Economia do Japão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Economia do Japão
Prédio da Bolsa de Valores de Tóquio
Moeda iene
Ano fiscal 1 de abril - 31 de março
Blocos comerciais OMC, OCDE, APEC e outros
Estatísticas
Bolsa de valores Bolsa de Valores de Tóquio
PIB US$5,855 trilhões (2011) (nominal; )
US$4,398 trilhões (2011) (PPC; )
Variação do PIB -0,9% (2011)
PIB per capita US$42,8 mil (2010) (Nominal; 16º)
US$33,8 mil (2010) (PPC; 24º)
PIB por setor agricultura 1,5%, indústria 22,8%, comércio e serviços 75,7% (2010)
Inflação (IPC) 0,3% (abril de 2011)[1]
População
abaixo da linha de pobreza
< 0,2% (~ 12,5 mil pessoas)
Coeficiente de Gini 38,1 (2002)
Força de trabalho total 65,64 milhões (2010)
Força de trabalho
por ocupação
agricultura 4%, indústria 28%, comércio e serviços 68% (2008)
Desemprego 4,7% (abril de 2011)[1]
Principais indústrias veículos motorizados, eletrônicos, máquinas-ferramenta, aço e metais não-ferrosos, navios, produtos químicos, têxteis, alimentos processados
Exterior
Exportações 735,8 bilhões (2010)
Produtos exportados equipamentos de transporte, veículos motorizados, semicondutores, materiais elétricos, produtos químicos
Principais parceiros de exportação República Popular da China 18,88%, Estados Unidos 16,42%, Coreia do Sul 8,13%, Taiwan 6,27%, Hong Kong 5,49% (2009)
Importações 636,8 bilhões (2010)
Produtos importados máquinas e equipamentos, combustíveis, alimentos, produtos químicos, têxteis, matérias-primas
Principais parceiros de importação República Popular da China 22,2%, Estados Unidos 10,96%, Austrália 6,29%, Arábia Saudita 5,29%, Emirados Árabes Unidos 4,12%, Coreia do Sul 3,98%, Indonésia 3,95%
Dívida externa bruta 2 246 bilhões (2010)
Finanças públicas
Receitas 1 614 bilhões (2009)
Despesas US$ 1 997 bilhões (2009)
Ajuda económica 9,7 bilhões, doada (2007)
Fonte principal: CIA World Fact Book
Salvo indicação contrária, os valores estão em US$

A economia do Japão é a terceira maior do mundo por PIB nominal,[2] [3] a quarta maior em paridade do poder de compra [4] e é o segundo maior país desenvolvido do mundo.[5] De acordo com o Fundo Monetário Internacional, o PIB per capita do país era de US$ 36 899, o 22º maior em 2013.[6] O Japão é um membro do G-8. A economia japonesa é analisada pela Pesquisa trimestral Tankan de sentimento empresarial conduzida pelo Banco do Japão.[7]

O Japão é o terceiro maior produtor de automóveis do mundo,[8] possui a maior indústrias de bens eletrônicos e frequentemente é considerado um dos países mais inovadores do mundo, estando entre os líderes de registros de patentes globais.[9] Encarando uma competição crescente com a China e a Coreia do Sul,[10] a indústria manufatureira no Japão atualmente foca em bens de alta tecnologia e de precisão, tais como instrumentos óticos, veículos híbridos e robótica. Além da região de Kanto,[11] [12] [13] [14] a região de Kansai é um dos centros industriais líderes e o centro das indústrias manufatureiras da economia japonesa.[15]

O Japão é o maior país credor do mundo,[16] [17] geralmente tendo um superávit comercial anual e tendo um considerável excedente internacional de investimentos. Em 2010, o Japão possuía 13,7% dos ativos financeiros privados (o segundo maior do mundo) com cerca de $ 14,6 trilhões.[18] Em 2013, 62 das empresas do Fortune Global 500 eram sediadas no Japão.[19]

O país é o nono no ranking de competitividade do Fórum Econômico Mundial.[20]

Visão geral da economia[editar | editar código-fonte]

Nas três décadas de desenvolvimento econômico após 1960, o Japão ignorou os gastos militares em favor do crescimento econômico,[21] [22] assim permitindo uma rápido desenvolvimento conhecido como milagre econômico japonês. Com a liderança do Ministério da Economia, Comércio e Indústria[23] e taxas médias de crescimento de 10% na década de 1960, 5% na de 1970 e 4% na de 1980, o Japão foi capaz de se estabelecer e se manter como a segunda maior economia do mundo de 1978 a 2010, quando ele foi ultrapassado pela República Popular da China. Em 1990, a renda per capita no Japão igualava ou ultrapassava a da maioria dos países do Ocidente.[24]

No entanto, na segunda metade da década de 1980, os preços crescentes de ações e de propriedades imobiliárias causaram um super-aquecimento da economia japonesa que mais tarde passou a ser conhecido como a bolha financeira e imobiliária do Japão, causada por uma política de baixas taxas de juros do Banco do Japão. A bolha econômica estourou quando a Bolsa de Valores de Tóquio quebrou em 1990-92 e os preços das propriedades imobiliárias tiveram seu pico em 1991. O crescimento de 1,5% no Japão na década de 1990 foi melhor que o crescimento de outros grandes países desenvolvidos, dando origem ao termo década perdida. No entanto, o crescimento da renda per capita de 2001 a 2010 ainda conseguiu ultrapassar o crescimento da Europa e dos Estados Unidos.[25] Mas o déficit público do Japão permanece uma tarefa difícil para o governo japonês devido ao endividamento excessivo, gastos de bem-estar social com uma sociedade envelhecida e falta de crescimento econômico/industrial nos anos recentes. O Japão recentemente incorporou a nova estratégia de crescimento econômico com tais metas a serem atingidas até 2020.[26] A moderna indústria de TI gerou o maior produto para a economia japonesa.[27] [28] [29] [30] [31] [32] [33] [34] [35] [36]

O Japão é o segundo maior mercado de música no mundo.[37] Com menos crianças no Japão, a indústria do anime está encarando um uma competição crescente com os chineses.[38] A indústria de mangás japoneses[39] [40] goza de popularidade na maioria dos mercados asiáticos.[41]

Como um país insular montanhoso e vulcânico, o Japão possui recursos naturais inadequados para apoiar sua economia crescente e grande população e, portanto, exporta bens nos quais há uma vantagem comparativa, tais como produtos industriais da engenharia, pesquisa e desenvolvimento em troca da importação de matérias-primas e petróleo. O Japão está entre os três maiores importadores de bens agrícolas no mundo, próximo da União Europeia e Estados Unidos em volume total, para cobrir seu próprio consumi agrícola interno.[42] O Japão é o maior importador do mundo de peixes e produtos derivados.[43] [44] [45] [46] [47] O Mercado Atacadista Central Metropolitano de Tóquio[48] [49] é o maior mercado atacadista de produtos primários no Japão, incluindo o renomado mercado de peixes de Tsukiji.[50] [51] A caça à baleia no Japão, principalmente com fins de pesquisa, é considerada ilegal sob as leis internacionais.

Embora muitos tipos de minérios sejam extraídos por todo o país, a maioria dos recursos minerais tinham de ser importados no período pós-guerra. Depósitos locais de minérios eram difíceis de processar porque eram de baixa qualidade. Os grandes e variados recursos florestais do país, que cobria 70% do território no final da década de 1980, não eram utilizados extensivamente. Devido a decisões políticas a nível local, de província e nacional, o Japão decidiu não explorar seus recursos florestais para ganhos econômicos. As fontes internas supriam apenas entre 25% e 30% da necessidade de madeira do país. A agricultura e a pesca eram os melhores recursos desenvolvidos, mas apenas com anos de grandes investimentos e trabalho. O país portanto construiu suas indústrias de manufatura e processamento para converter matérias-primas importadas do exterior. Esta estratégia de desenvolvimento econômico necessitava do estabelecimento de uma forte infraestrutura econômica para fornecer a energia, transporte, comunicações e conhecimento tecnológico necessários. Depósitos de ouro, magnésio e prata ajudam a suprir as demandas industriais, mas o Japão é dependente de recursos estrangeiros para muitos de seus minérios essenciais para a indústria moderna. Ferro, cobre, bauxita e alumínio precisam ser importados, bem como muitos produtos da floresta.

