Economia da Índia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Economia da Índia
Centro de Mumbai, o principal centro financeiro da Índia.
Moeda Rupia indiana
Ano fiscal 1 de abril - 31 de março
Blocos comerciais OMC, SAFTA, G-20 e outros
Estatísticas
Bolsa de valores Bolsa de Valores de Bombaim
PIB US$184o biliões (2011) (nominal; 10º)[1]
4786 bilhões (2012) (PPC; )[2]
Variação do PIB 6,5% (2012)
PIB per capita US$1,5 mil (nominal: 135º; 2011)[3]
US$3,9 mil (PPC: 127º; 2012)[2]
PIB por setor agricultura 18,1%; indústria 26,3%; comércio e serviços 55,6% (2011)
Inflação (IPC) 9.44% (Até junho de 2011)[4]
População
abaixo da linha de pobreza
37% (2010; ~ 447 milhões de pessoas)
Coeficiente de Gini 36,8 (2009)
Força de trabalho total 498,4 milhões de pessoas (2012)[2]
Força de trabalho
por ocupação
agricultura 52%, indústria 14%, comércio e serviços 34% (2010)
Desemprego 9,8% (2011)
Principais indústrias têxteis, produtos químicos e petroquímicos, processamento de alimentos, aço, ferro, equipamentos de transporte, bens de consumo não-duráveis, cimento, mineração, petróleo, maquinaria, automobilística, alta-tecnologia, softwares, fármacos e produtos relacionados a engenharia civil
Exterior
Exportações 309,1 bilhões (2012)[2]
Produtos exportados maquinaria, ferro e aço, produtos químicos e petroquímicos, veículos, têxteis, bens de consumo não-duráveis, produtos farmacêuticos, pedras preciosas, softwares, produtos relacionados a tecnologia e engenharia civil, entre outros.
Principais parceiros de exportação Emirados Árabes Unidos 12,8%, Estados Unidos 10,8%, República Popular da China 6,2%, Singapura 5,3%, Hong Kong 4,1% (2011)
Importações 500,3 bilhões (2012)[2]
Produtos importados petróleo bruto, fertilizantes, equipamentos para transporte e etc.
Principais parceiros de importação República Popular da China 11,9%, Emirados Árabes Unidos 7,7%, Suíça 6,8%, Arábia Saudita: 6,1%, Estados Unidos: 4,9% (2011)
Dívida externa bruta 299,2 bilhões (2012)
Finanças públicas
Receitas 171,5 bilhões (2012)
Despesas 281 bilhões (2012)
Fonte principal: [CIA. The World Factbook. Visitado em 18 de abril de 2013.</ref> CIA World Fact Book]
Salvo indicação contrária, os valores estão em US$

A economia da Índia é a décima maior do mundo em produto interno bruto nominal e a terceira em paridade de poder de compra[5] , bem como a terceira mais desenvolvida da Ásia em termos de PIB nominal, atrás apenas das economias do Japão e da República Popular da China.

Os principais produtos cultivados são: chá, algodão, trigo, juta, arroz, tabaco, milho e cana-de-açúcar. Existem grandes áreas com monoculturas voltadas para a exportação. São as plantations, cultivadas desde a época em que os ingleses colonizaram a região. Entre os produtos cultivados, estão o chá, o tabaco e o algodão. Tem o segundo maior rebanho bovino do mundo, perdendo apenas para o Brasil. Índia, Brasil, República Popular da China e República da Coreia lideram o G-21 (grupo dos 21 países em desenvolvimento do mundo).

Com um produto interno bruto nominal estimado em US$1,8 trilhão (2011)[6] , a Índia figura como a 10ª maior economia do mundo por PIB nominal, enquanto sua paridade de poder de compra calculada em 2011 em US$4,4 trilhões[7] , é a terceira maior do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e da China[8] , e à frente do Japão e de qualquer país europeu[9] [10] .

Entretanto, devido à grande população (estimado em mais de 1,2 bilhão de habitantes em 2011), a renda per capita é consideravelmente baixa: em 2005, o Fundo Monetário Internacional classificou a Índia na 135ª posição em termos de renda per capita (ou na 122ª posição, pelo critério paridade do poder de compra), dentre 182 países e territórios do mundo. Cerca de 50% da população (ou cerca de 600 milhões de pessoas) depende diretamente da agricultura para se sustentar e sobreviver.

A indústria e os serviços, por sua vez, têm se desenvolvido rapidamente nos últimos anos (e conquistando cada vez mais espaço na economia indiana, em detrimento da agricultura) e respondem, respetivamente, por cerca de 26% e 55% do Produto Interno Bruto (PIB) do país (dados de 2011), enquanto que a agricultura contribui com cerca de 18%. Mais de 40% da população (cerca de 440 milhões de pessoas) vivem abaixo da linha de pobreza (2010), apesar da existência de uma classe média crescente calculada em 2011 em 300 milhões de pessoas.

O desenvolvimento econômico indiano está entre um dos maiores do mundo atualmente (com crescimento do PIB em 10% anuais) porém, por uma infraestrutura insuficiente, uma burocracia pesada, altas taxas de juros e uma dívida social elevada (pobreza rural, significativo analfabetismo residual, sistema de castas, corrupção, clientelismo etc.), a economia do país é constantemente "sufocada", o que impede a exploração de sua plena potencialidade econômica.

História[editar | editar código-fonte]

Período pré-colonial (da pré-história até 1773)[editar | editar código-fonte]

O comércio de pimenta entre o Sul da Ásia e a Europa caracterizou uma época em que a Índia foi um das países mais prósperos do mundo.[11]

Os habitantes do Civilização do Vale do Indo surgiram por volta de 2800 a.C, praticando atividades como a agricultura , a domesticação de animais, a produção de lã e roupas, a produção de ferramentas de trabalho e de medidas, além do comércio com as cidades em sua fronteira. As evidências dessa ocupação são as planas e extensas ruas, um extenso sistema de drenagem e de distribuição de água que incluía o primeiro sistema de gestão sanitária e um governo local[12]

O comércio marítimo de larga escala partindo do sul indiano para o Sudeste Asiático e o Sudoeste Asiático foi praticado desde tempos imemoriais. O extremo sul do país foi um importante centro de exportação na altura desde o século I a.C., servindo de comunicação entre os impérios do Mar Mediterrâneo e os do Sudeste Asiático. Os comerciantes, então, formaram associações protegidas pelo poder estatal.[13] No entanto, o patrocínio do estado para o comércio exterior chegou ao fim por volta do século XIII, quando foi suplantada, em grande medida, pelos comerciantes judaicos e muçulmanos, inicialmente no Malabar e, posteriormente, na costa de Coromandel[14] . Mais ao norte, as costas de Saurashtra e de Bengala desempenharam um papel importante no comércio marítimo e a Planície Indo-Gangética e o vale do Rio Indo abrigaram vários centros de comércio fluvial. A maioria do comércio terrestre foi realizado através do Passo Khyber, que liga o Panjabe com o Afeganistão, o Oriente Médio e a Ásia Central[15] . Embora muitos reinos e governantes tenham emitido moedas, o escambo (troca direta) foi predominante. As aldeias pagavam uma parcela de sua produção agrícola como imposto para os governantes, enquanto que os artesãos recebiam uma parte da produção agrícola em pagamento por seus serviços[16] .

Uma moeda de prata cunhada durante o reinado da Dinastia Gupta pelo imperador Kumara Gupta I (414-455)

A pesquisa da economia indiana no período pré-colonial é basicamente qualitativa, devido à falta de informações quantitativas. A economia mogol funcionou através de um elaborado sistema de moeda, imposto rural e comércio. Moedas de ouro, de prata e de cobre eram fabricadas por casas da moeda e comercializadas segundo seu valor intrínseco, ou seja, segundo o valor do metal nelas contido.[17] A estabilidade política e a política de estabilização da receita governamental resultantes da centralização administrativa do Império Mogol, somados com uma bem desenvolvida rede de comércio, asseguraram que a Índia, antes da chegada dos ingleses, fosse, economicamente, unificada, apesar de sua estrutura agrária tradicional caracterizada pela agricultura de subsistência baseada em tecnologia rudimentar.[18] Após o declínio mogol, o oeste, o centro e partes do sul e do norte estavam integrados e administrados pelo Império Maratha. Depois da derrota na Terceira Batalha de Panipat, o império desintegrou em vários estados confederados. A instabilidade política resultante e conflitos armados afetaram severamente a vida econômica em várias partes do país, embora isto fosse compensado, em parte, pela prosperidade localizada nos novos reinos provinciais[19] . No fim do século XVIII, a Companhia Britânica das Índias Orientais entrou no cenário político indiano e estabeleceu sua supremacia sobre as outras potências coloniais europeias. Isso marcou uma mudança definitiva no comércio indiano e uma menos impactante mudança no resto da economia.[20]

Período Colonial (1773–1947)[editar | editar código-fonte]

Uma vista aérea do porto de Calcutá em 1945. A cidade, que era o centro econômico da Índia britânica, teve uma atividade industrial aumentada durante a Segunda Guerra Mundial.

Não há dúvida de que nossas queixas contra o Império Britânico têm uma base sólida. Como o meticuloso trabalho estatístico do historiador de Cambridge, Angus Maddison, tem mostrado, a porção da Índia na renda mundial despencou de 22,6% em 1700, quase igual à porção da Europa nessa época, que era de 23,3%, a 3,8% em 1952. De fato, no início do século XX, a "mais brilhante joia da Coroa Britânica" era o país mais pobre do mundo em termos de renda per capita.

