ESPN

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
ESPN
Entertainment and Sports Programming Network
ESPN wordmark.svg
País  Estados Unidos
Fundação 7 de setembro de 1979 (35 anos)
por Scott e Bill Rasmussen
Pertence a The Walt Disney Company - 80%
Hearst Corporation - 20%
Presidente George Bodenheimer
Slogan The Worldwide Leader in Sports
Disponibilidade por satélite
Disponível em várias operadoras de cabo
Veja a listagem local específica para canais

ESPN, anteriormente sigla para Entertainment and Sports Programming Network (Rede de Programação de Esportes e Entretenimento), é uma rede de TV por assinatura dos Estados Unidos dedicada à transmissão e produção de programas esportivos 24 horas por dia. Foi fundada por Scott Rasmussen e seu pai, Bill Rasmussen e lançada em 7 de setembro de 1979 sob a direção de Chet Simmons, que foi o primeiro presidente e CEO da rede (e depois se tornaria o primeiro comissário da United States Football League).

George Bodenheimer é o atual presidente da ESPN, um cargo que detém desde 19 de novembro de 1998; desde 3 de março de 2003, ele também é o chefe da divisão esportiva da ABC, que foi renomeada como ESPN on ABC (ainda que a divisão esportiva da ABC tenha legalmente uma existência separada). O programa símbolo da emissora, o SportsCenter, estreou junto com a emissora e levou ao ar sua 30.000ª exibição em 11 de fevereiro de 2007.

A ESPN transmite primariamente a partir de seus estúdios em Bristol, Connecticut; também operando a partir de escritórios em Charlotte, San Francisco e Los Angeles, tendo os escritórios de Los Angeles suas funções iniciadas em 2009. O canal está disponível em mais de 100 milhões de lares nos Estados Unidos e mais de 150 países e territórios via ESPN Internacional. O nome da companhia foi simplificado para "ESPN Inc." em fevereiro de 1985.

A ESPN se referencia não-oficialmente como "O Líder Mundial em Esportes"; o slogan aparece em quase todas as transmissões, embora sua origem seja ainda desconhecida.

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

As raízes da ESPN estão ligadas a Bill Rasmussen, um repórter esportivo para a WWLP, uma afiliada da NBC em Springfield, Massachusetts. No meio dos anos 70, Rasmussen trabalhava pelos New England Whalers da World Hockey Association, vendendo o tempo dos comerciais nas transmissões. Seu filho Scott, um goleiro de hóquei no gelo nos tempos de universidade, era o locutor de estádio do time.

Ambos foram demitidos em 1977 e Rasmussen procurou um novo negócio. Sua idéia original era uma rede de TV a cabo (um meio razoavelmente novo a epóca) que tivesse o foco em eventos esportivos no estado de Connecticut (por exemplo, os Hartford Whalers e os Connecticut Huskies). Quando Rasmussen soube que comprar um sinal ininterrupto de satélite era bem mais barato do que comprar blocos de algumas horas durante a noite, ele expandiu seu projeto a uma rede nacional 24 horas por dia. O nome original do canal era ESP, para Entertainment and Sports Programming, mas foi modificado antes da estréia.[1]

Executivos da Getty Oil forneceram o dinheiro e a experiência em negócios necessários para ajudar a ESPN no início.

A ESPN estreou com o início do SportsCenter apresentado por George Grande em 7 de setembro de 1979. Logo após foi exibido um jogo de softbol. O primeiro resultado a ser divulgado no SportsCenter foi de tênis feminino.

Para preencher as 24 horas diárias de transmissão, a ESPN exibiu uma grande variedade de eventos esportivos que as redes abertas não mostravam aos finais de semana, incluindo futebol australiano, Copa Davis de tênis, wrestling profissional, boxe além de jogos universitários de futebol americano e basquetebol. O U.S. Olympic Festival, competição já extinta que era organizada pelo Comitê Olímpico dos Estados Unidos como uma competição de treinamento, foi também uma marca da ESPN nesse período.

Antes mesmo que a ESPN começasse suas transmissões, conseguiu convencer a NCAA a conceder os direitos de transmissão das primeiras rodadas da Divisão I do Campeonato de Basquetebol Masculino da NCAA. As transmissões eram diversas e ajudaram o basquetebol universitário a obter uma maior audiência.

