Economia da Argentina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Economia da Argentina
Buenos Aires, centro econômico e financeiro da Argentina
Moeda Peso argentino
Ano fiscal Ano calendário
Blocos comerciais OMC, Mercosul, Unasur
Estatísticas
Bolsa de valores Bolsa de Valores da Argentina
PIB 771 bilhões (estimativa ) (2013) (23º lugar)
Variação do PIB 3,0% (2013)[1]
PIB per capita 21 548 (2013)[2]
PIB por setor agricultura 10,3%, indústria 30,6%, comércio e serviços 59,1% (2012)
Inflação (IPC) 10.84%[3] (2012)
População
abaixo da linha de pobreza
4.3% (2012)[4] [5]
Coeficiente de Gini 0,411 (2013)[6]
Força de trabalho total 17 070 000 (2012)
Força de trabalho
por ocupação
agricultura 5%, indústria 23%, comércio e serviços 72% (2009)
Desemprego 6,4% (outubro 2013)[7]
Principais indústrias alimentícias, veículos automotores, bens de consumo duráveis, têxteis, produtos químicos e petroquímicos, impressão, siderurgia, metalurgia
Exterior
Exportações 85,36 bilhões (2012)
Produtos exportados soja e derivados, petróleo e gás natural, veículos, trigo, milho
Principais parceiros de exportação Brasil 21,6%, República Popular da China 7,3%, Chile 5,5%, EUA 5,5% (2011)
Importações 67,33 bilhões (2012)
Produtos importados máquinas, veículos automotores, petróleo e gás natural, produtos químicos orgânicos, plásticos
Principais parceiros de importação Brasil 33,2%, Estados Unidos 14,4%, República Popular da China 12,4% Alemanha 4,7% (2012)
Dívida externa bruta 80.3 bilhões (2012)[8]
Finanças públicas
Receitas 117,5 bilhões (2012)
Despesas 132,8 bilhões (2012)
Fonte principal: [[9] CIA World Fact Book]
Salvo indicação contrária, os valores estão em US$

A economia da Argentina tem recursos naturais abundantes, um setor agrícola orientado para a exportação, a população altamente alfabetizada, e uma base industrial relativamente diversificada. É a 25ª maior do mundo, se considerarmos seu PIB nominal, estimado em US$472 bilhões (dados de 2012). Já seu Poder de Compra, calculado em 13 de dezembro de 1999 em US$745 Mil, é o 22o maior do mundo[9] , e efetivamente, a 3a mais desenvolvida da América Latina, superada somente pelas economias do Brasil e do México. A Argentina é membro do Mercado Comum do Sul (Mercosul), da Organização Mundial do Comércio (OMC) e da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL).

A Argentina tem, após o seu vizinho Chile, o segundo mais alto Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB per capita em paridade do poder de compra na América Latina. É membro do G20 maiores economias. O país é classificado como de renda média alta ou de um mercado emergente pelo Banco Mundial. Hoje em dia é uma economia de renda média-alta.

História Econômica[editar | editar código-fonte]

século XIX[editar | editar código-fonte]

Em meados dos anos século XIX economia Argentina começou a experimentar um rápido crescimento na exportação de matérias-primas de gado. Isto marcou o início de um período significativo de expansão macroeconômica. Com as mudanças na produção e exportação de forte crescimento de sua economia estar dentro das principais potências mundiais. Durante esses anos manteve a sua posição de destaque como 10ª nação mais rica per capita do mundo em 1913[10] A partir da década de 1850 começou a desenvolver um mercado de trabalho (contratação de funcionários), principalmente na província de Buenos Aires.[11] O processo coincidiu e foi alimentado pela grande onda de imigração européia, que começou naquela época, e que durou até 1930. A população em 1869 foi de pouco mais de 1,8 milhão de pessoas. Para o ano de 1930, a população chegou a 11 milhões.[12] Entre 1870 e 1914, a economia da Argentina manteve um crescimento médio anual de mais de 5% ao ano.[13] Como unidade monetária, no início da década de 1880, estabeleceu-se como a moeda do país o "Peso", que foi usado até hoje.[14] Durante a década de 1880, 40% de todo o capital britânico investido no exterior foram investidos nas Argentina, os investimentos foram destinados ao financiamento da rede ferroviária, que acrescentou mais 3.800 milhas, tocando 40 000 km ferroviária total.[15]

Industrialização acelerada[editar | editar código-fonte]

Entre os anos de 1932-1974, a economia da Argentina cresceu quase cinco vezes (ou 3,8% ao ano) Argentina criou a maior classe média proporcional da América Latina[16] . Para 1913, renda per capita atingiram esses níveis sustentados por França e Alemanha, muito mais elevados do que os países como Itália e Espanha[17]