Manmohan Singh

O domínio da Companhia Britânica das Índias Orientais sobre o subcontinente indiano trouxe grandes mudanças nas políticas tributária e agrária, que tenderam a promover o comércio agrícola, causando a diminuição da plantação de gêneros alimentícios, o empobrecimento das massas, a perda de terras pelos fazendeiros e escassez alimentar[21] . A política econômica inglesa na Índia causou um severo declínio no artesanato e no setor têxtil, devido à redução da demanda e ao aumento do desemprego[22] . Após a remoção das restrições internacionais pelo Ato de 1813, o comércio indiano expandiu substancialmente[23] . O resultado foi uma significativa transferência de capital da Índia para a Inglaterra, que, devido à política colonial dos ingleses, levou a uma fuga maciça de receita ao invés de qualquer esforço sistemático de modernização da economia nacional[24] .

Estimativa da renda per capita da Índia entre 1857 e 1900 tendo, como parâmetro, os preços de 1948–49

A colonização da Índia pelos britânicos criou um ambiente institucional que, no papel, garantia o direito a propriedade entre os colonizadores, incentivando o livre comércio e o desenvolvimento de uma moeda única com taxas de câmbio fixas, pesos e medidas padronizadas e mercado de capitais. Também estabeleceu um sistema bem desenvolvido de ferrovias e telégrafos, um serviço civil que visava a ser livre de qualquer interferência política e um sistema legal baseado na Lei Comum[25] . Isso coincidiu com grandes mudanças na economia mundial - industrialização e o crescimento significativo da produção e do comércio. No entanto, no final do regime colonial, a Índia herdou uma economia que era uma das mais pobres entre os países em desenvolvimento[26] , com um crescimento industrial paralisado, agricultura incapaz de alimentar uma população em rápido crescimento, uma força de trabalho em larga escala iletrada e desqualificada e uma infraestrutura extremamente inadequada[27] .

O censo de 1872 revelou que 91,3% da população da região que forma a atual Índia residia em vilas[28] e a urbanização em geral permaneceu lenta até a década de 1920, devido à falta de industrialização e à falta de transporte adequado. Posteriormente, a política de proteção discriminatória (na qual algumas indústrias importantes eram protegidas financeiramente pelo estado), juntamente com a Segunda Guerra Mundial, fomentaram o desenvolvimento e a dispersão das indústrias, estimulando o êxodo rural e, em particular, o desenvolvimento de grandes cidades portuárias como Mumbai, Kolkota e Chennai . Apesar disso, apenas um sexto da população da Índia vivia em cidades em 1951[29] .

O impacto do domínio britânico sobre a economia da Índia é um tema polêmico. Os líderes do movimento pela independência indiana e historiadores nacionalistas de esquerda acusaram o governo colonial inglês pelo o estado lastimável da economia da Índia após a era colonial e argumentaram que a força financeira necessária para o desenvolvimento industrial na Europa teria se originado a partir da riqueza retirada de colônias na Ásia e na África. Ao mesmo tempo, historiadores de direita observaram que o baixo desempenho económico da Índia foi devido a diversos setores estarem em crescimento e declínio devido a alterações introduzidas pelo colonialismo e devido ao fato de o mundo estar se movendo em direção à industrialização e à integração econômica[30] .

Pré-liberalismo hindu[editar | editar código-fonte]

Comparação da renda per capita da Índia (laranja) com a Coreia do Sul (amarelo). Ambos começam do mesmo nível de renda per capita em 1950. O gráfico mostra o PIB per capita das economias do Sul da Ásia e Coreia do Sul como percentagem do PIB per capita dos EUA.

A política econômica da Índia foi influenciada pelos preceitos dos colonizadores ingleses, vista pelos líderes da Índia como exploradora, e pela exposição desses líderes ao socialismo democrático, bem como pelos progressos alcançados pela economia da União Soviética. A política do país que zela pelo protecionismo, com um forte ênfase no modelo de industrialização de substituição de importações, no intervencionismo econômico, na regulação económica e na planificação centralizada da economia, em um período de que as políticas e a imigração estava relativamente liberalizadas. Os planos quinquenais da Índia assemelhavam-se aos planos da União Soviética. Os setores da siderurgia, mineração, ferramentas de máquinas, telecomunicações, energia, entre outros, foram nacionalizados em meados dos anos 1950.

Jawaharlal Nehru, o primeiro primeiro-ministro da Índia, em conjunto com o estatístico Prasanta Chandra Mahalanobis, formulou e supervisionou a política econômica durante os primeiros anos da existência do país.[31] [32] Eles esperam resultados favoráveis desta estratégia, que aumentava o desenvolvimento das indústrias de transformação e de indústria de base por ambos os setores, público e privado, através de intervenção direta e indireta do estado, e menos na planificação central ao estilo do sistema de comando usado pela União Soviética[33] .[34] A política concentrada simultaneamente na tecnologia e no capital intensivo, na indústria pesada e no subsídio manual na baixa habilidade foi criticada pelo economista Milton Friedman, que pensou que iria desperdoçar capital o trabalho, e retardar o desenvolvimento de pequenos fabricantes. A taxa de crescimento da economia indiana nas primeiras três décadas após a independência foi ironicamente chamado de "taxa de crescimento hindu", por causa da comparação desfavorável com taxas de crescimento em outros países asiáticos, especialmente os tigres asiáticos.[35]

Desde 1965, o uso de variedades de alto rendimento de sementes aumentou o uso de fertilizantes e facilitou coletivamente para a Revolução Verde da Índia, onde aumentou as condições da agricultura pelo aumento das plantações e da produtividade, aumentando e fortalecendo para a frente e para trás as ligações entre agricultura e indústria.[36] No entanto, ele também tem sido criticada como um esforço insustentável, resultando no crescimento da agricultura capitalista, ignorando as reformas institucionais e de alargamento das disparidades de renda.[37]

Período pós-liberalista (desde 1991)[editar | editar código-fonte]

Após 1970, o governo de Morarji Desai corrigiu diversas restrições na capacidade de expansão das companhias estatais ,removendo o controle de preços, reduzindo os impostos corporativos e promovendo a criação de pequenas empresas em larga escala. Ele também aumentou o nível de impostos para um ponto máximo de 97,5% ,um recorde no mundo em economias capitalistas. Porém, as consequências da política governamental do Socialismo fabiano dificultou os benefícios econômicos, levando a elevados déficits fiscais e a uma piora na conta corrente. O colapso da União Soviética, da qual a Índia era a maior parceira comercial e a Guerra do Golfo, que causou uma disparada do preço do petróleo, resultaram em uma grande crise na balança de pagamentos indiana, criando a possibilidade de o país não poder pagar seus empréstimos.[38] O governo indiano pediu um empréstimo de 1 800 000 000 dólares estadunidenses sem garantias financeiras ao Fundo Monetário Internacional, o qual pediu, em troca, reformas econômicas[39] .

Em resposta, o primeiro-ministro Narasimha Rao, em conjunto com o ministro das finanças Manmohan Singh, iniciou a liberalização econômica de 1991. As reformas diminuíram os entraves burocráticos para abrir e operar empresas, reduziram tarifas e juros e acabaram com o monopólio estatal em vários setores da economia, permitindo a aprovação automática de investimento estrangeiro diretos em vários setores da economia[40] . Desde então, o impulso liberalizante continuou o mesmo, embora o governo não tenha ousado desafiar os sindicatos e os fazendeiros em questões polêmicas como a reforma das leis trabalhistas e a redução dos subsídios agrícolas[41] . Na virado do século, a Índia tinha progredido em direção a uma economia de mercado, com uma substancial redução no controle estatal da economia e um aumento na liberalização econômica[42] . Isto foi acompanhado por aumento da expectativa de vida, taxa de alfabetização e segurança alimentar, embora os beneficiados tenham sido principalmente residentes em áreas urbanas[43] .

Embora a qualificação do crédito da Índia tenha sido prejudicado pelos testes nucleares realizados pelo país em 1998, os quais determinaram sanções internacionais contra o país, o nível do país subiu para o nível de investimento em 2003 pela Standard & Poor's e pela Moody's[44] . Em 2003, o Goldman Sachs previu que o produto interno bruto indiano em preços correntes superaria o da França e o da Itália em 2020, o da Alemanha, o do Reino Unido e o da Rússia em 2025 e o do Japão em 2035, tornando o país a terceira maior economia do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e da República Popular da China. A Índia é sempre vista pela maioria dos economistas como uma superpotência econômica em ascensão e acredita-se que desempenhará um papel econômico proeminente na economia global no século XXI[45] [46] .

Pode ser notado que a sustentabilidade das reformas econômicas após 1991 tem sido causa de grandes discussões entre economistas. Várias razões foram atribuídas à sustentabilidade das reformas, como a crise e subsequente ajuda do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial[47] , e a aplicação de sigilo[48] (c) uma ação executiva favorável[49] .