A chegada dos esportes profissionais[editar | editar código-fonte]

Em 1983, a United States Football League (USFL) fez sua estréia na ESPN e na ABC. A liga, que durou três anos e originalmente consistia de doze equipes, foi a primeira liga profissional a ser transmitida pela ESPN.

Em 1987, a ESPN conseguiu direitos parciais da National Football League. A liga concordou com o negócio contanto que a ESPN concordasse em transmitir suas partidas em TV aberta nas cidades dos times envolvidos no jogo, uma prática que continua até hoje. O ESPN Sunday Night Football duraria por 19 anos e simbolizaria a ascensão da ESPN como rede menor a uma instiuição da TV dos Estados Unidos. Na temporada 2006-2007, o Monday Night Football da ABC, durante muito tempo considerado o principal jogo da rodada da NFL, começou a ser transmitido na ESPN. Isso foi feito para aumentar a audiência do jogo de domingo a noite e fazê-lo o jogo de destaque da semana.

Em 1990, a ESPN adicionou a Major League Baseball às suas transmissões. Jogos da MLB estão até hoje na programação da ESPN e devem continuar pelo menos até 2011. Jon Miller e Joe Morgan foram os primeiros comentaristas e ocuparam estas funções até 2010.

Houve um período em que a ESPN transmitiu cada uma das quatro principais ligas esportivas dos Estados Unidos (NFL, MLB, NHL e NBA) até decidir não renovar o contrato com a National Hockey League após os problemas trabalhistas que resultaram no cancelamento da temporada 2004-2005, citando que as audiências dos programas produzidos pela ESPN eram comparáveis a dos jogos da NHL.[2]

Expansão[editar | editar código-fonte]

Na década de 1990 e no início da de 2000 houve um considerável crescimento da companhia. Em 1993, foi fundada a ESPN2, com Keith Olbermann e Suzy Kolber inciando as transmissões com SportsNite. Três anos depois, nasceria a ESPNews, com Mike Tirico como primeiro âncora (hoje, Tirico é o narrador do Monday Night Football). Em 1997, a ESPN comprou a Classic Sports Network e a renomeou como ESPN Classic. A mais recente rede ESPN nos Estados Unidos, ESPNU, começou suas transmissões em 4 de março de 2005.

A ESPN Internacional começou no início da década de 1990 tomando vantagem da crescente estrutura de televisão por assinatura na Ásia, África e América Latina. No Canadá, a ESPN Inc. comprou uma parte das ações da TSN e da RDS (na verdade, o atual logotipo das duas é bem similar ao da ESPN). Em 2004, a ESPN finalmente entrou no mercado europeu lançando uma versão do ESPN Classic, e em dezembro de 2006, concordou em comprar a North American Sports Network. As três principais edições do SportsCenter vão ao ar geralmente a 1:00 ET (essa edição é reprisada durante as madrugadas), 18:00 ET e 23:00 ET.

Em 1994 a ESPN definiu um padrão para a compreensão do papel dos esportes nos Estados Unidos com a criação da ESPN Sports Poll por Richard Luker. A Sports Poll foi o primeiro estudo diário das atividades e interesses do torcedor nos Estados Unidos. O Sporting News reconheceu os feitos da ESPN Sports Poll e de Luker em 1996.[3]

Com os custos ascendentes das transmissões esportivas ao vivo, como os custos de 8,8 bilhões de dólares para os direitos da NFL por oito anos, "entretenimento escrito se tornou um luxo para a ESPN", analisa David Carter, diretor do Instituto de Negócios do Esporte na Universidade do Sul da Califórnia.[4]

De 1996 em diante, a ESPN esteve profundamente integrada a ABC Sports (divisão de esportes da rede ABC). Àquele ano, Steve Bornstein, presidente da ESPN desde 1990, também foi empossado como presidente da ABC Sports. Essa integração culminou em 2006, quando as operações da ABC Sports foram fundidas com as da ESPN. Como resultado, toda a programação esportiva da ABC agora usa a marca ESPN on ABC. Porém, a ABC Sports ainda está legalmente separada da ESPN.