História econômica[editar | editar código-fonte]

Um ukiyo-e de 1856 mostrando Echigoya, atual Mitsukoshi

A história econômica do Japão é uma das economias mais estudadas por seu espetacular crescimento em três diferentes períodos. O primeiro foi a fundação de Edo (em 1603) com desenvolvimentos econômicos por toda a ilha, o segundo foi a Restauração Meiji (em 1868) por ser a primeira potência não-europeia, e o terceiro foi após a derrota na Segunda Guerra Mundial (em 1945) quando o país surgiu como a segunda maior economia do mundo.

Primeiros contatos com a Europa (século XVI)[editar | editar código-fonte]

O Japão era considerado um país rico em metais preciosos, principalmente graças aos relatos de Marco Polo de templos e palácios dourados, mas também devido à abundância relativa de minérios na superfície característicos de um grande país vulcânico, antes de a mineração profunda em larga escola se tornar possível na era industrial.[52] O Japão era um grande exportador de prata, cobre e ouro durante o período até que as exportações desses minerais fossem proibidas.[53]

No Renascimento, o Japão também era percebido como uma sociedade feudal sofisticada com uma rica cultura e com forte tecnologia pré-industrial. Ele era densamente povoado e urbanizado. Observadores importantes europeus da época pareciam concordar que os japoneses "destacavam-se não apenas em relação a outros povos orientais, eles ultrapassavam os europeus também".[54]

Os primeiros visitantes europeus surpreenderam-se com a qualidade do artesanato e instrumentos de metais japoneses. Isso decorre do fato de que o próprio Japão é pobre em recursos naturais encontrados na Europa, especialmente o ferro. Assim, os japoneses eram frugais com seus recursos não-renováveis; o pouco que tinham eles usavam com habilidade.

A carga dos primeiros navios portugueses (geralmente cerca de quatro navios menores todo ano) que chegaram no Japão consistia quase inteiramente de bens chineses (seda,porcelana).[55] Os japoneses tinham muita vontade de adquirir estes bens, mas foram proibidos de ter qualquer contato com o Imperador da China, como uma punição pelos ataques piratas Wakō. Os portugueses (que eram chamados de Nanban, literalmente bárbaros do sul), então, descobriram a oportunidade agir como intermediários no comércio asiático.

Período Edo (1603–1868)[editar | editar código-fonte]

O início do período Edo coincide com as últimas décadas do período Nanban, quando uma intensa interação com as potências europeias, nos planos econômico e religiosos, ocorreu. Foi no início do período Edo que o Japão construiu seu primeiro navio de guerra ao estilo ocidental, tal como o San Juan Bautista, um navio do tipo galeão de 500 toneladas que transportou uma embaixada japonesa liderada por Hasekura Tsunenaga para as Américas,[56] que depois continuou para a Europa. Durante o período, o bakufu também comissionou por volta de 350 shuinsen, navios comerciais armados de três mastros, para o comércio intra-asiático. Os aventureiros japoneses, como Yamada Nagamasa eram ativos por toda a Ásia.

A fim de erradicar a influência da cristianização, o Japão entrou em um período de isolamento chamado de sakoku, durante o qual sua economia gozou de estabilidade e um progresso moderado.[57]

O desenvolvimento econômico durante o período Edo incluiu a urbanização, aumento do transporte de mercadorias, uma grande expansão do comércio doméstico e, inicialmente, estrangeiro, e uma difusão do comércio e indústrias e artesanato. O comércio de construção floresceu, junto com serviços bancários e associações comerciais. Cada vez mais as autoridades han supervisionaram a produção agrícola crescente e a expansão do artesanato rural.

Em meados do século XVIII, Edo tinha uma população de mais 1 milhão e Osaka e Quioto cada uma tinha mais de 400 mil habitantes. Muitas outras cidades-castelos cresceram. Osaka e Quioto tornaram-se centros de intenso comércio e produção de artesanato, enquanto Edo era o centro da oferta de alimentos e bens de consumo urbanos essenciais.

O arroz era a base da economia, com o daimyo coletando as taxas dos camponeses na forma de arroz. As taxas eram altas, cerca de 40% da colheita. O arroz era vendido no mercado fudasashi em Edo. Para conseguir dinheiro, o daimyo usava contratos a termo para vender arroz que ainda não tinha sido colhido. Esses contratos eram semelhantes ao contrato futuro moderno.

Durante o período, o Japão progressivamente estudou as ciências e técnicas do Ocidente (chamadas de rangaku, literalmente "estudos holandeses") através das informações e livros recebidos dos comerciantes holandeses em Dejima.[58] As principais áreas que foram estudadas incluíam geografia, medicina, ciências naturais, astronomia, arte, línguas, ciências físicas tais como o estudo do fenômeno elétrico e ciências mecânicas como exemplificado pelo desenvolvimento dos relógios japoneses, ou wadokei, inspirados em técnicas ocidentais.

Período pré-guerra (1868–1945)[editar | editar código-fonte]

Desde meados do século XIX, após a restauração Meiji, o país se abriu para o comércio e influência ocidentais e o Japão passou por dois períodos de desenvolvimento econômico. O primeiro começou em 1868 e se estendeu pela Segunda Guerra Mundial. O segundo iniciou em 1945 e continuou até meados da década de 1980.

Os desenvolvimentos econômicos do período pré-guerra iniciaram com a Política de Estado Forte e Exército Forte pelo Governo Meiji. Durante o período Meiji (1868-1912), os líderes inauguraram um novo sistema educacional baseado no do Ocidente para todos os jovens, enviou milhares de estudantes para os Estados Unidos e Europa, e contratou mais de 3 mil ocidentais para ensinar ciência moderna, matemática, tecnologia e línguas estrangeiras no Japão (Oyatoi gaikokujin). O governo também construiu ferrovias, melhorou estradas e inaugurou um programa de reforma agrária para preparar o país para um maior desenvolvimento.

Para promover a industrialização, o governo decidiu que, embora ele devesse ajudar os negócios privados a alocar os recursos e planejar, o setor público estava melhor equipado para estimular o crescimento econômico. O maior papel do governo era de ajudar a fornecer boas condições econômicas para os negócios. Em resumo, o governo tinha de ser o guia e os negócios o produtor. No início do período Meiji, o governo construiu fábricas e estaleiros que foram vendidos para empreendedores por uma fração de seu valor. Muitos desses negócios cresceram rapidamente e se transformaram em conglomerados. O governo emergiu como o principal promotor da iniciativa privada, aprovando uma série de políticas pró-negócios.

Em meados da década de 1930, os salários nominais japoneses eram 10 vezes menores que os dos Estados Unidos (baseado em taxas de câmbio de meados da década de 1930), enquanto estimava-se que o nível de preços era cerca de 44% do índice estadosunidense.[59]

Período pós-guerra (1945–presente)[editar | editar código-fonte]

Exportações japonesas em 2005

Da década de 1960 à década de 1980, o crescimento econômico real foi chamado de um "milagre": uma média de 10% na década de 1960, 5% na década de 1970 e 4% na década de 1980.[60] No final dos anos 1980, o Japão transformou-se de uma economia de baixos salários para uma de altos salários.[61]

O crescimento desacelerou no final da década de 1990, também chamada de década perdida, após o colapso da bolha financeira e imobiliária do Japão. Como uma consequência, o Japão incorreu em massivos déficits orçamentários (adicionado trilhões de ienes ao sistema financeiro japonês) para financiar programas de grandes obras públicas.