Setores econômicos[editar | editar código-fonte]

Indústria e serviços[editar | editar código-fonte]

A Índia tem um dos mais rápidos do mundo em crescimento das indústrias automobilísticas[50] Mostra aqui no Tata Nano, o carro mais barato do Planeta Terra .[51]

A indústria representa 28% do PIB e empregam 14% da força de trabalho total.[2] Em termos absolutos, a Índia têm o décimo segundo lugar no mundo em termos da produção da fábrica nominal. Os dados são compilados através da CIA World Factbook. O setor industrial indiano passou por mudanças significativas como resultado das reformas econômicas de 1991 que eliminou as restrições de importação, trouxe concorrência externa, levou à privatização de certas indústrias do setor público, o regime liberalizou FDI, melhorou a infra-estrutura e levou a uma expansão na produção de Fast Moving Consumer Goods.[52] Mensagem de liberalização, o setor privado indiano foi confrontado com o aumento da concorrência interna, bem como estrangeira, incluindo importações chinesas mais baratas. Desde então, foi adotada mudança pela minimização dos custos e renovação da gestão, contando com mão de obra barata e novas tecnologias. No entanto, isso também reduziu a geração de emprego até mesmo por pequenos produtores que anteriormente invocados relativamente trabalhosos.[53]

A produção têxtil é a segunda maior fonte de emprego após a agricultura e é responsável por 20% da produção industrial, dando emprego a mais de 20 milhões de pessoas.[54] Também a indústria indiana é a segunda maior empregadora e em janeiro, o ministro da indústria textil Shri Shankersinh Vagnela, a transformação a transformação da indústria têxtil do pôr do sol, degradada, no rápido desenvolvimento tornou-se a maior conquista do governo central. Depois de libertar a indústria nos anos 2004-2005 em uma série de limitações, principalmente financeiras, o governo liberam ao fluxo de investimentos maciços - tanto nacionais como estrangeiros. Durante o período de 2004 a 2008, o investimento total ascendeu a 27.000 milhões de dólares. Em 2012, ainda está convencido de que o governo, esse número chegará a 38000 milhões como esperado; esses investimentos em 2012 irá criar um setor adicional de mais de 17 milhões de empregos. Mas a demanda por têxteis indianos nos mercados mundiais continua a cair. De acordo com a União e Ministro do Comércio Kamal, apenas durante o ano fiscal 2008-2009 (que termina 31 de março) têxtil e do vestuário será forçado a cortar cerca de 800 mil novos empregos - quase metade da taxa de dois milhões, o que tem que ir todos os setores orientados para a exportação da economia indiana para suavizar o impacto da crise global .[55] A região de Ludhiana produz 90% de lã na Índia e é conhecida como a região inglesa de Manchester na Índia. A região de Tirupur ganhou o reconhecimento universal como a principal fonte de meias, vestuário de malha, roupas causais e roupas esportivas.[56]

A Índia é a 13.ª nação produtora de serviços. O setor de serviços proporciona emprego a 23% da força de trabalho e está crescendo rapidamente, com uma taxa de crescimento de 7,5% em 1991-2000, um aumento de 4,5% em 1951-1980. Ele tem a maior participação no PIB, representando 55% em 2007, acima dos 15% em 1950.[2] A Tecnologia da informação e Business Process Outsourcing estão entre os setores que mais crescem, com uma taxa de crescimento acumulado da receita 33,6% entre 1997-98 e 2002-03 e contribuindo para 25% do total das exportações do país em 2007-08.[57]

Mineração[editar | editar código-fonte]

Os diferentes minérios formam um segmento importante na economia da Índia, com o país produzindo 79 minérios ( excluindo os combustíveis e recursos atômicos) entre 2009-2010, incluindo minério de ferro, manganês, mica, bauxita, cromita, calcário, asbesto, fluorita, gipsita, ocre, fosforita e areia por dióxido de silício.[58]

Agricultura[editar | editar código-fonte]

A Índia é a segunda maior produtora de produtos agrícolas em todo o mundo, que preenche os setores da flora, pescaria e de madeira 15,7% no GDP em 2009–2010, empregando 52.1% de toda a força de trabalho e apesar de um declínio de sua participação no PIB, ainda é o maior setor econômico e um pedaço significativo do desenvolvimento socio-econômico global da Índia [59] . A produção de soja por unidade de área de todas as culturas têm crescido desde 1950, devido à ênfase especial na agricultura nos planos de cinco anos e melhorias contínuas em irrigação, tecnologia de aplicação de modernas práticas agrícolas e de prestação de agrícolas crédito e subsídios desde a Revolução Verde na Índia. No entanto, as comparações internacionais revelam o rendimento médio em Portugal é geralmente de 30% a 50% do rendimento médio mais elevado no mundo[60] . Os estados indianos Uttar Pradesh, Punjabe, Haryana, Madhya Pradesh , Andhra Pradesh, Bengala Ocidental e Maharashtra são fundamentais estados agrícolas que contribuem para a Índia.

A Índia tem uma precipitação média anual de 1208 mm e um total anual de precipitação de 4000 bilhões de m3, com o total de recursos hídricos utilizáveis​​, incluindo rios, lagos, nascentes, corrégos e aquíferos, no valor de 1123000 km3 [61] [62] .De todas as terras produtivas, ou cerca de 39% da área total cultivada, é irrigada.[63] Os recursos da Índia, incluindo as águas interiores, rios, canais, lagoas e lagos e os recursos marinhos compreendendo as costas leste e oeste do Oceano Índico e outros golfos e baías dar emprego a cerca de seis milhões de pessoas no setor das pescas. Em 2008, a Índia tinha a terceira maior indústria pesqueira mundial.[64]

A Índia é o maior produtor mundial de leite e juta, e tem a segunda maior do mundo população de gado com 175 milhões de animais em 2008.[65] É o segundo maior produtor de arroz, trigo, algodão, cana de açúcar e de amendoim, bem como o segundo maior produtor de frutas e vegetais, sendo responsável por 10,9% e 8,6% das frutas e produtos hortícolas mundo, respectivamente. A Índia é também o segundo maior produtor e o maior consumidor de seda do mundo, produzindo 77 mil milhões de toneladas em 2005.[66]

Finanças[editar | editar código-fonte]

O mercado monetário da Índia é classificado no setor organizado, compreendendo os setores privado, público e de propriedade estrangeira, que juntos são conhecidos como os bancos agendado, e os setor desregularizado , que inclui instituições individuais ou familiares no mercado financeiro de agiotagem.[67] A desorganização do setor e o microcrédito ainda são preferíveis aos bancos tradicionais em áreas rurais e sub-urbana, especialmente para fins não-produtivos, como cerimônias e empréstimos de curta duração .[68]

O primeiro-ministro Indira Gandhi nacionalizou 14 bancos em 1969, seguido por outros seis em 1980, e tornou obrigatória para os bancos fornecer 40% do seu crédito líquido ao setores prioritários como a agricultura, na indústria,no comércio varejista, as empresas de pequeno porte, etc, para garantir que os bancos cumpram seus objetivos sociais e de desenvolvimento. Desde então, o número de agências bancárias aumentou de 8,260 em 1969 para 72.170 em 2007 e da população coberta por entre ramo diminuiu de 63.800 para 15.000 durante o mesmo período. Apesar do aumento de ramos rural, a partir de 1860 ou 22% do número total de ramos em 1969 para 30.590 ou 42% em 2007, apenas 32.270 de 500.000 aldeias estão cobertas por um banco programada.[69] [70]

O Produto Interno Bruto da Índia em 2006-07 em percentagem do PIB ficou em uma alta de 32,7%[71] Mais do que metade das poupanças pessoais são investidos em ativos físicos tais como terrenos, casas, gado e ouro.Os bancos do setor público detêm mais de 75% do total de ativos do setor bancário , com os bancos privados e estrangeiros, possuidores de 18,2% e 6,5%, respectivamente.Desde a liberalização, o governo aprovou reformas bancárias significativa. Embora alguns destes se relacionam com os bancos nacionalizados, como fusões incentivando, reduzindo a interferência do governo e aumentar a lucratividade e competitividade, outras reformas abriram os setores bancário e de seguros para os jogadores privados e estrangeiros.

Energia e produção energética[editar | editar código-fonte]

Em 2010, a Índia importava 75% do petróleo que demandava. Veja aqui uma plataforma de extração de petróleo na região de Mumbai High no Mar da Arábia, um das poucas áreas de extração de petróleo no país extraida pela ONGC [72] .

