Ducado de Buckingham

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jorge Villiers,
primeiro duque de Buckingham

Os títulos de Marquês e Duque de Buckingham, referindo-se à Buckingham[1] , foram criados várias vezes nos pariatos Inglaterra, Grã-Bretanha, e no Reino Unido. Houve também um Conde de Buckingham[1] .

Criação de 1444[editar | editar código-fonte]

Em 14 de Setembro de 1444 Humphrey Stafford foi agraciado com o título de Duque de Buckingham. Ele era filho de Ana de Gloucester, "Condessa de Buckingham", filha de Tomás de Woodstock, Conde de Buckingham (mais tarde Duque de Gloucester), filho mais novo de Eduardo III de Inglaterra. Stafford foi um importante apoiador da Casa de Lencastre na Guerra das Rosas, sendo morto na Batalha de Northampton em julho de 1460.

Ele foi sucedido por seu neto, Henrique Stafford, 2.° Duque de Buckingham, que ajudou Ricardo III de Inglaterra em sua reivindicação ao trono em 1483 (O casamento de Edward IV da Inglaterra com Isabel Woodville foi declarado nulo e os filhos de Eduardo considerados ilegítimos por lei do Parlamento), mas que depois liderou uma revolta contra Ricardo e acabou sendo executado no mesmo ano.

Seu filho, Eduardo Stafford, 3.º Duque de Buckingham, foi restaurado para o título por Henrique VII de Inglaterra em sua ascensão ao trono em 1485, mas ele acabou por ser finalmente executado por traição em 1521 devido à sua oposição ao Cardeal Tomás Wolsey, conselheiro chefe de Henrique VIII. Dessa forma título tornou-se extinto[1] .

A família Stafford eram descendentes de Edmond de Stafford, que foi elevando ao Parlamento como Lord Stafford em 1299. O segundo baronato foi criado como "Conde de Stafford" em 1351. Estes títulos foram perdidos junto com o ducado[1] .

Criação de 1623[editar | editar código-fonte]

O ducado foi criado novamente por Jaime I para seu favorito, Jorge Villiers, agraciado com os títulos de Barão Whaddon (de Whaddon, no condado de Buckingham), de Visconde Villiers em 1616, de Conde de Buckingham em 1617, de Marquês de Buckingham em 1618, de Conde de Coventry e de Duque de Buckingham em 1623. Buckingham, que continuou no cargo de ministro-chefe no reinado do filho de Jaime, Carlos I, foi responsável por uma política de guerra contra a Espanha e a França. Acabou assassinado por um puritano fanático, John Felton, em 1628, enquanto se preparava uma expedição[1] .

Seu filho, Jorge Villiers, 2.° Duque de Buckingham, um conselheiro notável no reinado de Carlos II, constituiu, juntamente com Lord Ashley, o eixo protestante do famoso Ministério Cabal. Inaugurou a caça à raposa na Inglaterra, a Hunt Bilsdale, em 1668 e, mais tarde, começou a caça Sinnington, em 1680. Morreu de um resfriado depois de uma caçada. Com a sua morte, em 1687, o título voltou a ser extinto[1] .

Vários outros membros da família Villiers foram elevadas à nobreza. Cristóvão Villiers, 1. º Conde de Anglesey e João Villiers, 1.° Visconde Purbeck, eram irmãos do primeiro Duque de Buckingham[1] . Eduardo Villiers, 1. º Conde de Jersey, era sobrinho-neto do primeiro duque de Buckingham, enquanto Tomás Villiers, 1.° Conde de Clarendon, era o segundo filho do segundo conde de Jersey.

Criação de 1703[editar | editar código-fonte]

O título de Duque de Buckingham e Normanby foi criado em 1703 para João Sheffield, Marquês de Normanby, um notável político Torydo final da era período Stuart, que serviu sob o reinado de Ana da Grã-Bretanha como Lord Privy Seal[1] .

Criação de 1822[editar | editar código-fonte]

Em 1784, George Nugent-Temple-Grenville, 1.º Marquês de Buckingham[1] , filho do primeiro-ministro do Reino Unido, George Grenville, foi criado como Marquês de Buckingham no pariato da Grã-Bretanha. Ele serviu como Lord-Lieutenant da Irlanda, entre outros escritórios. Seu filho, Ricardo Nugent Temple Grenville foi estilizado como Duque de Buckingham e Chandos em 1822[1] .

Referências

  1. a b c d e f g h i j Desconhecido. The Earlier Dukes of Buckingham (em inglês) Dukesofbuckingham. Visitado em 2012-07-20.