Economia de Pernambuco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Garanhuns, terceira maior cidade do interior de Pernambuco.

Economia[editar | editar código-fonte]

Indicadores
Ficha técnica
PIB R$ 104,394 bilhões (2011)
Composição do PIB indústria 22,0%
serviços 73,2%
agropecuária 4,8%%(2009)
Exportações Açúcar de cana: 26%.

Plástico, borracha e seus produtos: 16%.

Mangas e uvas frescas: 14%.

Materiais/aparelhos elétricos e eletrônicos: 8%.

Combustíveis e lubrificantes para embarcações e aeronaves: 6%.

Crustáceos: 4%.

Outros: 26%.)(2009)

A economia de Pernambuco tem como base a (Agricultura, a Indústria e os Serviços.) Desde a época da colonização do Brasil a agricultura pernambucana foi destaque, porém o setor de serviços é atualmente predominante; Bem como na indústria (alimentícia, química, metalúrgica, eletrônica, e têxtil).

Desde o início da dominação portuguesa o estado foi basicamente agrícola, tendo destaque na produção nacional de cana-de-açúcar devido ao clima e ao solo tipo massapê. Porém, nas últimas décadas à cana-de-açúcar deixou de ser o principal produto agrícola da Zona da Mata, embora ainda tenha participação significava. A floricultura começa ganhar espaço, com plantações de rosas, gladiolus, e crisântemos; Bem como outros produtos agrícolas.

Todavia o estado assiste a uma importante mudança em seu perfil econômico com os mais grandes recentes investimentos nos setores petroquímico, biotecnológico, farmacêutico e automotivo, que esta dando novo impulso à economia do estado que vem crescendo acima da média nacional.[1] . Além da importância crescente do setor terciário sobretudo das atividades turísticas, e o setor industrial em torno da empresa de Suape, fundada em 1979. Os principais empreendimentos são dos setores alimentício, químico, materiais elétricos, comunicação, metalúrgica, minerais não-metálicos e têxtil. Também tem grande destaque internacional a produção irrigada de frutas ao longo do Rio São Francisco quase que totalmente voltada para exportação concentrada no município de Petrolina, em parte devido ao aeroporto internacional, com grande capacidade para aviões cargueiros do município. Outros pólos dinâmicos de desenvolvimento são o pólo gesseiro no Araripe, o mármore a pecuária leiteira, e o pólo têxtil do Agreste , a cana-de-açúcar e a biomassa na Zona da Mata o pólo de informática, indústrial e de serviços na Região Metropolitana do Recife.

Setor Primário[editar | editar código-fonte]

Agricultura[editar | editar código-fonte]

Petrolina, no semiárido pernambucano, é a maior cidade da RIDE Petrolina e Juazeiro, maior aglomerado urbano do interior da região Nordeste, que se consolidou como o maior exportador de frutas[2] e segundo maior pólo vitivinicultor do Brasil[3] .

O estado se destacou muito na agricultura desde o período colonial brasileiro, no qual a região da zona da mata foi utilizado para plantio de cana-de-açúcar e algodão. Atualmente a cana-de-açúcar ainda tem representatividade na sua economia, porém, com o bom momento econômico que o estado passa, a tendência é de que a cada dia ela perca espaço na economia estadual.

No sertão do estado, região onde apresenta uma agricultura desenvolvida e com representatividade no nordeste, existem plantações de mandioca, milho, cebola, feijão, tomate entre outros vegetais e grãos. Um fator que traz danos à economia local é as severas secas que assolam a região, milhares de agricultores somam prejuízos pela perda de suas plantações, bem como a pouca assistência dadas aos agricultores por parte do governo federal. Nos últimos anos, o governo estadual tem criados programas que incentivam os produtores e dando auxílio financeiro e social. O estado foi bastante conhecido por ter em seu território o "polígono da maconha", as maiores plantações da erva em território brasileiro.

Fruticultura irrigada em Petrolina, no oeste do estado.

No agreste pernambucano é possível notar o rápido crescimento da fruticultura, principalmente na região onde o clima favorece a plantação de frutas como o morango, o município de Gravatá é o principal pólo. A região também apresenta o cultivo de rosas, gladiolus e Chrysanthemum. Tem-se representatividade também a produção de frutas, verduras e grãos.

Na região do São Francisco destacam-se a fruticultura irrigada de uva, goiaba, limão, laranja, manga, entre outras. O município de Petrolina destaca-se como o pólo de uma região com mais de 700 mil habitantes, onde forma uma conurbação com o município de Juazeiro, na Bahia. A região é a maior exportadora de frutas e o segundo maior vinícola do Brasil, exportando sua produção para fora do país.

Pecuária[editar | editar código-fonte]

O agreste do estado detém a maior parte do rebanho de Pernambuco, seguido pelo sertão. O rebanho é composto por bovinos (2.122.19 cabeças) e caprinos (1.685.845 cabeças). Este setor tem muitas quedas na participação econômica do estado, devido aos períodos de seca que vitimam centenas de animais.