Em 1930 entrou na Grande Depressão, após a qual se recuperou lentamente.[18] Em 1928, a Argentina era a sexta potência do mundo, na década de 1940 quase analfabeta e não tinha população universitária foi o mais alto do mundo. Ficou em sexto lugar na escala da renda real per capita ea terceira para produtividade. [19] Após a Segunda Guerra Mundial, e com Juan Domingo Perón no poder, mantém uma posição econômica forte. Em 1952, o governo peronista decide pagar totalmente a dívida, o país devedor de 12,500 milhões de US$ tornou-se um credor de mais de 5.000 milhões de US$. Com moedas acumuladas durante a guerra, foi decidido realizar uma nacionalização de vários setores considerados chave para o desenvolvimento do país: o Banco Central, ferrovias, portos, etc. Em um esforço para limitar a dependência do país no mercado internacional, as medidas induzidas pelos governos como a nacionalização da indústria nacional foi alvo de incentivar o auto-desenvolvimento interno, enquanto a expansão do mercado interno através de políticas clássicas Welfare State.[20] Entre 1945 e 1948, as vendas aumentaram 106% cozinhas, geladeiras para a venda de 218%, 133% calçado, os registros fonográficos 200% e 600% a venda de rádios, incentivados por programas de redistribuição do governo e crédito barato. Empréstimos ao setor privado triplicou e as taxas de juros não superior a 5% ao ano, os empréstimos para a indústria aumentaram seis vezes e empréstimos agrícolas dobrou.[21] Durante o governo de Juan Domingo Perón rápido avanço da educação, combinada com a imigração, o investimento produtivo eo crescimento agrícola modelado uma sociedade de grande mobilidade social e aumento das expectativas de progresso.[22]

Políticas de estímulo às exportações, o investimento estrangeiro em indústrias de petróleo e automobilística, altos salários, direitos trabalhistas e forte investimento em obras públicas, foram mantidos como projeto de política económica geral para 20 anos e o país continuou a se industrializar. Entre 1959 - 1965 muitas indústrias foram estabelecidas automotricez multinacional: Citroën ,Deutz Argentina, Peugeot, Renault. Além das novas empresas que cresceram, as fábricas ampliaram suas plantas industriais, incluindo a Fiat. Além de poderosas empresas argentinas foram fundadas, como Siam Di Tella Automotive, Ay L. Decaroli, Autoar e Golias Hansa.[23]

Durante o governo de Arturo Illia (eleito em 1963) o país continuou uma economia próspera e estável, foi promovido a exploração dos recursos de petróleo e estratégica do estado, a indústria nacional foi incentivada, foram destinados 23% do orçamento nacional para educação e importantes obras foram confrontados públicas. O PIB cresceu em 50% a partir de 1963, os níveis de produção industrial de 60% ​​e as vendas de carros dobrou. Entre 1963 e 1969, a indústria cresceu 27,1%.[24] [25] A produção de aço aumentou 70% durante a sua presidência, mais de um milhão de toneladas, a produção de carvão aumentou 50%, enquanto a produção de electricidade subiu para 1,3 bilhões kWh (o maior da América Latina) O estoque de gado passo 40 milhões de cabeça em 1963 para mais de 46,7 milhões em 1965, ea produção de trigo aumentou 31%. Através de um programa de crédito foi continuado com a política de modernização do sector agrícola, beneficiando 37.581 agricultores. Durante este período, o registro de venda de tratores e colheitadeiras (origem totalmente argentino), para a construção de massa e silos.[26] Seu sucessor Arturo Frondizi (eleito em 1958) continuou com a política de rápida industrialização: a produção de petróleo triplicou, obtendo-se a autosuficiência argentina do produto. Grandes projetos de hidroeletricidade foram iniciados, além da construção de uma extensa rede de rodovias. A indústria de base foi impulsionada, com investimentos em petroquímica, siderurgia.

Em 1973, Juan Domingo Perón venceu as eleições com 62% dos votos, tendo o seu terceiro mandato (os dois primeiros foram entre 1946 e 1955) realizou o "contrato social" que os aumentos salariais médios, e estabelecer controles de preços, o que permitiu diminuir a inflação anual de 17% em 1973 para 0% em 1974. Isso resultou na média dos salários reais o log de ​​50% maior do que em 1963 e uma nova aceleração do crescimento econômico (6% em 1973-75)[27] Ele deu um novo ímpeto ao comércio exterior em expansão de frota mercante Argentina (que tinha no final de 1973 com 198 barcos)[28] No início desse ano eu ainda abre Atucha a primeira usina nuclear na América Latina e começar a obra da usina I reservatório para suprir as necessidades energéticas nucleares com 4 milhões de pessoas.[29]


As políticas do liberalismo econômico imposta através de golpe de Estado 1976, foram catastróficos para a economia em expansão na Argentina: acostumadas a décadas de protecionismo , a industria argentina não estava preparada para concorrencia externa (mais de 400.000 empresas de todos os tamanhos faliram),medidas populistas de aumento de salarios e gastos governamentais totalmente descontrolados , levaram a uma cronica inflação que chegou a 800 % ao ano.A inflação alta gerou concentração da riqueza e causou a perda de padrões de vida da população . A dívida externa aumentou 7,875 milhões de dólares no final de 1975, para 45,087 milhões de dólares em 1983. [30] [31] Pobreza, a partir dos anos 30 é sempre colocada abaixo de 6%, foi de 5,8% em 1975 (antes do golpe), subiu para 37,4% em 1983 (quando a ditadura terminou) números inéditos para o país.[32] Sua equipe, embarcou em um caminho de liberalização comercial e privatização foi desenhado por José Martínez de Hoz, ministro das Finanças até 29 de março, 1982. Seguida as diretrizes econômicas da Escola de Chicago, que havia sido implementado pela ditadura de Augusto Pinochet no Chile, em 1973.[33]

