Ducado de Massa e Carrara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ducato di Massa e Carrara
Ducado de Massa e Carrara

Cybo-Malaspina-stemma.jpg
ducado do Sacro Império Romano-Germânico

1554 – 1829
Localização de Massa e Carrara
Províncias atuais da Toscana - Massa-Carrara a noroeste
Continente Europa
País Itália
Capital Carrara
Língua oficial latim, italiano
Religião Catolicismo
Governo ducado
História
 • 1554 Fundação
 • 1829 Dissolução

O Ducado de Massa e Carrara foi um Estado do norte da península Itálica que controlava as cidades de Massa e Carrara, de 1554 a 1829. Mesmo com as numerosas modificações e expansões territoriais ocorridas ao longo dos séculos, o ducado nunca se estendeu além das fronteiras da atual província de Massa-Carrara, na região italiana da Toscana.

Origem[editar | editar código-fonte]

O núcleo original deste território nasce oficialmente em 22 de fevereiro de 1473 com a aquisição da Senhoria de Carrara, Moneta e de Avenza por parte da Senhoria de Massa, governada pelo marquês de Massa Iacopo Malaspina, que a obteve do conde Antoniotto Filoremo de Gênova. O título nobiliárquico dos Malaspina tornou-se então o de Marquês de Massa e Senhor de Carrara.

Originalmente a sede dos Malaspina era na cidade de Carrara mas, após os frequentes combates com os invasores franceses, os marqueses se transferiram à cidade de Massa.

Ao fim de duas gerações, a família Malaspina ficou sem descendentes masculinos e Ricciarda Malaspina, sobrinha de Iacobo e última herdeira direta da dinastia casou-se em 1520 com Lorenzo Cybo, membro de uma influente família de príncipes genoveses, aparentada com os Médici e com o papa Inocêncio VIII. Do matrimônio originou-se a nova dinastia dos Cybo-Malaspina: o filho de Ricciarda e Lorenzo, Alberico I Cybo-Malaspina, chamado Alberico III Malaspina, obteve o governo do território de Massa e Carrara em 1554. Sob seu governo, o território teve um período muito favorável de desenvolvimento, graças à conjuntura favorável no mercado de mármore, que era muito requisitado pelas cortes renascentistas da época.

Alberico, ciente que seu território era circundado de vizinhos mais poderosos e influentes que ele, decidiu-se submeter ao Sacro Império de Carlos V (1554). Graças ao sucesso cultural e econômico sob o governo de Alberico, a cidade obteve o título de marca em 1558. Em 1568, Massa foi elevada a principado do Sacro Império (Maximiliano II).

Em 1664, o território de Massa tornou-se um ducado e o de Carrara um principado. Os Cybo-Malaspina obtiveram assim o título de Duque de Massa e Príncipe de Carrara.

Em 1738, Maria Teresa Cybo-Malaspina, última descendente direta da dinastia, casou-se com Hércules III de Módena, último herdeiro masculino do Ducado de Módena. Sua filha Maria Beatriz d'Este obteve assim o governo de ambos territórios, que porém permaneceram formalmente como estados separadas até a sua morte.

O domínio napoleônico[editar | editar código-fonte]

Em 1796, os Este foram privados de suas propriedades pelas tropas de Napoleão Bonaparte. Napoleão anexou o território de Massa e Carrara à República Cispadana por ele fundada.

Durante este período, o território foi brevemente contestado a Napoleão pelos austríacos da coalizão antifrancesa (1799) e conheceu uma rápida sucessão de diferentes ordenamentos administrativos mais ou menos provisórios: Departamento dos Alpes Apuanos, Imperial e Real Provisória Regência de Massa e Carrara, novamente Departamento dos Alpes Apuanos e por fim Distrito de Massa.

Como última forma administrativa, em 1806, o imperador francês designou o ducado de Massa e Carrara ao Principado de Lucca e Piombino, governado por sua irmã mais velha Elisa Bonaparte. Durante a dominação napoleônica, Maria Beatriz foi obrigada a refugiar-se em Viena, junto à corte do marido, o arquiduque Fernando Carlos, tio do imperador da Áustria Francisco I de Habsburgo, de onde governou seu ducado no exílio.

A restauração com o Congresso de Viena[editar | editar código-fonte]

Coma queda do regime napoleônico, o Congresso de Viena, designou a Maria Beatriz todos os territórios que lhe haviam sido tomados. Na época, o Ducado de Massa e Carrara compreendia os territórios de Massa e Carrara, Aulla, Casola in Lunigiana, Comano, Filattiera, Fivizzano, Fosdinovo, Licciana, Montignoso, Mulazzo, Podenzana e Tresana.

O fim do ducado[editar | editar código-fonte]

Em 1829, com a morte de Maria Beatriz, o Ducado de Massa e Carrara foi anexado ao Ducado de Módena e Reggio por obra de Francisco IV de Módena.

Em 1859, com a deposição de Francisco V de Módena, o ducado de Módena e Reggio (com os territórios de Massa e Carrara) foi definitivamente anexado ao Reino da Sardenha, com a constituição da província de Massa-Carrara em dezembro de 1859.

Soberanos de Massa e Carrara[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.