Ducado da Lorena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Herzogtum (Ober-)Lothringen(Al)
Duché de (Haute-)Lorraine (fr)

Ducado da Lorena (superior)

Ducado
Estado Vassalo
do Sacro Império Romano-Germânico

Lothair II of Lotharingia.jpg
959–1766 Royal Standard of the King of France.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Lorena
Ducado da Lorena (rosa) no interior da França
Continente Europa
Região Europa Central e Europa Ocidental
País França
Capital Nancy
Língua oficial Alemão e Francês
Religião Católica
Governo Monarquia
Duque
 • 959 – 978 Frederico I
 • 1737–1766 Estanislau I
História
 • 959 Divisão da Lotaríngia
 • 23 de fevereiro de 1766 Anexação a França

O Ducado da Lorena (em francês: Duché de Lorraine, em alemão: von Lothringen) foi um Estado independente entre 977 e 1739. O Ducado, bem como a região actual da Lorena a que correspondia, foi o foco de uma luta de séculos entre a Alemanha (Sacro Império) e a França, mudando de mão diversas vezes, a última das quais no fim da Segunda Guerra Mundial.

História[editar | editar código-fonte]

O Ducado da Lorena era uma parte do antigo Reino da Lotaríngia, governado por Carolíngios, formado na sequência do Tratado de Verdun. No Século X, a Lotaríngia foi dividida na Alta Lotaríngia (isto é, Lorena) , que corresponde ao ducado que aqui se descreve e Baixa Lorena. Os governantes da Baixa Lotaríngia utilizaram o título durante algumas gerações, antes de o substituírem por Duque de Brabante.

A Casa de Guise, que representou um papel central nas Guerras dos Hugenotes em França, era um ramo da Casa Ducal da Lorena. O penúltimo Duque da Lorena, Francisco III, abdicou dos seus domínios em 1737 para se tornar Imperador da Áustria através do seu casamento com Maria Teresa de Habsburgo. O beneficiado desta abdicação foi Estanislau I da Polónia. Na sua morte, em 1739, a Lorena foi herdada pelo seu genro o rei Luís XV de França e incorporada nos seus domínios.

O Ducado teve um dos seus membros sendo Papa, o Papa Estêvão X, foi Papa de 2 de Agosto de 1057 até 29 de Março de 1058.

Cruz de Lorena, símbolo de Lorena no século XV

Surgimento do Ducado[editar | editar código-fonte]

No ano 959, Duque de Lorena e Arcebispo de Colónia, Bruno, irmão do Sacro Imperador Oto I, que decidiu dividir o Ducado em dois territórios, devido às contínuas disputas entre seus vassalos uns eram defensores da área de influência e as da fidelidade germânica.

Tal divisão surgiu os territórios da Alta Lorena e Baixa Lorena, e alguns anos mais tarde, em 965, a divisão deria manteria com os dois Ducados independentes entre si. Só entre 1033-1044 ficariam sob o mesmo Duque Gozelon.

Com a morte em 1044, do Imperador Henrique III, que temia a unificação, e decidiu nomear o filho primogénito de Gozelo, Godofredo, o Barbudo, como Duque da Alta Lotaríngia e para a Baixa Lorena o irmão deste, Gozelon, Duque da Baixa Lotaríngia. A recusa do Imperador de unificar a Lotaríngia, fez com que o Duque Godofredo se rebelasse contra a decisão Imperial, e atacou a Baixa Lotaríngia e devastou a cidade de Verdun em 1045. O Imperador, em punição, despossuí-o do de seu título de Duque da Alta Lotaríngia (Lorena)e criou o Ducado da Lorena para Adalberto da Alsácia, em 1047.

Godofredo continuou a luta, derrotando e matando Adalberto na batalha de Thuin (11 de novembro 1048) sem atingir, no entanto, seu objetivo, pois o Imperador iria rapidamente nomear Geraldo da Alsácia, irmão de Adalberto, como Duque da Lorena, que originou a Casa da Alsácia.

Dos territórios do Ducado da Lorena se foram desmembrando em diferentes senhorios feudais, tais como:

  • os três bispados de Metz, Toul e Verdun;
  • o Ducado de Bar;
  • o Condado de Vaudémont;
  • o Condado de Salm, Blieskastel, duas pontes, Saarbrücken e Sarrewerden.
Brasão de armas completo, em 1703, [en:Siebmachers Wappenbuch].

