EA-6B Prowler

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
EA-6B Prowler
Descrição
Fabricante Grumman / Northrop Grumman
Missão Decepção e inibição electrónica
Tripulação 4
Dimensões
Comprimento 17,7 m
Envergadura 15,9 m
Altura 4,9 m
Peso
Peso bruto máximo 27,900 kg
Propulsão
Motores 2x Pratt & Whitney J52-P408
Força (por motor) 46 kN
Performance
Velocidade máxima 1,050 km/h
Alcance 1,840 km
Teto máximo 11,500 m

O EA-6B Prowler iniciou a actividade operacional em Julho de 1971 e foi a primeira aeronave verdadeiramente especializada em guerra electrónica da Marinha Norte-Americana.[1] . Derivada directamente da versão com a mesma função do avião de ataque EA-6A Intruder, é no entanto uma aeronave bem mais capaz e exclusivamente dedicada à interferência e defesa electrónica.[2]

A produção terminou em 1991 e os planos para diminuição da sua existência foram abandonados, quando a USAF retirou definitivamente a sua plataforma de guerra electrónica o EF-111 Raven, partilhando desde então o uso do EA-6B Prowler com a Marinha e os Fuzileiros. Encontra-se em fase de substituição lenta e gradual na Marinha Norte-Americana pelo EA-18G Growler, no entanto os Marines não prevêem a sua substituição até pelo menos 2020.[3]

Introdução (guerra electrónica)[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Guerra Mundial, com o aparecimento dos primeiros radares, surgiram também as primeiras interferências electrónicas, efectuadas de modo rudimentar mas altamente eficaz: um operador sintonizava a frequência do radar com um receptor de rádio e neutralizava-o emitindo na mesma frequência um ruído forte.[4]

Na guerra da Coreia foram introduzidos os primeiros radares orientadores de artilharia Antiaérea (AAA) e de alerta antecipado. Os Estados Unidos sentiram a necessidade de incluir contra medidas electrónicas (ECM) para protecção das suas aeronaves.

EA-6B com o gancho de retenção descido, inicia a volta para a fase final de aproximação ao porta-aviões USS Theodore Roosevelt (CVN-71)

A força aérea equipou alguns bombardeiros B-25 Mitchell com equipamento de interferência os quais foram designados TB-25J Mitchell, também a maioria dos bombardeiros estratégicos foram equipados com equipamento de interferência , que na época se limitava a criar uma barragem de ruído electrónico nas mesmas frequências dos radares inimigos. No entanto a US Navy teve uma abordagem diferente e considerou necessário que os seus aviões de ataque precisavam de sistemas auto-protecção, liderando o desenvolvimento de uma família de sistemas de decepção e inibição electrónica AN/ALQ-19, em 1954.[4]

Nos anos posteriores à guerra da Coreia assiste-se a um incremento do desenvolvimento e uso de armas teleguiadas e em pleno conflito na Indochina, quando o campo de batalha está plenamente recheado da componente electrónica e o Vietname do Norte integralmente coberto por uma rede de detecção e intercepção (GCI) e amplamente defendido pelo míssil superfície-ar S-75 Dvina/SA-2 Guideline. Os Estados Unidos são confrontados com uma enorme lacuna, não possuem plataformas adequadas de guerra electrónica (EW) nem de recolha de informação electrónica (ELINT), para enfrentar esta nova ameaça.
Os Marines, são os primeiros a compreender a importância da resposta adequada e reagem em 1966, promovendo juntamente com a Marinha o rápido desenvolvimento de uma variante de combate electrónico do avião de ataque A-6A Intruder designada EA-6A e precursora do EA-6B Prowler.[4]

Origens, projecto e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Após o desenvolvimento de uma versão de contra medidas electrónicas do Grumman A-6 Intruder para uso dos esquadrões da Marinha dos EUA e do Corpo de fuzileiros designada EA-6A Intruder, a US Navy deu início no Outono de 1966, ao desenvolvimento de uma nova versão,[5] que em muitos aspectos é um avião totalmente diferente com um desempenho operacional consideravelmente ampliado, ao nível das contra medidas e capacidades de detecção bem como do tratamento da informação, pela adição de mais dois elementos à tripulação.[6] Para acomodar os dois novos elementos da tripulação, sentados também eles lado a lado em assentos ejectáveis, imediatamente atrás do piloto e do primeiro operador de contra-medidas, a fuselagem cresceu mais 1,37 m em comprimento em relação à variante EA-6A, o trem de aterragem foi reforçado bem como as asas e a canopy possui uma ligeira cobertura em ouro destinada a proteger a tripulação das poderosas emissões rádio magnéticas, emitidas pelo próprio avião quando em operação.[3] [7]