Extrativismo[editar | editar código-fonte]

Extração de gipsita em uma mineradora na região do sertão do araripe

O Estado de Pernambuco possui uma grande variedade de bens minerais dispostos tanto nos terrenos pré-cambrianos quanto nos depósitos sedimentares. As atividades extrativas minerais mais intensas se verificam na bacia do Araripe e nas bacias costeiras do estado. Essas atividades, contudo, pouco expressivas quando comparada com as que ocorrem em outros estados do país. Os principais recursos minerais explorados em Pernambuco são: argila, caulim, calcário, ferro, gipsita, areias quartzosas e ouro. Os depósitos mais explorados de argila são encontrados na faixa costeira do estado, principalmente ao longo dos vales dos rios Ipojuca, Capibaribe, Pirapama e Sirinhaém, e também na bacia sedimentar do Jatobá, particularmente nos municípios de Buíque e Tupanatinga. Os maiores depósitos de caulim situam-se no Município do Cabo de Santo Agostinho. Tais depósitos estão inseridos nos sedimentos do Grupo Barreiras. Ocorrências desse recurso mineral podem ser encontradas nos municípios de Caruaru e Panelas, no Agreste do Estado. Existem dois tipos de calcários extraídos em Pernambuco: sedimentares e metamórficos. Os depósitos calcários sedimentares localizam-se na faixa costeira, particularmente nos municípios de Goiana e Paulista. Os calcários metamórficos estão inseridos nos terrenos pré-cambrianos. As principais ocorrências dessa modalidade de calcário estão nos municípios de Iguaracy, Sertânia, Mirandiba, Floresta, Flores, Gravatá e Itambé. Os calcários sedimentares são empregados como matéria-prima na industria de cimento. Já os calcários metamórficos são usados com finalidades ornamentais, para a produção de cal e como corretivo de solos, diminuindo a acidez destes. Os depósitos de feldspatos são verificados nos municípios de Caruaru e Altinho.

O ferro também está presente no território pernambucano. A principal jazida desse minério localiza-se em São Jose de Belmonte. Existem, ainda, outras ocorrências de erro nos municípios de Mirandiba, Altinho, Sertânia e Custódia, mas sem importância econômica. A gipsita localiza-se na bacia do Araripe. As maiores reservas desse mineral no país localizam-se exatamente nessa bacia. Em Ouricuri, Araripina, Ipubi, Bodocó e Exu estão os mais significativos depósitos de gipsita em Pernambuco. A gipsita é utilizada comercialmente para a produção de gesso. As areias quartzosas empregadas na fabricação de vidro são extraídas dos depósitos sedimentares do Grupo Barreiras, nos municípios do Recife, Jaboatão dos Guararapes e Goiana. O ouro é encontrado nos municípios de São José do Egito e Itapetim, em lentes e filões encaixados em xistos e gnaisses pré-cambrianos.

Setor Secundário[editar | editar código-fonte]

A indústria representa cerca de 25% do PIB. Os setores têxtil e alimentar se destacam no cenário econômico. A indústria pernambucana está se alavancando desde o começo do Século XVI crescendo a ritmos superiores ao do país. O estado tem recebido bastante investimentos nos segmentos de transformação de minerais, confecções, químico, petroquímico, farmacêutico, mobiliário, transporte e de energia.

Complexo Industrial e Portuário de Suape[editar | editar código-fonte]

Área portuária de suape, o Porto de Suape é a melhor infraestrutura portuária do Brasil.[4]

Entre 1997 e 1999, o Complexo Industrial e Portuário de Suape, localizado no litoral sul do estado, teve crescimento de 16,7%. Suape tem o poder de duplicar a renda de Pernambuco até 2020 e triplicar o PIB até 2030[5] . O estado tem a segunda maior produção industrial do Nordeste, ficando atrás apenas da Bahia. No período de outubro de 2005 a outubro de 2006, o crescimento industrial do estado foi o segundo maior do Brasil - 6,3%, mais do dobro da média nacional no mesmo período (2,3%).[6]

A construção do Porto de Suape foi prevista para operar produtos combustíveis e cereais a granel, substituindo o Porto do Recife. Em 7 de novembro de 1978, uma lei estadual criou a empresa Suape Complexo Industrial Portuário para administrar o desenvolvimento das obras. Hoje o porto é um dos maiores do Brasil, administrado pelo governo de Pernambuco. Suape opera navios nos 365 dias do ano, sem restrições de horário de marés. Para auxiliar as operações de acostagem dos navios, o Porto dispõe de um sistema de monitoração de atracação de navios a laser, que possibilita um controle efetivo e seguro, oferecendo ao prático condições técnicas nos padrões dos portos mais importantes do mundo. É considerado o porto mais moderno do Brasil. O porto detém o maior estaleiro do hemisfério sul, o Estaleiro Atlântico Sul, que investiu cerca de R$2 bilhões.