Fronteiras[editar | editar código-fonte]

A fronteira entre o Sacro Império Romano-Germânico e o Reino da França manteve-se relativamente estável ao longo da idade média. Em 1301 o Conde Henrique III de Bar tinha que receber a parte ocidental de suas terras (Barrois mouvant) como um feudo do Rei Filipe IV de França. O Duque de Borgonha, Carlos, o temerário em 1475 fez campanha contra o Ducado da Lorena, mas finalmente foi derrotado e morto na 1477 Batalha de Nancy. Em 1552, um número de insurgentes protestante, que eram Príncipes Imperiais, que ficaram em torno do Príncipe-eleitor Maurício da Saxónia, pelo Tratado de Chambord cedeu os três Bispados ao Rei Henrique II da França, em razão do seu apoio.

Problemas com a França[editar | editar código-fonte]

No século XVII, os Reis franceses começaram a cobiçar Lorena. Enquanto a Autoridade Central Imperial ficou deteriorada no decorrer da Guerra dos Trinta Anos, o ministro-chefe Cardeal de Richelieu instou a ocupação do ducado em 1641. França novamente teve que desocupá-lo após o 1648 com a Paz de Vestfália, que entretanto ganhou para a França várias posições na Alsácia, a leste de Lorena. Em 1670, os franceses invadiram novamente o Ducado, forçando o Duque Carlos V a fugir para um exílio em Viena, onde formou fortes laços com o Imperial Casa de Habsburgo. França ocupou o Ducado por quase trinta anos, que apenas abandonou-o no Tratado de Ryswick o qual terminou a Guerra dos Nove Anos, em 1697. Durante a Guerra da Sucessão Espanhola, partes da Lorena, incluindo a capital Nancy, novamente foram ocupados pela França, mas o Duque Leopoldo José continuou a reinar no Château de Lunéville.

Brasão de armas do Ducado (1697)

Em 1737, depois da Guerra da Sucessão Polonesa, Lorena fez parte de um acordo entre a França, com a casa de Habsburgo e também com a casa de Lorena de Vaudémont: O ducado foi dado a Estanislau I, o antigo Rei da Polónia e sogro do Rei Luís XV de França, que, apesar do suporte francês, acabou por perder para um candidato apoiado pela Rússia e Áustria o Trono Polonês. O Duque de Lorena, Francisco III de Lorena, ou Francisco Estêvão, tinha como prometida a filha do Imperador, a Arquiduquesa Maria Teresa da Áustria. Francisco III de Lorena foi compensado com o Grão-Ducado da Toscana, onde o último governante Médici recentemente morrera sem descendência. França também prometeu apoiar Maria Teresa como herdeira das possessões dos Habsburgos sob a Pragmática Sanção de 1713. Leszczyński recebeu, assim, o Ducado da Lorena com o entendimento que ele ficaria para a Coroa Francesa após a sua morte. Quando Estanislau I morreu em 23 de fevereiro de 1766, o Ducado da Lorena foi anexada pela França e reorganizada como uma província pelo governo francês.

Entre a França e a Alemanha[editar | editar código-fonte]

Lorena permaneceu como parte da França, mas a parte norte da Antiga Lotaríngia conhecida como Lorena, junto com Alsácia, eram regiões de língua alemã, principalmente, e foram anexadas pelo recém fundado Império Alemão, em 1871, após a Guerra Franco-Prussiana e língua francesa foi proibida. Não foram os territórios anexados por qualquer Estado, do Império ou organizados em um Estado separado, mas eram governados como o Reichsland Elsass-Lothringen(Imperial Território de Alsácia-Lorena), sob um governador nomeado diretamente pelo Imperador alemão. Alsácia-Lorena permaneceu como parte da Alemanha até o fim da I Guerra Mundial, quando a França ocupou a área e a reanexou. Políticas, proibindo o uso do alemão e que exigem do francês então começaram, assim como a expulsão dos alemães que se mudaram para a região depois de 1871.

Em 1940, a Alemanha nazista reanexou a Alsácia-Lorena durante a II Guerra Mundial combinando Lorena com o Sarre e da Alsácia com Baden. A língua francesa foi proscrita novamente e educação em escolas alemãs tornada obrigatória. A área de guerra-rasgado retornada à França em novembro de 1944. Por causa dos combates na área, Lorena é local do Cemitério Americano de Lorena e Memorial, o maior cemitério de guerra americano na França.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Duas línguas regionais sobrevivem na região.

