Dumnônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Dumnônia, Damnônia ou Domnônia foi um reino da Britânia pós-romana, localizado na península sudoeste da Inglaterra moderna e cobrindo Devon, a maior parte de Somerset e, possivelmente, parte de Dorset, sendo sua fronteira leste indeterminada. A Cornualha pode não ter pertencido à Dumnônia.

Nome[editar | editar código-fonte]

O reino foi nomeado em função dos Dumnônios, uma tribo celta que vivia na região muito antes da chegada dos romanos à Britânia. Não se sabe ao certo se a Dumnônia foi um reino unificado ou uma série de sub-reinos. Certamente, a Cornuália parece ter sido, no mínimo, semi-independente por vezes, possivelmente por estar baseada no território de uma sub-tribo, os cornóvios.

O lugar era conhecido pelos ingleses de Wessex como o "Reino dos Galeses do Oeste". Em galês, de forma similar à língua britânica nativa, era Dyfneint, sendo essa a forma que sobrevive até hoje como nome do condado de Devon (em galês moderno: Dyfnaint, na língua córnica: Dewnans).

Características[editar | editar código-fonte]

A Dumnonia é conhecida por seus muitos assentamentos que sobreviveram desde os tempos Romano-Britânicos. Como em outras áreas, fortes da Idade do Ferro - por exemplo, o Castelo de Cadbury - foram reestruturados para uso de lordes ou reis. Outros assentamentos importantes, como Tintagel, foram reconstruídos. Objetos pós-romanos de cerâmica foram escavados em vários sítios por toda a região.

O povo da Dumnonia falava um dialeto britônico ancestral do córnico moderno. A presença de imigrantes irlandeses é evidenciada pela escrita Ogham gravada em pedras.

Cristianismo[editar | editar código-fonte]

O Cristianismo também parece ter persistido na Dumnonia após a era de domínio romano, tendo muitos cemitérios cristãos existido no período pós-romano. A religião foi trazida por pregadores irlandeses, como São Piran, e galeses, como São Petroc e São Keyne. Houve monastérios importantes em Bodmin e Glastonbury, e também Exter, onde túmulos do século V foram descobertos, podendo representar um cemitério cuja fundação foi atribuída a São Bonifácio (embora haja controvérsias sobre sua origem, seja ela anglo-saxônica ou britônica)

Reis da Dumnonia[editar | editar código-fonte]

Há estranhos registros de muitos Reis da Dumnonia - e muitos destes aparecem na genealogia de monarcas relembrados em fontes em galês arcaico - que podem ser descritos aqui, como:

  • Cynfawr - cujo nome aparece na famosa pedra de Drustanus, perto de Fowey na Cornuália.
  • Custennyn Gorneu - veja abaixo.
  • Erbim - veja abaixo.
  • Geraint - provavelmente o homem da batalha de Llongborth.
  • Cado - que aparece na Vida de São Carannog

De acordo com a tradição, o filho de Cado foi Constantino da Dumnônia, acusado por seu contemporâneo, o escritor Gildas, no início do século VI. Posteriormente, é citado um outro rei Geraint na Vida de São Teilo, que pode ter sido também citado no poema Y Gododdin na batalha de Catraeth por volta de 600 d.C. Um terceiro rei Geraint correspondeu-se com Santo Aldhelm e lutou contra o rei Ine de Wessex em 710 d.C.

Referência Arturiana[editar | editar código-fonte]

O renomado rei Arthur é dito, muitas vezes, como pertencente à casa real da Dumnônia, sendo seu avô, Constantioe, identificado como Custennyn Gorneu, acima mencionado. Erbin e seu filho, Geraint, aparecem na lenda arturiana de Geraint e Enid.

Alguns afirmam que a grandiosa vitória de Artur na batalha do Monte Badon tomou cena em Devon, onde os dumnonianos subjugaram os anglo-saxões. A maioria dos historiadores, entretanto, afirma que a batalha pode ter acontecido em qualquer lugar, perto de Bath, por exemplo. É dito, ainda, que a batalha de Camlann, a última do rei Arthur, foi travada em Slaughter Bridge, perto de Camelford.

Perda Territorial[editar | editar código-fonte]

O conflito entre Dumnônia e os anglo-saxões de Wessex começou a se acentuar no século VII. Em 658 d.C., o reino perdeu parte de Somerset, a leste e ao norte do rio Parrett, e o resto do condado caiu em 710 a.C. Devon foi invadido no fim do século. Os topônimos bretões Domnonée e Cornouaille foram provavelmente dados por imigrantes vindos de Devon e da Cornuália durante esse período.

Guilherme de Malmesbury conta que os britônicos e anglo-saxões coabitaram Exeter durante o século X mas o rei Athelstan pôs um fim nisso. (Uma parte de Exeter deteve o nome de "Pequena Britânia" até o século XVIII. O mesmo rei Athelstan delimitou a atual fronteira leste da Cornuália, em 927. Entretanto, os britônicos do extremo ocidente da Grã-Bretanha sobreviveram com certo grau de independência, como o Reino da Cornuália.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Christopher A. Snyder (2003), The Britons

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]