O Complexo Industrial e Portuário de Suape foi escolhido para a implantação dos seguintes empreendimentos como: A Refinaria Abreu e Lima, Estaleiro Atlântico Sul, Gerdau, Shineray, Amanco, Pamesa, Pepsico, Hemobrás, Novartis, Bunge, Coca-Cola, Unilever, CSN, Mossi & Ghisolfi, e a General Motors.

Polo Automotivo[editar | editar código-fonte]

Com a chegada da FIAT no município de Goiana, litoral norte do estado, muitas empresa ligadas ao setor aportaram em cidades da região, como a empresa curitibana de motores WHB, que investiu R$300 milhões numa unidade em Glória do Goitá. Uma fábrica de motos da Sazaki foi inaugurada em São Caetano, no agreste. Com estes investimentos, o estado será o maior pólo automotivo do Norte, Nordeste e Centro-Oeste brasileiro.

Refinaria Abreu e Lima[editar | editar código-fonte]

A Refinaria do Nordeste (Rnest) ou Refinaria Abreu e Lima, está sendo construída em Ipojuca, na região metropolitana do Recife, no estado brasileiro de Pernambuco. Será a primeira refinaria de petróleo inteiramente construída com tecnologia nacional. A Petrobras considera que essa refinaria será a mais moderna já construída em território nacional, pois será a primeira adaptada a processar 100% de petróleo pesado com o mínimo de impactos ambientais e produzir combustíveis com teor de enxofre menor do que o exigido pelos padrões internacionais mais rígidos, de 10 ppm de enxofre.

O parque de refino da Abreu e Lima será orientado principalmente para produção de óleo diesel, o derivado de maior consumo no País. Cerca de 65% dos derivados ali produzidos serão de óleo diesel, 27% a mais do que o normal, e com baixíssimo teor de enxofre. O diesel é o derivado de maior importação do Brasil e sua produção no Nordeste permitirá atender à crescente demanda por derivados na região e o excedente poderá abastecer ainda o restante do mercado nacional.

Inicialmente era previsto que a Refinaria teria capacidade para processar 200 mil barris por dia de petróleo, utilizando o petróleo pesado do Brasil e também da Venezuela, países que possuem grandes reservas. A produção anual prevista para esta unidade da Petrobras ainda inclui 682 mil m³ de nafta petroquímica, 1.236 mil toneladas de GLP, 9,5 milhões de toneladas de diesel e 2,2 milhões de toneladas de coque[7] . A refinaria também produzirá o chamado "H-Bio", a partir da mistura de biodiesel com diesel comum.

O plano de negócios da Petrobrás de 2008 passou a prever uma ampliação na capacidade de refino da Abreu e Lima para 240 mil barris por dia, existindo a possibilidade de uma nova expansão para até 500 mil barris por dia, o que tornaria esta a maior refinaria do país [8] . Esta iniciativa não se concretizou e a refinaria irá produzir 230 mbpd, com partida estimada em 2014 a um custo de previsto de 17,1 bilhões de dólares [9] . Vale salientar que a partida estava prevista para o final do ano de 2010 e a produção de diesel 10 ppm é devido a legislação brasileira e não uma decisão da petrolífera PETROBRAS.

Polo Farmacoquímico[editar | editar código-fonte]

Com 48 mil metros quadrados, a fábrica de hemoderivados em Goiana (litoral norte) será dividida em 19 blocos de prédios, uma área destinada ao gerador de energia, salas das caldeiras, de brigada e compressores, estocagem de químicos e etanol, além de reservatório de água, do bloco administrativo e da portaria. A expectativa é que a fábrica esteja em pleno funcionamento no segundo semestre de 2014. Quando entrar em operação, deverá empregar, diretamente, em torno de 500 trabalhadores. A fábrica da Hemobrás promoverá o desenvolvimento socioeconômico na Zona da Mata do estado e da Região Nordeste.

Setor Terciário[editar | editar código-fonte]

Este setor é responsável por 73,3% da economia estadual, que é movimentada pelo turismo e pelo forte comércio em cidades como Caruaru e Recife.

Comércio[editar | editar código-fonte]

Pernambuco possui os dois maiores shopping centers do Brasil fora do estado de São Paulo: o RioMar Shopping (foto) e o Shopping Recife.[10] [11]

Recife é um tradicional polo de serviços. Os segmentos de maior destaque são: comércio, serviços médicos, serviços de informática e de engenharia, consultoria empresarial, ensino e pesquisa, atividades ligadas ao turismo.[12]

A capital pernambucana abriga o Porto Digital, reconhecido como o maior parque tecnológico do Brasil, com mais de 200 empresas, entre elas multinacionais como Motorola, Borland, Oracle, Sun, Nokia, Ogilvy, IBM e Microsoft. Emprega cerca de seis mil pessoas, e tem 3,9% de participação no PIB do estado.[13] [14] [15] [16]

