Echelon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cúpulas geodésicas na base RAF Menwith Hill, localizada em Harrogate, Reino Unido, Sistema Echelon[1] .
Donald H. Rumsfeld visita o SIVAM em 23 de março de 2005.

Echelon é um rede de vigilância global e espionagem para a coleta e análise de sinais de inteligência (SIGINT), operada inicialmente pelos cinco Estados signatários do Tratado de Segurança UK-USA conhecido como "Cinco Olhos" (Five Eyes - em inglês): Estados Unidos, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido.[2] [3] [4] [5] .

Em 03/11/1999 a BBC confirmou a existência da rede de espionagem mundial ECHELON.[6] . Mas apenas em 2013, através das revelações pelo americano Edward Snowden[7] , o projeto Echelon foi exposto como sendo em projeto para vigilância global e espionagem cuja revelação recebeu atenção do público em nível mundial. Através de milhares de documentos revelados por Edward Snowden foram reveladas várias atividades de vigilância da NSA incluindo sistemas como o Echelon que até então haviam sido relegados ao plano especulativo ou mesmo conspiratório, incluindo a existência e os objetivos do Echelon.[8] [9] [10]

Ao final da década de 1990, se estima que a rede ECHELON já era capaz de monitorar 90% de todo o tráfego da Internet.De acordo com a BBC em Maio de 2001, o Governo dos Estados Unidos ainda negava a existência da rede Echelon na época."[11]

Uma das cúpulas geodésicas situadas na base RAF Menwith Hill, usadas para esconder a direção de antenas e equipamentos do sistema Echelon
A Ilha de Ascensão é apontada como uma das possíveis bases do Sistema Echelon.
Base Aérea Misawa, Japão- anos 1990

História[editar | editar código-fonte]

A montagem do sistema coincide com a construção da hegemonia norte-americana a partir da segunda metade do século XX, após a Segunda Guerra Mundial, no âmbito do que é conhecido como UKUSA Agreement ("Acordo Reino Unido-Estados Unidos")[12] ..

Sob o comando da NSA e administrado conjuntamente pelos serviços de informação dos estados membros do Acordo, a saber:

Com a perda do poderio econômico estadunidense[13] , a CIA e a NSA, passaram também a espionar empresas estrangeiras[14] e a repassar informações privilegiadas obtidas pelo Echelon às corporações americanas e aos aliados no monitoramento global, os membros do grupo chamado Five Eyes - em inglês, a saber: Reino Unido, Irlanda, Austrália, Canadá e Alemanha, que e um sistema geopolítico de espionagem eletrônica dos EUA, controlado pela NSA, Agência de Segurança Nacional americana.[15]

Casos de espionagem industrial pelos Estados Unidos revelados a partir de 2013 por Edward Snowden, incluem o caso das operações da NSA para estabelecer parcerias com Empresas que contribuam para facilitar as interceptações de dados, como parte da execuçāo dos seus programas de Vigilância Global através da Vigilância de Computadores e Redes. Acordos sāo feitos pelo departamento da NSA chamado Operações de Fonte Especial(SSO). Através destas parcerias, vários países são alvo para a espionagem pela NSA.[16] Em 29 de março de 2014, o jornal Der Spiegel publicou documentos que mostram que como parte do programa de vigilância global da NSA, mesmo os sistemas de satélite da Alemanha se tornaram alvo de espionagem feita pelo CGHQ, membro do conhecido grupo chamado Five Eyes, Cinco Olhos, em português.[17]

Tratado de Segurança UK-USA[editar | editar código-fonte]

O Sistema Echelon é uma sofisticada máquina cibernética de espionagem, criada e mantida pela Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos, com a participação direta do Reino Unido, do Canadá, da Austrália e da Nova Zelândia.

Com suas atividades iniciadas nos anos 1980, o Echelon teria, como embrião histórico, o UKUSA, firmado secretamente pela Grã-Bretanha e pelos EUA, no início da Guerra Fria.