No final de 1983 assume Raúl Alfonsín. Para resolver os problemas herdados da ditadura seu ministro das Finanças Bernardo Grinspun, propôs um plano neodesarrolista: a taxas de serviços públicos foram congelados, e estabeleceu as listas de preços máximos. A baixa inflação abaixo de 2% ao ano (um valor não visto desde o pré ditadura), as receitas fiscais e conseguiu melhorar significativamente. Além de conter a alta da inflação herdada da ditadura pobreza diminuiu significativamente de 37,7% (quando o governo em 1983) para menos de 24,3% em 1986 e 18.2% em 1989. Entre 1983 e 1986 foi alcançada a estabilidade econômica eo equilíbrio fiscal.[34]

Em 1989, ganhou as eleições Carlos Menem assumiu o cargo em 10 de dezembro, nomeado o ministro da Economia Domingo Cavallo. Atrelou o peso argentino ao dólar em 1991, e limitou o crescimento da oferta de moeda. Apos de um ano Cavallo é demitido e substituído por Antonio Erman González. A inflação caiu e o PIB cresceu um terço em quatro anos. As exportações aumentaram de 12.500 milhões de dólares em 1990 para quase 27000 milhões de dólares em 2000, com um aumento de 110% na década.[35] O PIB per capita tornou-se o mais alto em toda a década de 1990 na América Latina.[36] .Durante as décadas de 1980 e 1990 o processo de desinflação foi contínuo e sustentado, de 3.7% em 1987, 3.5% em 1988, 3.2% em 1989, 3.4% em 1990, 2,4% em 1991, 1,5% em 1992, 1,4% em 1993, 1,9% em 1994, 0,6% em 1995 e 0% em 1996, -0.7% em 1997 ,para -0.2 em 1998.[37]

Em 1999, após dez anos de governo de Menem, é eleito Fernando de la Rúa. O ministro da Economia Domingo Cavallo levou um ajuste severoe exigido pelo FMI: corte no orçamento da universidade, cortes nos salários dos professores e nas pensões, em programas de saúde, demitindo 40 mil funcionários públicos e a flexibilidade do trabalho.[38] [39] [40] As medidas falhou e, em 2000 a economia contraiu-se 0,5% do PIB, ea taxa de desemprego subiu para 21.5% no início de 2002 e provocou a colapso em 2001. [41]

Em meados de 2003 iniciou uma recuperação econômica rápida. De 2003-2011, o país registrou uma fase de crescimento, com taxas que variam em torno de 9% (8,8% em 2003, 9% em 2004, 9,2% em 2005, 8,5% em 2006, 8,7% em 2007, 6,8% em 2008, 9,2% em 2010, 8,9% em 2011).[42] Em 2003, as políticas de expansão e exportação de commodities provocaram uma recuperação do PIB. Esta tendência tem sido mantida, criando milhões de empregos e incentivando o consumo interno. A situação socioeconômica tem vindo a melhorar.[43] Em níveis de desemprego é uma baixa contínua: 17,3% 2003 14,8% em 2004, 11,6% em 2005, 8,7% em 2006 e 7,9% em 2008. Em 2011, o a taxa de desemprego caiu para 6,7 por cento, a taxa atingiu uma baixa em 20 anos, é o nível mais baixo desde outubro de 1991.[44] Nos últimos dez anos de produção de automóveis subiu de 169 621 veículos produzidos em 2003 para alta de 828.771 unidades em 2011.[45] A década de 2003-2013 na construção e desenvolvimento imobiliário na Argentina foi um dos melhores períodos que se estendeu do país nos últimos 50 anos. Em 2002, trabalhadores da construção civil tinha registrado 70.000 e cresceu para o atual 380.000.[46]

O governo de Cristina Kirchner respondeu em 2008 durante a crise financeira internacional com um recorde de 32 bilhões dólares do programa de obras públicas para 2009-10 e mais US$ 4 bilhões em novos cortes de impostos eo pagamento de toda a dívida com o FMI.[47] A taxa de pobreza urbana caiu para 18% em meados de 2008, um terço do pico observado em 2002, embora ainda acima do nível anterior a 1976.[48] [49] A distribuição de renda, tendo melhorado desde 2002, graças às altas taxas de crescimento, criação de emprego e recuperação salarial.[50] [51] [52] Pobreza em 2012 é 6,5 [53] A classe média dobrou na última década, destacando bem como o país latino-americano com o maior aumento em sua classe média como uma percentagem do total da população.[54] Actualmente, Argentina é considerado um dos principais das economias emergentes e um dos que mais cresce no mundo[55] As exportações cresceram 2010-68.127 milhões de dólares. Apesar da crise internacional, o comércio exterior argentino e em particular as exportações continuaram a crescer fortemente, atingindo em 2011 um recorde de 84.295 milhões de dólares, um aumento de 24% face ao ano anterior.[56] [57] [58]

