Dona Beija

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Dona Beija
Dona Beija (BR)
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 45 minutos
(Reprise do SBT)
Criador(es) Wilson Aguiar Filho
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Herval Rossano
Elenco Maitê Proença
Gracindo Júnior
Bia Seidl
Marcelo Picchi
Maria Fernanda
Sérgio Britto
Mayara Magri
Arlete Salles
Marilu Bueno
Mário Cardoso
Sérgio Mamberti
ver mais
Tema de abertura "Tema de Dona Beija", Wagner Tiso, Fernando Brandt e Conjunto Viva Voz
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Manchete
Transmissão original 7 de abril de 1986 - 11 de julho de 1986
Reprise:
6 de abril de 2009 - 4 de julho de 2010
Nº de episódios Rede Manchete: 89 e SBT: 78

Dona Beija foi uma telenovela brasileira baseada em fatos históricos exibida pela extinta Rede Manchete, no ano de 1986. Escrita por Wilson Aguiar Filho e dirigida por Herval Rossano, teve 89 capítulos e trilha sonora de Wagner Tiso.

Foi exibida entre 7 de abril a 11 de julho de 1986, e reprisada em duas oportunidades: a primeira de 9 de maio a 20 de agosto de 1988, em 89 capítulos, e a segunda de 5 de outubro de 1992 a 11 de março de 1993, com 102 capítulos. Também foi reprisada pelo SBT[1] de 6 de abril de 2009 a 4 de julho de 2009.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A trajetória da corajosa Ana Jacinta de São José, a Dona Beja, na cidade mineira de Araxá, no século XVIII. Na telenovela da Rede Manchete foi adotado o nome de Dona Beija.

Amando Antônio Sampaio, homem de família conservadora e tradicional, Beija é vítima do desejo de Mota, o ouvidor do Rei em visita a Araxá. Depois de presenciar a morte do seu avô, Beija é raptada e levada para a vila de Paracatu, onde o ouvidor mora em um belo casarão. Para vingar-se do seu algoz, quando ele está fora de casa, Beija serve aos homens que a desejam em troca de jóias e ouro. Chamado pelo imperador a instalar-se na Corte, Mota deixa Beija, que a essa altura já juntara uma grande fortuna. Ela parte de volta para Araxá para encontrar sua grande paixão, Antônio.

Mas Antônio já não esperava mais por Beija. Desiludido e não compreendendo mais as atitudes da sua amada, ele casa-se com a doce Aninha, moça frágil e delicada que sempre o amou. Com a recusa de Antônio, Beija promete não amar a nenhum outro homem e funda a Chácara do Jatobá, um bordel refinado onde ela se transforma num mito como cortesã, escandalizando todas as famílias conservadoras de Araxá. Seu intuito maior era ferir Antônio.

A chácara prospera, Beija se torna poderosa, envolve-se com João Carneiro de Mendonça, mas não consegue se desligar de Antônio, o homem de sua vida. Até que uma tragédia acontece, Beija manda um escravo chamado Ramos matar Antônio, ela se arrepende de mandar matá-lo, mas o crime acontece. Ela vai a julgamento mas é absolvida devido a mudança no depoimento de Ramos. Desiludida, Beija deixa Araxá e recomeça uma vida honesta.

Produção[editar | editar código-fonte]

Logotipo de Dona Beija em sua reapresentação pelo SBT

A novela foi baseada nas obras de Dona Beija, a feiticeira do Araxá[2] , de Thomas Othon Leonardos e A vida em flor de Dona Bêja, de Agripa Vasconcelos. Bruna Lombardi chegou a ser cogitada para o papel principal, que acabou com Maitê Proença, se transformando num dos maiores sucessos da carreira da atriz.

O presidente da empresa, Adolpho Bloch, resolveu investir pesado no ramo telenovela, investindo US$ 2 milhões na produção. Dona Beija era apenas a segunda novela produzida pela Manchete, sendo que a primeira foi o remake de Antônio Maria, em 1985, mas conseguiu estabelecer o primeiro sucesso da emissora no gênero.

O sucesso de Dona Beija colocou a Rede Manchete, que tinha apenas 3 anos de existência, em 1985, em destaque no cenário televisivo internacional, num período tão curto de vida.

A atriz Maitê Proença, que interpretou a personagem principal, estampou a capa da edição brasileira da revista Playboy, de fevereiro de 1987.

