Drenagem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde maio de 2014).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Drenagem é o ato de escoar as águas de terrenos encharcados, por meio de tubos, túneis, canais, valas e fossos sendo possível recorrer a motores como apoio ao escoamento. Os canais podem ser naturais (78 córregos) ou artificiais de concreto simples ou armado ou de gabião. Os sistemas de drenagem, que compreendem além dos condutos forçados e dos condutos livres podem ser urbanos ou rurais e visam escoar as águas de chuvas e evitar enchentes.

A disciplina que estuda a drenagem superficial é a Hidrologia, geralmente ministrada dentro do cursos de Engenharia agrícola, Engenharia sanitária, de Engenharia hidráulica, de Engenharia civil, Engenharia agronômica, Tecnologia em saneamento ambiental ou mesmo em alguns cursos de Engenharia ambiental.

Tem sido cada vez mais frequente o uso de geossintéticos para melhorar o desempenho e prolongar a vida útil dos sistemas de drenagem.

Tipos de drenagem[editar | editar código-fonte]

O curso do rio define seu tipo de drenagem:

  • Endorreica: O rio corre para dentro do continente.
  • Exorréica: O rio corre para fora do continente.
  • Arréica: O rio não possui uma direção certa, simplesmente desaparece por evaporação ou por infiltração. (Existem rios que desaparecem no meio do deserto)
  • Criptorréica: Caracterizada por rios subterrâneos, como em áreas calcárias (grutas).

Projeto de drenagem[editar | editar código-fonte]

Um projeto de drenagem deve incluir um estudo adequado para evitar erros comuns nesse tipo de atividade. Se a especificação e análise técnica não forem adequadas pode-se acabar não tendo uma drenagem eficiente e poderá até mesmo perder todo o trabalho e dinheiro investidos.

Para a elaboração desse projeto de drenagem os passos devem incluir os seguintes:

  • Reconhecimento e delimitação da área afetada
  • Levantamento topográfico
  • Estudo do lençol freático
  • Estudo do solo
  • Elaboração do projeto.

No primeiro se conhece a área a ser drenada e verifica-se a possível origem do excesso de água. O segundo item também é essencial, pois através dele pode-se traçar a diretrizes do projeto buscando descobrir de que lugares mais altos a água flui e quais os mais baixos onde serão enterrados os tubos. O estudo do Lençol Freatíco é bem específico e depende da região, para esta há a necessidade da instalação de uma rede de poços de observação, cobrindo toda a área do projeto [mais detalhes no artigo original cujo link está no final deste texto]. O Estudo do Solo consiste em verificar a condutividade hidráulica e a macroporosidade do solo. Estes dados entram diretamente nos cálculos de espaçamento dos drenos. Também é importante o estudo do clima para verificar as precipitações na região. Finalmente o projeto é elaborado baseando-se nos dados anteriores e nas fórmulas disponíveis para verificar o melhor espaçamento dos tubos e o layout mais eficiente para ser utilizado no seu projeto.

Ver também[editar | editar código-fonte]