Cefaleia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Dor de cabeça)
Ir para: navegação, pesquisa
Cefaleia
Classificação e recursos externos
CID-10 R51
CID-9 784.0
Star of life caution.svg Aviso médico

Cefaleia ou cefalgia são os termos médicos para dor de cabeça. É um dos sintomas mais comuns na medicina, é uma das queixas mais frequentes de consultas a clínicos, pediatras e neurologistas, fisioterapeutas especializados em osteopatia, quiropraxia e acupuntura e cirurgiões-dentistas especialistas em Disfunção temporomandibular e dor orofacial e também um dos motivos mais comuns de falta ao trabalho. A cefaleia é um sintoma universal no ser humano.

Estima-se que 93% dos homens e 99% das mulheres terão algum tipo de dor de cabeça ao longo da vida; e que 76% do sexo feminino e 57% do masculino tenham pelo menos um episódio de dor de cabeça por mês.[1] 90 a 100% das pessoas.

Divisão[editar | editar código-fonte]

As cefaleias são divididas em primárias e secundárias.

As cefaleias primárias mais comuns são: enxaqueca, cefaleia de tensão, cefaleia em salvas. Outras formas menos comuns de cefaleia primária incluem a hemicrania continua, a cefaleia nova diária e persistente, cefaleia do esforço, cefaleia da tosse, cefaleia por estímulo frio, hemicrania paroxística crônica.

Especialistas em cefaleia geralmente tratam também de dores faciais, como a neuralgia do trigêmeo, dor facial atípica, e dor miofascial.

Cefaleias secundárias são aquelas causadas por alguma outra doença, tal como tumores cerebrais, traumatismo craniano, meningites, acidente vascular cerebral (derrame), hidrocefalia, Herpes-zóster e aneurismas.

Medicamentos[editar | editar código-fonte]

Vários medicamentos podem ser úteis para interromper uma crise de cefaléia: analgésicos comuns, antiinflamatórios, ergotamina, dipirona, combinações analgésicas e triptanos. [1] Medicamentos preventivos podem ser receitados por médicos para pessoas que apresentam cefaleia com freqüência alta ou com crises de forte intensidade e que não respondem satisfatoriamente à medicação sintomática, ou ambos.[1]

Referências

  1. a b c KAVALEC, Flávia (3 de abril de 2007). A dor de cabeça é uma das queixas mais comuns do homem civilizado. Sociedade Brasileira de Cefaleia. Página visitada em 5 de janeiro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]