Destinado à coleta e troca de informações, o Pacto Reino Unido-Estados Unidos resultou, nos anos 1970, na instalação de estações de rastreamento de mensagens enviadas desde e para a Terra por satélites das redes Intelsat (International Telecommunica­tions Satellite Organisation) e Inmarsat. Outros satélites de observação foram enviados ao espaço para a escuta das ondas de rádio, de celulares e para o registro de mensagens de correio eletrônico.

No Reino Unido, o órgão associado à NSA é ao GCHQ, o serviço de informações britânico). Uma das bases de espionagem eletrônica é a Field Station F83 da NSA. A estação está situada em Menwith Hill, Yorkshire, na Grã-Bretanha.[18]

Além disso, já sob o guarda-chuva do Echelon, seriam captadas as mensagens de telecomunicações, inclusive de cabos submarinos e da rede mundial de computadores, a Internet.

O segredo tecnológico do Echelon consiste na interconexão de todos os sistemas de escuta. A massa de informações é espetacular e, para ser tratada, requer uma triagem pelos serviços de espionagem dos países envolvidos, por meio de instrumentos da inteligência artificial.

"A chave da interpretação", segundo o jornalista neozelandês Nicky Hager, "reside em poderosos computadores que perscrutam e analisam a massa de mensagens para delas extraírem aquelas que apresentam algum interesse. As estações de interceptação recebem milhões de mensagens destinadas às estações terrestres credenciadas e utilizam computadores para decifrar as informações que contêm endereços ou textos baseados em palavras-chave pré-programadas".

Vários programas revelados por Edward Snowden como o Boundless Informant, PRISM e dezenas de outros, mostram que os objetivos de americanos de montar um sistema capaz de exercer uma vigilância global forma atingidos.

SIVAM[editar | editar código-fonte]

Segundo o relatório de investigação feita pelo Parlamento Europeu em 2001, o Echelon foi usado pelos EUA para colaborar com a empresa americana Raytheon por ocasião da concorrência, lançada pelo governo brasileiro, por serviços e equipamentos para o sistema de vigilância da Amazônia, o SIVAM. Os americanos venceram a disputa.[19]

Espionagem industrial[editar | editar código-fonte]

O sistema Echelon tem sido utilizado em prol dos interesses comerciais americanos. Em 2013, documentos publicados em jornais mundialmente e revelados por Edward Snowden, confirmam o uso da rede para espionagem de outros países e vigilância global.

Antes das revelações de 2013 haviam indícios das atividades de espionagem do sistema, confirmados em 2013 incluindo a espionagem do Brasil não apenas pelos Estados Unidos mas por outro signatário do Tratado, o Canadá.[20] [21]

Exemplos anteriores e conhecidos[22] são:

  • Enercon, empresa Alemã que desenvolve tecnologia relacionada com turbinas eólicas [23] [24]
  • Lernout & Hauspie [25] empresa Belga, abriu falencia depois de se saber da existência de uma contabilidade paralela. Foi comprada em Dezembro de 2001 pela Nuance Communications.
  • Airbus versus Boeing em 1994. Contrato de 6 milhões de dólares com a Arábia Saudita. Revelação de suborno do consórcio europeu Airbus. Método utilizado, "(...) de escuta de faxes e telefonemas entre o consórcio europeu Airbus, a companhia aérea e o Governo sauditas sobre satélites de comunicações. A McDonnel-Douglas, concorrente norte-americana da Airbus, conclui o negócio". (pag.107 do relatório elaborado pelo PE).

Vigilância Global[editar | editar código-fonte]

Em 5 de junho de 2013 , o jornalista americano Glenn Greenwald através do The Guardian e juntamente com vários outros jornais incluindo o The New York Times, The Washington Post, Der Spiegel, iniciou a publicação das revelações da vigilância global americana que inclui inúmeros Programas de Vigilância Eletrônica ao redor do mundo, executados pela Agência de Segurança Nacional (NSA).[26] [27]

O mega poder da NSA[editar | editar código-fonte]

Agência de Segurança Nacional
National Security Agency headquarters, Fort Meade, Maryland.jpg

National Security Agency seal.png
Visão geral
Nome completo National Security Agency
Sigla NSA
Fundação 1952
Chefe General Keith B. Alexander
Estrutura operacional
Sede Fort Meade
MarylandUSA
Nº de empregados secreto-estimado em 30.000 a 40.000[28] [29]
Website http://www.nsa.gov
Portal da polícia
editar
Lançamento de satélite espião no Cabo Canaveral em 2003.