Graças ao forte crescimento econômico, os aspectos estabilidade econômica e altos níveis de investimento, a classe média do país dobrou na última década, destacando-se como o país latino-americano com o maior aumento em sua classe media.[59] Em 2011, o PIB per capita atingiu 17.376 dólares, é o maior na América Latina.[60] a Cepal informou que em 2011 a pobreza foi de 5,7% e 1,9% destituição, posicionando Argentina como o país com menos pobreza e menos indigencia na América Latina.[61] [62]

Agricultura[editar | editar código-fonte]

Vista do pampas campos de soja. Embora a Argentina é hoje uma economia industrial e de serviços, a agricultura ainda ganha mais de metade do câmbio estrangeiro.
Vinhedo em Luján de Cuyo, na província de Mendoza.

A Argentina é um dos mais importantes do mundo produtores agrícolas, estando entre os maiores produtores agrícolas e, exportador de citrinos, uva, mel, milho, sorgo , soja , girassol, semente, trigo e erva mate, carne, cereais e azeite do mundo. Também produz e exporta grande quantidade de .

A exportação de gado desempenha importante papel no comércio internacional, a criação de gado é uma grande indústria, com cerca de 55 milhões de cabeças, a carne é o principal componente da dieta da população, em 2013, o consumo interno de carne bovina foi classificado como o segundo mais alto desde 1960.[63]

A Agricultura representou 7,5% do PIB em 2009. Sendo a soja e seus derivados, principalmente os compostos de alimentos, produtos hortícolas e o óleo, são os principais commodities exportados, representando 24% do total. Trigo, milho, sorgo e outros cereais somaram 8%. A carne,o couro e as leiteiras foram de 5% do total das exportações.

Frutas e vegetais composta por 4% das exportações. A Argentina é o maior produtor mundial de vinho quinto maior, e tem uma produção de vinhos de grande qualidade. A crescente exportação, o total de viticultura potencial está longe de ter sido respeitada. Mendoza é a maior região de vinhos, seguida de San Juan

A pesca da Argentina produz anualmente um milhão de toneladas de capturas anuais, que representa 50% das capturas, os pesqueiros argentinos, potencialmente muito produtivos, não são plenamente explorados. lula e caranguejo centolla. a indústria pesqueira aumentou suas vendas no exterior nos últimos anos, as exportações em 2012 atingiu 1,5 bilhões de dólares, 70% a mais do que em 2003.[64]

A Silvicultura tem longa história em todas as regiões da Argentina, além do pampas, o que representa quase 14 milhões de m³ de eucalipto, pinheiro e elm (para celulose) são todos amplamente exploradas, principalmente para o mobiliário doméstico, bem como os produtos derivados da celulose (1,5 milhões de toneladas). A produtividade tinha aumentado consideravelmente, nos últimos 8 anos, a indústria da madeira aumentou a produção em 132% e o setor produziu em 2013 cerca de 11 000 milhões.[65]

Entre 2003/2011, houve um crescimento de 260 por cento das exportações de manufaturas industriais (MOI), o crescimento das exportações primárias de 212 por cento e 182 por cento da produção agrícola.[66]

Recursos minerais[editar | editar código-fonte]

A Mineração é uma indústria crescente, que aumentou de 2% do PIB em 1980 para cerca de 4% hoje. O país tem grande diversidade de reservas de petróleo, carvão e metais variados. Na última década houve um aumento na produção de petróleo e carvão. A produção de gás natural também é importante para a economia do país.[67] O Noroeste e San Juan são as principais regiões de atuação. O Carvão é extraído de Província de Santa Cruz. Os metais extraídos incluem cobre, zinco, magnésio enxofre, tungstênio, urânio, prata e, em particular, ouro, cuja produção foi impulsionada por investimentos recentes de Barrick Gold em San Juan. As exportações de minério de metal subiu de EUA $ 200 milhões em 1996 para EUA $ 1,2 bilhão em 2004, produção mineral aumentou dez vezes na última década[68]

Cerca de 35 milhões de m³ cada um de petróleo e petróleo combustível s são produzidos, bem como 50 bilhões de m³ de gás natural, tornando o país auto-suficiente nesses grampos, e gerando cerca de 10 % das exportações. O mais importante campo de petróleo encontram em Patagônia e Cuyo. Uma rede de transportes de gasodutos (ao lado do México, o segundo maior na América Latina) envia a matéria-prima para o Bahía Blanca, centro da indústria petroquímica e para o La Plata -Buenos Aires-Rosario, onde está o cinturão industrial. Graças à companhia petrolífera YPF em 2013 foi alcançado recorde de produção de hidrocarbonetos a partir dos últimos 30 anos.[69]

Indústria[editar | editar código-fonte]

A indústria transformadora é o setor que traz valor ao PIB, com 23% do total (2005). Indústria é o maior empregador do país. Desde 2003, a indústria passou por um processo de revitalização competitivo, impulsionado, principalmente, pela política econômica do governo e planos de reconversão industrial. Embora a atividade industrial é principalmente destinada a substituir as importações e as exportações. As principais indústrias incluem os automóveis, têxteis e calçados, alimentos, produtos químicos, papel, madeira e cimento. No caso específico da indústria de alimentos nos últimos anos têm desenvolvido, em muitas províncias, as economias agro-industriais, através da criação de indústrias de processamento e embalagem, especialmente produtos de frutas, verduras, laticínios e vinho .[70]

