Dupont Circle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dupont Circle
Bairro dos Estados Unidos Flag of the United States.svg
Vista norte do parque de Dupont Circle
Vista norte do parque de Dupont Circle
Informação geral
Cidade  Distrito de Colúmbia
Região NW
Localização Delimitado aproximadamente pela 15th Street NW a leste, 22nd Street NW a oeste, M Street NW ao sul, e Avenida Flórida NW ao norte
Limita-se com Adams Morgan  · Downtown  · Georgetown  · Kalorama  · Logan Circle  · Shaw  · West End
Área 0,69 km²
População aproximada 13 966 (est. 2009)[1]
Prefixo telefônico 202
Dupontmap.png
Portal Portal Estados Unidos
Dupont Circle Historic District
Registro Nacional de Lugares Históricos
Distrito Histórico dos EUA
Arquiteto: Mead McKim & White; Carrere & Hastings
Administração: Estado
Adicionado ao NRHP: 21 de julho de 1978 (35 anos)
Incrementos: 6 de fevereiro de 1985 (29 anos)
10 de junho de 2005 (8 anos)
Registro NRHP: 78003056 (original)
85000238 (incremento 1)
05000539 (incremento 2)

Dupont Circle é uma rotatória, um parque, um bairro e bairro histórico no noroeste de Washington, D.C.. A rotatória está localizada na intersecção da Avenida Massachusetts NW, Avenida Connecticut NW, Avenida New Hampshire NW, P Street NW e 19th Street NW. O bairro Dupont Circle é delimitado aproximadamente pela 15th Street NW a leste, 22nd Street NW a oeste, M Street NW ao sul, e Avenida Flórida NW ao norte. O governo local da Comissão Administrativa do Bairro (ANC 2B) e o Bairro Histórico de Dupont Circle possuem limites um pouco diferentes.

História[editar | editar código-fonte]

Fonte em Dupont Circle.

Dupont Circle está localizada na "Cidade Velha" de Washington, D.C. — área planejada pelo arquiteto Pierre Charles L'Enfant — mas manteve-se muito pouco desenvolvida até depois da Guerra Civil Americana, quando houve um grande afluxo de novos moradores. A área que hoje constitui Dupont Circle foi lar de uma olaria e de um abatedouro. Existiu um riacho, Slash Run, que corria a partir da 16th Street, perto de Adams Morgan, através de Kalorama e dentro de um quarteirão em Dupont Circle, mas o riacho já foi fechado em uma linha de esgoto. Melhorias feitas na década de 1870 por uma comissão de obras públicas, dirigida por Alexander "Boss" Shepherd transformou a área em um elegante bairro residencial[2] .

Em 1871, o Corpo de Engenheiros do Exército começou a construção da rotatória, então chamada Pacific Circle, conforme especificado no plano de L'Enfant. Em 25 de fevereiro de 1882, o Congresso renomeou a rotatória para "Dupont Circle" e autorizou a construção de uma estátua em homenagem a Samuel Francis Du Pont, em reconhecimento pelo seu serviço como um contra-almirante, durante a Guerra Civil. A estátua, esculpida por Launt Thompson, foi erguida em 1884, e a rotatória foi ornamentada com flores exóticas e árvores ornamentais. Em 1921, a atual fonte de duas camadas de mármore branco substituiu a estátua, a qual foi transferida para Rockford Park em Wilmington, Delaware. Daniel Chester French e o arquiteto Henry Bacon, co-criadores do Lincoln Memorial, projetaram a fonte, que apresenta em seu eixo esculturas de três figuras clássicas simbolizando o mar, as estrelas e o vento[2] .

Residência do Senador James G. Blaine em 1900. Sua casa foi uma das primeiras mansões construídas ao redor de Dupont Circle, e é uma das duas que ainda existem.

Entre 1870 e 1880, mansões foram construídas ao longo da Avenida Massachusetts, uma das grandes avenidas de Washington, D.C., e moradias foram construídas em todo o bairro. Em 1872, os britânicos construíram uma nova embaixada na Avenida Connecticut com a N Street NW[3] . Na década de 1920, a Avenida Connecticut passou a ser mais de caráter comercial, com inúmeras lojas. Algumas residências, inclusive a mansão do Senador Philetus Sawyer entre as ruas Connecticut e R Street, foram demolidas para dar lugar a prédios de escritórios e lojas. Em 1933, o National Park Service assumiu a administração do bairro e disponibilizou caixas de areia para crianças, mas estas foram removidos alguns anos mais tarde.