Gráfico mostrando as exportações japonesas (2012) de Harvard Atlas of Economic Complexity

Em 1998, os projetos de obras públicas do Japão ainda conseguiam estimular suficientemente a demanda para terminar com a estagnação econômica. Em desespero, o governo japonês comprometeu-se a formular políticas de "reforma estrutural" com vistas a combater os excessos especulativos dos mercados de ações e imobiliário. Essas políticas levaram o Japão à deflação em inúmeras ocasiões entre 1999 e 2004. Em seu artigo de 1998, Armadilha do Japão, o professor de economia de Princeton Paul Krugman defendeu que, baseado em um grande número de modelos, o Japão tinha uma nova opção. O plano de Krugman pedia por um aumento das expectativas da inflação para, de fato, cortar as taxas de juros de longo prazo e promover o consumo.[62]

O Japão usou outra técnica, um pouco baseada na de Krugman, chamada de quantitative easing. Ao contrário de inundar a oferta monetária com mais impressão de moeda, o Banco do Japão expandiu a oferta monetária internamente para aumentar as expectativas de inflação. Inicialmente, a política falhou em induzir qualquer crescimento, mas ela posteriormente começou a afetar as expectativas inflacionárias. No final de 2005, a economia finalmente começou o que parecia ser uma recuperação sustentável. O crescimento do PIB para aquele ano era de 2,8% com uma expansão no quarto trimestre de 5,5%, ultrapassando as taxas de crescimento dos Estados Unidos e União Europeia durante o mesmo período.[63] Ao contrários de tendências anteriores de recuperação, o consumo doméstico foi um fator dominante de crescimento.

Apesar de possuir taxas de juros próximas de zero por um longo período de tempo, a estratégia de flexibilização quantitativa não teve sucesso e parar a deflação de preços.[64] Isto levou alguns economistas, como Paul Krugman, e alguns políticos japoneses a defendera geração de expectativas mais altas de inflação.[65] Em julho de 2006, a política de taxa de juros zero foi encerrada. Em 2008, o Banco Central Japonês ainda tinha a menor taxa de juros entre os países desenvolvidos e a deflação ainda não tinha sido eliminada[66] e o Nikkei 225 caiu aproximadamente 50% (entre junho de 2007 e dezembro de 2008). No entanto, em 5 de abril de 2013, o Banco do Japão anunciou que estariam comprando 60-70 trilhões de ienes em títulos e ações em uma tentativa de eliminar a deflação ao dobrar a oferta de moeda no Japão nos dois anos seguintes. Os mercados ao redor do mundo responderam positivamente às atuais políticas proativas do governo, com o Nikkei 225 subindo mais de 42% desde novembro de 2012.[67] O jornal The Economist sugeriu que os melhoramentos na lei de falência, lei de transferência de terras e leis de impostos ajudariam a economia japonesa. Nos últimos anos, o Japão foi o maior mercado exportador para quase 15 países no mundo.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Em 2015, metade da energia no Japão foi produzida do petróleo, um quinto do carvão e 14% do gás natural.[68] As usinas nucleares do Japão foram responsáveis por um quarto da eletricidade produzida e o país deve dobrá-la nas próximas décadas.

O gasto do Japão com estradas tem sido grande.[69] Os 1,2 milhões de quilômetros de ruas pavimentadas são o principal meio de transporte.[70] O Japão possui tráfico de mão esquerda. Uma única rede alta velocidade, dividida e com acesso limitado por pedágios conectam as maiores cidades e são operadas por concessionárias. Carros novos e usados não são caros. Os impostos sobre propriedade de veículos automotores e o preço do combustível são usados para promover a eficiência energética.

Dezenas de companhias ferroviárias japonesas competem pelos mercados de transporte local e regional de passageiros; por exemplo, sete empresas da JR, Kintetsu Corporation, Seibu Railway e Keio Corporation. Frequentemente, as estratégias dessas empresas levam em consideração o setor imobiliário e as lojas de departamentos. Alguns trens Shinkansen com velocidades de até 300 quilômetros por hora[71] ligam as grandes cidades. Todo o sistema ferroviário é conhecido por sua pontualidade.[72]

Existem 176 aeroportos[73] e voar é uma maneira popular de viajar entre as cidades. O maior aeroporto doméstico, Aeroporto Internacional de Tóquio, é um dos aeroportos com mais vôos do mundo.[74] Os maiores terminais internacionais são o Aeroporto Internacional de Narita (região de Tóquio), Aeroporto Internacional de Kansai (região de Osaka/Kobe/Kyoto) e Aeroporto Internacional de Chubu (região de Nagoya). Entre os maiores portos está o Porto de Nagoya.

Dada a sua grande dependência da energia importada, o Japão almeja uma maior diversificação de suas fontes energéticas. Desde os choques do petróleo da década de 1970, o Japão reduziu sua dependência do petróleo como fonte de energia de mais de 75%, em 1973, para cerca de 46% nos dias de hoje.[75] Outras fontes energéticas importantes são o carvão, gás natural liquefeito, energia nuclear e hidroelétricas. A demanda por petróleo também é atenuada pelas altas taxas de impostos em veículos automotores com mais de 2000 cc, bem como na própria gasolina, atualmente cerca de 54 ienes por litro no varejo. O querosene também é usado extensivamente nos aquecedores portáteis domésticos, especialmente na região norte do país. Muitas companhias de taxi rodam seus carros com gás natural. Um recente sucesso devido à grande economia de combustível foi a introdução da produção em massa dos veículos híbridos. O ex-Primeiro Ministro Shinzo Abe, buscando a recuperação da economia japonesa, assinou um tratado com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos sobre os crescentes preços do petróleo.[76]

Tendência macroeconômica[editar | editar código-fonte]

Taxa real de crescimento do PIB de 1956 a 2008
Variação quadrimestral no PIB real (azul) e taxa de desemprego (vermelho) do Japão entre 2000 e 2010 (em inglês). Ver Lei de Okun.

Esta é uma tabela da tendência do Produto Interno Bruto do Japão a preços de mercado estimado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) com números em milhões de ienes.[77] [78]

Ano Produto Interno Bruto Taxa de Câmbio do Dólar Índice de inflação
(2000=100)
PIB per capita nominal
(em % dos EUA)
PIB per capita com Paridade do poder de compra
(em % dos EUA)
1955 8.369.500 ¥360,00 10,31 -
1960 16.009.700 ¥360,00 16,22 -
1965 32.866.000 ¥360,00 24,95 -
1970 73.344.900 ¥360,00 38,56 -
1975 148.327.100 ¥297,26 59,00 -
1980 240.707.315 ¥225,82 75 74,04 68,30
1985 323.541.300 ¥236,79 86 63,44 72,78
1990 440.124.900 ¥144,15 92 105,82 81,27
1995 493.271.700 ¥122,78 98 151,55 80,73
2000 501.068.100 ¥107,73 100 105,85 71,87
2005 502.905.400 ¥110,01 97 85,04 71,03
2010 477.327.134 ¥88,54 98 89,8 71,49

Para comparações da paridade do poder de compra, o Dolár americano é trocado a ¥110,784 em 2010.

Indústrias[editar | editar código-fonte]

Indústrias por valor adicionado ao PIB em 2012.[79] Os valores foram convertidos usando a taxa de câmbio em 13 de abril de 2013.[80]

Indústria Valor adicionado ao PIB $ bilhões 2012  % do PIB total
Outros atividades 1,238 23.5%
Indústria manufatureira 947 18.0%
Setor imobiliário 697 13.2%
Atacado e varejo 660 12.5%
Transporte e comunicação 358 6.8%
Administração pública 329 6.2%
Construção 327 6.2%
Finanças e seguros 306 5.8%
Eletricidade, gás e água 179 3.4%
Serviços do governo 41 0.7%
Mineração 3 0.05%
Total 5,268 100%

Agricultura[editar | editar código-fonte]

O arroz é um produto importante para o Japão, como mostrado nesse arrozal em Kurihara, Miyagi.

Apenas 12% do território japonês é apropriado para o cultivo. Devido a essa falta de terra arável, um sistema de terraço é utilizado para se plantar em pequenas áreas. Consequentemente, o país tem um dos maiores índices de produção por área quadrada do mundo, conseguindo uma auto-suficência de produtos agrícolas por volta de 50% em apenas 56 mil km² (14 milhões de acres) cultivados.