O Polo Médico do Recife, considerado o segundo maior do país, atrai pacientes do Brasil e do exterior. Os estrangeiros que vão ao Recife em busca de atendimento na área médica, em sua maioria africanos e norte-americanos, visam qualidade nos serviços e preço baixo no atendimento.[17]

Recife foi eleita por pesquisa encomendada pela MasterCard Worldwide como uma das 65 cidades com economia mais desenvolvida dos mercados emergentes no mundo.[18]

O RioMar Shopping, localizado na Zona Sul do Recife, é o maior centro de compras do Norte-Nordeste e o terceiro maior do Brasil, além de primeiro endereço de alto luxo do Nordeste e Norte brasileiro, abarcando grifes como Burberry, Chanel, Diesel, Hugo Boss, entre outras.[19] [10] Pertence ao Grupo JCPM, conglomerado sediado no Recife, que é proprietário, dentre outros centros comerciais, do Shopping Recife (segundo maior shopping de Pernambuco e Norte-Nordeste e o sexto maior do Brasil), do Salvador Shopping na capital baiana e do Shopping Villa Lobos em São Paulo.

Recife foi eleita por pesquisa encomendada pela MasterCard Worldwide como uma das 65 cidades com economia mais desenvolvida dos mercados emergentes no mundo.[20] Apenas cinco capitais brasileiras entraram na lista: São Paulo, que foi a cidade brasileira mais bem colocada, na 12ª posição; Rio de Janeiro (36ª posição); Brasília (42ª); Recife (47ª); e por último Curitiba (49ª). Xangai e Pequim, na China, ocuparam as duas primeiras posições.

A Tupan, atacadista distribuidora de materiais de construção fundada em Serra Talhada, no sertão do estado, é a maior empresa do ramo no Norte-Nordeste e a quinta maior do Brasil segundo o IBOPE.[21] O grupo atende mais de 12.000 clientes lojistas em todo o Norte-Nordeste, contando com três Centros de Distribuição, localizados em Pernambuco e Alagoas (Serra Talhada, Recife e Maceió), além de sete lojas de varejo sendo: quatro em Serra Talhada, duas em Recife e uma em Maceió. Possui ainda uma frota própria de 130 caminhões, 120 Representantes Comerciais e um efetivo de mais de 1.000 colaboradores.[22]

Pólo de Confecções do Agreste[editar | editar código-fonte]

Vista área do Parque das Feiras, Shopping do jeans de Toritama .

Santa Cruz do Capibaribe é o principal ponto de escoamento e vendas de confecções de Pernambuco, que com Toritama e Caruaru formam o destacado triângulo das confecções. Hoje segundo o SENAI, Santa Cruz do Capibaribe é o segundo maior pólo de confecções do Brasil, superada apenas pela cidade de São Paulo, e possui o maior parque de confecções da América Latina em sua categoria, o Moda Center Santa Cruz. Em 1953, Santa Cruz do Capibaribe de vila se tornou cidade. Como tantas que sobreviviam do feijão, milho e outras culturas similares e já existindo as tradicionais colchas de retalhos, procurou um caminho de crescimento. Alguém, ao separar os retalhos de tecidos, usou os de maior tamanho para confeccionar shorts, o que lhe daria mais lucro. A nova ideia se multiplicou por todas as costureiras da região e, por se tratar de algo reciclável, o preço daquele produto era irresistível, ganhando qualquer concorrência. Como o produto era de fácil venda, os homens se transformaram em mascates, percorrendo as feiras do nordeste para vender os produtos enquanto as mulheres permaneciam em casa, usando de criatividade e produzindo outros artigos de vestuário: saias, blusas, camisas, conjuntos infantis, anáguas e outras. Nos anos 90, novos mercados foram conquistados, e se tornou O Maior Pólo de Confecções do Nordeste.Toritama se destaca na produção de Jeans sendo uma das maiores produtoras do Brasil e possui o Parque de Feiras onde fica concentrado o comércio da cidade e por onde é escoada toda a produção. A industrialização da região foi estimulada pelo solo ruim e por um rio não permanente, que prejudicavam a agricultura. Dessa forma, a população foi estimulada a população a buscar a sobrevivência em atividades industriais, inicialmente com a fabricação de calçados. Isso fez do município um pólo calçadista de destaque na região durante a década de 70.

A atividade declinou em decorrência da concorrência de grandes calçadistas, que fez com que as fábricas de calçados de couro falissem em pouco tempo. Isso obrigou a população a procurar outra forma de trabalho. Como não poderia ser na área agrícola ou pecuária, optou-se pela fabricação de jeans industrial. Começando com retalhos, a atividade proliferou rapidamente sendo que 15% das confecções feitas com jeans produzido no Brasil vem de Toritama. Já em Caruaru a produção é escoada através da Feira de Caruaru, conhecida como a maior feira livre do mundo. Grande parte do que é vendido na Feira de Caruaru é produzido nas cidades de Santa Cruz do Capibaribe e Toritama.