A década de 2003-2013 na construção e desenvolvimento imobiliário na Argentina foi um dos melhores períodos nos últimos 50 anos. Em 2002, 70 mil trabalhadores da construção civil e tinha crescido para o atual 380 mil.[71]

Graças às políticas de estímulo dos governos de Néstor e Cristina Kirchner indústria de recuperação perdido terreno desde 1976. Houve forte crescimento na produção de eletrodomésticos, espera-se que em 2013 uma produção de 1.056.000 máquinas de lavar semi-automática e 380.000, marcando um novo recorde.[72] Nos últimos dez anos de produção de automóveis subiu de 169.621 veículos produzidos em 2003 para alta de 828.771 unidades em 2011. Isso representou um aumento de 388 por cento. A indústria automotiva é a segunda indústria mais importante em termos de investimento estrangeiro. No período 2008-2013, os investimentos registrados 16,900 milhões nos setores automotivo, voltada para a produção de novos modelos, expansão e modernização de plantas.[73] [74]

Na última década, dobrou a participação da indústria no PIB, registrando um aumento de 105%, com um forte aumento da produtividade do trabalho. Ele também obteve um crescimento diversificado, especialmente em sectores de alto valor acrescentado: o setor automotivo cresceu neste período, de 409%, os minerais não-metálicos 177%, 175% metalúrgicas, têxteis, de 158%, ou de 102% de borracha e plástico, 95 % substâncias e produtos químicos.[75]

O parque industrial concentra-se na capital Buenos Aires, sua maior e mais desenvolvida cidade. Outros importantes centros industriais existem em Córdoba, Rosario, Tucumán, Mendoza, e Tierra del Fuego. Em Tierra del Fuego está concentrada a produção de alta tecnologia, entre 2009 e 2013 a produção de condicionadores de ar aumentou de 570.000 a 1.500.000, o forno de microondas de 232.000 a 665.000, as televisões de 1,2 a 3 milhões eo celular de 0,4 a 14 milhões.[76]

O país tornou-se um centro de investimento para empresas de alta tecnologia, tem um desenvolvimento significativo na indústria eletrônica, eletromecânica e ótico, 70% das empresas do setor são exportadoras. Em 2013 exportou US $ 700 milhões para mais de 60 países, incluindo a Alemanha, Áustria, Estados Unidos, Índia, Itália e África do Sul, entre outros.[77]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Vista do Lago Nahuel Huapi próximo à cidade de Bariloche.

A Argentina é o país mais visitado na América do Sul ea quarta mais visitados das Américas. Segundo dados oficiais da Organização Mundial de Turismo, em 2010 o país recebeu mais de 5,3 milhões de turistas estrangeiros, o que significou cerca de 4.930 milhões de receita externa.[78] De acordo com as projeções do atual ministro argentino de Turismo, Enrique Meyer, em 2012 a Argentina deverá receber mais de 5 milhões de estrangeiros.[79] [80]

O turismo representa atualmente 7,7% do produto interno bruto (PIB) argentino. Segundo dados de 2010 do Instituto Nacional de Estatística e Censos da Argentina (INDEC) os brasileiros continuam liderando o ranking dos turistas internacionais que visitam a Argentina, representando 33% do total de estrangeiros que visitaram o país no período de setembro de 2009 a setembro de 2010. Depois dos brasileiros, são os chilenos os turistas que mais visitam o país vizinho. Os números do INDEC mostram que em setembro de 2010 eles representaram 31% do total de turistas estrangeiros no país. Em seguida, vêm os europeus (5,2%), os norte-americanos e os canadenses (2%). No ano 2009 a crise internacional e a gripe gripe suína, afastaram os visitantes internacionais da país.

Sistema financeiro[editar | editar código-fonte]

Durante o sistema financeiro argentino de 90 foi consolidada e fortalecida. Depósitos cresceram fortemente. Como o crescimento econômico na década de 2003/2013 os bancos voltou a vencer depósitos, que subiu de US $; 114.462 milhões em dezembro de 2004 para $ 169.729 em dezembro de 2006, o que representa um aumento de 48%. O mercado de ações, o Merval, foi em 2013 o mercado de ações com maior crescimento no mundo.[81]

Comércio Exterior[editar | editar código-fonte]

O desenvolvimento do Mercosul fez com que o Brasil se tornasse o principal parceiro do comércio exterior argentino, comprando quase um terço das exportações. Nos últimos quinze anos, as exportações argentinas aumentaram mais de quatro vezes entre 2002 e 2006 cresceu apenas cerca de 80%.