A agência de inteligência norte-americana mais conhe­cida é a CIA. No entanto, de acordo com os pesquisadores nessa arca, a mais poderosa é a NSA. O numero de seus funcionários é desconhecido mas calcula-se que ela possua de 30 a 40 mil funcionários em Fort Meade , seu quartel-ge­neral.

A Agência de Segurança Nacional (NSA) foi criada em 1952 por meio de um decreto secreto do presidente Harry Truman para cuidar de espionagem e contra-espionagem, dentro e fora dos Estados Unidos. Seus serviços cobrem praticamente todo o universo das tecnologias da informação.

Com base nessa massa crítica, os EUA adiantaram-se no tempo para assegurar sua hegemonia mundial no século 21. Em novembro de 1997, o chefe do Estado-Maior da Força Aérea norte-americana fez palestra na Câmara de Representantes, em Washington e afirmou: “No primeiro trimestre do próximo século, seremos capazes de localizar, seguir e mirar — praticamente em tempo real — qualquer alvo importante em movimento, na superfície da Terra

Ao refletir sobre o que chama de tele vigilância global, o filósofo e urbanista francês Paul Virilio afirma que o fenômeno histórico que leva à mundialização exige cada vez mais luz, cada vez mais iluminação. E assim que se desenvolve hoje uma tele vigilância global que não reconhece qualquer premissa ética ou diplomática. A atual globalização das atividades internacionais torna indispensável uma visão ciclópica ou, mais precisamente, uma visão cyber-ótica... Com essa dominação do ponto de vista orbital, o lançamento de uma infinidade de satélites de observação tende a favorecer a visão globalitária. Para “dirigir” a vida, não mais se trata de observar o que acontece diante de si. A dimensão zenital prevalece, de longe ou mais alto, sobre a horizontal e não se trata de um assunto de pouca importância porque o “ponto de vista de Sirius” apaga toda perspectiva”. (em Le Monde Diplomatique, agosto de 1999, pgs.4e 5).

Estados Unidos: espionagem interna[editar | editar código-fonte]

Embora o Echelon tenha sido originalmente concebido como uma rede de espionagem internacional, já em 1999 os membros do Congresso dos Estados Unidos discutiam a possibilidade de que o sistema pudesse ser usado também para espionar os cidadãos americanos. [30]

No final de janeiro de 2006, a Electronic Frontier Foundation, uma entidade ligada à defesa das liberdades no mundo digital, iniciou uma ação judicial contra a operadora telefônica norte-americana AT&T, por sua suposta colaboração com o Echelon [31] .

Em dezembro de 2005, o The New York Times publicou um artigo afirmando que, durante a Administração Bush, a NSA havia implementado um programa de espionagem interna desde 2002, usando o sistema Echelon.[32] [33] [34] [35]

Durante a disputa de fronteira sobre as ilhas Saint-Pierre e Miquelon, que opôs a França e o Canadá, o Echelon também teria sido usado,[36] segundo um antigo agente da CSE, Fred Stock. Em outra entrevista, concedida ao tabloide dinamarquês Ekstra Bladet, Stock também revelou que o Canadá usou o Echelon para espionar a empresa francesa Airbus e empresas do setor agrícola da França, para obter informações comerciais.[5]

2013 Escândalo dos Programas de Vigilância da NSA[editar | editar código-fonte]

Um dos primeiros programas revelados foi o chamado PRISM. Os programas de vigilância que vieram as claras através dos documentos fornecidos por Edward Joseph Snowden, técnico em redes de computação que nos últimos quatro anos trabalhou em programas da NSA entre cerca de 54 mil funcionários de empresas privadas subcontratadas - como a Booz Allen Hamilton e a Dell Corporation.[1] . Os documentos revelados por Snowden mostram a existência de os inúmeros programas visando a captação de dados, e-mails, ligações telefônicas e qualquer tipo de comunicação entre cidadãos a nível mundial.

