Dulce de Aragão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dulce de Aragão
Infanta de Aragão
Rainha de Portugal
D. Dulce de Barcelona, Rainha de Portugal - The Portuguese Genealogy (Genealogia dos Reis de Portugal).png

Dulce de Aragão,
consorte de El-Rei D. Sancho I
Governo
Casa Real Aragão
Vida
Nascimento 1160
Morte 1 de Setembro de 1198 (38 anos)
Coimbra
Sepultamento Mosteiro de Santa Cruz, Coimbra
Pai Raimundo Berengário IV de Barcelona
Mãe Petronila de Aragão

Dulce de Aragão[a][1] [2] [3] ou de Barcelona[4] (em espanhol: Dulce de Aragón; ca. 1160Coimbra, 1 de setembro de 1198) foi uma infanta aragonesa e a segunda rainha de Portugal, de 1185 até à sua morte.

A infanta Dulce era filha do conde Raimundo Berengário IV com a rainha Petronila de Aragão, com cujo casamento se juntaria a partir do final do século XIII o património que seria conhecido como a Coroa de Aragão, e irmã de Afonso I.[4] Seus esponsais com o infante Sancho, que subiu ao trono em 1185, como Sancho I, filho do primeiro rei de Portugal,Afonso I, realizaram-se quando ela tinha cerca de onze anos de idade e seu casamento mais tarde em 1174.[5] [4] Pouco se sabe sobre sua vida antes de sua chegada ao Reino de Portugal ou o de seu dote ou arras, por ocasião do seu casamento.[6]

"Formosa e excellente senhora, tranquilla e modesta, condizente no carácter com o nome", segundo Luciano Cordeiro,[7] a infanta Dulce foi usada como moeda de troca para selar uma aliança que serviu para fortalecer o novo reino de Portugal e "constituía uma boa defesa contra a tendência expansiva do reino e Castela (...). Significaba, ainda, que o fracasso inerente à ruptura do acordo conjugal da infanta Mafalda com o irmão de Dulce, o rei Afonso I de Aragão". A jovem Dulce cumpriu o papel esperado dela como esposa e mãe de uma vasta prole.[8] Sancho I, em seu primeiro testamento feito em 1188, doou os rendimentos de Alenquer, terras do Vouga, de Santa Maria e do Porto,[6] a sua esposa e ela ainda adquiriu outras propriedades no termo e sabe-se que foi, de facto, senhora de Alenquer.

Dulce não sobreviveu por muito tempo após o nascimento de seus dois últimas filhas, Branca e Berengária, que poderiam ser gêmeas, e faleceu em 1198, provavelmente a causas da peste e enfraquecida pelos partos sucessivos, tendo sido sepultada no Mosteiro de Santa Cruz, junto do marido.[9] .

Descendência[editar | editar código-fonte]

D. Dulce teve onze filhos de D. Sancho I, com quem casou em 1174. Estos foram os infantes:

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ «Dulce de Aragão, filha de Raimundo Berenguer IV...»[10]

Referências

  1. Rodrigues Oliveira 2010, p. 81.
  2. Carvalho Correia 2008, p. 180.
  3. a b Sotto Mayor Pizarro 1997, p. 165.
  4. a b c Rodrigues Oliveira 2010, p. 83.
  5. Mattoso 2014, pp. 290 e 334.
  6. a b c Rodrigues Oliveira 2010, p. 84.
  7. Rodríguez Oliveira 2010, p. 83.
  8. Rodríguez Oliveira 2010, pp. 83-84.
  9. Rodrigues Oliveira 2010, p. 55, 85 e 95.
  10. a b Mattoso 2014, p. 334.
  11. a b c d e f Sottomayor Pizarro 1997, p. 165, vol. I.
  12. a b c Carvalho Correia 2008, p. 187.
  13. Rodrigues Oliveira 2010, pp. 84 y 89.
  14. a b c Rodrigues Oliveira 2010, p. 89.
  15. a b c d e Rodrigues Oliveira 2010, p. 85.
  16. Carvalho Correia 2008, pp. 78, 185-187.
  17. Rodrigues Oliveira 2010, p. 85 e 92.
  18. Rodrigues Oliveira 2010, p. 85 e 93.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Dulce de Aragão


Precedida por:
Mafalda de Saboia
PortugueseFlag1185.svg
Rainha de Portugal

11851198
Sucedida por:
Urraca de Castela
Ícone de esboço Este artigo sobre Rainhas de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.