Echinacea

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaEchinacea
Echinacea purpurea Maxima.

Echinacea purpurea Maxima.
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: angiospérmicas
Clado: eudicotiledóneas
Clado: Asterids
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Subfamília: Asteroideae
Tribo: Heliantheae
Género: Echinacea
Moench, 1794
Espécies
Ver texto.
Sinónimos
O centro espinhoso da inflorescência, mostrando as paleae, cuja morfologia deu origem ao nome do género.

Echinacea é um género género de plantas herbáceas perenes pertencente à família Asteraceae, constituído por nove espécies validamente descritas.[1] Todas as espécies que integram o género são consideradas originárias do leste e centro da América do Norte,[2] onde ocorrem em habitats de pradaria e de floresta esparsa. As espécies integrantes apresentam as flores compostas típicas das asteráceas, com inflorescências vistosas em flor desde o fim da Primavera ao fim do Verão. O nome genérico deriva do vocábulo grego ἐχῖνος (echino, "ouriço-do-mar"), aplicado devido à presença de numerosas estruturas em forma de espinho no centro da inflorescência, criando uma estrutura com a forma de um ouriço-do-mar. Algumas espécies são usadas como plantas ornamentais devido às suas flores vistosas e persistentes e outras em ervanária, onde são reputadas como plantas medicinais, embora não exista um corpo científico que comprove a sua eficácia na cura da resfriado comum ou de cancros.[3] [4] Algumas espécies estão ameaçadas por perda de habitat.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O género Echinacea inclui apenas espécies originárias da América do Norte, sendo o género por isso considerado como um endemismo daquele continente. O género foi descrito por Conrad Moench e publicado na monografia Methodus Plantas Horti Botanici et Agri Marburgensis : a staminum situ describendi 591. 1794.[5] A etimologia do nome do género procede do grego clássico echino, que significa "espinhoso" e é normalmente aplicado aos ouriços-do-mar, devido à morfologia do disco central espinhoso da estrutura floral.

São plantas herbáceas, perenes e tolerantes à secura, com 1 a 2 m de altura. As folhas são de lanceoladas a elípticas, de 10 a 20 cm de comprimento e 1,5 a 10 cm de largura. Como é característico de toda a família das asteráceas, as flores formam uma inflorescência composta por flores de coloração púrpura (raramente amarelas ou brancas) dispostas em forma de um pseudanto cónico, já que o limbo das lígulas exteriores tendem a apontar para baixo quando a flor se abre, formando, desta forma, um cone.

A várias espécies de Echinacea são atribuídas propriedades imunoestimulantes que promovem os mecanismos de defesa do organismo, sendo o extracto de equinácea usado em tratamento complementar de infecções respiratórias, gripes, resfriado, faringite, rinite e sinusite. Os seus constituintes químicos activos são o ácido caféico, ácido cicórico, polialcanos, polissacarídeo, tusselagina, acetato de bornil, alcamídeos, borneol, cariofileno, cinarina, equinacosídeo, isotussilagina. Esta composição confere àquele extracto propriedades medicinais de carácter antibiótico, sendo considerado no contexto do herbalismo e da fitoterapia como antibacteriano, antiviral, anti-séptico, anti-inflamatório, antimicrobiano, imunoestimulante e fortificante.

Depois de considerar os elementos de 14 estudos prévios sobre o uso da equinácia, pesquisadores da Escola Farmacêutica da Universidade de Connecticut, Estados Unidos, concluíram que o consumo da planta pode atenuar as chances de desenvolver resfriado comum, em mais de 58% dos casos. O estudo, divulgado na revista científica The Lancet Infectious Diseases, alega, além disso, que a equinácia auxiliaria reduzir em até quatro dias a duração do resfriado. Prudentes, os pesquisadores afirmam que outros estudos em larga escala ainda são indispensáveis para admitir o uso da planta para prevenção e tratamento do resfriado comum.

O interesse do estudo da equinácia não é novidade, pois se trata do fitoterápico, mais frequente na Europa e nos Estados Unidos, como preventivo para gripes e resfriados. Os índios americanos foram os precursores na utilização da planta.

A planta da equinácia é abundante, arbustiva, chegando a aproximadamente de 60 cm de altura, na maioria das vezes. Parece-se com uma toupeira das margaridas. As folhas são lanceoladas, grosseiras e opostas. As flores apresentam-se com pétalas brancas ou rosadas e núcleo amarelo.

Um dos resultados mais extraordinários da equinácia é a estimulação da fagocitose. Esse acontecimento é responsável pela identificação e eliminação de estruturas invasoras. A planta, apresentada como capaz de aumentar a capacidade de resposta do sistema imunológico, é útil para todos os tipos de infecções: bacterianas, virais e por fungos.

Espécies[editar | editar código-fonte]

O género Echinacea inclui as seguintes espécies validamente descritas:

Notas

  1. a b Echinacea en PlantList
  2. Sunset Western Garden Book, 1995:606–607.
  3. Karsch-Völk M, Barrett B, Kiefer D, Bauer R, Ardjomand-Woelkart K, Linde K. (2014). "Echinacea for preventing and treating the common cold". Cochrane Database Syst Rev 2: CD000530. DOI:10.1002/14651858.CD000530.pub3. PMID 24554461.
  4. Echinacea. Cancer Research UK. Página visitada em 22 de Outubro de 2012.
  5. Echinacea. Tropicos.org. Missouri Botanical Garden.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. Flora of North America Editorial Committee, e. 2006. Magnoliophyta: Asteridae, part 8: Asteraceae, part 3. 21: i–xxii + 1–616. In Fl. N. Amer.. Oxford University Press, New York.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Echinacea
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Echinacea