Otalgia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Dor de ouvido)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ouvido.

A Otalgia é um sintoma de dor no ouvido, englobando a dor originada na orelha (externa, média ou interna) ou secundária, quando a etiologia não está na orelha.

Etiologia[editar | editar código-fonte]

As principais etiologias das otalgias primárias são: otites (bacterianas ou virais), traumáticas ou neoplásicas. As otalgias secundárias ou re­flexas são decorrentes de: afecções dos nervos cranianos que inervam a orelha ou no trajeto destes nervos (trigêmio, facial, glossofaríngeo e vago), doenças dentárias, afecções de parótida e distúrbios da articulação temporomandibular.

Clínica[editar | editar código-fonte]

A depender da causa da otalgia, muitas são as apresentações clínicas (Tabela). Em geral, dores que persistem por mais de duas semanas devem ser consideradas para a possibilidade de neoplasia.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O diagnóstico pode ser estabelecido apenas pela história clínica e exame físico, como no caso da otite externa ou média, ou pode ser auxiliado por exames complementares. A depender da suspeita clínica, a realização de tomografia computadorizada de crânio, seios da face, mastóide ou pescoço, bem como ressonância magnética de encéfalo pode ser necessária. Outros exames complementares que podem auxiliar o diagnóstico são a audiometria e os testes de função vestibular. Casos em que não se encontra a causa da otalgia, a solicitação de avaliação buco-maxilar por dentista especializado pode ser necessária.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

  1. Para o controle da dor devem-se utilizar analgésicos por via oral (acetaminofeno, dipirona) e compressas aquecidas (pelo ferro de passar roupa ou água úmida aquecida) ou bolsa térmica envolta num pano.
  2. Dores associadas com mudanças bruscas de altitude podem ser aliviadas deglutindo-se saliva, mascando-se chicletes e/ou outros alimentos.
  3. Pacientes com suspeita de distúrbio da articulação temporomandibular devem evitar uso de chicletes ou alimentos de consistência endurecida nos momentos de dor.
  4. O uso de medicações tópicas auriculares (sulfacetamina sódica, lidocaína, tetracaína, clorfenesina, tirotricina) deve ser restrito a casos de dor intensa, pois podem futuramente atrapalhar o exame otológico e provocar lesões auriculares.
  5. Anti-histamínicos e descongestionantes podem ser utilizados nos casos de obstrução da tuba auditiva associada a quadros alérgicos ou infecciosos.
  6. Instituir o tratamento da causa de base da otalgia.

Causas de otalgia e quadro clínico[editar | editar código-fonte]

Causa Quadro clínico
Otite média Infecção de vias aéreas superiores prévia, eritema do tímpano
Mastoidite aguda Febre, dor pós-auricular, otorréia
Otite externa Otalgia localizada no canal auditivo, edema e eritema do canal
Cerume, corpo estranho impactado Dor vaga acompanhada por perda da audição
Perfuração da membrana do tímpano Otalgia aguda com posterior hemorragia e redução da audição
Neoplasia de nasofaringe, faringe ou base da língua Associada com álcool ou tabaco, unilateral, crônica
Neuralgia Dor severa e lancinante
Disfunção da articulação têmporo-mandibular Dor associada ao movimento da mandíbula e trismus
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.