Desde 2003, graças ao processo de re-industrialização ter exportações diversificadas, especialmente de alto valor agregado: Em 2013, após mais de quatro décadas, o país voltou a exportar o material oftalmológico,[82] também tem dado um forte impulso para o as exportações de medicamentos, com crescimento de 53% em 2012.[83] também é líder na exportação da América Latina de software, eo terceiro do mundo em exportação de conteúdo audiovisuales,depois dos Estados Unidos e da Países Baixos.[84] a exportação de carros cresceu em 2013.[85]

Infra-estrutura[editar | editar código-fonte]

Infra-estrutura de transporte na Argentina é relativamente avançada. Existem mais de 230.000 km de estradas (não incluindo estradas privadas), dos quais 72,000 quilômetros são pavimentados. Depois dobrou de tamanho nos últimos anos, um sistema de auto-estradas com várias faixas modernas ligam todas as principais cidades.[86] O custo da energia elétrica é o menor da América Latina.[87]

Crescimento da Economia[editar | editar código-fonte]

Ano Taxa de Crescimento Real (%) Referências históricas
1980 0,7 ditadura militar
1981 -5,7 ditadura militar
1982 -3,1 ditadura militar
1983 3,7
1984 2
1985 7,0
1986 7,1
1987 2,5
1988 -2,0
1989 7,0 Início do governo Carlos Menem
1990 -1,3 governo Carlos Menem
1991 10,5 governo Carlos Menem
1992 10,3 governo Carlos Menem
1993 6,3 governo Carlos Menem
1994 5,8 governo Carlos Menem
1995 2,8 governo Carlos Menem
1996 5,5 governo Carlos Menem
1997 8,1 governo Carlos Menem
1998 3,9 governo Carlos Menem
1999 0,4 Início do governo Fernando de la Rúa
2000 -0,8 governo Fernando de la Rúa
2001 -4.4 governo Fernando de la Rúa
2002 -10,9 governo Fernando de la Rúa
2003 8.8 Início do governo Néstor Kirchner
2004 9.0 governo Néstor Kirchner
2005 9.2 governo Néstor Kirchner
2006 8.5 governo Néstor Kirchner
2007 8.7 governo Néstor Kirchner
2008 7,0
2009 0,9 *
2010 7,8 *

Fonte: Cia World Factbook https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/ar.html