As reservas indianas de petróleo oferta 25% da demanda do consumo doméstico de petróleo.[2] [73] No final de 2009, a Índia conhecia que as suas reservas de petróleo era de 775 milhões de metros cúbicos e de gás natural de aproximadamente de 1,074 trilhões de metros cúbicos.[74] Os campos de petróleo e gás natural indianos estão nas regiões de Mumbai High, Krishna Godavari Basin e de Cauvery Delta, e também nos estados estado de Assam, Gujarat e Rajasthan.[74] Ela é a quarta maior consumidora de petróleo no mundo e importa 82.1 bilhões de doláres em troca de petróleo, três quartos de sua demanda, que gera um efeito adverso, o defícit de sua conta corrente. [72] A indústria de petróleo na Ìndia mostra que é formada por empresas estatais como a Oil and Natural Gas Corporation (ONGC), Hindustan Petroleum Corporation Limited (HPCL) and Indian Oil Corporation Limited (IOCL). Há também em sua maioria as companhias de petróleo como a Reliance Industries Limited (RIL) que opera em larga escala no mundo na refinação de petróleo.[75]

Na tabela a seguir tem a representação de participação por cento de cada método de produção energética:

Estrutura econômica por setor
Recurso energético Produção por megawatts Percentual
Energia térmica 4 641,3 64,6 %
Hidroeletricidade 5 597,4 24,7 %
Outras formas de produção de energia sustentável 7 697,3 7,7 %
Energia nuclear 17 334 2,9 %
Dados :.[76]

A Índia conhece que tem em suas reservas 106 bilhões de toneladas de carvão.[77] Também, ela é rica em recursos renovaveis na produção energética com um potencial futuro significante como a energia solar, energia eólica e nos biocombustíveis, como o etanol. Também com o seu potencial em tório, em que possui 25% das reservas internacionais estão com um ambicioso projeto de energia nuclear a longo prazo.Com a estagnação das reservas de urânio, têm o crescimento da produção de energia nuclear .[78] Como, a Índia têm a exportação de urânio de outros países.[79]

Comércio externo[editar | editar código-fonte]

Relações comerciais internacionais[editar | editar código-fonte]

Até a liberalização de 1991, a Economia da Índia foi isolado do mercado mundial, para proteger sua economia e alcançar a auto-suficiência. O comércio exterior foi sujeita à tarifas de importação, à impostos de exportação e de restrições quantitativas, enquanto o investimento estrangeiro direto (IED) foi restringida por limitar a sua participação do capital pelo superior,com de nuitas restrições à transferência de tecnologia, com os compromissos de exportação e aprovações governamentais; pois essas aprovações foram necessários para quase 60% dos novos investimento por IED no setor industrial. As restrições assegurado que o IED de US$ 200 milhões por ano entre 1985 e 1991, uma grande porcentagem dos fluxos de capital consistia em ajuda externa, pelos empréstimos comerciais e depósitos de estrangeiros.[80] As exportações da Índia eram estagnadas nos primeiros 15 anos após a independência , devido à negligência geral da política comercial do governo desse período. As importações no mesmo período, devido o nascimento da industrialização, onde consistiu predominantemente na produção de máquinas, matérias-primas e bens de consumo.[81]

Desde a liberalização, o valor do comércio internacional da Índia aumentou acentuadamente,[82] ,pelas contruibuições do comércio total de bens e serviços para o PIB passando de 16% em 1990-91 para 43% em 2005-06.[83] Os principais parceiros comerciais da Índia são a União Europeia, a China,os Estados Unidos e os Emirados Árabes Unidos .[84] Em 2006-07, as principais produtos de exportação de mercadorias incluem produtos de engenharia, de produtos petrolíferos, de produtos químicos e farmacêuticos, gemas e jóias, têxteis e vestuário, produtos agrícolas, minério de ferro e outros minerais. Têm também a importação de commodities importantes incluem petróleo bruto e seus derivados, máquinas, produtos eletrônicos, ouro e prata.[85] Em novembro de 2010, as exportações aumentaram 22,3% ano-a-ano para 85,063 crore (US$18.97 bilhões), enquanto as importações subiram 7,5% em 125,133 crore (US$27.9 bilhões). O defícit comercial entre os meses são de 46,865 crore (US$10.45 bilhões) em 2009 para 40,070 crore (US$8.94 bilhões) em 2010.

A Índia é um membro fundador do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT) desde 1947 e seu sucessor, a OMC. Ao participar activamente nas suas reuniões do conselho geral, a Índia tem sido crucial para manifestar as preocupações os países em desenvolvimento. Por exemplo, a Índia tem oposto à inclusão de questões como trabalho e questões ambientais e outros barreiras não-tarifárias ao comércio nas políticas da OMC.[86]

Balanço de pagamentos[editar | editar código-fonte]

Balanço de endividademento entre 1980-2008 baseado nos dados do IMF

Desde a independência da Índia, o país sofre pelo endividamento e de sua dívida externa. Desde a liberalização econômica na década de 1990, precipitada por uma crise do balanço de pagamento, as exportações da Índia cresceram de forma consistente, cobrindo 80,3% de suas importações em 2002-03, passando de 66,2% em 1990-91.[87] No entanto, a crise econômica mundial seguido por uma desaceleração geral no comércio mundial viu as exportações tiveram uma queda nas importações de 61,4% entre os anos de 2008-2009[88] A crescente importação de petróleo na Índia é o principal gerador do grande déficit em conta corrente,[72] que subiu para 118,7 bilhões de dólares, ou seja 9,7% do PIB, em 2008-09 .[89] Entre janeiro e outubro de 2010, a Índia importou 82,1 bilhões de dólares no valor do petróleo bruto .[72]

Devido a Crise econômica de 2008-2011, tanto as exportações indianas e as importações diminuíram 29,2% e 39,2%, respectivamente, em junho de 2009.[90] O declínio ocorreu porque os prinicipais países exportadores, como Estados Unidos e membros da União Europeia, respondem por mais de 60% das exportações indianas.[91] No entanto, desde o declínio das importações foi muito mais acentuada em comparação com a queda nas exportações, formando o déficit comercial da Índia.[90] A partir de Junho de 2011, as exportações e as importações têm tanto impressionante crescimento registrado com as exportações mensais atingindo 25,9 bilhões de dólares para o mês de Maio de 2011 e as importações mensais atingindo 40,9 bilhões de dólares americanos para o mesmo mês. Isso representa um crescimento ano após ano de 56,9% para as exportações e 54,1% para as importações.

A dependência da Índia a respeito de assistência externa e da dívida concessional tem diminuído desde a liberalização da economia, e os rácio do serviço da dívida diminuiu de 35,3% em 1990-91 para 4,4% em 2008-09.[92] Na Índia, os empréstimos externos Comercial s (ECBs), ou empréstimos comerciais a partir de mutuantes não residentes, estão sendo permitidas pelo governo para fornecer uma fonte adicional de recursos para empresas indianas. O Ministério das Finanças monitora e regula-los através de orientações política dos BCE emitidos pelo Banco Central da Índia sob a Foreign Exchange Management Act de 1999.[93] As reservas de divisas estrangeiras na Índia têm vindo a aumentar de US$ 5,8 bilhões em março de 1991 a US$283.500.000.000 em dezembro de 2009. [94]

Investimento direto estrangeiro[editar | editar código-fonte]

Os cinco maiores investidores de investimento direto estrangeiro (2000–2010)[95]
Posição País Fundos
(milhões de doláres)
Paricipação (%)
1 Maurício 50,164 42.00
2 Singapura 11,275 9.00
3 Estados Unidos 8,914 7.00
4 Rússia 6,158 5.00
5 Noruega 4,968 4.00

Como a quarta maior economia do mundo em termos de PPC, a Índia é um destino preferido para Investimento Direto Estrangeiro;[96] A Índia tem pontos fortes em telecomunicações, tecnologia da informação e outras áreas importantes, tais como componentes de automóveis, produtos químicos , vestuários, produtos farmacêuticos e a joalharia. Apesar de uma onda de investimentos estrangeiros, as políticas rígidas de IDE foram um obstáculo significativo. No entanto, devido ao positivo reformas econômicas que visem à desregulamentação da economia e estimular o investimento estrangeiro, a Índia tem se posicionado como um dos corredores da frente do rápido crescimento região Ásia-Pacífico.[96] A Índia tem um grande conjunto de conhecimentos gerenciais e técnicos qualificados. O tamanho da população de classe média está em 300 milhões e representa um mercado consumidor crescente .[97]

Durante 2000-10, o país atraiu 178.000 milhões de doláres este tipo de investimento.[98] O investimento excessivamente elevado de Maurício é devido ao encaminhamento de fundos internacionais em todo o país para beneficiar de vantagens fiscais significativas e a dupla tributação é evitada devido a uma entre os dois países e Maurício é um ganho de capital a partir do paraíso fiscal, efetivamente criando um zero-tributação canal de Investimento Direto Estrangeiro.[99]

Recentemente, a Índia em 2005 iniciou uma política de liberalização que permite até uma participação de IDE em 100% dos empreendimentos. As Reformas políticas industriais reduziram substancialmente os requisitos de licenciamento industrial, as restrições removido em expansão e facilitou o acesso fácil à tecnologia estrangeira e FDI investimento direto estrangeiro. A curva de crescimento ascendente movimento do setor imobiliário deve algum crédito para uma economia em expansão e liberalizados regime de IDE. Em março de 2005, o governo alterou as regras para permitir que o IDE de 100% no setor da construção, incluindo construção de infra-estrutura e projetos de desenvolvimento de construção que inclui habitação, escritórios comerciais, hospitais, instituições educacionais, de lazer, e da cidade e infra-estrutura de nível regional.[100] Apesar de uma série de mudanças na política de IED para remover capacetes na maioria dos setores, ainda há uma agenda incompleta de permitindo uma maior IED em áreas politicamente sensíveis, tais como seguros e varejo. O influxo de capital total de IDE para a Índia em 2008-09 situava-se em US$27.41 bilhões, um crescimento de 25% em termos rupia em relação ao período anterior.[101] .

Moeda[editar | editar código-fonte]

A sede da Rbi em Mumbai

A rupia indiana é a moeda principal na Índia, e também é aceito como moeda legal no vizinho Nepal e o Butão. A rupia é dividido em 100 paise. A nota com maior denominação é a nota rupia 1000, a moedas de menor denominação em circulação é a moeda paise 10.[102]

Fundada em 1 de Abril de 1935 e nacionalizada em 1949, o RBI serve como nação autoridade monetária regulador e supervisor do sistema monetário, banqueiro do governo, depositário de reservas cambiais, e como um emissor de moeda. Ela é governada por um conselho central de diretores, liderada por um governador que é nomeado pelo Governo da Índia. [103]

Consumo e renda[editar | editar código-fonte]

Mapa-múndi mostrando o Coeficiente de Gini, uma medida da desigualdade de renda. A Índia tem um coeficiente de Gini de 0,368.