Porto Digital[editar | editar código-fonte]

O Porto Digital, localizado no bairro do Recife Antigo na capital pernambucana, é o maior parque tecnológico do Brasil e referência mundial na produção de softwares.[14] [15] [13] .

Pernambuco conta com um importante parque tecnológico do Brasil, localizado no bairro do Recife, na capital estadual. Ele é reconhecido como o maior parque tecnológico do Brasil em faturamento e número de empresas totalizando 173 empresas em 2010, entre elas multinacionais como Motorola, Borland, Oracle, Sun, Nokia, Ogilvy, IBM, Microsoft e Accenture do Brasil.[23] . Emprega cerca de seis mil pessoas, e tem 3,9% de participação no PIB do estado.[24]

O Porto Digital é um dos pilares da nova economia do Estado de Pernambuco. Sua atuação se dá em duas atividades altamente intensivas em conhecimento e inovação, que são (i) software e serviços de tecnologias da informação e comunicação e (ii) economia criativa, em especial os segmentos de games, multimídia, cine-vídeo-animação, música, design e fotografia.

O PD possui uma característica singular que o diferencia da maioria dos demais parques tecnológicos: a sua territorialidade. O PD é um parque urbano, instalado no bairro histórico do Recife Antigo e no bairro de Santo Amaro. Ocupa uma área de 149 hectares, que vem sendo requalificada a partir da instalação e consolidação de novos empreendimentos. Cerca de 50.000 m2 de edificações na área histórica já foram restaurados e hoje servem ao desenvolvimento de atividades produtivas.

Considerado uma referência na implementação do modelo da triple helix, o Porto Digital é fruto de uma ação coordenada entre indústria, governo e academia que resultou, 12 anos após sua fundação (2000), num dos principais ambientes de inovação do País.

Atualmente, o Porto Digital abriga 200 empresas e organizações de serviços associados, 3 incubadoras de empresas, 2 instituições de ensino superior e 2 institutos de pesquisa. Dentre eles o C.E.S.A.R – Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, considerado por duas vezes a melhor instituição de Ciência e Tecnologia do País pela FINEP – Financiadora de Estudos e Projetos do Ministério da Ciência e Tecnologia. As empresas do Porto Digital faturaram em 2010 cerca de R$ 1 bilhão, 65% dos quais originados de contratos firmados fora do Estado de Pernambuco. O PD emprega mais de 6500 pessoas e possui 500 empreendedores.

Transnordestina[editar | editar código-fonte]

Ferrovia Nova Transnordestina (EF-232 e EF-116)
Transnordestina136435.jpg
Vermelho: Em construção;
Área de operação Nordeste do Brasil
Tempo de operação
Bitola 1,600 e Mista (métrica e 1,600)
Portos Atendidos Suape, em Ipojuca (PE); Pecém (CE)

A transnordestina é uma linha ferroviária que está sendo construída e quando pronta, conectará o Porto de Suape no litoral sul de Pernambuco ao Porto de Pecém no litoral cearense e com um terminal no município de Eliseu Martins, no cerrado piauiense, em Porto Real do Colégio (AL), a Trasnordestina foi projetada para ligar-se com a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA). Com esta linha ferroviária, os produtos escoarão mais facilmente e com economia em todo o estado.

Em Salgueiro será construída uma plataforma logística multimodal investimento que vai aumentar a quantidade de produtos transportados e armazenados na região, a plataforma vai gerar mais renda e acelerar o desenvolvimento também nos municípios vizinhos. Esse crescimento também vai beneficiar os moradores, muitos universitários e alunos de cursos técnicos e superiores. A princípio a Plataforma Logística terá 106 hectares. Será instalada às margens da BR-232 próxima ao Pátio de Operações da Ferrovia Transnordestina.

O custo total da obra estimado em R$ 5,42 Bilhões deverá ser excedido em 25% e totalizará cerca de R$ 6,72 bilhões. O aumento de custo foi justificado por maiores custos com mão de obra e equipamentos. Do orçamento atual, R$ 3,1 bilhões serão financiados, sendo R$ 2,7 bilhões do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE), R$ 225 milhões do BNDES e 180 milhões do Banco do Nordeste. Dos R$ 2,3 bilhões restantes, R$ 1,3 bilhão sai do caixa da CSN, R$ 823 milhões do Fundo de Investimento do Nordeste (Finor) e R$ 164 milhões da estatal Valec. Por tratar-se de um empreendimento de controle privado, o custo da Transnordestina é de responsabilidade da TLSA (Transnordestina Logística S.A., controladora do projeto).[25]

Turismo[editar | editar código-fonte]

São José da Coroa Grande, balneário localizado a 114 km do Recife.
O município de Bonito, no agreste de Pernambuco, é o principal destino de turismo de aventura no estado. Em meio a cachoeiras e natureza exuberante, pratica-se rapel, tirolesa, trekking, arborismo, entre outras atividades.[26]