O pequeno setor agrícola japonês, todavia, é altamente subsidiado e protegido, com uma regulação que favorece o cultivo em pequena escala ao invés da agricultura de larga escala, muito utilizada em outros países como o Brasil.

O arroz importado, o produto mais protegido, é sujeito a tarifas de 490% e foi restringido a uma quota de apenas 7,2% do consumo médio de arroz de 1960 a 1988. As importações abaixo da quota não sofrem restrições, em termos legais, mas estão sujeitas a uma tarifa de 341 yenes por kilograma. Essa tarifa hoje é estimada em 490%, mas tende a aumentar para 778% com os novos métodos de cálculo que serão introduzidos como parte da Rodada de Doha.[81]

Apesar de o Japão geralmente ser auto-suficiente em arroz (exceto para o usado na produção de biscoito de arroz e alimentos processados) e trigo, o país precisa importar cerca de 50%[82] de sua demanda de grãos e outras culturas forrageiras além de importar a maior parte de sua carne consumida. O Japão importa grande quantidades de trigo e soja, principalmente dos Estados Unidos. O Japão é o maior mercado consumidor dos produtos agrícolas da União Europeia. Maçãs são muito produzidas nas regiões de Tohoku e Hokkaido; Peras e laranjas são produzidas principalmente em Shikoku e Kyushu. Peras e laranjas foram introduzidos no país por comerciantes holandeses em Nagasaki no final do século XVIII.

Pesca[editar | editar código-fonte]

Pesca mundial e o Japão

O Japão possui o segundo maior volume de toneladas de peixes pescados do mundo, atrás somente da China - 11,9 milhões de toneladas em 1989, ligeiramente acima dos 11,1 milhões de toneladas em 1980. Após a crise de energia de 1973, a pesca no mar profundo diminuiu, com o volume anual pescado na década de 1980 alcançando cerca de 2 milhões de toneladas. A pesca em mar aberto contribuiu com cerca de 50% do total de peixes capturados no final dos anos 1980, apesar de terem experimentados várias altas e baixas durante esse período.

A pesca costeira com pequenos barcos, redes de pesca ou técnicas de reprodução contribuiu com cerca de um terço do total da produção do setor, enquanto a pesca em alto mar com barcos de média proporção contribuiu com mais da metade da produção total. O restante foi pescado por grandes barcos. Entre as várias espécies de frutos do mar pescados estão a sardinha, o atum, o caranguejo, o camarão, o salmão, o escamudo, a lula, os mariscos, a cavala e o pargo. A pesca de água doce responde por cerca de 30% da indústria pesqueira japonesa. Existem muitas espécies de peixes pescados nos rios do Japão e alguns crustáceos de água doce.

O Japão possui uma das maiores frotas pesqueiras do mundo, contribuindo com cerca de 15% da pesca mundial,[83] levando algumas entidades a acusarem o país de estar colocando em risco de extinção alguns peixes como o atum.[84] O Japão também foi criticado por apoiar, quase comercialmente, a pesca baleeira.[85]

Indústria[editar | editar código-fonte]

A indústria manufatureira japonesa é muito diversificada, com uma variedade de indústrias avançadas que atingem um grande sucesso. A indústria contribui com 24% do PIB nacional.[86]

A indústria concentra-se em algumas regiões, com a região de Kanto, ao redor de Tóquio (a região industrial de Keihin), bem como a região de Kansai, ao redor de Osaka (a região industrial de Hanshin) e a região de Tokai ao redor de Nagóia (a região industrial Chukyo-Tokai) como principais centros industriais.[11] [12] [13] [14] [15] [87] Outros centros industriais incluem a parte sudoeste de Honshu e o norte de Shikoku ao redor do Mar Interior de Seto (a região industrial de Setouchi); e a parte norte de Kyushu (Kitakyushu). Além deles, um cinturão longo e estreito de centros industriais chamado de Cinturão Taiheikyo é encontrado entre Tóquio e Fukuoka, formado por indústrias que se desenvolveram como cidades fabris.

O Japão goza de alto desenvolvimento tecnológico em muitos campos, incluindo indústria japonesa de eletrônicos, indústria automotiva, indústria de semicondutores, fibra ótica, optoeletrônica, disco óptico, fax e fotocópia, e processos de fermentação de alimentos e bioquímica. No entanto, muitas empresas japonesas estão encarando rivais emergindo dos Estados Unidos, Coreia do Sul e China.[88]

Indústria automotiva[editar | editar código-fonte]

Lexus LS. O rápido crescimento e sucesso do Lexus da Toyota e outros construtores de veículos japoneses refletem a força e a dominância global do Japão na indústria automotiva.

O Japão é o terceiro maior produtor de automóveis do mundo.[8] A Toyota é atualmente o maior produtor do mundo e as construtoras de carros japonesas Nissan, Honda, Suzuki e Mazda também estão entre as maiores do mundo.[89] [90]

Mineração e exploração de petróleo[editar | editar código-fonte]

A produção mineradora do Japão tem sido mínima e o país possui poucos depósitos de minas.[91] [92] No entanto, depósitos massivos de terras raras foram encontrados perto da costa do Japão.[93] No ano fiscal de 2011, a produção doméstica de petróleo cru foi de 820 mil kilolitros, que significa 0,4% do volume cru processado total do Japão.[94]

Serviços[editar | editar código-fonte]

A Japan Airlines, embora tenha encarado grandes dívidas em 2010, é considerada uma das maiores companhias aéreas do mundo.

O setor de serviços do Japão contribui com cerca de três quartos do produto total econômico.[86] Os serviços bancários, seguros, serviços imobiliários, varejo, transporte e telecomunicações são todas grandes indústrias que contam com empresas entre as maiores do mundo, como Mitsubishi UFJ, Mizuho, NTT, TEPCO, Nomura, Mitsubishi Estate, ÆON, Mitsui Sumitomo, Softbank, JR East, Seven & I, KDDI e Japan Airlines.[95] [96] Quatro dos cinco jornais com maior circulação no mundo são jornais japoneses.[97] O governo Koizumi propôs a privatização em 2015 da Japan Post, um dos maiores fornecedores de serviços de poupança e seguros.[98] Os seus maiores keiretsus são os grupos Mitsubishi, Sumitomo, Fuyo, Mitsui, Dai-Ichi Kangyo e Sanwa.[99] O Japão abriga 251 empresas da Forbes Global 2000, ou 12,55% (em 2013).[100]

Turismo[editar | editar código-fonte]

O Castelo de Himeji, em Himeji, Hyogo, é um dos pontos turísticos mais visitados no Japão.

Em 2012, o Japão foi o quinto país mais visitado na Ásia e Pacífico, com mais de 8,3 milhões de turistas.[101] Em 2013, devido ao iene mais fraco e à liberação mais fácil de vistos para os países do sudeste asiático, o Japão recebeu um recorde de 11,25 milhões de visitantes, que foi maior que a meta projetada pelo governo de 10 milhões de visitantes.[102] [103] [104] O governo espera atrair 20 milhões de visitantes por ano nos Jogos Olímpicos de Verão de 2020 em Tóquio.[103] Alguns dos locais mais populares incluem os bairros de Shinjuku, Ginza, Shibuya e Asakusa, em Tóquio, e as cidades de Osaka, Kobe e Quioto, bem como o Castelo de Himeji.[105] Hokkaido é também um destino popular de inverno para visitantes com vários resorts de esqui e hotéis luxuosos sendo construídos por lá.[103] [106]

Finanças[editar | editar código-fonte]

A sala de negócios principal da Bolsa de Valores de Tóquio, uma das maiores bolsas de valores do mundo.

