Eöl

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Eöl é um personagem fictício criado por J.R.R. Tolkien dentro da mitologia de O Senhor dos Anéis. Eöl pertence ao povo dos Elfos, da estirpe dos Sindar.

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Originalmente um membro da casa real de Doriath, e parente do próprio Thingol, Eöl estava infeliz em sua terra natal. Quando o Cinturão de Melian foi colocado ao redor das florestas de Doriath, Eöl tomou seu rumo, e foi morar na floresta escura de Nan Elmoth, ao leste de sua pátria.

Eöl era um artesão hábil e mestre ferreiro. Entre os maiores trabalhos dele estavam duas espadas feitas do ferro de um meteorito, Anglachel e Anguirel. Anglachel que ele deu a Thingol como pagamento por morar em Nan Elmoth, e se tornaria depois a espada portada por Túrin Turambar. A habilidade como ferreiro de Eöl foi admirada especialmente pelos anões, e ele compartilhava uma amizade rara com os anões de Nogrod e Belegost nas Montanhas Azuis.

Um dia no início do quarto século da Primeira Era, Eöl encontrou em uma figura branca cintilando em seus bosques. Esta era Aredhel, a irmã de Turgon que tinha viajado para fora de Gondolin e havia se perdido. Eöl usou seus encantos para a atrair para mais fundo na floresta e a seduzir. Ela se tornou esposa dele, e lhe deu um filho, Maeglin.

Em um solstício de verão, muitos anos depois, Eöl viajou para as Montanhas Azuis para festejar com os anões de Nogrod, e ao voltar para casa descobriu que a esposa e filho tinham partido dois dias antes. Montando um cavalo, ele deu início a perseguição, e finalmente os descobriu no vau chamado Brithiach. Percebendo que Aredhel estava retornando a Gondolin com o filho, Eöl os seguiu. Ele achou o caminho para o Rio Seco, e o caminho secreto que o conduziu aos portões de Gondolin. Lá ele foi capturado e foi levado ao Rei.

A princípio Turgon deu boas-vindas a Eöl como um semelhante, mas sob a lei do Rei à aquele que achasse o caminho para a Cidade Oculta não era permitido partir, sob pena de morte. Enfurecido à perda de sua liberdade, Eöl escolheu a morte, para ele e seu filho, e lançou um dardo envenenado em direção de Maeglin. Ao invés dele, Aredhel foi atingida, e logo faleceu. Em deste modo Eöl alcançou o fim que ele tinha buscado; como castigo para seu crime, os Gondolindrim lançaram-no sobre os precipícios escuros de Caragdûr.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a obra de J. R. R. Tolkien é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.