O turismo no estado de Pernambuco oferece diversas atrações históricas, naturais e culturais. As principais atrações turísticas do estado de Pernambuco são: Caruaru, Fernando de Noronha, Garanhuns, Bonito (Pernambuco), Goiana, Igarassu, Itamaracá, Olinda, Porto de Galinhas, e Recife. A igreja católica mais antiga do país fica localizada em Igarassu e foi construída em 1535. O Galo da Madrugada é considerado o maior bloco carnavalesco do mundo, reunindo quase 2 milhões de pessoas. O litoral do estado de Pernambuco tem cerca de 187 km de extensão, entre praias e falésias, zonas urbanas e locais praticamente intocados. Além das praias, possui o arquipélago de Fernando de Noronha, Patrimônio Natural da Humanidade, e suas 16 praias. Faz divisa no norte com a Paraíba e no sul com Alagoas. Pernambuco oferece dez rotas de turismo que vão do litoral ao interior criada pela EMPETUR (Empresa Pernambucana de Turismo), que visam explorar os principais pontos turísticos de cada região do estado, com as mais diversificadas funções turísticas como: Rural-Ecoturismo, Religiosas, Históricos-Culturais, Serranas, Praias e Diversificadas. A festa junina de Caruaru entrou no Guiness Book como a maior do mundo. O Litoral Sul do estado, que tem cerca de 110 km de praias totalmente protegidas por corais, formando irresistíveis piscinas naturais de águas mornas, é famoso por diversas praias conhecidas nacional e internacionalmente, como Porto de Galinhas. Turistas de todo o país se hospedam nos luxuosos hotéis e resorts do litoral. Atualmente o litoral sul vive uma fase de progresso franco e rápido. Só na praia de Muro Alto, localizada no município de Ipojuca, foram investidos mais de R$ 70 milhões pela iniciativa privada para a construção de resorts de nível internacional, aptos a receber hóspedes de todos os países. Através do Programa de Desenvolvimento Integrado do Turismo, no litoral sul foram investidos US$ 25 milhões para obras de infra-estrutura, capacitação de mão-de-obra e preservação do patrimônio histórico. Com o Fundo de Amparo ao Trabalhador, foram capacitados cerca de 890 profissionais para a área de turismo. Pelo mesmo fundo, 2400 pessoas foram treinadas para trabalhar nas indústrias do litoral.[27]

Praia mais famosa do litoral sul, Porto de Galinhas ajuda a duplicar a população de Ipojuca todo verão. Os 80 mil habitantes do município desfrutam de 10 mil vagas de trabalho, diretas e indiretas, provenientes exclusivamente do turismo, ultrapassando a capacidade máxima de 7 mil postos oferecidos pelo secular trabalho nos latifúndios de cana-de-açúcar. Segundo a Associação da Indústria Hoteleira em Pernambuco (ABIH/PE), 90% da mão-de-obra empregada nos hotéis, restaurantes, lojas de artesanato e demais segmentos turísticos são oriundos da próprio município de Ipojuca e arredores.[28]

As principais praias do Litoral sul são as dos municípios de:

Recife (praias de: Boa Viagem e Pina), Jaboatão dos Guararapes (praias de: Barra de Jangada, Candeias, Piedade), Cabo de Santo Agostinho (praias de: Calhetas, Enseada dos Corais, Gaibu, Itapuama, Paiva, Paraíso, Suape e Xaréu), Ipojuca (praias de: Camboa, Cupe, Muro Alto, Pontal de Maracaípe, Porto de Galinhas e Serrambi), São José da Coroa Grande (praias de: São José da Coroa Grande, Barra da Cruz, Gravatá e Várzea do Una), Sirinhaém (praias de: Barra de Sirinhaém, Guadalupe e Gamela), Tamandaré (praias de: Tamandaré, Mamocambinhas e dos Carneiros).

As praias de Piedade e Candeias são densamente habitadas, cercadas por altos edifícios de luxo. A partir de Itapuama, o padrão das praias passa a ser de longas faixas de areia pouco habitadas, onde é praticado pelos nativos pesca e artesanato, e se encontram os diversos hotéis e resorts.

A economia do litoral sul não-urbano é baseado em turismo e artesanato. Em Porto de Galinhas, há diversos restaurantes, bares, lojas de artesanato e de artigos de mergulho, equipamentos de lazer e entretenimento, casas de shows, além de dezenas de hotéis e pousadas.

O Litoral Norte do Estado é mais densamente habitado do que o litoral sul, quase urbanizado por completo desde a Região Metropolitana do Recife até a divisa da Paraíba. Tem um dos sítios históricos mais importantes da região, como os municípios de Olinda, Itamaracá e Goiana, que começaram a ser povoados em 1508. Construções do brasil-colônia, como o Forte Orange, são muito visitadas por turistas que passam pela região.

Além das praias, também é conhecido por ter o Veneza Water Park, um dos maiores parques aquáticos do Brasil, situa-se na praia de Marinha Farinha, bairro da cidade de Paulista, região metropolitana do Recife.