A Bolsa de Valores de Tóquio é a segunda maior bolsa de valores do mundo por capitalização de mercado, bem como a maior bolsa de valores da Ásia, com 2 292 companhias listadas.[107] [108] [109] O Nikkei 225 e o TOPIX são dois índices de mercado de ações importantes da Bolsa de Valores de Tóquio.[110] [111] A Bolsa de Valores de Tóquio e a Bolsa de Valores de Osaka, outra grande bolsa de valores no Japão, fundiram-se em 1º de janeiro de 2013, criando uma das maiores bolsas de valores do mundo.[109] Outras bolsas de valores no Japão incluem a Bolsa de Valores de Nagoia, a Bolsa de Valores de Fukuoka e a Bolsa de Valores de Sapporo.[112] [113]

Força de Trabalho[editar | editar código-fonte]

Taxa de desemprego do Japão

A taxa de desemprego declarado em junho de 2009 foi de 5,2% (5,4% para homens, alta de 0,1% em relação a maio de 2009, e 4,9% para mulheres, alta de 0,3% em relação ao mês anterior).[114] [115] Considera-se que esses dados estejam subestimados, tendo em vista que mesmo trabalhadores com sub-empregos são classificados como empregados.

Em julho de 2006, a taxa de desemprego no Japão era de 4,1%, de acordo com a OECD. No final de fevereiro de 2009, ela estava em 4,4%.[116] A razão entre os cargos oferecidos e o número de candidatos às vagas caiu para apenas 0,59, de quase 1 no começo de 2008, enquanto as horas de trabalho média também caiu. Os salários médios também caíram em 2,9% nos últimos 12 meses antes de fevereiro. Em 2007, a força de trabalho japonesa consistia de cerca de 66 milhõs de trabalhadores - 40% dos quais eram mulheres - e estava em rápido declínio. Há projeções de que em 2050 esse número caia para 48,6 milhões.[117]

Uma das maiores preocupações de longo prazo em relação à força de trabalho japonesa é a baixa taxa de natalidade. Na primeira metade de 2005, o número de mortes no Japão excedeu o número de nascimentos, indicando que o declínio da população, inicialmente previsto para começar em 2007, já tinha começado. Uma das contra-medidas para evitar o declínio da taxa de nascimentos seria remover as barreiras à imigração, mas o governo japonês é relutante quanto a isso.

Em 1989, a confederação sindical predominantemente pública, SOHYO (Conselho Geral dos Sindicatos Comerciais do Japão), fundiu-se com o RENGO (Confederação Sindical do Setor Privado Japonês) para formar a Confederação Sindical Comercial Japonesa. Os membros desse sindicato giram em torno de 12 milhões.

Lei e governo[editar | editar código-fonte]

O Japão é o 27º de 185 países no Índice de Facilidade de Fazer Negócios em 2013.[118]

O Japão possui uma das menores taxas no mundo desenvolvido.[119] Após as deduções, a maioria dos trabalhadores estão livres de impostos de renda. A taxa de imposto sobre consumo é de apenas 8%, enquanto as taxas de impostos sobre empresas são as segundas mais altas do mundo, com 36,8%.[119] [120] [121] No entanto, a Câmara dos Representantes aprovou uma lei que aumentaria o imposto sobre o consumo para 10% em outubro de 2015.[122] O governo também decidiu reduzir o imposto sobre empresas e eliminar progressivamente o imposto sobre automóveis.[123] [124]

O ativismo dos acionistas é raro apesar do fato de que a legislação societária dá aos acionistas grandes poderes sobre os administradores.[125] Com o passar do tempo, mais acionistas levantaram-se contra os gestores.[126]

Os passivos do governo incluem a maior dívida pública de um país no mundo, com uma dívida de mais de um quadrilhão de ienes.[127] [128] [129] O ex-Primeiro-Ministro Naoto Kan afirmou que a situação era 'urgente'.[130]

O banco central do Japão possui a segunda maior reserva cambial, atrás da República Popular da China, com mais de um trilhão de dólares.[131]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Nemawashi (根回し?), na cultura japonesa, é um processo informal de estabelecer as bases de alguma proposta de mudança ou projeto, falando com as pessoas envolvidas, conseguindo apoio e feedback e assim por diante. É considerado um elemento importante em qualquer grande mudança, antes de quaisquer medidas formais, sendo que o nemawashi bem sucedido é aquele que possibilita mudanças com o consenso de todos os lados envolvidos.[132]

As empresas japonesas são conhecidas por métodos de gerenciamento como o Sistema Toyota de Produção. O Kaizen (改善, "melhoramento"?) é uma filosofia japonesa que foca no melhoramento contínuo em todos os aspectos da vida. Quando aplicada ao local de trabalho, as atividades do Kaizen continuamente buscam melhorar todas as funções de um negócio, do setor de produção ao gerenciamento e do CEO aos trabalhadores da linha de produção.[133] Ao aperfeiçoar atividades e processos padronizados, o Kaizen visa eliminar desperdícios (ver Lean manufacturing). O Kaizen foi implementado pela primeira vez em alguns negócios japoneses durante a recuperação do país depois da Segunda Guerra Mundial, incluindo a Toyota, e desde então se espalhou para empresas em todo o mundo.[134] Ironicamente, os trabalhadores japoneses estão entre os que mais trabalham horas por dia, embora o kaizen deveria melhorar todos os aspectos da vida.

Algumas companhias possuem poderosos sindicatos patronais e shunto.

O Sistema Nenko, ou Nenko Joretsu, como é chamado no Japão, é o sistema japonês de promoção do empregado de acordo com a sua proximidade da aposentadoria.[135] A vantagem desse sistema é que ele possibilita os empregados mais antigos a alcançar níveis de salários mais altos antes da aposentadoria, além de trazer mais experiência para o ambiente executivo. A desvantagem desse sistema é que ele não permite que novos talentos apareçam e se combinem com a experiência e que aqueles com capacidades especializadas consigam ser promovidos em uma estrutura executiva já totalmente ocupada. Ele também não garante nem tenta colocar a pessoa certa no trabalho certo.

As relações entre burocratas do governo e empresas muitas vezes são acolhedoras. Amakudari (天下り, amakudari?, "descendente dos céus") é a prática institucionalizada na qual burocratas japoneses experientes aposentam-se em cargos de alto nível tanto no setor público como no setor privado.[136] Esta prática é cada vez mais vista como corrupta e um empecilho para desatar os laços entre o setor privado e o estado que impedem as reformas econômicas e políticas.

Emprego vitalício (shushin koyo) e promoção baseada na antiguidade são comuns no ambiente de trabalho japonês.[119] [137] Recentemente, o Japão começou a gradativamente se distanciar de algumas dessas normas.[138] [139]

Salaryman (サラリーマン, Sararīman?, trabalhador assalariado) refere-se aos empregados de grandes empresas de colarinho branco, englobando desde os recém-contratatos até os gerentes, não incluindo os diretores e presidentes;[140] eles trabalham principalmente para corporações. Seu uso frequente pelas corporações japonesas e sua prevalecência nos mangás e animes gradativamente levou a sua aceitação pelos países de língua inglesa como um termo para os executivos japoneses de colarinho branco. A palavra pode ser encontrada em muitos livros e artigos referentes à cultura japonesa. Logo após a Segunda Guerra Mundial, tornar-se um salaryman era visto como um atalho para uma vida de classe média e estável. Atualmente, o termo carrega uma associação com longas horas de trabalho, baixo prestígio na hierarquia da empresa, ausência de outras fontes alternativas além do salário, escravidão do salário e karoshi. O termo salaryman refere-se quase que exclusivamente a homens.

Office ladies em Fukuoka

Uma office lady, frequentemente abreviada para OL (オーエル, Ōeru?), é uma executiva que geralmente realiza tarefas de colarinho rosa como servir chá e serviços de secretariado ou serviços gerais. Como muitos solteiros japoneses, as OLs frequentemente vivem com seus pais mesmo depois de adultos. Office Ladies são normalmente funcionárias permanentes em tempo integral, apesar dos seus empregos não darem muitas oportunidades de promoção, existindo sempre a expectativa implícita de que elas deixarão seus cargos assim que se casarem.

Freeter (フリーター, furītā?) é uma expressão japonesa para pessoas entre as idades de 15 e 34 anos que não possuem emprego de tempo integral ou estão desempregados, excluindo donas de casa e estudantes.[141] Eles também podem ser descritos como trabalhadores de sub-emprego ou freelancers. Essas pessoas não começam a carreira depois do ensino médio ou da universidade mas normalmente vivem como parasite singles com seus pais e ganham algum dinheiro com trabalhos mal pagos e pouco qualificados. O baixo nível de renda torna difícil pra os freeters começarem uma família e a falta de qualificação dificulta o começo de uma carreira em um momento mais tardio da vida.

