto, o Nosotros, um trabalho de releituras de artistas gaúchos e latino-americanos, idealizado a partir das versões doidivaneadas que a banda apresentava em seus shows. Figuram no álbum artistas e bandas que são influências e referências da Doidivanas, tais como Almôndegas, Mano Lima, Sui Generis (banda seminal do argentino Charly Garcia), Nelson Coelho de Castro, Cenair Maicá, TNT e outros artistas. Todas as canções são revisitadas por uma pegada rock’n roll e uma linguagem que flerta com a música do mundo e valoriza as culturas regionais.

Boa parte do repertório do álbum foi pesquisado juntamente com o compositor Edu daMatta. Participam das gravações o DJ Anderson (banda Ultramen), o violoncelista Leonardo Oxley Rodrigues (arranjo de cordas), o gaiteiro-mirim Mano Jr, Bira do Cavaco (grupo Para Todas As Raças), além dos colaboradores usuais: Negrinho Martins, Éber Barbosa, Jucá de Leon e o próprio daMatta. O álbum Nosotros foi lançado em março de 2008.

No final de 2004, a banda faz parte da coletânea Arte Daqui, produzida pela RádioCom FM, a principal rádio comunitária de Pelotas (RS). O projeto apresenta vinte artistas e traça um panorama da produção roqueira da região. Participam Psyco Say Caniggia, Freak Brotherz, Nação Suburbana, Edu daMatta, Auto Retrato, entre outros.

Em outubro de 2005, a banda participa da campanha da TIM para todo o RS. Ao lado de Tambo do Bando (Santa Maria), Pirisca Grecco (Uruguaiana) e Kriz (Caxias do Sul), a Doidivanas interpreta "Conto de Fraldas", do genial Tom Zé. O filme de 30 segundos mescla cenas dos artistas cantando a música-tema com imagens das cidades e outros municípios gaúchos onde a operadora está presente. Além da televisão, a campanha é veiculada massivamente em rádios, jornais, cinema, outdoors, internet e pontos de venda da TIM.

Uma década de rock e gauderiadas[editar | editar código-fonte]

Em 2005, a banda completou dez anos de carreira. E para comemorar, a Doidivanas se reinventou: disponibilizou gratuitamente todos os álbuns na internet (para download em MP3), remixou o primeiro CD e prepara material inédito.

Sete anos depois, o CD Liber Pampa é "remexido", ou seja, remixado e remasterizado a partir da redigitalização das fitas originais (ADAT). É um verdadeiro trabalho de reengenharia musical realizado pelo baixista Rodrigo Osório. O novo site é produzido pelo publicitário Daniel Cuca Moreira e pelo webdesigner Diego Mello.

A banda já trabalha em cerca de quarenta novas canções, material a ser lançado em 2009.

Influências[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Liber Pampa (1998), álbum de estréia.
  • Sou de Pelotas, Por Quê?! (1999), projeto CD/Gibi. Lançamento do selo Bugioganga Records em parceria com a Editora Fanzona (do cartunista André Macedo, criador do personagem Libório
  • Viagem ao Sul da Terra (2002)
  • Nosotros (2008)

Coletâneas e festivais[editar | editar código-fonte]

  • Festival Musivale (1995), em Lajeado (RS), com Páginas Não Lidas
  • Festival 10ª Moenda da Canção (1996), em Santo Antônio da Patrulha (RS), com Balada Bovina
  • Festival 12ª Moenda da Canção (1998), em Santo Antônio da Patrulha (RS), com Passagens & Portagens
  • Festival 16º Musicanto Sul-Americano (2000), em Santa Rosa (RS), com Manuscrito (2º lugar na linha livre)
  • Festival 15ª Moenda da Canção (2001), em Santo Antônio da Patrulha (RS), com A Roda Inventou o Homem e Flor da Encarnação
  • Conexão RS (2003), lançado pela rádio Pop Rock, de Canoas (RS), com Balada Bovina
  • Coletânea Arte Daqui (2005), lançado pela RádioCom, de Pelotas (RS), com Chove na Capital

Ligações externas[editar | editar código-fonte]