As principais praias do Litoral Norte são as dos municípios de:

Paulista (praias de: Maria Farinha, Conceição, Pau Amarelo e Janga), Goiana (praias de: Pontas de Pedra, Carne de Vaca, Catuama, Barra de Catuama e Atapuz), Itamaracá (praias de: Itamaracá e Gavoa), Olinda (praias de: Rio Doce e Casa Caiada).

O arquipélago de Fernando de Noronha tem destaque nacional e mundial. Pelas ilhas é possível avistar os golfinhos saltadores. As principais atrações do arquipélago são: Forte de Nossa Senhora dos Remédios de Fernando de Noronha, Vila dos Remédios, Praia da Conceição, Praia do Boldró, Baía dos Porcos, Baía do Sancho (cercada por falésias cobertas de vegetação), Baía dos Golfinhos, Praia da Cacimba do Padre, Morro Dois Irmãos, Reduto de São Joaquim de Fernando de Noronha, Reduto de Santa Cruz do Morro do Pico de Fernando de Noronha e Reduto de Santana de Fernando de Noronha. Todo o arquipélago é tombado pelo Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO.

O Circuito do Frio é uma opção para os que procuram um clima ameno. Trata-se de um evento multicultural, realizado no mês de julho e começo de agosto em cinco cidades serranas do interior pernambucano: Garanhuns, Triunfo, Gravatá, Pesqueira e Taquaritinga do Norte. O Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), criado há 15 anos, foi o primeiro evento, que deu início ao costume de seguir para o interior de Pernambuco na época mais fria do ano. O FIG apresenta uma maratona de atrações nacionalmente conhecidas nas praças e parques. São 12 pólos, espalhados por toda a cidade de Garanhuns, num evento que mistura diversos estilos musicais – rock, MPB, blues, jazz, forró e música instrumental, para citar alguns –, teatro, cinema, circo, gastronomia, folguedos populares e outras formas de manifestação cultural. Já se apresentaram no Festival de Inverno de Garanhuns nomes como Skank, Paulinho da Viola, Gal Costa, Pitty, MV Bill, Neguinho da Beija-Flor, Marcelo D2, Dominguinhos, Zélia Duncan, Alcione, Erasmo Carlos, Lenine, Jorge Ben Jor, entre muitos outros. Triunfo, por sua vez, é um dos destinos mais concorridos do circuito. Poucos municípios têm o privilégio de reunir tantos atrativos quanto Triunfo: o clima (a cidade está a 1.004 metros de altitude) que propicia o cultivo de flores, o casario singelo, as antigas construções, os seculares conventos, o Cine-Teatro Guarany, os engenhos de cana-de-açúcar e a Lagoa João Barbosa. Gravatá, localizada a 85 quilômetros do Recife, é um dos locais mais acessíveis do evento. Andar pela cidade, tomar chocolate quente, parar nos restaurantes tradicionais de culinária típica para comer galinha à cabidela ou buchada de bode são programas imperdíveis. Em Gravatá, o Circuito do Frio recebe o nome de Festa da Estação. Cidade de larga tradição rendeira, Pesqueira realiza há cinco anos a Festa da Renascença, justamente o nome da renda feita na região. Já a cidade das praças e das flores, Taguaritinga do Norte, comanda a Festa das Dálias.[29]

Vista de uma das regiões do maciço de Garanhuns..
Vista de uma das regiões do maciço de Garanhuns.
.

Energia[editar | editar código-fonte]

Celpe[editar | editar código-fonte]

Com dois milhões e 800 mil clientes, a Companhia Elétrica de Pernambuco (Celpe) atende a 186 municípios e investe fortemente para prestar um serviço de qualidade. No último ano, a Empresa construiu 134 quilômetros de linhas de transmissão, 245 km de alimentadores, 740 km de redes de distribuição e eletrificou mais de 21 mil propriedades rurais.

Como empresa moderna, a Celpe tem feito mudanças em sua estrutura: reformou agências, adotando um padrão de atendimento personalizado, implantou mais de 150 Pontos Celpe - estabelecendo parcerias com o comércio de pequenas cidades - e inaugurou um Centro de Teleatendimento e outro de Operações Integradas.

A empresa, que era estatal, passou a ser administrada por uma companhia espanhola, a Iberdrola, que cobra altíssimas tarifas de energia, chegando a ser a mais cara do país.

Energia Eólica[editar | editar código-fonte]

O governo do estado tem investido em energias limpas, como a eólica. Desde de 1992 o estado negocia com empresas do ramo para a instalação de campos eólicos em Pernambuco. Em Suape, duas empresas do setor de energia eólica se encontram em atividade. A expectativa é de que até o final de 2013 quatro indústrias estejam funcionando. Mas, de acordo com o vice-presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica, Pedro Cavalcanti, o crescimento não deve parar por aí: “É um dos poucos estados que possui hoje toda a cadeia produtiva, no caso, os principais componentes do gerador, que são as torres metálicas, as naceles e as pás”.

