Dona Francisca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Município de Dona Francisca
"Dona Chica"
Bandeira de Dona Francisca
Brasão de Dona Francisca
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 17 de julho
Fundação 17 de julho de 1965 (48 anos)
Gentílico franciscano
CEP 97280-000
Prefeito(a) Saul Antonio Dal Forno Reck (PP)
(2013–2016)
Localização
Localização de Dona Francisca
Localização de Dona Francisca no Rio Grande do Sul
Dona Francisca está localizado em: Brasil
Dona Francisca
Localização de Dona Francisca no Brasil
29° 37' 19" S 53° 21' 25" O29° 37' 19" S 53° 21' 25" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Centro Ocidental Rio-grandense IBGE/2008 [1]
Microrregião Restinga Seca IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Norte: Nova Palma, Sul: Restinga Seca, Leste: Agudo, Oeste: Faxinal do Soturno
Distância até a capital 253 km
Características geográficas
Área 114,346 km² [2]
População 3 401 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 29,74 hab./km²
Altitude 49 m
Clima subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,765 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 40 159,045 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 11 078,36 IBGE/2008[5]
Página oficial

Dona Francisca é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

História[editar | editar código-fonte]

Dona Francisca esta situada entre a serra de São Martinho e as várzeas do Rio Jacuí, situação privilegiada que lhe confere características ambientais únicas. Admirar a cidade, do outro lado do Rio, principalmente ao entardecer, é fruir de um quadro vivo em que as luzes do acaso vão colorindo sua paisagem recortada pelo verde profundo das matas nas encostas do Morro Santo Antônio.

O imponente Morro Santo Antônio, com 382,5 metros de altura, é beleza natural de destaque do Município de Dona Francisca, onde em seu cume podemos visualizar uma Cruz. Atualmente a Cruz é de metal medindo 12 metros de altura e 6,5 metros de largura na qual pode ser visualizada a distância, principalmente a noite devido a iluminação existente. A primeira cruz colocada no local, data de 22 de novembro de 1959, por pessoas da comunidade lideradas pelo Padre Luizinho Vendrusculo, com o objetivo de proteger o Município. Na oportunidade foi recebido um telegrama do Papa João XXIII, concedendo a Paróquia de Dona Francisca uma Bênção Apostólica. A segunda cruz foi colocada em 1985 por um grupo de jovens franciscanos liderados por Alexandre Cassol Rampelotto, após a primeira ter pegado fogo. Depois dessa, a Prefeitura Municipal, no ano de 1995, colocou a cruz de metal acima descrita.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 29º37'18" sul e a uma longitude 53º21'26" oeste, estando a uma altitude de 49 metros. Sua população estimada segundo IBGE/2008 é de 3.625 habitantes.

Sua população é composta por pessoas de origem italiana, alemã, portuguesa e africana.

Paleontologia[editar | editar código-fonte]

Esta cidade esta situada no geoparque da Paleorrota. Pesquisadores da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) encontraram em abril de 2010 um fóssil quase completo de um tecodonte Prestosuchus chiniquensis, de mais de sete metros de comprimento, 900 quilos e aproximadamente 238 milhões de anos. É o fóssil mais completo e bem conservado encontrado no mundo.[6]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Dona Francisca é a terra do primeiro coroinha beatificado do mundo, Adílio Daronch, que juntamente com o padre Manuel Gómez González foram martirizados porque defendiam a harmonia e concórdia entre maragatos e chimangos e defendiam as causas da fé, denunciando tudo o que instigava a guerra e discórdia entre as pessoas.

O município já recebeu o título de Capital Nacional da Produtividade de Arroz.

Aniversário da cidade[editar | editar código-fonte]

Na segunda quinzena de julho é celebrada a mais tradicional festa de município da região, a Semana de Dona Francisca, a qual acontece durante 10 dias de festividades que são realizadas em todas as comunidades do município. Também nessa semana, ocorre o tradicional baile no qual são escolhidas as soberanas do município. No último fim de semana das festividades ocorre a tradicional "Motocross", quando reúne na cidade milhares de visitantes, bem como a Feira Agro-Industrial.

Economia[editar | editar código-fonte]

A principal atividade econômica é a agricultura, sendo os produtos mais cultivados o arroz e o fumo.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Da panorâmica do Tobogã e Teleférico, o visitante pode deleitar-se num jogo de cores sempre novas e desfrutar de paisagens únicas que se estendem ao infinito. Além de poderem utilizar um escorregador gigante e teleférico.

A praça Padre José Iop é o principal ponto de referência, devido a sua localização estratégica oportuniza um visual amplo: ao Norte, o imponente morro Santo Antônio e ao Sul, o Rio Jacuí com suas produtivas várzeas.

Outros pontos para o desfrute dessa paisagem marcada pela cultura alemã e italiana encontram-se na localidade do Trombudo. O primeiro é a casa da Família Friedrich, construída em 1920; o outro é o sobrado da Família Secretti, construído em 1910. São prédios rústicos, exemplares únicos da arquitetura colonial alemã e italiana, no Rio Grande do Sul. Percorrer seus ambientes é voltar no tempo: as madeiras falquejadas, as paredes de tijolos feitos pelos próprios imigrantes e a distribuição dos espaços dão a sensação de se viver numa casa medieval. Estes prédios são relíquias que dvem ser visitados. Na localidade do Trombudo, também pode ser visitada, a Furna do Morcego uma obra da natureza esculpida na pedra. Não muito longe encontra-se a Cascata da Família Segatto. No local pode-se encontrar uma importante diversidade de espécies florestais, que fazem o entorno da cascata. A visita a estes lugares pode ser feita numa caminhada, com isso os visitantes podem desfrutar do contato com a natureza e proveitar o ar puro.

Monumento à Nossa Senhora dos Navegantes

Às margens do rio Jacuí, no Parque Histórico Obaldino Benjamin Tessele, encontra-se Monumento à Nossa Senhora dos Navegantes, padroeira do Município.

Rio Jacuí

O rio Jacuí é o principal patrimônio de Dona Francisca, cujo porto tem hoje um grande valor histórico, por ter, em outra época, servido com principal escoadouro da produção agrícola da região. Uma das formas de valorizar a sua importância é faze-lo, também, um espaço para diversão, recreação e lazer. Neste sentido, são incentivadas atividades como a canoagem, a pesca esportiva e passeios de barco.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bandeira do Geoparque Paleorrota.JPG Geoparque Paleorrota

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. http://www.ulbra.br/noticiasdoensino/2010/05/paleontologo-querem-proteger-fossil-do-grande-predador-e-mante-lo-no-brasil/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]