A Avenida Connecticut foi ampliada no final de 1920, aumentando o tráfego, o que causou um grande congestionamento no bairro, tornando difícil a locomoção dos pedestres. Canteiros centrais foram instalados na rotatória, em 1948, para separar o tráfego da Avenida Massachusetts do tráfego local; sinais de trânsito também foram instalados. Em 1949, túneis de tráfego e uma estação de bonde foram construídos sob a rotatória como parte do extinto projeto Capital Transit. Os túneis permitiram que bondes e veículos que viajam ao longo da Avenida Connecticut passassem mais rapidamente pela rotatória[4] . Quando o serviço de bondes terminou em 1962, as entradas da estação estavam empedradas e asfaltadas em excesso, deixando apenas o tráfego do túnel. Em 1995, Geary Simon reformou a estação de bonde para ser uma praça de alimentação chamada "Dupont Down Under"; o projeto fracassou e foi encerrado um ano depois.

Mercado de agricultores ocorre durante todo o ano, no domingo de manhã.

O bairro começou a declinar após a Segunda Guerra Mundial e os motins de 1968, mas começou a desfrutar de um ressurgimento na década de 1970, impulsionado por pioneiros urbanos que procuravam um estilo de vida alternativo. O bairro teve um ar boêmio e tornou-se uma área popular entre a comunidade gay e lésbica. Junto com o Castro em São Francisco, Hillcrest em San Diego, Greenwich Village em Nova Iorque, Boystown em Chicago, Oak Lawn em Dallas, Montrose em Houston e West Hollywood em Los Angeles, Dupont Circle é considerado um local histórico para o desenvolvimento da identidade gay americana[5] . A primeira livraria gay de D.C., Lambda Rising, inaugurada em 1974, ganhou notoriedade nacional. Em 1975, a loja fez o primeiro comercial televisivo gay do mundo. A gentrificação foi acelerada entre 1980 e 1990, tornando atualmente a área um local mais tradicional e moderno, com cafés, restaurantes, bares e lojas de varejo de luxo. Desde 1997, um mercado de agricultores tem operado em Dupont Circle[6] .

Em 2007, circularam planos para transformar a área subterrânea desativada em clubes para adultos[7] , possivelmente para substituir vários bares gays que foram expulsos pela construção do estádio de beisebol Nationals Park. No entanto, a oposição de grande parte da comunidade paralisou mais ainda o planejamento e o espaço permanece inutilizado. A estação de metrô Dupont Circle é completamente separada da estação de bonde subterrânea abandonada; os trens da Metrorail operam cerca de 61 m de profundidade, muito mais profundo que os bondes originais.

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Casas localizadas no quarteirão 2000 da N Street, NW, são consideradas alguns dos melhores exemplos de arquitetura Second Empire da cidade.

Casas geminadas, principalmente aquelas construídas antes de 1900, caracterizam variações do estilo renascentista de Queen Anne e do revivalismo românico. Mansões suntuosas e grandes casas autônomas alinhadas nas amplas e arborizadas avenidas diagonais que cruzam a rotatória são excepcionais. Muitas destas habitações de maiores portes foram construídas no estilo popular entre 1895 e 1910.

Uma das grandes residências é a Casa de Patterson, uma construção de mármore e terracota na Dupont Circle 15 (atualmente o Clube Washington). Esta mansão italiana, a única sobrevivente de muitas mansões que no passado rodeava a rotatória, foi construída em 1901 pelo arquiteto de Nova Iorque Stanford White para Robert Patterson, editor do Chicago Tribune, e sua esposa Nellie, herdeira da fortuna do Chicago Tribune. Após a incapacitação da Sra. Patterson no início de 1920, a casa passou para as mãos de sua filha, Cissy Patterson, que fez dela um ponto central para a vida social de Washington, D.C. A casa serviu de instalação temporária para o Presidente Calvin Coolidge e a primeira-dama em 1927, enquanto a Casa Branca passava por uma reforma. Os Coolidges acholheram Charles Lindbergh como um hóspede após o seu histórico vôo transatlântico. Lindbergh fez várias aparições em público na casa, acenando às multidões a partir da varanda do segundo andar, e tornou-se amigo da Família Patterson, com quem veio compartilhar pontos de vista isolacionista e pró-alemão. Cissy Patterson adquiriu mais tarde o Washington Times-Herald (vendido ao The Washington Post em 1954) e declarou guerra jornalística a Franklin D. Roosevelt a partir da Dupont Circle 15, ao longo de toda a Segunda Guerra Mundial para empurrar suas políticas, que repercutiram no New York Daily News, dirigido por seu irmão Joseph Medill Patterson, e no Chicago Tribune, dirigido por seu primo, o Coronel Robert R. McCormick.