EA-6B imediatamente após deixar o convés de voo do USS Enterprise

O contrato com a Grumman, especificava que a nova plataforma teria que ser capaz de lidar com todas as ameaças conhecidas e antecipar futuros radares e sistemas de controlo, que a ex União Soviética pudesse apresentar. Teria ainda que ser amplamente automático e capaz de lidar com vários desafios simultâneamente, deveria também ser modular, permitindo assim no futuro a incorporação de novas tecnologias, bastando para tal trocar de módulos.[8]

O primeiro EA-6B, foi o décimo quinto A-6A produzido pela Grumman (BuNo 149481), voou pela primeira vez em 25 de Maio de 1968, servindo inicialmente como avião de demonstração e posteriormente como banco de ensaio para testes aerodinâmicos, os restantes dois protótipos resultam também de conversões de células A-6A, seguiram-se cinco exemplares de pré-produção integralmente novos (BuNo 156478 a 156482), entre Abril de 1968 e Março de 1970[9]
A todo o conjunto de componentes foi dado o nome TJS (Tactical Jamming System - sistema táctico de interferência electrónica. O TJS é composto pelas antenas, computador de processamento de dados e os interferidores, os quais ao longo do tempo têm sido melhorados, tanto ao nível do software como do hardware, para o que foram implantados vários programas de actualização.[10]

Actualizações[editar | editar código-fonte]

  • EA-6B (EXCAP) Extended Capability - Actualização introduzida em todas as novas construções e também aplicada às aeronaves construídas anteriormente. Consiste essencialmente no substituição do sistema de táctico de interferência electrónica AN/ALQ-99 pelo AN/ALQ-99A, capacitado para operar em oito bandas de rádio contra as anteriores quatro, introduzido um sistema AN/ASH-30 TERPES (Tactical Electronic Processing & Evaluation System) que habilita o EA-6B para realizar missões ELINT, [nota 1] foi ainda equipado com um sistema de gravação de dados digital, possibilitando a analise de dados após o voo.[11] O primeiro EA-6B EXCAP foi entregue em Janeiro de 1973 e em 1982 a quase totalidade estava já actualizada para o padrão ICAP II.[12]
  • EA-6B (ICAP-1) Improved Capability 1 - A principal diferença interna entre o EA-6B Prowler ICAP-1 e a anterior actualização (EXCAP) foi a passagem da operação do sistema AN/ALQ-99 para os assentos traseiros e a atribuição da responsabilidade de operar as contra medidas para o navegador/co-piloto foram ainda disponibilizado um rearranjo da disposição dos vários instrumentos nos painéis de instrumentos, devido `troca de funções entre os tripulantes, foi ainda actualizado o radar AN/APS-129 para a versão melhorada AN/APS-130, o sistema de contra medidas defensivas AN/ALQ-126 substtuído pelo AN/ALQ-100.[nota 2] O primeiro EA-6B ICAP-1 (BuNo 159907) voou pela primeira vez em Julho de 1975.[13]
EA-6B, iniciando os preparativos para o lançamento, sob a asa esquerda estão um AGM-88 HARM e um interferidor (jammer).
  • EA-6B (ICAP-2) Improved Capability 2 - Nova actualização para aviões de produção nova a partir de 1980 e 15 aeronaves que ainda mantinham o padrão EXCAP e 75 ICAP 1. Esta actualização foi apresentada a 24 de Junho de 1980, quando voou o primeiro avião (BuNo 156482) de pré-produção, os casulos externos foram actualizados para cobrirem uma maior amplitude de frequências, com a adopção do AN/ALQ-99D e podem agora serem programados em pleno voo, podem ainda interferirem frequências diferentes e cada um deles pode interferir duas frequências simultâneamente. Foi também introduzido um novo computador AN/AYK-14. Ficou ainda capacitado para disparar o míssil anti-radiação AGM-88 HARM e para operar em conjunto com outro EA-6B via Datalink[nota 3] de modo coordenado.[12]
  • EA-6B (ADVCAP) Advanced Capability - Esta teria sido a próxima actualização, não fosse ter sido cancelada. Além de novos sistemas de interferência, radar de alerta antecipado, GPS para navegação, novos e mais potentes motores e ainda modificações na fuselagem, como novos flaps e slats novas asas com aplicação de materiais compósitos, novo estabilizador vertical e alteração nos freios aerodinâmicos. Dois aviões (BuNo 158542 e BuNo 156482) foram completados para demonstração, mesmo assim e havendo uma necessidade de actualização das aeronaves, não foram providenciados fundos.[12]