Karoshi (過労死, karōshi?), que pode ser traduzido literalmente como morte por excesso de trabalho, é a morte súbita durante o trabalho. As maiores causas do karoshi são os ataques do coração e derrames devido ao estresse.

Sokaiya (総会屋, sōkaiya?), (às vezes traduzido como seguranças da empresa, homens da reunião, ou chantagistas de empresas) são uma forma específica de mafiosos que somente existe no Japão, frequentemente associada à yakuza, que extorque dinheiro ou chantageia empresas ao ameaçarem publicar humilhações contra empresas e suas diretorias, normalmente na reunião anual (総会, sōkai?).

Sarakin (サラ金?) é um termo japonês para agiota. É uma contração das palavras japonesas para salaryman e dinheiro. Cerca de 14 milhões de pessoas, ou 10% da população japonesa, pegaram empréstimos de um sarakin. No total, há aproximadamente 10 mil firmas (menos que as 30 mil de uma década atrás); entretanto, as sete maiores firmas controlam 70% do mercado. O valor de todos os empréstimos totaliza 100 bilhões de dólares. As maiores sarakins frequentemente negociam e se aliam com os grandes bancos do país.[142]

Loja de departamentos em Shinjuku, Tóquio

A primeira loja de departamentos no Japão no estilo ocidental foi a Mitsukoshi, fundada em 1904, que se originou de uma loja de kimono chamada Echigoya, de 1673. Porém, se forem consideradas as origens, a Matsuzakaya tem uma história mais longa ainda, funcionando desde 1611. A loja de kimono transformou-se em uma loja de departamentos em 1910. Em 1924, a loja da Matsuzakaya em Ginza permitiu a entrada dos clientes com sapatos dentro da loja, algo inovador para a época.[143] Essas lojas de departamentos que se originaram de lojas de kimono dominaram o mercado no início da história. Eles vendiam, ou melhor, exibiam, produtos luxuosos, o que contribuía para sua atmosfera sofisticada. Outa origem das lojas de departamentos japonesas foram as companhias ferroviárias. Havia muitas operadoras de ferrovias privadas no país e, a partir de 1920, elas começaram a construir lojas de departamentos diretamente ligadas às suas estações. Seibu e Hankyu são exemplos típicos.

A partir da década de 1980 até os dias de hoje, as lojas de departamentos japonesas encararam uma concorrência forte dos supermercados e das lojas de conveniência, gradativamente perdendo seu espaço. Ainda assim, os depāto são um símbolo de alguns aspectos do conservadorismo cultural no país. Certificados de presentes de lojas de departamentos prestigiosas são frequentemente dados como presentes formais no Japão. Elas geralmente oferecem uma grande variedade de serviços, que pode incluir troca de moedas estrangeiras, reservas de viagem, venda de ingressos para shows dentre outros eventos.

Keiretsu[editar | editar código-fonte]

Um keiretsu (系列, literalmente sistema ou série?) é um conjunto de empresas com relações comerciais e negócios interligados. É um tipo de grupo corporativo.[144] Os primeiros keiretsu foram os que apareceram no Japão durante o Milagre econômico japonês, depois da Segunda Guerra Mundial. Antes da rendição do Japão, as indústrias japonesas eram controladas por monopólios verticais dirigidos por famílias, chamados de zaibatsu. Os Aliados acabaram com os zaibatsu no final da década de 1940, mas as empresas formadas da cisão deles acabaram sendo reintegradas. As corporações, que estavam dispersas, foram religadas através de compras de ações a fim de formar alianças integradas horizontalmente por muitas indústrias. Onde era possível, as empresas do keiretsu supriam as necessidades umas das outras, tornando a aliança também vertical. Nesse período, a política oficial do governo promoveu a criação de fortes corporações comerciais que podiam suportar grandes pressões do mercado global altamente competitivo.[145]

Os maiores keiretsu eram baseados cada um em um banco, que emprestava dinheiro para as companhias participantes do keiretsu e possuía posições acionárias nas empresas.[146] Cada banco central tinha grande poder sobre as empresas do keiretsu e atuava como uma entidade de monitoramento e como uma entidade de socorro emergencial. Um efeito dessa estrutura foi a minimização da presença dos takeovers hostis no Japão, visto que nenhuma entidade poderia desafiar o poder dos bancos.

Há dois tipos de keiretsu: vertical e horizontal. O keiretsu vertical ilustra a organização e os relacionamentos dentro de uma empresa (por exemplo, todos os fatores de produção de um certo produto serem conectados), enquanto um keiretsu horizontal mostra relacionamentos entre entidades e indústrias, normalmente centralizadas ao redor de um banco e uma empresa de capital aberto. Ambos são complexamente entrelaçados e se auto-sustentam uns aos outros.

A recessão japonesa na década de 1990 teve profundos efeitos nos keiretsu. Muitos grandes bancos foram muito afetados por portfolios baseados em empréstimos de baixa qualidade e foram forçados a se fundirem ou sairem do mercado. Isso teve o efeito de atenuar as fronteiras entre os keiretsu: o Sumitomo Bank e o Mitsui Bank, por exemplo, tornaram-se Sumitomo Mitsui Banking Corporation em 2001,[147] enquanto o Sanwa Bank (o banco do grupo Hankyu-Toho) tornou-se parte do Bank of Tokyo-Mitsubishi UFJ. Além disso, muitas empresas de fora do sistema keiretsu, como a Sony, começaram a superar seus pares de dentro do sistema.

No geral, esses acontecimentos deram uma forte sensação no mercado de que o antigo sistema keiretsu não era mais um modelo de negócios eficiente, levando a um enfraquecimento das alianças entre os keiretsu. Apesar de os keiretsu ainda existirem, eles não são mais tão centralizados ou integrados como eram antes da década de 1990. Isso, por sua vez, levou a um aumento de de aquisições corporativas no Japão, visto que as companhias não era mais capazes de se defenderem facilmente pelos seus bancos, bem como aumentaram os litígios empresariais por mais acionistas independentes.