História de propriedade[editar | editar código-fonte]

Como mencionado, Scott Rasmussen fundou a emissora. Antes que a emissora fosse lançada, a Getty Oil (depois comprada pela Texaco, hoje Chevron) concordou em comprar a maior parte das ações da rede. Nabisco e Anheuser-Busch também compraram ações.[5]

Em 1984, a ABC fez um acordo com a Getty Oil para adquirir a ESPN. A ABC conseguiu 80% das ações, e vendeu os 20% restantes para a Nabisco. As ações da Nabisco foram depois vendidas para a Hearst Corporation, que possui esses 20% até hoje. Em 1986, a ABC foi comprada por 3,5 bilhões de dólares pela Capital Cities Communications. Em 1995, a Disney comprou a Capital Cities/ABC por 19 bilhões de dólares e pegou os 80% de ações da ESPN.

Ainda que a ESPN opere como uma subsidiária da Disney desde 1996, ainda é tecnicamente uma joint venture entre Disney e Hearst. Essa tecnicalidade legal é o motivo pelo qual George Bodenheimer é atribuído como presidente da ESPN e da ABC Sports, e os avisos de copyright de alguns programas da ABC Sports ainda lêem "©xxxx American Broadcasting Companies, Inc.".

Transmissões em alta definição[editar | editar código-fonte]

Em 2004, a ESPN abriu seu centro de HDTV em Bristol, Connecticut. Todos os programas de estúdio baseados em Bristol, incluindo SportsCenter, Baseball Tonight, NFL Live, NFL Primetime, Sunday NFL Countdown, Outside The Lines, Kia NBA Shootaround, NBA Fastbreak, College Gamenight e outros são transmitidos em alta definição. Além disso, muitos dos jogos transmitidos pela ESPN são em alta definição. O primeiro programa transmitido em HD da história da ESPN foi um jogo de basquetebol universitário na University of Dayton Arena. A primeira transmissão do centro digital de Bristol foi a edição das 23:00 do SportsCenter com Linda Cohn e Rece Davis em 7 de junho de 2004

Executivos[editar | editar código-fonte]

  • George Bodenheimer: Presidente da ESPN Inc.[6]
  • Sean Bratches: Vice-presidente Executivo, Vendas e Marketing.[7]
  • Christine Driessen: Vice-presidente Executiva e CFO.[8]
  • Edwin Durso: Vice-presidente Executivo, Administração.[9]
  • Chuck Pagano: Vice-Presidente Executivo e CTO.[10]
  • John Skipper: Vice-Presidente Executivo, Conteúdo.[11]
  • Norby Williamson: Vice-presidente Executivo, Produções Remotas e de Estúdio.[12]
  • Russell Wolff: Vice-Presidente Executivo e Diretor Geral, ESPN Internacional.[13]

Importantes direitos de transmissão na America Latina[editar | editar código-fonte]

Automobilismo[editar | editar código-fonte]

Champ Car

  • 1992-2001
  • 2007-2011

Indy Racing League

  • 1996-2008

National Association for Stock Car Auto Racing

  • 1981-2000 (contrato com provas individuais)

National Hot Rod Association

  • 1980-2000 (contrato com provas individuais)
  • 2001-2013 (contrato de temporada completa)

Basquetebol[editar | editar código-fonte]

National Basketball Association

  • 1982-1984
  • 2002-2016

Women's National Basketball Association

  • 1997-2016

NCAA

Beisebol[editar | editar código-fonte]

Major League Baseball

  • 1990-2013

Little League World Series

Boliche[editar | editar código-fonte]

Professional Bowlers Association

Cricket[editar | editar código-fonte]

ESPN History of Cricket: 2009-2011

Sri Lanka Mahindra Premier League 2012 - 2015

Copa do Mundo de Cricket

Futebol[editar | editar código-fonte]

FIFA

UEFA

Major League Soccer

  • 1996-2014

Futebol Americano[editar | editar código-fonte]

National Football League

  • 1987-1989 (domingos a noite; somente segunda metade da temporada)
  • 1990-1997 (domingos a noite; somente segunda metade da temporada; TNT transmitia primeira metade)
  • 1998-2005 (domingos a noite; temporada completa mais alguns jogos de quinta e sábado a noite)
    • 2003-2005 (Pro Bowl, direitos adquiridos da ABC)
  • 2006-2013 (todos os jogos às quintas-feiras, dois jogos nos domingos à tarde, além dos jogos aos domingos a noite (direitos adquiridos da NBC), e o "Monday Night Football".