Referências

  1. http://economia.terra.com.ar/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201309210033_AFP_TX-PAR-OFG18
  2. http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2012/02/weodata/weorept.aspx?sy=1980&ey=2017&scsm=1&sic=1&sort=country&ds=%2C&br=1&c=512%2C446%2C914%2C666%2C612%2C668%2C614%2C672%2C311%2C946%2C213%2C137%2C911%2C962%2C193%2C674%2C122%2C676%2C912%2C548%2C313%2C556%2C419%2C678%2C513%2C181%2C316%2C682%2C913%2C684%2C124%2C273%2C339%2C921%2C638%2C948%2C514%2C943%2C218%2C686%2C963%2C688%2C616%2C518%2C223%2C728%2C516%2C558%2C918%2C138%2C748%2C196%2C618%2C278%2C522%2C692%2C622%2C694%2C156%2C142%2C624%2C449%2C626%2C564%2C628%2C283%2C228%2C853%2C924%2C288%2C233%2C293%2C632%2C566%2C636%2C964%2C634%2C182%2C238%2C453%2C662%2C968%2C960%2C922%2C423%2C714%2C935%2C862%2C128%2C135%2C611%2C716%2C321%2C456%2C243%2C722%2C248%2C942%2C469%2C718%2C253%2C724%2C642%2C576%2C643%2C936%2C939%2C961%2C644%2C813%2C819%2C199%2C172%2C733%2C132%2C184%2C646%2C524%2C648%2C361%2C915%2C362%2C134%2C364%2C652%2C732%2C174%2C366%2C328%2C734%2C258%2C144%2C656%2C146%2C654%2C463%2C336%2C528%2C263%2C923%2C268%2C738%2C532%2C578%2C944%2C537%2C176%2C742%2C534%2C866%2C536%2C369%2C429%2C744%2C433%2C186%2C178%2C925%2C436%2C869%2C136%2C746%2C343%2C926%2C158%2C466%2C439%2C112%2C916%2C111%2C664%2C298%2C826%2C927%2C542%2C846%2C967%2C299%2C443%2C582%2C917%2C474%2C544%2C754%2C941%2C698&s=PPPPC&grp=0&a=&pr1.x=56&pr1.y=13
  3. http://www.cba24n.com.ar/content/segun-el-indec-el-2012-cerro-con-un-108-de-inflacion
  4. http://www.telam.com.ar/notas/201312/43564-la-argentina-es-el-pais-con-menor-pobreza-en-la-region-segun-cepal.html
  5. http://diagonales.infonews.com/nota-205722-La-CEPAL-destaco-que-bajo-la-pobreza-en-Argentina.html
  6. http://www.pagina12.com.ar/diario/economia/2-229682-2013-09-24.html
  7. http://www.minutouno.com/notas/314146-la-desocupacion-es-la-mas-baja-octubre-1991
  8. http://www.diariobae.com/notas/1250-buscan-cerrar-acuerdo-con-el-club-de-paris-y-abrir-entrada-de-dolares.html
  9. a b CIA. The World Factbook. Consultado em 29 de março de 2013
  10. Dubay, Curtis. Argentina's Economic Crisis: An "Absence of Capitalism" Heritage.org. Visitado em 2010-04-25.
  11. Hilda. Los trabajadores de Buenos Aires: la experiencia del mercado, 1850-1880. Buenos Aires: Sudamericana (ed.), 1992.
  12. Schvarzer, Jorge. Ob. Cit. Página 15.
  13. Blanchard, Olivier y Pérez Enrri, Daniel: Macroeconomía. Prentice Hall Iberia, Buenos Aires, 2002. ISBN 987-97892-4-5.
  14. http://www.bcra.gov.ar/hm000000.asp
  15. Sáenz Quesada, María (1980). Los estancieros y de capital brit el. Ed Belgrano.
  16. The Statistical Abstract of Latin America. University of California, Los Angeles.
  17. Blanchard, Olivier y Pérez Enrri, Daniel: Macroeconomía. Prentice Hall Iberia, Buenos Aires, 2002. Páginas 479 a 481. ISBN 987-97892-4-5.
  18. Political Economic History And Regional Economic Development In Argentina Sjsu.edu. Visitado em 2010-04-25.
  19. http://historiapolitica.com/datos/biblioteca/deriz4.pdf
  20. Gerchunoff, Pablo: “Peronist Economic Policies, 1946-55”, en di Tella and Dornbusch, 1989, pp. 59-85.
  21. http://www.fcp.uncu.edu.ar/upload/Gerchunoff,Pablo_y_Damin_Antnez_De_la_bonanza_peronista_a_.pdf
  22. http://historiapolitica.com/datos/biblioteca/deriz4.pdf
  23. http://www.autohistoria.com.ar/Varios/Hitos.htm
  24. http://es.scribd.com/doc/8542714/El-Gobierno-de-Illia-
  25. http://www.eclac.org/publicaciones/xml/4/15284/lcr2119e_anexo4.pdf
  26. http://pedroazcoiti.radicales.org.ar/libroazcoiti.pdf
  27. RAPOPORT, Mario (2007). Historia Económica, política y social de la Argentina. Emecé:Colihue
  28. http://www.histarmar.com.ar/BuquesMercantes/HistMarinaMercArg/15-73alfinal.htm
  29. http://www.na-sa.com.ar/centrales/embalse
  30. name=Lewis>Lewis, Paul. The Crisis of Argentine Capitalism. Univ. of North Carolina Press, 1990.
  31. Banco Central, o relatório de 1985, p. 147
  32. http://books.google.com.ar/books?id=HhUHR63imh8C&lpg=PA198&hl=es&pg=PA198#v=onepage&q&f=false
  33. Keith B. Griffin, Alternative strategies for economic development Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, Development Centre, St. Martin's Press, NY, 1989, p. 59.
  34. http://www.econ.uba.ar/www/institutos/economia/Ceped/publicaciones/dts/DT%2015%20-%20Arakaki.pdf
  35. http://www.mecon.gov.ar/cuentas/internacionales/comercio_exterior/2a.htm
  36. http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2007/01/data/weorept.aspx?pr.x=24&pr.y=11&sy=1990&ey=2002&scsm=1&ssd=1&sort=country&ds=.&br=1&c=213%2C273%2C218%2C223%2C278%2C283%2C228%2C288%2C233%2C293%2C238%2C243%2C248%2C253%2C258%2C263%2C268%2C298%2C299&s=NGDPDPC&grp=0&a=Fuente:
  37. http://www.eclac.org/publicaciones/inflacionargentina1985-1998/xml/5/46985/Argentina-completo-web.xls
  38. http://www.pagina12.com.ar/2001/01-03/01-03-17/pag03.htm
  39. http://edant.clarin.com/diario/2001/03/17/e-258781.htm
  40. http://www.lanacion.com.ar/164518-de-la-rua-dijo-que-recibe-un-grave-deficit-y-pidio-esfuerzos