Na Índia, o Produto Interno Bruto per capita no ano fiscal de 2010-11 foi de US$ 1425, 18% em 2009-2010, que foi de US$1033.[104] As estimativas da extensão de renda estão sujeitas a debate, com o concerno que se baseou na metodologia que determina o poder de renda na Índia.[105] [106] Em 2005, de acordo com o Banco Mundial, 75,6% da população vivia com menos de $2 por dia, dos quais 41,6% da população estava vivendo com menos de $1.25 por dia.[107] [108] [109] O governo da Índia estimou, em 2009, que 37% da população vivia abaixo da linha da pobreza.[110]

O residentamento é modesto. De acordo com a revista The Times of India,a elite indiana per capita de espaço é equivalente a mais ou menos 9,3 m², que é o mínimo requerido nas cadeias americanas "[111]

200px:
  Índia (US$1,170)
  Maior renda per capita comparado com a Índia
  Menor renda per capita comparado com a Índia

Desde de 1950, tiveram governos que implantam diversos planos para aumentar o poder de compra, em um planejamento centralizado, em que estes tiveram um sucesso parcial. Todos esses programas tiveram as estratégias com os programas Food for work, traduzindo para a língua portuguesa Comida para o trabalho e o National Rural Employment Programme, em língua portuguesa Programa Nacional do Desenvolvimento Rural, onde atendia usando áreas produtivas cultivavéis sem produtividade e na instalação de uma intraestrutura para o asssentamento rural.[112] Em agosto de 2005,o Parlamento da Índia, em resposta para os defícies econômicos no desenvolvimento da agricultura e na pobreza rural, passou para Rural Employment Guarantee Bill dentro da Lei NREGA, garantiu durante no mínimo 100 dias em todos os estabelecimentos rurais a produtividade essas terras em todos os distritos indianos.[113] O parlamento também aceitou o recurso de argumentações para informar que as medidas são adequadas para a redução da concentração territorial. A questão é que onde as reformas econômicas irão reduzir a concentração de renda sem debates integros sem questionamentos. E as reformas propostas irão aumentar os subsídios fiscais e a empregabilidade [114] As estatísticas recentes indicam o defícit habitacional que a Índia sofre.[115]

Emprego[editar | editar código-fonte]

Os regulamentos da Índia sobre trabalho – entre as mais restritivas e complexas do mundo – têm limitado o crescimento do setor manufatureiro formal onde essas leis têm sua mais ampla aplicação.A regulamentação do trabalho melhor planejado pode atrair mais investimentos de trabalho intensivo e criar empregos para milhões de desempregados da Índia e os presos em empregos de baixa qualidade. Nos útimos anos, receberam novo impulso no país de crescimento. Uma janela de oportunidade não deve ser perdido para melhorar as perspectivas de emprego para os 80 milhões de novos trabalhadores e trabalhadoras, que são esperados para participar da força de trabalho durante a próxima década .

Relatório de 2008 do Banco Mundial sobre a Índia.[116]

A agricultura e setores afins representaram, aproximadamente, 52,1 por cento da força de trabalho em 2009-10.[59] Enquanto a agricultura tem enfrentando uma estagnação no crescimento, os serviços têm sofrido um crescimento constante. Do total da força de trabalho, sete por cento está no setor organizado. Desses sete por cento, dois terços estão no setor público.[117] Uma pesquisa da Organização Nacional de Pesquisas por Amostragem estimou que, em 2004-05, 8,3 por cento da população estava desempregada, um aumento de 2,2 por cento em relação ao ano de 1993, com o desemprego uniformemente maior em áreas urbanas e entre as mulheres[118] [119] . O crescimento do emprego estagnou em cerca de dois por cento na década entre 1994-2005, aproximadamente o mesmo que na década anterior. A geração de emprego tem sido identificadas nos setores de Tecnologia da informação e do turismo, que têm vindo a registrar elevadas taxas de crescimento anuais, como cerca de mais de nove por cento ao ano.[120]

O desemprego na Índia é caracterizado pela ineficiência política. Os sistemas de governo que tiveram com meta política a erradicação da pobreza e de formar um sistema econômico de emprego pleno levaram, nas últimas décadas, milhões de pessoas pobres e não qualificadas para as áreas urbanas em busca de meios de subsistência tentam resolver o problema, fornecendo ajuda financeira para a criação de empresas, aprimorando habilidades, fundando até empresas do setor público, e gastando as reservas nos governos, entre outras medidas. O declínio no emprego organizado é devido diminuição do setor público após a liberalização que tem sublinhado ainda mais a necessidade de focalizar melhor educação e de pressionar novas reformas.[121] [122] A regulamentação do trabalho da Índia são pesados, mesmo através do desenvolvimento de padrões do país. Especialistas pediram ao governo para suprimir ou modificá-los, a fim de tornar o ambiente mais propício para a geração de emprego.[123] [124]

Tendência e os problemas econômicos[editar | editar código-fonte]

Edifícios de escritórios em Gurgaon .

Em uma revisão em 2007, com base no aumento do crescimento e sustentação, com os ingressos dos investimentos estrangeiros diretos, o banco Goldman Sachs prevê que no período de "2007-2020, a renda per capita da Índia "irá quadruplicar", e que a economia indiana vai superar a dos Estados Unidos em 2043. Apesar da alta taxa de crescimento, o relatório afirmou que a Índia continuará a ser um país de baixa renda nas próximas décadas, mas poderia ser um "motor para a economia mundial", se ela atingir o seu potencial de desenvolvimento. [125]

Agricultura[editar | editar código-fonte]

O lento crescimento da agricultura é uma preocupação para os políticos indianos, pois algo como dois terços da população depende da agricultura para sobreviver. As práticas agrícolas atuais não são nem economicamente nem ambientalmente sustentáveis e as colheitas indianas para muitos gêneros agrícolas são baixos. Sistemas de irrigação deficientes e a quase universal falta de serviços de extensão agrícola estão entre os fatores responsáveis. O acesso dos agricultores aos mercados é dificultado por estradas precárias, infraestrutura de mercado rudimentar e regulamentação excessiva.

World Bank: "India Country Overview 2008"[116]

A população da Índia está crescendo mais rápido do que sua capacidade de produzir arroz e trigo.A baixa produtividade na Índia é o resultado de vários fatores. Segundo o Banco Mundial, a grande quantidade de subsídios agrícolas no país prejudicam investimentos destinados à melhoria da produtividade agrícola. Enquanto o excesso de regulamentação da agricultura tem aumentado os custos, os riscos financeiros e a incerteza, a intervenção governamental no trabalho, na terra e nos mercados de crédito estão prejudicando o mercado. A infraestrutura e os serviços são inadequados.[126] Além disso, a dimensão média das propriedades agrícolas é muito pequena, com setenta por cento das propriedades menores que um hectare.[127] O fracasso parcial da reforma agrária em muitos estados, agravados pelos registros de terra mal conservados ou inexistente, resultou em parceria com cultivadores, na falta dos direitos de propriedade e, consequentemente, na baixa produtividade do trabalho[128] .

Corrupção[editar | editar código-fonte]

Visão geral do índice de percepção da corrupção em 2010

A corrupção tem sido um dos problemas mais profundos da Índia. As reformas econômicas de 1991 reduziram a burocracia e a licença raj, que eram apontadas por todos como as principais causas da corrupção institucionalizada e da ineficiência.[129] Um estudo da Transparência Internacional de 2005, no entanto, mostrou que mais da metade dos entrevistados tinha experiência própria de pagar propina para conseguir que um trabalho fosse executado por uma empresa pública.[130]

A Lei de Direito de Informação (2005), que obriga funcionários do governo a fornecer informações solicitadas por cidadãos ou a responder a ações punitivas, a informatização dos serviços e várias leis do governo central e dos governos estaduais que estabeleceram comissões de vigilância reduziram consideravelmente a corrupção e criaram perspectivas para a diminuição das reclamações. [130] O relatório de 2010 da Transparência Internacional conferiu à Índia o 87º posto no seu ranking e afirmou que o país sofreu vários retrocessos no combate à corrupção[131] .

O número de pessoas empregadas em ocupações não agrícolas nos setores público e privado. Os totais estão arredondados. Os dados do setor privado dizem respeito à estabelecimentos agrícolas com dez ou mais empregados [112]

O atual governo concluiu que a maioria dos seus gastos não consegue chegar a seus destinatários. Uma grande, desajeitada e sobrecarregada burocracia também contribui para a ineficiência administrativa[132] . As taxas de absenteísmo indianas estão entre as piores do mundo; um estudo concluiu que 25 por cento dos professores da rede pública e quarenta por cento dos empregados públicos da área da saúde não podiam ser encontrados em seu local de trabalho.[133] [134]

A economia indiana continua a enfrentar o problema da economia informal com uma estimativa de 2006 da Associação Bancária Suíça sugerindo que a Índia liderava a lista mundial de dinheiro sujo, com quase 1 456 000 000 de dólares estadunidenses guardados em bancos suíços, o que equivale a treze vezes a dívida externa do país. [135] [136]

Disparidades econômicas[editar | editar código-fonte]

Barracas perto de prédios comerciais modernos em Cochim, em Kerala, na Índia. Milhões de pessoas, a maioria composta por migrantes da zona rural que procuram por melhores empregos nas cidades, moram em condições paupérrimas como esta.[137]

Estados pouco eficientes precisam criar mais empregos para sua população através da criação de opções atraentes de investimento para o empresariado. Reformar procedimentos burocráticos, melhorar a ligação com o campo, estabelecer a lei e a ordem, criar um modelo de exploração dos recursos naturais que equilibre interesses empresariais com preocupações sociais e prover financiamento rural são medidas importantes.