Em 2012, o Portal Terra (edição peruana) a considerou uma das cinquenta melhores novelas de todos os tempos.[3]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Maitê Proença como Dona Beija
Sérgio Mamberti como o coronel Elias Felizardo
em ordem da abertura da novela
Maitê Proença como Dona Beija (Ana Jacinta de São José)

com

ator personagem
Gracindo Júnior Antônio Sampaio
Bia Seidl Ana Felizardo Sampaio (Aninha)
Sérgio Britto Padre Aranha
Maria Fernanda Cecília Sampaio
Abrahão Farc Coronel Paulo Sampaio
Mayara Magri Maria Sampaio
Arlete Salles Genoveva Felizardo
Sérgio Mamberti Coronel Elias Felizardo
Marilu Bueno Augusta
Lafayette Galvão Costa Pinto
Virgínia Campos Carminha
Marcelo Picchi João Carneiro de Mendonça
Maria Isabel de Lizandra Josefa
Jonas Mello José Carneiro de Mendonça
Castro Gonzaga Coronel Francisco Botelho
Monah Delacy Idalina
Breno Bonin Joaquim Botelho
Nina de Pádua Candinha da Serra
Renato Borghi Fortunato
Mário Cardoso Clariovaldo
Fernando Eiras Gaudêncio
Isaac Bardavid Belegard
Jayme Periard Avelino Serra
Julciléa Telles Severina
Léa Garcia Flaviana
João Signorelli Brigada
Antonio Pitanga Moisés
Edson Silva Honorato
Haroldo de Oliveira José da Silva Ramos
Ivan de Almeida Tião
Josias Amon Josué
Claudia Freire Rosely
Sandra Simon Olívia
Shulamith Yaari Dorothéia
Ana Ramalho Lúcia
Angelito Mello Messias
Elisa Fernandes Liliane
Roberto Orosco Afonso
Renato Neves Vespasiano
Sidney Marques Escravo Gibi

participação especial

ator personagem
Edwin Luisi Padre Melo Franco
Ary Coslov Juca
Xuxa Lopes Dona Carlota Joaquina
Aldo César João Alves
Miriam Pires Sinhana
Guilherme Karan Hans Fucker

ator especialmente convidado

Carlos Alberto como Mota (ouvidor-mor Joaquim Inácio Silveira da Mota)
elenco nomeado dentre os créditos finais

participação

ator personagem
Ademilton José Padre José Maurício Nunes
Angela Rebello Maria Bernarda
Bia Sion Emerenciana
Cleonir dos Santos João Isidoro
Dill Costa escrava Dora
Dirceu Rabello  ?
Edson Guimarães Deputado Guimarães
Guilherme Corrêa Governador-geral de Goiás
Jacqueline Laurence Madame Constance
Jorge Cherques Dom João VI
Leonardo José Procurador do governador de Goiás
Mario Gusmão  ?
Odete Barros Dona Michella
Patrícia Bueno Siá Boa
Tarcísio Filho Dom Pedro I
elenco não creditado (em ordem alfabética)
ator personagem
Ângela Leal Madre Superiora
Arnaldo Weiss Coronel Lourenço
Camilo Bevilacqua Clementino Borges
Cláudio D'Oliani cidadão de Paracatu
Cristiane Lavigne Joana de Deus
Cristovan Netto escravo de Idalina
Felipe Wagner Martin Ferreira
Gisele Fróes Dolores
Haroldo Botta Quarentinha
Hélio Ribeiro Heleno da Fonseca
Henrique Nunes porteiro do tribunal
Jofre Soares Profeta
Juliana Prado Luzia (criada de Josefa)
Kadu Karneiro Felício (escravo de Hans)
Mariah da Penha Aparecida
Miguel Rosemberg Inquisidor
Moacir Prinna freqüentador da chácara
Orion Ximenes soldado
Sheila Matos  ?
Sílvia Buarque Tereza Tomásia
Zeni Pereira Maria

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

  1. Tema De Dona Beija - Wagner Tiso e Viva Voz ['Tema de Abertura']
  2. Poente II - João de Aquino e Maurício Carrilho
  3. Luz e Sombra - Ivor Lancellotti
  4. Viola e Mel - 14 Bis
  5. A Promessa - Marisa Gata Mansa
  6. Facho de Luz - João de Aquino e Maurício Carrilho

Referências

  1. Surpresa de Silvio Santos: 'Dona Beija' vai ao ar e dobra ibope - cultura - televisao - Estadão. www.estadao.com.br. Página visitada em 20 de abril de 2012.
  2. Araxá abriga história de Dona Beija - Defender - Defesa Civil do Patrimônio Histórico. www.defender.org.br. Página visitada em 20 de abril de 2012.
  3. Las 50 mejores telenovelas de todos los tiempos (em espanhol). Portal Terra. Página visitada em 13 de março de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]