Através da publicação desses documentos foi trazida ao conhecimento publico a vasta dimensão do sistema de Vigilância global americano .[2] [3]

Embora a CIA já fizesse espionagem industrial desde os anos 90 e 80,[4] [5] a NSA massificou a espionagem industrial e financeira com o avanço da tecnologia.[6] [7]

Echelon e a espionagem do Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o programa Fantástico do dia 8 de Setembro de 2013, baseado em documentos fornecidos por Snowden a Glenn Greenwald, revelou que a NSA vem espionando a Petrobrás com fins de beneficiar os americanos nas transações com o Brasil. O PRISM, entre outros, vem sendo utilizado. Os dados coletados pelo Echelon fazem parte fundamental do sistema de vigilância da NSA revelado em 2013.[8]

Ainda em 2013, em reportagem com a jornalista Sônia Bridi Grenwald revelou que além de grandes empresas como a Petrobrás, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, foi espionada pelo governo americano, [9]

A partir de então, as revelações têm se tornado mais alarmantes a cada dia e têm provocado reação em todos os países do mundo e na comunidade de especialistas em proteção da Internet.[10] [11]

Elas vão desde a participação nos programas de vigilância de empresas como Google, Facebook, Microsoft, a contaminação de computadores no mundo todo e a quebra dos códigos de criptografia da internet, fazendo toda a internet vulnerável a ataques tanto pela NSA americana como por pedradores e criminosos.[12]

NSA e Criptografia na Internet[editar | editar código-fonte]

Métodos conhecidos desde há séculos e bastante utilizados quer pelas potências do Eixo, quer pelos Aliados da Segunda Guerra Mundial, são os métodos criptográficos. Consistem essencialmente na distorção de uma mensagem através de dicionários e de senhas conhecidas apenas pelos autores e destinatários da mensagem.

Os alemães ficaram sobejamente conhecidos por terem criado o mais divulgado e famoso criptólogo da história, a máquina Enigma. Similar a uma máquina de escrever, permitia através de um código específico transmitir mensagens de rádio criptografadas. Muitos cientistas da computação ingleses dedicaram-se à decodificação desses mesmos sinais numa base da Inglaterra. Segundo certa documentação cinematográfica, foram os submarinos americanos que, ao capturarem um submarino alemão, obtiveram o código secreto.

Hoje em dia, com processadores muito mais poderosos, capazes de efectuar milhões de operações por segundo, os métodos e os algoritmos tornaram-se também muito mais complexos. No entanto os objectivos continuam os mesmos. Uma mensagem de correio electrónico ou de telefone móvel e uma chamada telefônica, são compostas por informação que pode ser reduzida a estruturas simples (combinações de zero e um), dando origem ao denominado mundo digital. Estas mensagens podem ser alteradas e criptografadas, através de programas de computador, de forma a que nem o próprio sistema Echelon as consiga decifrar. O caso que foi referenciado pelo sistema Echelon dizia respeito ao número de bits utilizados na criptografia da mensagem. Os europeus, nas suas comunicações internas - que desde há muito são encriptadas - utilizavam uma chave de N bits, das quais os americanos exigiam conhecer N/2 bits, argumentando que muitas comunicações com intuitos terroristas provinham do espaço europeu. Com essa informação, seria possível ao sistema Echelon, decifrar as mensagens trocadas pelos Europeus.[carece de fontes?]

O caso da Airbus referenciado anteriormente, ficou por ser o mais conhecido, enquanto espionagem industrial, para fins ilícitos.