Frâncio loreno, conhecido como FLA ou platt (lorrain) em francês, é um dialeto germânico falado por uma minoria na parte norte da região. Isto é distinto da vizinha Língua Alsaciana, embora os dois são muitas vezes confundidos. Também não tem qualquer forma de reconhecimento oficial.

Loreno é um dialeto romano falado por uma minoria na parte sul da região.

Como a maioria das línguas regionais da França (como Breton, Provençal e Alsaciano) Loreno e Frâncio Loreno foram largamente substituído pelo francês com o advento da educação pública obrigatória nos séculos XIX e XX.

Alimentos e pratos associados com Lorena incluem quiche lorraine, ameixa Mirabelle, baba aurhum, bergamotes, macarons e madeleines.

Administração Ducal[editar | editar código-fonte]

O topo da hierarquia, foi o Duque de Lorena e Bar. No entanto, seria um erro acreditar que, antes da Revolução Francesa, o governo era absoluto. Aqui, pelo menos até o século XVII o governo foi realmente constitucional.

Estados gerais[editar | editar código-fonte]

Todos os anos, na verdade (mais frequentemente quando as circunstâncias o exijam), os Estados Gerais de Lorena se reuniam, geralmente em Nancy. Eles incluíram:

  • a nobreza, ou seja, membros da antiga cavalaria Lorena que cujos Chefes das Famílias reunidos formavam o Ban ducal (Suprema Magistratura do Ducado) e ao longo do tempo, enobrecida;
  • o Clero (não eleitos de entre os seus membros, mas aqueles que detinham posição privilegiada, tal e como reitor da Primatiale Nancy ou Prieur Châtenois;
  • Terceiro estado, ou seja, membros da cidades ou vilas, cercadas por muralhas, numerosos em Lorena na idade média.

O poder dos Estados Gerais era muito grande: a sucessão ao trono, tutela do Ducado, leis e impostos, todas as questões importantes estavam sujeitos a sua decisão. Raramente se via o Duque modificar o que eles tinham resolvido. Era uma garantia para o povo, mas um gene para o poder Ducal que procurou libertar-se desse controle. A Reunião de 1629 foi a última, Carlos IV deu sempre pela convocação dos Estados Gerais e a ocupação da Lorena pelos franceses favoreceu seu propósito.

Após o Tratado de Ryswick , em 1697, o Duque Leopoldo acaba por reintegrar os Estados, apesar de todas as acusações. Fazendo do Ducado uma pequena monarquia absoluta a imagem da França, surgiu impostos sem controle, não foi a justiça soberana. Além disso, seu povo não era mais infeliz, como ele estava no coração da população. Seu filho Francisco III o imitou. Mas depois de sua partida para a Áustria em 1737, Lorena passou a ter ficar sob as ordens de um administrador sem piedade, representado no Bailiado e a seus subdelegados: eles tinham muito a sofrer abusos e o socorro do governo sob o qual eles passaram. Também saudaram com alegria, em 1789, a reunião dos Estados Gerais que lembrou uma das suas instituições mais antigas e em seu pensamento necessários para pôr fim a sua dor.

Conselho de estado[editar | editar código-fonte]

Após a sua remoção dos Estados Gerais, o Duque de Lorena tinha como base de seu Governo o Conselho de Estado, que mais parecia um Conselho Privado, já que ele presidia diariamente.

Já perfeitamente organizado no século XVI, sob o regime de Carlos III, este Conselho viu Francisco III, em 1729 e Stanislas chegarem a Lorena (1737) em modificar a sua composição, mas seus poderes permanecem praticamente o mesmo. A partir de então, o Conselho de Ministros, passou a ser tratado com no que diz respeito a uma gestão eficaz dos ducados de Lorena e Bar, em seguida, os secretários (como empregados de departamentos) passaram a ter funções escritas para as suas instruções tanto no interior como no exterior, como o Duque de Lorena teve também embaixadores na maioria das Cortes estrangeiras.

Bailiado[editar | editar código-fonte]

Hierarquia dos cargos do Ducado da Lorena

Os Duques de Lorena haviam estabelecido em suas terras 3 Bailiados: de Nancy, Voge e Alemanha, as áreas administrativas se dividiam em prévôtés.