Megainvestimentos[editar | editar código-fonte]

O estado tem recebido pesados investimentos neste tipo de geração de energia.

Durante a década de 2000, o estado recebeu vários investimentos bilionários. Entre eles, podemos citar como os mais importantes:

  • Usina Siderúrgica de Pernambuco: R$ 10 bilhões investidos, Quando atingir a sua carga máxima, a USP terá a capacidade de processar 3,5 milhões de toneladas de minério de ferro/ano. Ao final de todo o projeto, cerca de 5.600 pernambucanos serão empregados de maneira direta e outros quase 15 mil de forma indireta.
  • Refinaria Abreu e Lima: R$ 20 bilhões investidos,[30] fará o refino de 200.000 barris/dia, deve gerar 20 mil empregos durante o processo de construção e outros 1,5 mil quando entrar em operação, em 2015.
  • Estaleiro Atlântico Sul: R$ 2 bilhões investidos,[31] será o maior estaleiro do hemisfério sul e tem uma receita prevista de R$ 2,4 bilhões dos primeiros dez navios produzidos.[32] Com capacidade de processamento de 100 mil toneladas/ano de aço para a construção de embarcações de grande porte, criação prevista de 5 mil empregos diretos e cerca de 20 mil empregos indiretos
  • Reserva do Paiva: R$ 1,6 bilhão investidos, é um empreendimento de luxo que está a nascer no Nordeste Brasileiro e que vai ocupar 526 hectares, incluindo mais de oito quilômetros de praia, quatro quilômetros e meio de rios e 500 hectares de Mata Atlântica em redor, com uma extensa área de mangue e coqueiral, onde serão gerados 5,5 mil empregos.
  • Resort ecológico Barreiros: R$ 1 bilhão investido. Terá quatro mil residências e gerará mais de três mil empregos diretos.
  • FIAT: R$ 4 bilhões investidos na maior unidade fabril da Fiat no mundo, que colocará Pernambuco como um dos maiores pólos automotivo do Norte e Nordeste.

Referências[editar | editar código-fonte]

Referências citadas[editar | editar código-fonte]

  1. Pernambuco deve manter ritmo de crescimento em 2011. Tendências & Mercado. Página visitada em 15 de dezembro de 2010.
  2. [1]
  3. [2]
  4. Melhor porto, Suape teve investimento de R$ 7 bilhões. Página visitada em 17 de março de 2013.
  5. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas economia.ig.com.br
  6. Folha de Pernambuco/IBGE. Estado tem 2° melhor desempenho do ano no país.
  7. "Refinaria Abreu e Lima com investimentos na ordem de US$ 4,05 bilhões", Portal Fator Brasil, 05/09/2007, http://www.revistafatorbrasil.com.br/ver_noticia.php?not=18374
  8. Plano Estratégico Petrobras 2020 e Plano de Negócios 2008 - 2012 http://petrobrasri.infoinvest.com.br/modulos/doc.asp?arquivo=00951070.WAN&doc=ian350.doc&language=ptb
  9. '"Refinaria pernambucana da Petrobras caminha para ser a mais cara do mundo"'http://economia.ig.com.br/empresas/industria/2012-07-19/refinaria-pernambucana-da-petrobras-caminha-para-ser-a-mais-cara-do-mundo.html
  10. a b Alto luxo - Maior shopping da região Nordeste será inaugurado na próxima semana em Recife
  11. Shopping Recife inaugura nova etapa nesta quinta-feira (19)
  12. Em 2010, Vitória (ES) e São Bernardo do Campo (SP) ganharam e São Paulo e Rio de Janeiro perderam participação no PIB do país. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Página visitada em 31 de dezembro de 2012.
  13. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas redeglobo.globo.com
  14. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas suapesquisa.com
  15. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas www2.portodigital.org
  16. Folha economica.
  17. Polo médico do Recife atrai estrangeiros. Página visitada em 31 de dezembro de 2012.
  18. [3]
  19. ne10.uol.com.br. ne10.uol.com.br. Página visitada em 19 setembro de 2011.
  20. ultimosegundo.ig. ultimosegundo.ig. Página visitada em 19 setembro de 2011.
  21. [4]
  22. [5]
  23. Título não preenchido, favor adicionar.
  24. Folha economica.
  25. http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/12/5/novo-reajuste-para-transnordestina/
  26. [6]
  27. Pernambuco.com. Potencial turístico desperta interesse de grandes construtoras para resorts.
  28. Pernambuco.com. Na alta estação a população de Ipojuca chega a duplicar com número de turistas.
  29. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas pernambuco.com
  30. SUAPE. Governo doa terreno para a Refinaria Abreu e Lima.
  31. Centro de Estudos em Gestão Naval. Lula assina contrato do estaleiro Atlântico Sul incluído no PAC.
  32. Portal Naval. Atlântico Sul deverá acelerar obras.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Bandeira do Estado de Pernambuco
Pernambuco
História • Política • Geografia • Economia • Cultura • Turismo • Esportes • Portal • Imagens