Strivers' Section[editar | editar código-fonte]

Quarteirão 1700 da T Street, NW, na Strivers' Section.

A área atual de Dupont Circle inclui a Strivers' Section, uma pequena área residencial a oeste da 16th Street, aproximadamente entre a Swann Street e a Avenida Flórida. A Strivers' Section era um enclave de afro-americanos de classe média alta — muitas vezes líderes de comunidade — no final do século XIX e início do século XX. A área inclui uma fileira de casas na 17th Street de propriedade de Frederick Douglass e ocupada por seu filho. Leva o nome de um escritor da virada do século, que descreveu o distrito como "a seção Striver, uma comunidade de aristocracia Negra".

A área, que já foi considerada uma sobreposição dos bairros Dupont Circle e Shaw, é hoje um bairro histórico [8] . Muitos de seus prédios são residências originais da era Eduardiana, juntamente com vários apartamentos e edifícios de condomínio e algumas empresas de pequeno porte.

Pontos de interesse[editar | editar código-fonte]

Rotatória[editar | editar código-fonte]

O bairro é centrado em torno da rotatória, que está dividida entre dois caminhos anti-horário. A estrada externa serve à todas as ruas que se cruzam, enquanto o acesso à estrada interna é limitada ao tráfego de passagem na Avenida Massachusetts. A Avenida Connecticut passa debaixo da rotatória através de um túnel; veículos nesta avenida podem acessar a rotatória através de estradas de serviço que bifurcam na Connecticut perto da N Street e R Street.

O parque localizado dentro da rotatória é mantido pelo Serviço Nacional de Parques. A fonte central oferece assento, além de longos bancos em torno da área central que foram instalados em 1964. O parque é um ponto de encontro para aqueles que desejam jogar xadrez em tabuleiros fixos de pedra. Tom Murphy, um jogador campeão de xadrez desabrigado, é um residente no bairro[9] . O parque também tem sido local de comícios políticos, tais como aqueles que apóiam os direitos dos homossexuais e os protestos contra a invasão do Iraque em 2003, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional.

Embaixadas[editar | editar código-fonte]

O bairro Dupont Circle, que é listado no Registro Nacional de Lugares Históricos, é lar de numerosas embaixadas, muitas das quais estão localizadas em residências históricas. A Thomas T. Gaff House serve como residência do embaixador da Colômbia, e a Walsh-McLean House abriga a embaixada da Indonésia[10] . Localizada a leste de Dupont Circle, na Avenida Massachusetts, está a Clarence Moore House, agora conhecida como a Embaixada do Uzbequistão, e a Emily J. Wilkins House, que antigamente abrigava a embaixada australiana e agora está ocupada pela Chancelaria peruana[10] . O Iraque opera um escritório de serviços consulares na William J. Boardman House na P Street[11] .

Instituições[editar | editar código-fonte]

Além de suas estruturas residenciais, composta principalmente de apartamentos e condomínios de alto preço, Dupont Circle é o lar de alguns dos mais prestigiados think tanks e instituições de pesquisa da nação, incluindo o Instituto Brookings, o Carnegie Endowment for International Peace, O Centro da Eurasia, e o Instituto Peterson. O renomado Paul H. Nitze School of Advanced International Studies da Universidade Johns Hopkins está localizado a menos de dois quarteirões da rotatória. Dupont Circle é também a casa do Fundador original da Igreja da Cientologia, a primeira igreja estabelecida pelo fundador da religião, L. Ron Hubbard[12] . Além disso, a sede nacional do Jewish War Veterans of the United States of America, a mais antiga organização de veteranos do país, o National Museum of American Jewish Military History, e Washington, D.C. Jewish Community Center também estão localizados em Dupont Circle.