Referências

  1. a b Latest indicators Statistics Bureau, Ministry of Internal Affairs and Communications. Visitado em 9 de junho de 2011.
  2. GDP (current US$) World Bank. Visitado em 15 de outubro de 2013.
  3. GDP (OFFICIAL EXCHANGE RATE) CIA World Factbook. Visitado em 15 de outubro de 2013.
  4. Kyung Lah. "Japan: Economy slips to third in world", CNN.com, 14 de fevereiro de 2011.
  5. "Country statistical profile: Japan", OECD iLibrary, 28 de fevereiro de 2013. Página visitada em 19 de junho de 2013.
  6. World Economic Outlook Database-October 2013 International Monetary Fund. Visitado em 15 de outubro de 2013.
  7. TANKAN :日本銀行 Bank of Japan Banco do Japão Boj.or.jp. Visitado em 1º de fevereiro de 2013.
  8. a b 2013 PRODUCTION STATISTICS – FIRST 6 MONTHS OICA. Visitado em 16 de outubro de 2013.
  9. Statistics on Patents World Intellectual Property Organization (19 de junho de 2013). Visitado em 16 de fevereiro de 2014.
  10. Morris, Ben. "What does the future hold for Japan's electronics firms?", BBC News, 12 de abril de 2012. Página visitada em 16 de outubro de 2013.
  11. a b Iwadare, Yoshihiko (1º de abril de 2004). Strengthening the Competitiveness of Local Industries: The Case of an Industrial Cluster Formed by Three Tokai Prefecters Nomura Research Institute 16 pp.. Visitado em 16 de fevereiro de 2014.
  12. a b Kodama, Toshihiro (1º de julho de 2002). Case study of regional university-industry partnership in practice Institute for International Studies and Training. Visitado em 16 de fevereiro de 2014.
  13. a b Mori, Junichiro, Kajikawa, Yuya, Sakata, Ichiro (2010). Evaluating the Impacts of Regional Cluster Policies using Network Analysis International Association for Management of Technology 9 pp.. Visitado em 16 de fevereiro de 2014.
  14. a b Schlunze, Rolf D.. Location and Role of Foreign Firms in Regional Innovation Systems in Japan Ritsumeikan University 25 pp.. Visitado em 16 de fevereiro de 2014.
  15. a b Profile of Osaka/Kansai Japan External Trade Organization Osaka 10 pp.. Visitado em 16 de fevereiro de 2014.
  16. Chandler, Marc. "The yen is a safe haven as Japan is the world’s largest creditor", Credit Writedowns, 19 de agosto de 2011. Página visitada em 19 de junho de 2013.
  17. Obe, Mitsuru. "Japan World’s Largest Creditor Nation for 22nd Straight Year", The Wall Street Journal, 28 de maio de 2013. Página visitada em 14 de outubro de 2013.
  18. Hindman, Nathaniel Cahners. "The 11 Wealthiest Countries In The World By Financial Assets", The Huffington Post, 15 de setembro de 2010. Página visitada em 19 de junho de 2013.
  19. "Global 500 2013", Fortune.
  20. The Global Competitiveness Index 2011-2012 rankings
  21. http://www.jei.org/AJAclass/JEcon20thC.pdf
  22. http://assets.cambridge.org/052166/2915/sample/0521662915wsn01.pdf
  23. Nakamura, Toshihiro. . "A Declining Technocratic Regime" (PDF). United Nations Research Institute for Social Development.
  24. World and Its Peoples: Eastern and Southern Asia - Marshall Cavendish Corporation - Google Books. [S.l.]: Books.google.co.uk. Visitado em 01/02/2013.
  25. "Whose lost decade?", The Economist, 19 de novembro de 2011.
  26. http://www.meti.go.jp/english/policy/economy/growth/outline20100618.pdf
  27. http://www.jetro.go.jp/en/invest/attract/pdf/e_ict.pdf
  28. Information and Communications Policy Site Soumu.go.jp. Visitado em 01/02/2013.
  29. Global ICT Strategy Bureau(GISB) Soumu.go.jp. Visitado em 01/02/2013.
  30. Information and Communications Bureau Soumu.go.jp. Visitado em 01/02/2013.
  31. Telecommunications Bureau Soumu.go.jp. Visitado em 01/02/2013.
  32. https://members.weforum.org/pdf/gitr/2.3.pdf
  33. u-Japan Policy Package (2): Advanced Usage of ICT Soumu.go.jp. Visitado em 01/02/2013.
  34. http://www.connectivityscorecard.org/images/uploads/media/CS2011_Japan.pdf
  35. Broadband and telecom - Organisation for Economic Co-operation and Development Oecd.org (18/07/2012). Visitado em 01/02/2013.
  36. http://www.itu.int/net/pressoffice/backgrounders/general/pdf/5.pdf
  37. IFPI 2011 Report: Global Recorded Music Sales Fall 8.4%; Swag, Lady Gaga Top Int'l Sellers | Billboard Billboard.biz (30/03/2011). Visitado em 01/02/2013.
  38. http://www.nhk.or.jp/bunken/english/reports/pdf/report_13020101.pdf
  39. http://www.kyoto-seika.ac.jp/edu/manga/curriculum/
  40. http://www.seika-mangaworks.jp/2012/
  41. "Comic giants battle for readers", BBC News, 18 de agosto de 2011.
  42. http://www.oecd.org/trade/agriculturaltrade/38893266.pdf
  43. http://www.fao.org/docrep/013/i1820e/i1820e01.pdf
  44. http://www.fao.org/docrep/016/i2727e/i2727e01.pdf
  45. FAO National Aquaculture Sector Overview (NASO) Fao.org (01/02/2006). Visitado em 01/02/2013.
  46. FAO Fisheries & Aquaculture - International trade in aquaculture products Fao.org (01/01/2002). Visitado em 01/02/2013.
  47. http://injapan.no/marine/files/2012/03/Miyahara-FA.pdf
  48. 東京都中央卸売市場 | 各市場のご紹介 Shijou.metro.tokyo.jp. Visitado em 01/02/2013.
  49. Metropolitan Central Wholesale Market | Structure of The market Shijou.metro.tokyo.jp. Visitado em 01/02/2013.
  50. Murray, Maryanne. "Tokyo: 10 Things to Do — 1. Tsukiji Fish Market", TIME. Página visitada em 01/02/2013.
  51. Iconic Tsukiji fish market to close in 2013 for new redesign The Japan Daily Press. Visitado em 01/02/2013.
  52. Masakatsu, Miyazaki (15 de junho de 2008). The Legend of "Zipangu," the Land of Gold Nipponia. Visitado em 8 de novembro de 2013.
  53. Shimada, Ryūto. The Intra-Asian Trade in Japanese Copper by the Dutch East India Company During the Eighteenth Century. [S.l.: s.n.], 2006. 225 pp.
  54. Alessandro Valignano, 1584, "Historia del Principo y Progresso de la Compania de Jesus en las Indias Orientales.
  55. The trading world of china, japan and the philippines (em inglês). Visitado em 17/10/2014.
  56. What is the Keicho Mission (em inglês). Visitado em 17/10/2014.
  57. sakoku (national isolation) -- Encyclopedia Britannica (em inglês). Visitado em 17/10/2014.
  58. Dejima Comes Back to Life / History of Dejima (em inglês). Visitado em 17/10/2014.
  59. Fukao, Kyoji. Real GDP in Pre-War East Asia: A 1934–36 Benchmark Purchasing Power Parity Comparison with the US. [S.l.: s.n.], 2007.
  60. Japan: Patterns of Development country-data.com (Janeiro de 1994). Visitado em 28/12/2006.
  61. Business in context: an introduction to business and its environment by David Needle
  62. Japan's Trap MIT (19/05/1999). Visitado em 06/06/2007.
  63. Masake, Hisane. A farewell to zero. Asia Times Online (02/03/2006). Acessado em 28/12/2006.
  64. Spiegel, Mark. "Did Quantitative Easing by the Bank of Japan "Work"?", 20 de outubro de 2006.
  65. Ver, como um exemplo, o website de Paul Krugman, http://web.mit.edu/krugman/www/jpage.html
  66. "Economic survey of Japan 2008: Bringing an end to deflation under the new monetary policy framework", 7 de abril de 2008.
  67. Riley, Charles. "Bank of Japan takes fight to deflation", CNN, 4 de abril de 2013.
  68. Chapter 7 Energy, Statistical Handbook of Japan 2007 (em inglês).
  69. Japan's Road to Deep Deficit Is Paved With Public Works, New York Times, em 1997 (em inglês)
  70. Chapter 9 Transport, Statistical Handbook of Japan (em inglês)
  71. TAV-Brasil JAPaO.pdf (objeto application/pdf). Acesso em 21 de agosto de 2011.
  72. Japan punctuality lets duo go the Guinness 24-hour train distance | The Japan Times Online (em inglês). Acesso em 21 de agosto de 2011.
  73. CIA - The World Fact Book - Airports (em inglês). Acesso em 21 de agosto de 2011.
  74. World Airport Rankings 2010: US airports dominate, Atlanta still biggest. Tokyo Haneda into Top 30 | Centre for Asia Pacific Aviation - CAPA (em inglês). Acesso em 21 de agosto de 2011.