Relatório do Banco Mundial sobre a Índia de 2008

Um problema crítico que afeta a economia indiana é a disparidade regional aguda e crescente entre os seus diferentes estados e territórios em termos de pobreza, infraestrutura e desenvolvimento econômico-social[138] . Seis estados com baixa renda - Bihar, Chhattisgarh, Jharkhand, Madhya Pradesh, Orissa e Uttar Pradesh – abrigam mais de um terço da população indiana. Existem severas disparidades entre os estados em termos de renda, níveis de escolaridade, expectativa e condições de vida[139] .

Os planos quinquenais, especialmente na era pré-liberalização econômica, tentaram reduzir as disparidades regionais através do estímulo ao desenvolvimento industrial nas regiões do interior e através da distribuição das indústrias entre os estados, mas os resultados não foram encorajadores pois essas medidas aumentaram a ineficiência e dificultaram um crescimento industrial efetivo[140] . Depois da liberalização econômica, os estados mais avançados conseguiram se beneficiar dos estados mais atrasados através de uma desenvolvida infraestrutura e de uma mão de obra qualificada, que atraem os setores de manufatura e de serviço. Os governos das regiões mais atrasadas estão tentando reduzir as disparidades através de incentivos fiscais e de terras baratas, focando mais em setores como o turismo, que, embora determinados geografica e historicamente, podem se tornar um fator de crescimento e se desenvolvem mais rapidamente que outros setores[141] [142] .

Educação[editar | editar código-fonte]

A Índia fez um enorme progresso quanto à frequência escolar no ensino primário e quanto à expansão da alfabetização para, aproximadamente, dois terços da população[143] . O direito à educação no nível elementar se tornou um dos principais direitos a partir da promulgação, em 2002, da 86ª emenda à constituição indiana. Desde então, a legislação se adequou ao objetivo de prover educação gratuita a todas as crianças.[144] Entretanto, a taxa de alfabetização de 74% é ainda menor que a média mundial e o país sofre com uma alta taxa de evasão escolar.[145] Além disso, existem severas disparidades em níveis de alfabetização e oportunidades de educação entre homens e mulheres, entre áreas urbanas e rurais e entre diferentes grupos sociais.[146]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Porto de Chennai, em Tamil Nadu
Estrada Mumbai-Pune em Maharashtra

No passado, o desenvolvimento da infraestrutura estava completamente nas mãos do setor público e era caracterizado por crescimento lento, qualidade ruim e ineficiência. O baixo investimento do país em energia, construção civil, transporte e telecomunicações (31 000 000 000 de dólares estadunidenses ou seis por cento do produto interno bruto em 2002) impediu-o de manter maiores taxas de crescimento. Isso obrigou o governo a abrir parcialmente o setor de infraestrutura para o setor privado, permitindo investimentos estrangeiros,[147] [148] . Hoje, a maior parte da infraestrutura do país foi construída e é mantida por companhias privadas em troca de incentivos fiscais e de outros tipos por parte do governo.[149]

Cerca de 600 000 000 de indianos não têm eletricidade.[150] Enquanto oitenta por cento das vilas indianas têm, pelo menos, uma linha elétrica, apenas 44 por cento das famílias rurais têm acesso à eletricidade. Em alguns povoados, metade da eletricidade é roubada, em comparação com três por cento na República Popular da China. A eletricidade roubada chega a 1,5 por cento do Produto Interno Bruto.[151] [152] As perdas de transmissão e distribuição chegam a vinte por cento, como resultado de um sistema de distribuição ineficiente administrado, em sua maior parte, por empresas estatais.[153] Quase toda a energia elétrica na Índia é produzida pelo setor público. Quedas de energia são comuns e muitos compram seus próprios geradores de energia para garantir fornecimento de electricidade.[150] Entre 2006 e 2007, a produção de eletricidade foi de 652 200 000 000 de quilowatts-hora, com uma capacidade instalada de 128 400 megawatts.[154] Em 2007, a demanda de eletricidade superou a oferta em quinze por cento.[150] No entanto, as reformas trazidas pela Lei Elétrica de 2003 da Índia causaram mudanças políticas de longo alcance, incluindo a obrigatoriedade da separação dos aspectos de geração, transmissão e distribuição de eletricidade, abolindo as exigências de licenciamento em geração e abrindo o setor para a iniciativa privada, preparando, assim, o caminho para a criação de um setor elétrico competitivo baseado nas leis do mercado.[155] Melhorias substanciais na infraestrutura de abastecimento de água, tanto em áreas urbanas e rurais, ocorreram na última década, com a proporção da população com acesso à água potável passando de 66 por cento em 1991 para 92 por cento em 2001 em áreas rurais e de 82 por cento para 98 por cento em áreas urbanas. No entanto, a qualidade e disponibilidade de abastecimento de água continua a ser um grande problema, mesmo em áreas urbanas da Índia, com a maioria das cidades recebendo água por apenas algumas horas durante o dia.[156]

A Índia tem a terceira maior rede de estradas do mundo,[157] cobrindo cerca de 3 300 000 quilômetros e transportando 65 por cento dos fretes e oitenta por cento do tráfego de passageiros.[158] O tráfego de contêineres cresce a quinze por cento ao ano.[159] A Índia tem uma taxa de densidade telefônica nacional de 67,67 por cento, com 806 100 000 assinantes de telefone, dois terços delas em áreas urbanas,[160] mas o uso da internet é raro - existiam somente 10 290 000 linhas de banda larga na Índia em Setembro de 2010. No entanto, está em crescimento e espera-se a sua explosão após a expansão do 3G e dos serviços de WiMAX.[161]