Unidades operacionais[editar | editar código-fonte]

Dados retirados de: Joseph Baugher Website[12]

  • VAQ-128 Fighting Phoenix
  • VAQ-129 Vikings
  • VAQ-130 Zappers
  • VAQ-131 Lancers
  • VAQ-132 Scorpions
  • VAQ-133 Wizards
  • VAQ-134 Garudas
  • VAQ-135 Black Ravens
  • VAQ-136 Gauntlets
  • VAQ-137 Rooks
  • VAO-138 Yellow jackets
  • VAQ-139 Cougars
  • VAO-140 Patriots
  • VAO-141 Shadowhawks
  • VAQ-142 Gray Wolves
  • VAQ-143 Cobras
  • VAQ-144
  • VAQ-196
  • VMAQ-1 Banshees
  • VMAQ-2 Panthers (ex-Playboys)
  • VMAQ-3 Moon Dogs
  • VMAQ-4 Seahawks


Uso em combate[editar | editar código-fonte]

Especificações[editar | editar código-fonte]

GRUMMAN EA-6 PROWLER.png
Especificações comparativas entre o EA-6A Intruder e o EA-6B Prowler.[15] [16]
EA-6A Intruder EA-6B Prowler
Performance (condições de combate)
Velocidade máxima ao nível do mar 1,015 Km/h 1,060 Km/h
Velocidade máxima a 11,500 m 943 Km/h
Taxa inicial de subida ao nível do mar 2,103 m/min 3,460 m/min
Tecto de serviço 11,520 m 13,135 m
Raio de combate 2,260 Km 1,325 Km
Alcance de travessia 4,525 Km 3,255 Km
Dimensões
Envergadura 15,9 m 15,9 m
Área das asas 49.1 49.1
comprimento 16,2 m 17,7 m
Altura 4,75 m 4,9 m
Pesos
Peso máx. à descolagem 27,492 kg 27,900 kg
Peso vazio 14,588 kg 15,130 kg
EA-6B Prowler, momento antes de ser lançado do convés de voo.
  • Motores - 2x Pratt & Whitney J52-P-408 com 49.8 kN cada de potência[10]
  • Armamento - Até quatro AGM-88 HARM, (usualmente apenas 2).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Recolha e tratamento de informação electrónica, como a posição geográfica dos radares e tipo de banda e frequência em que emitem
  2. O qual era tão ineficaz como o anterior!
  3. Sistema acoplado ao "TACAN" (sistema táctico de navegação) que permite a comunicação da informação táctica, entre duas ou mais aeronaves de modo automático, digital e codificado.

Fontes e bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Drendel, Lou. A-6 Intruder in Action (em Inglês). 1ª ed. Warren, Michigan, USA: Squadron/Signal Publications Inc, 1979. ISBN 0897470192
  • Frawley, Gerard. International Directory of Military Aircraft: 1996/97 (em Inglês). 1ª ed. Weston Creek, Australia: Aerospace Publications, 1996. ISBN 187567120X
  • Jenkins, Dennis R.. Grumman EA-6A Intruder, EA-6B Prowler (em Inglês). 1ª ed. Arlington, Texas: Aerofax, 1989. ISBN 0942548124
  • Kasulka, Duane. USN Aircraft Carrier Air Units: 1964-1973 - Specials series (em Inglês). 1ª ed. Carrollton, Texas, USA: Squadron /Signal Publications, 1988. 3 vol. vol. 3. ISBN 0897472187
  • Kinzey, Bert. A-6 Intruder in detail & scale (em Inglês). 1ª ed. England: Airlife Publishing Ltd., 1987. ISBN 0830680349
  • Laur, Timothy M.. Encyclopedia of Modern U.S. Military Weapons (em Inglês). 1ª ed. New York, USA: Berkley Books, 1998. ISBN 0425164373
  • Miska, Kurt H. Grumman A-6A & lntruder EA-6B Prowler: Aircraft in Profile (em Inglês). Windsor, Berkshire, UK: Profile Publications Ltd, 1974. ISBN 0853830231
  • Peeters, Willy. Grumman A-6E, KA-6D Intruder, EA-6B Prowler (em Inglês). 1ª ed. Lier/Bélgica: Verlinden Publications, 1993. ISBN 978 1930607170
  • Swanborough, Gordon. United States Navy Aircraft Since 1911 (em Inglês). 3ª ed. Londres, GB: Putnam Aeronautical Books,, 1990. ISBN 0851778380
  • Taylor, John W.R.. Jane's All the World's Aircraft 1975-76 (em Inglês). Londres: Jane's Yearbooks, 1975. ISBN 0354005219