Outros pontos turísticos[editar | editar código-fonte]

Outros pontos de interesse, muitos dos quais estão listados no Registro Nacional de Lugares Históricos, incluem o Templo Internacional, Estação de Serviço da Embaixada do Golfo, Christian Heurich Mansion, também conhecido como Castelo Brewmaster, e a Coleção Phillips, o primeiro museu de arte moderna do país. A Richard H. Townsend House localizada na Avenida Massachusetts abriga agora o Clube Cosmos[10] . A Ponte Dumbarton, também conhecida como Ponte Buffalo, foi construída em 1883. Ela conduz a Q Street até Rock Creek Park e Georgetown[10] .

Transporte[editar | editar código-fonte]

Metrô de Washington[editar | editar código-fonte]

Dupont Circle é servido pela Linha Vermelha do Metrô de Washington na estação de metrô Dupont Circle. Existem duas entradas: ao norte da rotatória na Q Street NW e ao sul na 19th Street NW.

Eventos anuais do bairro[editar | editar código-fonte]

Capital Pride[editar | editar código-fonte]

Capital Pride é um festival anual do orgulho gay realizado todo mês de junho em Washington, D.C.[13] . O desfile do Capital Pride ocorre no sábado durante o festival e percorre as ruas do bairro.

High Heel Race[editar | editar código-fonte]

O Dupont Circle High Heel Race (em português, Corrida do Salto Alto de Dupont Circle), realizado pela primeira vez em 1985, acontece anualmente na terça-feira antes do Halloween (31 de outubro). Durante várias horas antes das 21hs, espectadores e participantes começam as festividades e mais de 100 drag queens passeiam para cima e para baixo na 17th Street. Muitas vezes esse evento é referenciado como "The Runway". A corrida em si, que dura cerca de um minuto, começa às 21hs. O "percurso" se estende ao norte desde a 17th Street com P Street, NW, até Riggs Place, a uma distância de cerca de dois quarteirões pequenos.

O evento é patrocinado pelo chapter Alpha (Washington, D.C.) da fraternidade Delta Lambda Phi e pelo JR's DC Bar and Grill[14] . O mestre de cerimônia da corrida de 2009 foi o prefeito em exercício Adrian Fenty[15] .

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Dupont Circle
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Dupont Circle

Referências

  1. Dupont Circle Community Stats: Demographic Overview and Map. The Washington Post. Página visitada em 28 de julho de 2010.
  2. a b Local History: Neighborhoods, Dupont Circle. ExploreDC.org. WETA Public Broadcasting (2001). Arquivado do original em 10 de julho de 2007. Página visitada em 28 de julho de 2010.
  3. Goode, James M.. Capital Losses: A Cultural History of Washington's Destroyed Buildings. [S.l.]: Smithsonian Institution, 1979. 231 p.
  4. D.C. Transit Track and Structures. D.C. Undeground. Página visitada em 28 de julho de 2010.
  5. Dupont Circle/Sheridan-Kalorama. Cultural Tourism DC. Página visitada em 28 de julho de 2010.
  6. Kettlewell, Caroline. "Harvest Home", The Washington Post, 27 de junho de 2003. Página visitada em 28 de julho de 2010.
  7. Associated Press. "Adult clubs in Dupont Down Under?", The Washington Times, 14 de julho de 2007. Página visitada em 28 de julho de 2010.
  8. Striver's Section Historic District. National Register of Historic Places Official Website. Página visitada em 29 de julho de 2010.
  9. Wells Tower. "The Days and Knights of Tom Murphy", The Washington Post, 30 de setembro de 2007. Página visitada em 1 de agosto de 2010.
  10. a b c d Geospatial District. Office of the Chief Technology Officer. Página visitada em 1 de agosto de 2010.
  11. Diplomatic Staff. Embassy of the Republic of Iraq. Página visitada em 1 de agosto de 2010.
  12. Church of Scientology of Washington, DC. Church of Scientology International. Página visitada em 1 de agosto de 2010.
  13. "Capital Pride parade and festival", The Washington Post. Página visitada em 1 de agosto de 2010.
  14. Karen Hart. "Drag Queen Race in Washington, DC - High Heel Race 2009", About.com. Página visitada em 1 de agosto de 2010.
  15. Samantha Strauss. "High Heel Drag Queen Race 2009", Metromix, Washington D.C., 27 de outubro de 2009. Página visitada em 1 de agosto de 2010.