Referências

  1. http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2011/01/weodata/weorept.aspx?sy=2008&ey=2011&scsm=1&ssd=1&sort=country&ds=.&br=1&c=534&s=NGDPD%2CNGDPDPC%2CPPPGDP%2CPPPPC%2CLP&grp=0&a=&pr.x=49&pr.y=13
  2. a b c d e f g h CIA – The World Factbook – India CIA (2007-09-20). Visitado em 2007-10-02.
  3. http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2011/01/weodata/weorept.aspx?sy=2008&ey=2011&scsm=1&ssd=1&sort=country&ds=.&br=1&c=534&s=NGDPD%2CNGDPDPC%2CPPPGDP%2CPPPPC%2CLP&grp=0&a=&pr.x=49&pr.y=13
  4. Index Numbers of Wholesale Prices in India Ministry of Commerce and Industry, Government of India. Visitado em 2011-03-18.
  5. http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2011/01/weodata/weorept.aspx?sy=2008&ey=2011&scsm=1&ssd=1&sort=country&ds=.&br=1&c=534&s=NGDPD%2CNGDPDPC%2CPPPGDP%2CPPPPC%2CLP&grp=0&a=&pr.x=49&pr.y=13
  6. http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2011/01/weodata/weorept.aspx?sy=2008&ey=2011&scsm=1&ssd=1&sort=country&ds=.&br=1&c=534&s=NGDPD%2CNGDPDPC%2CPPPGDP%2CPPPPC%2CLP&grp=0&a=&pr.x=49&pr.y=13
  7. http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2011/01/weodata/weorept.aspx?sy=2008&ey=2011&scsm=1&ssd=1&sort=country&ds=.&br=1&c=534&s=NGDPD%2CNGDPDPC%2CPPPGDP%2CPPPPC%2CLP&grp=0&a=&pr.x=49&pr.y=13
  8. http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2011/02/weodata/weorept.aspx?sy=2011&ey=2012&scsm=1&ssd=1&c=512%2C941%2C914%2C446%2C612%2C666%2C614%2C668%2C311%2C672%2C213%2C946%2C911%2C137%2C193%2C962%2C122%2C674%2C912%2C676%2C313%2C548%2C419%2C556%2C513%2C678%2C316%2C181%2C913%2C682%2C124%2C684%2C339%2C273%2C638%2C921%2C514%2C948%2C218%2C943%2C963%2C686%2C616%2C688%2C223%2C518%2C516%2C728%2C918%2C558%2C748%2C138%2C618%2C196%2C522%2C278%2C622%2C692%2C156%2C694%2C624%2C142%2C626%2C449%2C628%2C564%2C228%2C283%2C924%2C853%2C233%2C288%2C632%2C293%2C636%2C566%2C634%2C964%2C238%2C182%2C662%2C453%2C960%2C968%2C423%2C922%2C935%2C714%2C128%2C862%2C611%2C716%2C321%2C456%2C243%2C722%2C248%2C942%2C469%2C718%2C253%2C724%2C642%2C576%2C643%2C936%2C939%2C961%2C644%2C813%2C819%2C199%2C172%2C184%2C132%2C524%2C646%2C361%2C648%2C362%2C915%2C364%2C134%2C732%2C652%2C366%2C174%2C734%2C328%2C144%2C258%2C146%2C656%2C463%2C654%2C528%2C336%2C923%2C263%2C738%2C268%2C578%2C532%2C537%2C944%2C742%2C176%2C866%2C534%2C369%2C536%2C744%2C429%2C186%2C433%2C925%2C178%2C869%2C436%2C746%2C136%2C926%2C343%2C466%2C158%2C112%2C439%2C111%2C916%2C298%2C664%2C927%2C826%2C846%2C542%2C299%2C967%2C582%2C443%2C474%2C917%2C754%2C544%2C698&s=PPPGDP
  9. http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2011/02/weodata/weorept.aspx?sy=2011&ey=2012&scsm=1&ssd=1&c=512%2C941%2C914%2C446%2C612%2C666%2C614%2C668%2C311%2C672%2C213%2C946%2C911%2C137%2C193%2C962%2C122%2C674%2C912%2C676%2C313%2C548%2C419%2C556%2C513%2C678%2C316%2C181%2C913%2C682%2C124%2C684%2C339%2C273%2C638%2C921%2C514%2C948%2C218%2C943%2C963%2C686%2C616%2C688%2C223%2C518%2C516%2C728%2C918%2C558%2C748%2C138%2C618%2C196%2C522%2C278%2C622%2C692%2C156%2C694%2C624%2C142%2C626%2C449%2C628%2C564%2C228%2C283%2C924%2C853%2C233%2C288%2C632%2C293%2C636%2C566%2C634%2C964%2C238%2C182%2C662%2C453%2C960%2C968%2C423%2C922%2C935%2C714%2C128%2C862%2C611%2C716%2C321%2C456%2C243%2C722%2C248%2C942%2C469%2C718%2C253%2C724%2C642%2C576%2C643%2C936%2C939%2C961%2C644%2C813%2C819%2C199%2C172%2C184%2C132%2C524%2C646%2C361%2C648%2C362%2C915%2C364%2C134%2C732%2C652%2C366%2C174%2C734%2C328%2C144%2C258%2C146%2C656%2C463%2C654%2C528%2C336%2C923%2C263%2C738%2C268%2C578%2C532%2C537%2C944%2C742%2C176%2C866%2C534%2C369%2C536%2C744%2C429%2C186%2C433%2C925%2C178%2C869%2C436%2C746%2C136%2C926%2C343%2C466%2C158%2C112%2C439%2C111%2C916%2C298%2C664%2C927%2C826%2C846%2C542%2C299%2C967%2C582%2C443%2C474%2C917%2C754%2C544%2C698&s=PPPGDP
  10. https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/fields/2001.html
  11. Donkin, Robin A.. Between East and West: The Moluccas and the Traffic in Spices Up to the Arrival of Europeans. [S.l.]: Diane Publishing Company, August-2003. ISBN 0-87169-248-1.
  12. Nehru, Jawaharlal (1946). The Discovery of India. Penguin Books. ISBN 0-14-303103-1.
  13. .^ Raychaudhuri & Habib 2004, pp. 17–18
  14. 24.^ Raychaudhuri & Habib 2004, pp. 40–41
  15. 25.^ Raychaudhuri & Habib 2004, pp. 10–13
  16. 30.^ Kumar 2005, p. 26
  17. Raychaudhuri & Habib 2004, pp. 360–361
  18. Kumar 2005, p. 3
  19. Kumar 2005, pp. 5–8
  20. Kumar 2005, p. 26
  21. Roy, Tirthankar (2006). The Economic History of India 1857–1947. Oxford University Press. pp. 158-160. ISBN 978-0-19-568430-8.
  22. Kumar, Dharma (2005). The Cambridge Economic History of India, Volume II : c. 1757 — 2003. New Delhi: Orient Longman. pp. 538-540. ISBN 978-81-250-2710-2.
  23. Kumar, Dharma (2005). The Cambridge Economic History of India, Volume II : c. 1757 — 2003. New Delhi: Orient Longman. pp. 826-827. ISBN 978-81-250-2710-2.
  24. Kumar, Dharma (2005). The Cambridge Economic History of India, Volume II : c. 1757 — 2003. New Delhi: Orient Longman. pp. 876-877. ISBN 978-81-250-2710-2.
  25. Roy, Tirthankar (2006). The Economic History of India 1857–1947. Oxford University Press. pp. 291-292. ISBN 978-0-19-568430-8.
  26. Roy, Tirthankar (2006). The Economic History of India 1857–1947. Oxford University Press. p. 1. ISBN 978-0-19-568430-8.
  27. Datt, Ruddar; Sundharam, K.P.M. (2009). Indian Economy. New Delhi: S. Chand Group. p. 179. ISBN 978-81-219-0298-4
  28. Kumar, Dharma (2005). The Cambridge Economic History of India, Volume II : c. 1757 — 2003. New Delhi: Orient Longman. p. 519. ISBN 978-81-250-2710-2.
  29. Kumar, Dharma (2005). The Cambridge Economic History of India, Volume II : c. 1757 — 2003. New Delhi: Orient Longman. pp. 520-521. ISBN 978-81-250-2710-2.
  30. Roy, Tirthankar (2006). The Economic History of India 1857–1947. Oxford University Press. pp. 22-24. ISBN 978-0-19-568430-8.
  31. Datt & Sundharam 2009, pp. 185–187
  32. (September 2001) "Cultural Influences on Economic Thought in India: Resistance to diffusion of neo-classical economics and the principles of Hinduism" (PDF). Economic Issues 6 (2).
  33. Panagariya 2008, pp. 31–32
  34. Panagariya 2008, p. 24
  35. Sam Staley (2006). The Rise and Fall of Indian Socialism: Why India embraced economic reform Reason. Visitado em 2011-01-17.
  36. Datt & Sundharam 2009, pp. 504–506
  37. Datt & Sundharam 2009, p. 507
  38. Ghosh, Arunabha (2004-06-01). India's pathway through economic crisis(which makes failer of mixed economy) (PDF) GEG Working Paper 2004/06 Global Economic Governance Programme. Visitado em 2009-12-12.
  39. http://harrisschool.uchicago.edu/News/press-releases/IPP%20Economic%20Reform%20in%20India.pdf
  40. http://harrisschool.uchicago.edu/News/press-releases/IPP%20Economic%20Reform%20in%20India.pdf
  41. http://www.economist.com/node/107076?story_id=107076
  42. Kumar, Dharma (2005). The Cambridge Economic History of India, Volume II : c. 1757 — 2003. New Delhi: Orient Longman. p. 1037. ISBN 978-81-250-2710-2
  43. http://harrisschool.uchicago.edu/News/press-releases/IPP%20Economic%20Reform%20in%20India.pdf
  44. http://www.thehindubusinessline.in/2003/02/10/stories/2003021000040900.htm
  45. http://www2.goldmansachs.com/ideas/index.html
  46. http://news.bbc.co.uk/2/hi/south_asia/6294409.stm
  47. BHADURI, A. e NAYYAR, D. The Intelligent Person's Guide to Liberalization. Nova Délhi: Penguin Books, 1996.
  48. Rob Jenkins, Democratic Politics and Economic reforms in India (Cambridge: Cambridge University Press, 1999), pp. 172–207
  49. Rahul Mukherji, “India's Aborted Liberalization-1966,” Pacific Affairs Vol. 73, No. 3 (2000), pp. 375–92.
  50. "The small car dream-merchants", 2007-11-13. Página visitada em 2010-01-10.
  51. Robyn Meredith (2007-04-16). The Next People's Car Forbes. Visitado em 2011-01-17.
  52. SFN|Task Force Report|2006|pp = 90-10}}
  53. Kumar 2005, pp. 1040–1041
  54. Datt & Sundharam 2009, p. 646
  55. "Existing pose of Indian Textile industry", The Textile Icon News, 8 April 2011. Página visitada em 2011-07-19.
  56. "Helping Tirupur emerge as a leader in knitwear exports in India", 2007-06-11. Página visitada em 2011-01-17.
  57. Datt & Sundharam 2009, pp. 668–669
  58. National Mineral Scenario Ministry of Mines, Government of India. Visitado em 2010-11-19.
  59. a b Economic Survey 2010, p. 180.
  60. Datt & Sundharam 2009, pp. 499–501
  61. India – Land and Water Resources at a glance Central Water Commission, Government of India. Visitado em 2010-11-18.
  62. India – Land and Water Resources at a glance Central Water Commission, Government of India. Visitado em 2010-11-18.
  63. State-Wise Details Of Net Irrigated Area (NIA), Net Sown Area (NSA) And Percentage Of NIA To NSA Ministry of Water Resources, Government of India. Visitado em 2010-11-18.