Entre as revelações de 2013, veio a conhecimento publico o fato de que a NSA, com GCHQ, está trabalhando, com sucesso, para não apenas quebrar os códigos que permitem a comunicação privada através da internet, mas está também sabotando os padrões de criptografia que protegem a Internet.[13] Entre as táticas utilizadas, a NSA infiltrou os Organismos oficiais de padrões, e suborna grandes empresas de Internet com o objetivo é inserir "backdoors" que possibilitam a vigilância das comunicações pela internet.[14] O The New York Times publicou, em 2013, artigo onde o GCHQ afirma que "Vastas quantidades" de dados criptografados que costumavam ser inúteis são agora "exploráveis".[15] [16] [17]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Documentos Relacionados[editar | editar código-fonte]

O diagrama mostra a relação entre a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) e as chamadas "segundas partes", que compreende a comunidade UKUSA, havendo intenso compartilhamento mútuo de inteligência de sinais; e os "terceiros", composta por membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) e outros aliados ocidentais que fornecem sinais inteligência para a NSA em troca de tecnologia de vigilância e dinheiro[20] .

Revelados por Edward Snowden[editar | editar código-fonte]

Os seguintes documentos foram revelados por Edward Snowden entre os documentos das Revelações da Vigilância global de 2013:

Oficialmente revelados[editar | editar código-fonte]

Os seguintes documentos foram liberados para publicação pela NSA e pelo GCHQ em 2010:

Referências

  1. EUA espionaram milhões de e-mails e ligações de brasileiros O Globo Online, 7 de Julho 2013
  2. Entenda o caso de Edward Snowden, que revelou espionagem dos EUA G1 (02 de julho de 2013). Visitado em 14 de março de 2014.
  3. Brasil é um grande alvo. Documentos revelados neste fim de semana mostram que o governo dos Estados Unidos espionou milhões de telefonemas e e-mails de brasileiros G1 (07 de julho de 2013). Visitado em 14 de março de 2014.
  4. Somebody's listening New Statesman , 12 de agosto de 1988
  5. Emerging Role For the C.I.A.: Economic Spy The New York Times, 15 de outubro de 1995
  6. NSA's Keith Alexander Doubles Down On His Plan To Spy On Wall Street To 'Protect' Wall Street TechDirt, 10 de outubro de 2013
  7. 'Follow the Money':NSA Spies on International Payments Der Spiegel, 15 de setembro de 2013
  8. Petrobras foi espionada pelos EUA, apontam documentos da NSA Confirmação da espionagem está em documentos ultrassecretos, vazados por Edward Snowden, ao qual o Fantástico teve acesso exclusivo G1 (08 de Setembro de 2013). Visitado em 14 de março de 2014.
  9. Documentos da NSA apontam Dilma Rousseff como alvo de espionagem G1 (01 de setembro de 2013). Visitado em 14 de março de 2014.
  10. Revelações mostram que NSA pode quebrar barreiras de proteção da internet G1 (05 de setembro de 2013). Visitado em 14 de março de 2014.
  11. NSA violava privacidade milhares de vezes por ano G1 (16 de agosto de 2013). Visitado em 14 de março de 2014.
  12. NSA capta dados de rede social para traçar perfil de americanos. Agência do governo dos EUA reúne informações telefônicas e bancárias. "The New York Times" obteve novos documentos de Edward Snowden G1 (28 de setembro de 2013). Visitado em 14 de março de 2014.
  13. Wired.com: New Snowden Leak Reports 'Groundbreaking' NSA Crypto-Cracking |Threat Level|Wired.com
  14. TechNewsDaily.com: Microsoft Helps NSA Crack Encryption, Leaked Documents Say | Security | TechNewsDaily.com
  15. The Washington Post: ‘Black budget’ summary details U.S. spy network’s successes, failures and objectives - The Washington Post
  16. usatoday.com: NSA usa supercomputadores para destruir a criptografia do WEB,mostram os documentos
  17. ProPublica: A campanha secreta da NSA para quebrar a criptografia, enfraquecer a Internet (em ingles) - ProPublica
  18. Brasil sabe desde 2001 que os EUA espionam internet - 11/07/2013 - Mundo - Folha de S.Paulo
  19. Brasil sabe desde 2001 que os EUA espionam internet - 11/07/2013 - Mundo - Folha de S.Paulo
  20. They're Listening To Your Calls - Businessweek 30 de maio de 1999

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Echelon