NCAA

Futebol Canadense[editar | editar código-fonte]

Futebol americano de arena[editar | editar código-fonte]

Arena Football League

  • 1989-2002
  • 2007-2011

Golfe[editar | editar código-fonte]

Professional Golfers Association

  • PGA Tour: 1980-2006 (contratos com torneios individuais)

Ladies Professional Golf Association

Hóquei sobre o Gelo[editar | editar código-fonte]

National Hockey League

  • 1979-1988
  • 1992-2004
  • 2010 a ????

Lacrosse[editar | editar código-fonte]

National Lacrosse League

  • 1990-1995
  • 2012- ???

Rugby[editar | editar código-fonte]

ESPN na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Este artigo pode ser melhorado, integrando ao texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.

A ESPN se tornou parte da cultura popular dos Estados Unidos desde seu início. O nome é constantemente referido na mídia através de filmes e televisão. Em muitos filmes onde há um evento esportivo, não é raro que os jornalistas e a cobertura do evento sejam da ESPN. Mesmo quem não acompanha muito o mundo do esporte está familiarizado com a ESPN. É comum que brinquem com o número de canais que a ESPN opera. Eis alguns exemplos:

  • No sitcom passado na Pré-História Família Dinossauro, existe o canal desportivo DSPN (Dinosaurs and Sports Programming Network), uma paródia "dinossauresca" do ESPN.
  • Num episódio da sitcom da CBS Yes, Dear, Christine e Jimmy estão na cozinha, quando Jimmy começa a ficar excitado para fazer sexo; Christine diz, "Não é o SportsCenter que está passando?" e Jimmy responde, "Você não me engana!" Então ele olha para o seu relógio, percebe que o SportsCenter está de fato no ar - e deixa a cozinha para ir assistí-lo.
  • No videoclipe de Brad Paisley "I'm Gonna Miss Her (The Fishing Song)", Dan Patrick pode ser visto transmitindo um torneio de pesca fictício no Sportscenter.
  • No filme Zathura, Walter está assistindo ao SportsCenter na ESPN enquanto Danny está a incomodá-lo, nisso a TV acaba destruída por um meteoro.
  • No filme Dodgeball: A True Underdog Story, o crescimento e adição de novos canais ao grupo ESPN é parodiado quando um grande torneio de queimada é transmitido pela ESPN 8 ("The Ocho"): "Se é quase um esporte, nós passamos!" (na verdade não existe nenhuma ESPN 8). A brincadeira por trás do apelido da emissora é o fato de que a ESPN 2 em seus primeiros dias era chamada de "The Deuce" pela rede.
  • No remake de The Longest Yard por Adam Sandler, a ESPN 2 transmite o jogo de futebol americano entre os presos e os guardas, com o apresentador Chris Berman fazendo a narração da partida. Dan Patrick, outro rosto do canal (hoje, fora da emissora), faz o papel do policial que prende o personagem de Sandler, Paul Crewe.
  • No filme There's Something About Mary, a personagem Mary - interpretada por Cameron Diaz - convida seu companheiro para dentro de casa dizendo "Você quer assistir o SportsCenter?"
  • Nos extras do DVD do filme Anchorman: The Legend of Ron Burgundy, há uma cena que apresenta uma "entrevista" do âncora ficcional Ron Burgundy (Will Ferrell) para trabalhar na ESPN em 1979; ele afirma que a idéia de uma rede que fale sobre esportes vinte e quatro horas por dia seria ridícula.
  • Na série de TV de 1998 Sports Night (escrita pelo criador de The West Wing, Aaron Sorkin) foi baseada numa rede no estilo da ESPN.
  • Um erro comum na língua inglesa é confundir ESPN com ESP (sigla em inglês para Percepção extra-sensorial). Num esquete do In Living Color, a ESPN entrevistou "os ganhadores do Super Bowl do ano que vem" e cobriu outras histórias semelhantes. A personagem de Amanda Seyfried em Mean Girls menciona sua habilidade de prever a meteorologia, ou "ESPN".
  • Em Jerry Maguire, a ESPN estava presente na cena do Draft da NFL, e uma das últimas cenas do filme foi uma entrevista na ESPN com o personagem de Cuba Gooding Jr..
  • Num episódio d'Os Simpsons há uma referência a emissora: Homer passa por vários canais e para numa emissora que claramente é uma cópia da ESPN, exceto pelo fato de que as iniciais da emissora são PENS (um anagrama de ESPN).
  • No filme Days of Thunder há vários segmentos de reportagens fictícias da ESPN, junto com várias cenas em que reais comentaristas da NASCAR aparecem. O personagem Cole Trickle (interpretado por Tom Cruise) diz ter aprendido muito sobre a NASCAR "vendo ESPN".
  • Muitas piadas são feitas por comediantes anunciando esportes obscuros que seriam supostamente exibidos pela ESPN. Dennis Miller disse ter assistido "rodeio sumô", enquanto George Carlin diz que a ESPN mostrou "luta livre australiana de pintos". Num episódio do Saturday Night Live, um esquete apresentou uma paródia da ESPN 2 apresentando o programa Scottish Soccer Hooligan Weekly ("Semana dos Hooligans do Futebol Escocês"), que incluía uma propganda falsa de "Lacrosse de Praia Feminino Senior".
  • No filme Talladega Nights, estrelando Will Ferrell, o personagem Ricky Bobby é entrevistado por um repórter da ESPN.
  • Vários âncoras do SportsCenter são apresentados no videoclipe "Only Wanna Be With You" de Hootie & the Blowfish
  • No filme Mr. 3000, Stan Ross aparece frequentemente em programas da ESPN como o Sportscenter e o PTI. Depois de ter conseguido duas rebatidas válidas, ficando somente uma de 3000, a ESPN deixou de falar mal de Stan, fazendo uma entrevista e pedindo desculpas. O personagem de Angela Bassett, Maureen Simmons, é uma repórter da ESPN. O último jogo da temporada é o Sunday Night Baseball.
  • No filme Baseketball, os apresentadores da ESPN Dan Patrick e Kenny Mayne discutem a final da Denslow Cup no Sportscenter.
  • No filme The Waterboy, o Sportscenter mostra a cobertura de um jogo de futebol americano da Universidade de Michigan onde eles tentam usar seu roupeiro como wide reciver em resposta ao sucesso de Bobby Boucher. Eles também cobrem o fictício "Bourbon Bowl" ao final do filme. Lynn Swann é a repórter da ESPN.
  • No filme The Sentinel, o personagem principal acorda e faz exercícios em frente a uma TV que está exibindo o Sportscenter.
  • Há pelo menos três crianças batizadas com o nome de ESPN.[15]
  • Na série My Wife and Kids, Michael Kyle discute com sua mulher Jay que ela ficasse quieta para ele assistir o SportsCenter.
  • Na série Two and a Half Men, Charlie esta assistindo ao SportsCenter, que quando acaba Charlie diz: "acabou o SportsCenter, e é a hora do sexo!"
  • Na série Friends, Rachel orienta Chandler a assistir mais ESPN ao invés de E!.