  41. http://www.indexmundi.com/g/g.aspx?c=ar&v=74&l=es
  42. http://www.cepal.org/publicaciones/xml/1/43991/EEE-Argentina.pdf
  43. http://www.eclac.org/publicaciones/xml/5/46985/Argentina-completo-web.pdf
  44. http://www.infobae.com/2012/01/25/628678-desempleo-la-tasa-toco-un-minimo-20-anos
  45. http://www.telam.com.ar/notas/201305/18173-el-sector-automotriz-crecio-en-forma-exponencial-en-la-ultima-decada.html
  46. http://www.infonews.com/2013/05/18/economia-76500-construccion-la-ultima-decada-fue-la-mas-importante-en-50-anos.php
  47. Agencia Telam (2008-12-15). TELAM TELAM. Visitado em 2010-04-25.
  48. INDEC Household Survey. Visitado em 2010-04-25.
  49. "Argentina Country Brief" World Bank
  50. http://www.pagina12.com.ar/diario/economia/2-229682-2013-09-24.html
  51. International Monetary Fund. Economic Prospects and Policy IssuesPDF (567 KB)
  52. InfoBAE, 20 September 2006. Para los bancos la Argentina seguirá creciendo en 2006
  53. http://www.indec.gov.ar/nuevaweb/cuadros/74/pob_tot_2sem11.pdf
  54. http://www.bancomundial.org/es/news/press-release/2012/11/13/argentina-middle-class-grows-50-percent
  55. http://www.tomamateyavivate.com.ar/economia-argentina/la-cepal-estima-un-crecimiento-de-9-para-la-argentina-en-2011/
  56. www.indec.mecon.ar/nuevaweb/cuadros/19/expserietenden.xls
  57. http://www.ambito.com/economia/informes_economicos/archivos/Ranking_expo_x_sectore.pdf
  58. http://www.transparency.org/policy_research/surveys_indices/cpi/2009/cpi_2009_table
  59. http://www.bancomundial.org/es/news/press-release/2012/11/13/argentina-middle-class-grows-50-percent
  60. http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2011/02/weodata/weorept.aspx?sy=2009&ey=2016&scsm=1&ssd=1&sort=country&ds=.&br=1&pr1.x=49&pr1.y=10&c=213%2C263%2C268%2C273%2C218%2C278%2C223%2C283%2C228%2C288%2C233%2C293%2C238%2C243%2C248%2C253%2C298%2C258%2C299&s=PPPPC&grp=0&a=
  61. http://elcomercio.pe/actualidad/1502182/noticia-ocho-millones-latinoamericanos-dejaron-pobres-2011
  62. http://www.cepal.org/publicaciones/xml/5/48455/PanoramaSocial2012.pdf
  63. http://www.lagaceta.com.ar/nota/549204/economia/aumenta-consumo-carne-pais.html
  64. http://www.srt.gob.ar/noticias/srt/contenidos-srt/noticias/crecimiento-de-la-industria-pesquera-sin-casos-mortales-por-accidentes-de-trabajo
  65. http://www.laargentinaadiario.com.ar/site/economia/la-industria-forestal-argentina-redujo-sus-importaciones-la-mitad.html#sthash.E9J4xkim.dpuf
  66. http://www.pagina12.com.ar/diario/suplementos/cash/17-6754-2013-04-18.html
  67. ''Clarín'' Clarin.com (2008-10-20). Visitado em 2010-04-25.
  68. http://www.telam.com.ar/notas/201305/18155-la-mineria-uno-de-los-sectores-que-mas-crecio-entre-2003-y-2013.html
  69. http://www.telam.com.ar/notas/201312/46153-ypf-logro-en-2013-record-de-produccion-de-hidrocarburos-de-los-ultimos-30-anos.html
  70. http://www.upo.es/RevMetCuant/art.php?id=39
  71. http://www.infonews.com/2013/05/18/economia-76500-construccion-la-ultima-decada-fue-la-mas-importante-en-50-anos.php
  72. http://www.diariobae.com/diario/2013/04/26/27676-los-fabricantes-de-lavarropas-proyectan-record-de-produccion.html
  73. http://www.telam.com.ar/notas/201305/18173-el-sector-automotriz-crecio-en-forma-exponencial-en-la-ultima-decada.html
  74. http://www.infonews.com/2013/05/20/economia-76686-se-dio-un-cambio-radical-en-el-sector-automotriz.php
  75. http://www.pagina12.com.ar/diario/economia/2-215055-2013-03-04.html
  76. http://www.pagina12.com.ar/diario/economia/2-226173-2013-08-07.html
  77. http://www.diariobae.com/diario/2013/10/10/32994-la-electronica-argentina-ya-exporta-a-60-paises.html
  78. http://www.tourismroi.com/Content_Attachments/27670/File_633513750035785076.pdf
  79. Luiz Antônio Alves. Agência Brasil: Brasileiros continuam liderando ranking de turistas estrangeiros na Argentina agenciabrasil.ebc.com.br. Visitado em 23 de novembro de 2010.
  80. Argentina GDP - real growth rate - Economy indexmundi.com. Visitado em 23 de novembro de 2010.
  81. http://www.diariobae.com/diario/2013/12/27/34358-el-merval-es-la-segunda-plaza--del-mundo-que-mas-gano-en-2013.html
  82. http://www.infonews.com/2013/03/23/economia-66892-argentina-vuelve-a-exportar-lentes-oftalmicas.php
  83. http://argentina.pmfarma.com/noticias/7036-crece-exportacion-de-medicamentos-de-argentina-hacia-amlat.html
  84. http://www.infobae.com/2013/02/11/696001-la-argentina-es-el-tercer-exportador-contenidos-audiovisuales
  85. http://tiempo.infonews.com/2013/04/06/argentina-99576-la-produccion-y-exportacion-de-autos-crecio-un-168-por-ciento-interanual-en-marzo.php
  86. http://www.nationsencyclopedia.com/economies/Americas/Argentina-INFRASTRUCTURE-POWER-AND-COMMUNICATIONS.html
  87. http://www.electrosector.com/argentina-tiene-la-tarifa-electrica-mas-barata-de-toda-latinoamerica/
Bandeira da Argentina Argentina
Bandeira • Brasão • Hino • Cinema • Culinária • Cultura • Demografia • Economia • Forças Armadas • Geografia • História • Portal • Política • Subdivisões • Turismo • Imagens