Referências

  1. Kasulka, Duane. USN Aircraft Carrier Air Units: 1964-1973 - Specials series (em Inglês). 1ª ed. Carrollton, Texas, USA: Squadron /Signal Publications, 1988. 49 p. 3 vol. vol. 3. ISBN 0897472187
  2. Laur, Timothy M.. Encyclopedia of Modern U.S. Military Weapons (em Inglês). 1ª ed. New York, USA: Berkley Books, 1998. 63 p. ISBN 0425164373
  3. a b Greg Goebel (Maio 2010). The Grumman A-6 Intruder & EA-6B Prowler. Página visitada em Junho 2011.
  4. a b c Jenkins, Dennis R.. Grumman EA-6A Intruder, EA-6B Prowler (em Inglês). 1ª ed. Arlington, Texas: Aerofax, 1989. ISBN 0942548124
  5. Swanborough, Gordon. United States Navy Aircraft Since 1911 (em Inglês). 3ª ed. Londres, GB: Putnam Aeronautical Books,, 1990. 273 p. ISBN 0851778380
  6. Peeters, Willy. Grumman A-6E, KA-6D Intruder, EA-6B Prowler (em Inglês). 1ª ed. Lier/Bélgica: Verlinden Publications, 1993. 3 p. ISBN 978 1930607170
  7. Taylor, John W.R.. Jane's All the World's Aircraft 1975-76 (em Inglês). Londres: Jane's Yearbooks, 1975. 347 p. ISBN 0354005219
  8. Jenkins, Dennis R.. Grumman EA-6A Intruder, EA-6B Prowler (em Inglês). 1ª ed. Arlington, Texas: Aerofax, 1989. 3 p. ISBN 0942548124
  9. Drendel, Lou. A-6 Intruder in Action (em Inglês). 1ª ed. Warren, Michigan, USA: Squadron/Signal Publications Inc, 1979. 34 p. ISBN 0897470192
  10. a b Frawley, Gerard. International Directory of Military Aircraft: 1996/97 (em Inglês). 1ª ed. Weston Creek, Australia: Aerospace Publications, 1996. 81 p. ISBN 187567120X
  11. Greg Goebel (Maio 2010). Prowler upgrades/ A-6 variant list. Página visitada em Junho 2011.
  12. a b c d Joseph Baugher (Maio 2002). Grumman EA-6B Prowler. Página visitada em Junho 2011.
  13. Drendel, Lou. A-6 Intruder in Action (em Inglês). 1ª ed. Warren, Michigan, USA: Squadron/Signal Publications Inc, 1979. 40 p. ISBN 0897470192
  14. a b c d e f Laur, Timothy M.. Encyclopedia of Modern U.S. Military Weapons (em Inglês). 1ª ed. New York, USA: Berkley Books, 1998. 64 p. ISBN 0425164373
  15. Jenkins, Dennis R.. Grumman EA-6A Intruder, EA-6B Prowler (em Inglês). 1ª ed. Arlington, Texas: Aerofax, 1989. 21-22 p. ISBN 0942548124
  16. Drendel, Lou. A-6 Intruder in Action (em Inglês). 1ª ed. Warren, Michigan, USA: Squadron/Signal Publications Inc, 1979. 36 p. ISBN 0897470192

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre EA-6B Prowler