A família de redes ESPN[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Internet[editar | editar código-fonte]

Rádio[editar | editar código-fonte]

Revista[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. ESPN: An Uncensored Story, por Michael Freeman. Publicado em 2000
  2. "ESPN decides not to match Comcast's offer" ESPN, 18/8/2005
  3. The Sporting News, 30/12/1996
  4. "ESPN calls time out on scripted fare", Variety, vol. 407, No. 1, 21 a 27 de maio de 2007, p. 22
  5. ESPN: Building an Empire, by Stuart Evey. Publicado em 2005 (Evey é um ex-executivo da Getty).
  6. The Walt Disney Company - George W. Bodenheimer Executive Biography The Walt Disney Company. Página visitada em 2007-04-07.
  7. SEAN R. H. BRATCHES Executive Vice President, Sales and Marketing media.espn.com. Página visitada em 2007-04-07.
  8. CHRISTINE F. DRIESSEN Executive Vice President and Chief Financial Officer media.espn.com. Página visitada em 2007-04-07.
  9. EDWIN M. DURSO Executive Vice President, Administration media.espn.com. Página visitada em 2007-04-07.
  10. CHUCK PAGANO Executive Vice President, Technology media.espn.com. Página visitada em 2007-04-07.
  11. JOHN SKIPPER Executive Vice President, Content media.espn.com. Página visitada em 2007-04-07.
  12. NORBY WILLIAMSON Executive Vice President, Studio and Remote Production media.espn.com. Página visitada em 2007-04-07.
  13. RUSSELL WOLFF Executive Vice President and Managing Director, ESPN International media.espn.com. Página visitada em 2007-04-07.
  14. Little League Chronology Little League Online. Página visitada em 2007-04-07. ESPN2 broadcasts started in 1997.
  15. "Texas toddler at least third named ESPN", ESPN, 16 de junho de 2006.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre televisão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.