O Chefe do Bailiado era bailio, cabeça do poder civil. É a ele que o Duque de Lorena dirigia as suas ordens:

  • carta de S.A. para o oficial de Justiça de cada província:
  • sobre o levantamento do povo de guerra,
  • para o transporte de grãos no lugar fechado e fortificado
  • das precauções contra o contágio,
  • carta pastoral de S.A. para o fato de caça, oficial de Justiça a Sieur Voge
  • para informar-se contra o receptor de Neufchâteau em dinheiro de captação de recursos, etc.

O oficial de Justiça tinha que publicar a ordem na cidade principal do Bailiado, transmiti-lo para a polícia militar e assegurar que eles fizessem o publicar e comprir. "E finalmente que ninguém alega ignorância, você publicará esta ordem de nostre presente no clamor público e a ordem para todos os policiais militares de mãos dadas e tem o olho, se o conteúdo é mantido, sob pena de responsabilidade." Sy não colher a culpa, porque então nos agrada. " Cabeça do poder judiciário, o oficial de Justiça presidia o tribunal do Bailiado e até mesmo dos Assizes, mas ele não votava, suas funções eram confinadas aos atos preparatórios e executórios da justiça. Líder militar, o oficial de Justiça inscrevia o necessário quantitativo de homens para levá-los ao Exército Ducal, e ter seu comando em tempo de guerra. Em tempos de paz, as tropas de guarnição obedecem o Oficial de Justiça à frente de sua província.

No quadro, após o oficial de Justiça, havia o Tenente-general. Ele ajudava o Oficial de Justiça e substituiu-o na sua ausência. Incluem, por exemplo:

  • em Mirecourt, Louis Pierre Alba, senhor de Roony e Villers, relatado em 1746 para uma venda de terras,
  • em Neufchâteau, de 1765, de 1781, Claude Sauville (vendedor de um também em La Neuveville) e, em seguida, Jean Claude Cherrier (eleito para os Estados gerais).

Depois do tenente-general, interveia o Tenente particular que viessem ajudar. Portanto, em 1790, Joseph Daniel Maire serviu como Tenente-geral adjunto na Assembleia Nacional.

Havia então um assessor e alguns conselheiros, anteriormente conhecidos como vereadores. Claude Quinot, por exemplo, que era presidente do Conselho Executivo do departamento de Vosges, foi assessor para o Bailiado de Neufchâteau.

Finalmente, havia o procurador-geral e seu substituto. Promotores bem conhecidos, incluem, para despossuídos de exemplo, Luís Martins, do seu cargo por Louis XIII em punição de sua fidelidade ao Duque Carlos IV.

Para não mencionar a advogados, solicitadores, sargentos de notários, haverá apenas a nota que, além do oficial de Justiça e seus tenentes, os outros oficiais do Bailiado exercidas funções judiciais.

Prévôtés[editar | editar código-fonte]

O chefe da polícia, era o Marechal, exercia uma função tripla: civil, judicial e militar. Foi publicado e enviado para prefeitos as Ducais Ordens que ele recebia do oficial de justiça. Ele perseguia os criminosos, monitorava o comércio e processava a justiça em tempos de paz. Em tempo de guerra, ele comandava o contingente de sua divisão territorial. Projetando-se de que o Marechal nem sempre fez para alugar soldados (mercenários) criados sem qualquer preparação. Na guerra de Rustauds, em 1525, Antônio, por exemplo, foi tão descontente com a indisciplina de Châtenois nas costas de Dompaire que ele enviou de volta ao seu país.

Abaixo o Marechal havia o comandante. Com eles, havia um avaliador, um advogado para o procurador-geral. Um oficial de Justiça, um Sargento, um funcionário concluído o tribunal do reitor. Aqui, como a principal cidade do Bailiado, escritórios, exceto aqueles do Marechal e seu Tenente, foram bastante cargos de Magistratura.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referência[editar | editar código-fonte]

  • Herrick, Linda & Wendy Uncapher. Alsace-Lorraine: The Atlantic Bridge to Germany. Janesville, WI: 2003.
  • Hughes, S. P. (2005) "Bilingualism in North-East France with specific reference to Rhenish Franconian spoken by Moselle Cross-border (or frontier) workers."[1]
  • Putnam, Ruth. Alsace and Lorraine: From Cæsar to Kaiser, 58 B.C.-1871 A.D. New York: 1915.

[2]