  64. "Diversify fishing methods, says Pawar", 2008-01-05. Página visitada em 2008-11-03.
  65. India's Position in World Agriculture Agricultural Statistics At a Glance 2010 Ministry of Agriculture, Government of India. Visitado em 2010-11-18.
  66. Major Food And Agricultural Commodities And Producers – Countries By Commodity FAO. Visitado em 2009-12-12.
  67. Datt & Sundharam 2009, p. 858
  68. Datt & Sundharam 2009, pp. 838–839
  69. Jayati Ghosh (2005-07-21). Bank Nationalisation: The Record Macroscan Economic Research Foundation. Visitado em 2011-01-11.
  70. Datt & Sundharam 2009, pp. 839–842
  71. Datt & Sundharam 2009, pp. 334–335
  72. a b c d V. Ramakrishnan. "Rupee Rally Falters as Oil Rises to Two-Year High", BusinessWeek, 2010-12-07. Página visitada em 2011-01-11.
  73. Datt & Sundharam 2009, p. 104
  74. a b Basic Statistics on Indian Petroleum & Natural Gas 2008–09 Ministry of Petroleum and Natural Gas, Government of India. Visitado em 2010-11-18.
  75. Reliance Net Beats Estimate After Boosting Natural Gas Sales BusinessWeek (2010-01-27). Visitado em 2010-04-05.
  76. Power Sector at a Glance Ministry of Power, Government of India. Visitado em 2010-11-19.
  77. Inventory of Coal Resources of India Ministry of Coal, Government of India. Visitado em 2010-11-18.
  78. "Uranium shortage holding back India’s nuclear power drive", 2008-06-30. Página visitada em 2010-04-05.
  79. "Bush signs India-US nuclear deal into law", 2008-10-09. Página visitada em 2010-04-05.
  80. Srinivasan, T.N.. (2002). "Economic Reforms and Global Integration" (PDF). Economic Growth Center, Yale University.
  81. Panagariya 2008, pp. 27–29
  82. Datt & Sundharam 2009, pp. 747–748
  83. Panagariya 2008, p. 109
  84. Datt & Sundharam 2009, p. 757
  85. Imports and Exports Databank Ministry of Commerce and Industry, Government of India. Visitado em 2010-04-05.
  86. India & the World Trade Organization Embassy of India. Visitado em 2005-07-09. Cópia arquivada em 2005-06-13.
  87. Datt & Sundharam 2009, pp. 763–765
  88. Economic Survey 2010, pp. 127–129.
  89. Economic Survey 2010, p. 127.
  90. a b "India's exports continue to fall", BBC News, 2009-07-01. Página visitada em 2010-04-05.
  91. Neelabh Chaturvedi. "India Cuts Export Aim, Seeks Solace in New Markets", 2009-08-27. Página visitada em 2010-11-15.
  92. Economic Survey 2010, pp. 142–144.
  93. Master Circular on External Commercial Borrowings and Trade Credits (PDF) Reserve Bank of India. Visitado em 2011-01-11.
  94. Economic Survey 2010, p. 132.
  95. FDI in India Statistics Ministry of Commerce and Industry, Government of India. Visitado em 2010-11-22.
  96. a b "India 2nd best country for biz investment: Survey". Página visitada em 2008-11-03.
  97. Next Big Spenders: India's Middle Class Mckinsey.com. Visitado em 2010-04-05.
  98. India FDI Fact sheet – September 2010 Department of Industrial Policy & Promotion, Ministry of Commerce and Industry. Visitado em 2010-12-21.
  99. Jaimini Bhagwati. "Rationalising FDI taxes", 2010-12-17. Página visitada em 2010-12-21.
  100. Sushma Ramachandran. "100 per cent FDI in construction industry through automatic route", 2005-02-25. Página visitada em 2010-12-17.
  101. Economic Survey 2010, p. 225.
  102. Your Guide to Money Matters Reserve Bank of India. Visitado em 2011-01-11.
  103. Datt & Sundharam 2009, pp. 887-888
  104. Poverty at a Glance World Bank. Visitado em 2010-11-18.
  105. Jayati Ghosh (January 2010). Poverty reduction in China and India: Policy implications of recent trends DESA Working Paper No. 92 United Nations Department of Economic and Social Affairs. Visitado em 2010-11-18.
  106. Panagariya 2008, pp. 140–142
  107. Poverty data: A supplement to World Development Indicators 2008 World Bank (December 2008). Visitado em 2010-11-18.
  108. "World Bank’s new poverty norms find larger number of poor in India", 2008-08-28. Página visitada em 2008-11-03.
  109. Steve Schifferes. "World poverty 'more widespread'", BBC, 2008-08-27. Página visitada em 2008-11-03.
  110. "New math: 37% Indians live below poverty line", 2009-12-11. Página visitada em 2010-11-18.
  111. Atul Thakur. "33% of Indians live in less space than US prisoners", 2008-11-25. Página visitada em 2011-01-17.
  112. a b Título não preenchido, favor adicionar.
  113. Panagariya 2008, p. 146
  114. Datt & Sundharam 2009, pp. 374–376
  115. Prabhakar Sinha. "‘India has more rich people than poor now’", 01/08/2010. Página visitada em 15/11/2010.
  116. a b India Country Overview 2008 World Bank (2008). Visitado em 17/01/2011.
  117. Datt & Sundharam 2009, pp. 423–424
  118. Datt, Ruddar; Sundharam, KPM (2009) Economia indiana . Nova Deli : S. Grupo Chand . pp. 432-433
  119. Panagariya, Arvind (2008). Índia: O Gigante Emergente . Oxford University Press . p. 147. ISBN 978-0-19-531503-5
  120. Datt & Sundharam 2009, p. 429
  121. Economic Survey 2010, pp. 275–277.
  122. Datt & Sundharam 2009, pp. 434–436
  123. Datt & Sundharam 2009, p. 431
  124. Kaushik Basu (27/06/2005). Why India needs labour law reform BBC. Visitado em 16/12/2010.
  125. http://www.usindiafriendship.net/viewpoints1/Indias_Rising_Growth_Potential.pdf
  126. India: Priorities for Agriculture and Rural Development World Bank. Visitado em 2011-01-08.
  127. Panagariya 2008, p. 318
  128. Panagariya 2008, pp. 320–321
  129. Drèze & Sen 1996, p. 180
  130. a b Transparency International India. India Corruption Study 2005 (PDF) Centre for Media Studies. Visitado em 2008-03-14. Cópia arquivada em 2007-04-15.
  131. http://www.transparency.org/policy_research/surveys_indices/cpi/2009/cpi_2009_table
  132. http://www.economist.com/node/10804248?story_id=10804248
  133. Karthik Muralidharan. Teachers and Medical Worker Incentives in India (PDF) University of California. Visitado em 2009-06-21.
  134. Kaushik Basu (2004-11-29). Combating India's truant teachers BBC. Visitado em 2011-01-09.
  135. Kuldip Nayar. Título não preenchido, favor adicionar.
  136. web|url = http://www. thehindubusinessline.in/2010/08/13/stories/2010081350370900.htm|title = Black, ousada e generosa |publisher = The Hindu Business Line|date = 2010/08/13|author = V. Venkateswara Rao|accessdate=2011/02/06}}
  137. Karishma Vaswani. "Winners and losers as India booms", BBC, 2007-05-21. Página visitada em 2011-04-16.
  138. Datt, Ruddar; Sundharam, K.P.M. (2009). Indian Economy. New Delhi: S. Chand Group. p. 474-474. ISBN 978-81-219-0298-4.
  139. Drèze, John; Sen, Amartya (1996). India: Economic Development and Social Opportunity. Oxford University Press. p. 45-46. ISBN 978-0-19-564082-3.
  140. Panagariya, Arvind (2008). India: The Emerging Giant. Oxford University Press. p. 164-165. ISBN 978-0-19-531503-5.
  141. ^ Sachs, D. Jeffrey; Bajpai, Nirupam and Ramiah, Ananthi (2002). "Understanding Regional Economic Growth in India" (PDF). Working paper 88. Harvard University. Archived from the original on 2007-07-01.
  142. ^ Kurian, N.J.. "Regional disparities in india". Planning Commission of India. Retrieved 2005-08-06.
  143. Education in India World Bank. Visitado em 2011-01-13.
  144. "Economic Survey 2009–10". Ministry of Finance, Government of India. pp. 280-281. Coletado em 22/11/2010
  145. "A special report on India: An elephant, not a tiger", The Economist, 2008-12-11. Página visitada em 2011-01-17.
  146. Drèze & Sen 1996, pp. 114–115
  147. "Economic Survey 2004–2005". Acessado em 15 de julho de 2006
  148. "Infrastructure the missing link", CNN, 2004-10-06. Página visitada em 2005-08-14.
  149. Panagariya 2008, p. 371
  150. a b c "A special report on India: Creaking, groaning: Infrastructure is India’s biggest handicap", The Economist, 2008-12-11. Página visitada em 2011-01-09.
  151. Reforming the Power Sector: Controlling Electricity Theft and Improving Revenue (PDF) The World Bank. Visitado em 2009-06-21.
  152. Mark Gregory. "India struggles with power theft", BBC, 2006-03-15. Página visitada em 2010-01-03.
  153. Panagariya 2008, pp. 386–387
  154. Panagariya 2008, pp. 384
  155. Panagariya 2008, pp. 388–390
  156. Panagariya 2008, pp. 427–428
  157. Infrastructure Rankings CIA. Visitado em 2011-01-17.
  158. Panagariya 2008, pp. 403–404
  159. "Ageing Indian infrastructure causes congestion", 2005-09-22.
  160. "It’s ringing mobiles throughout the country", 2011-03-05. Página visitada em 2011-03-19.
  161. Rajani Baburajan. "Digital Revolution in India", 2011-03-08. Página visitada em 2011-03-19.
Bandeira da Índia Índia
Bandeira • Brasão • Hino • Cinema • Culinária • Cultura • Demografia • Economia • Forças Armadas • Geografia • História • Portal • Política • Religiões • Subdivisões • Imagens