  75. conference06-01.pdf (objeto application/pdf) (em inglês)
  76. Asia Times Online :: Japan News - New energy to Japan's diplomacy (em inglês)
  77. Statistics Bureau Home Page (em inglês)
  78. What Were Japanese GDP, CPI, Wage, or Population Then? (em inglês)
  79. Statistics Division of Gifu Prefecture. (em japonês) Gifu Prefecture. Acessado em 2 de novembro de 2007.
  80. "USD/JPY – Conversão Dólar americano / Iene japonês", Yahoo! Finance. Página visitada em 19 de junho de 2013.
  81. http://www.bilaterals.org/article.php3?id_article=2378 (em inglês)
  82. Japan Immigration Services - Home Page (em inglês)
  83. CIA - The World Factbook (em inglês)
  84. Asia Times: UN tribunal halts Japanese tuna over-fishing (em inglês)
  85. BBC NEWS - Science/Nature - Japanese whaling 'science' rapped (em inglês)
  86. a b Japan Country Report Global Finance. Visitado em 16 de novembro de 2013.
  87. Karan, Pradyumna. Japan in the 21st Century: Environment, Economy, and Society. [S.l.]: University Press of Kentucky, 2010. 416 pp. ISBN 0813127637
  88. Cheng, Roger (9 de novembro de 2012). The era of Japanese consumer electronics giants is dead CNET. Visitado em 11 de novembro de 2013.
  89. Dawson, Chester. "Toyota Again World's Largest Auto Maker", The Wall Street Journal, 28 de janeiro de 2013. Página visitada em 21 de novembro de 2013.
  90. WORLD MOTOR VEHICLE PRODUCTION OICA correspondents survey OICA (2012). Visitado em 21 de novembro de 2013.
  91. Japan Mining Library of Congress Country Studies (Janeiro de 1994). Visitado em 8 de dezembro de 2013.
  92. Overview Ministry of Economy, Trade and Industry (2005). Visitado em 8 de dezembro de 2013.
  93. Jamasmie, Cecilia (25 de março de 2013). Japan’s massive rare earth discovery threatens China’s supremacy Mining.com. Visitado em 8 de dezembro de 2013.
  94. Petroleum Industry in Japan 2013 71 pp. Petroleum Association of Japan (Setembro de 2013). Visitado em 8 de dezembro de 2013.
  95. "Fortune Global 500", CNNMoney. Página visitada em 16 de novembro de 2013.
  96. "The World's Biggest Public Companies", Forbes. Página visitada em 16 de novembro de 2013.
  97. National Newspapers Total Circulation 2011 International Federation of Audit Bureaux of Circulations. Visitado em 2 de fevereiro de 2014.
  98. Fujita, Junko. "Japan govt aims to list Japan Post in three years", Reuters, 26 de outubro de 2013. Página visitada em 16 de novembro de 2013.
  99. The Keiretsu of Japan San José State University.
  100. Rushe, Dominic. Chinese banks top Forbes Global 2000 list of world's biggest companies The Guardian. Visitado em 9 de outubro de 2013.
  101. Tourism Highlights 2013 Edition World Tourism Organization. Visitado em 8 de dezembro de 2013.
  102. Japan marks new high in tourism Bangkok Post (9 de janeiro de 2014). Visitado em 9 de janeiro de 2014.
  103. a b c Attracting more tourists to Japan The Japan Times (6 de janeiro de 2014). Visitado em 9 de janeiro de 2014.
  104. Williams, Carol. "Record 2013 tourism in Japan despite islands spat, nuclear fallout", Los Angeles Times, 11 de dezembro de 2013. Página visitada em 9 de janeiro de 2014.
  105. Takahara, Kanako (8 de julho de 2008). Boom time for Hokkaido ski resort area The Japan Times. Visitado em 9 de janeiro de 2014.
  106. NYSE Calendar New York Stock Exchange (31 de janeiro de 2007). Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  107. "China becomes world's third largest stock market", The Economic Times, 19 de junho de 2010. Página visitada em 7 de fevereiro de 2014.
  108. a b "Japan approves merger of Tokyo and Osaka exchanges", BBC News, 5 de julho de 2012. Página visitada em 7 de fevereiro de 2014.
  109. The Nikkei 225 Index Performance Finfacts. Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  110. "Tokyo Stock Exchange Tokyo Price Index TOPIX", Bloomberg. Página visitada em 7 de fevereiro de 2014.
  111. Smith, Simon (22 de janeiro de 2014). Horizons introduces leveraged and inverse MSCI Japan ETFs eftstrategy.com. Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  112. About JSCC History Japan Securities Clearing Corporation. Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  113. 雇用情勢は一段と悪化、5月失業率は5年8カ月ぶり高水準(Update3) - Bloomberg.co.jp (em japonês)
  114. Japan’s Jobless Rate Rises to Five-Year High of 5.2% (Update2) - Bloomberg (em inglês)
  115. US Political, Financial & Business News | FT.com (em inglês)
  116. Japan Statistical Profile (em inglês)
  117. Economy Rankings Doing Business. Visitado em 25 de novembro de 2013.
  118. a b c OECD: Economic survey of Japan 2008
  119. Temple-West, Patrick, and Dixon, Kim. "US displacing Japan as No 1 for highest corp taxes", Reuters, 30 de março de 2012. Página visitada em 1º de fevereiro de 2014.
  120. Isidore, Chris. "U.S. corporate tax rate: No. 1 in the world", CNNMoney, 27 de março de 2012. Página visitada em 1º de fevereiro de 2014.
  121. UPDATE: Lower House passes bills to double consumption tax The Asahi Shimbun (26 de junho de 2012). Visitado em 25 de novembro de 2013.
  122. Big firms to see tax cut on social expenses The Japan News (24 de novembro de 2013). Visitado em 25 de novembro de 2013.
  123. Japan to Phase Out Automobile Tax NASDAQ (21 de novembro de 2013). Visitado em 25 de novembro de 2013.
  124. Pesek, William. "Shareholder Activism in Japan? Not Yet", Bloomberg, 3 de julho de 2012. Página visitada em 25 de novembro de 2013.
  125. "Shareholder activism in Japan In the locust position", The Economist, 28 de junho de 2007. Página visitada em 25 de novembro de 2013.
  126. 5. Report for Selected Countries and Subjects International Monetary Fund. Visitado em 25 de novembro de 2013.
  127. Keck, Zachary (10 de agosto de 2013). Japan’s Debt About 3 Times Larger Than ASEAN’s GDP The Diplomat. Visitado em 25 de novembro de 2013.
  128. Einhorn, Bruce (9 de agosto de 2013). Japan Gets to Know a Quadrillion as Debt Hits New High Bloomberg. Visitado em 25 de novembro de 2013.
  129. Kan warns of Greece-like debt crisis " Japan Today: Japan News and Discussion Japantoday.com (11/06/2010). Visitado em 01/02/2013.
  130. Japan's forex reserves up for second straight month Kuwait News Agency (6 de junho de 2014). Visitado em 3 de julho de 2014.
  131. RAMOS, Amílcar - "Tomada de decisões. O conceito de "Nemawashi"". Revista de Gestão. Lisboa: INDEG-ISCTE. Nº especial (1987), p. 19-20.
  132. Imai, Masaaki. Kaizen: The Key to Japan's Competitive Success (em inglês). New York, NY, USA: Random House, 1986.
  133. Europe Japan Centre, Kaizen Strategies for Improving Team Performance, Ed. Michael Colenso, London: Pearson Education Limited, 2000
  134. Suicide and economic success in ... - Google Livros (em inglês)
  135. Investopedia - Amakudari Definition (em inglês). Acessado em 21 de agosto de 2011.
  136. Japan's Economy: Free at last The Economist (2006-07-20). Visitado em 2007-03-29.
  137. moneyweek.com/file/26181/why-germanys-economy-will-outshine-japan.html Why Germany's economy will outshine Japan MoneyWeek (2007-02-28). Visitado em 2007-03-28.
  138. The Economist: Going hybrid (em inglês)
  139. The salaryman in Japan's culture (em inglês). Acessado em 21 de agosto de 2011.
  140. Honda, Yuki. ‘Freeters’: Actuality, Backgrounds and Discourses of Young Atypical Workers in Japan (em japonês). Visitado em 19 de agosto de 2011.
  141. Lenders of first resort, The Economist, 22 de maio de 2008 (em inglês)
  142. Site da Matsuzakaya (em inglês)
  143. Idea: Keiretsu | The Economist. Acesso em 19 de agosto de 2011 (em inglês).
  144. "Japan Again Plans Huge Corporations," New York Times. 17 de julho de 1954 (em inglês).
  145. Sociedade Brasileira de Bugei - Artigos. Acesso em 19 de agosto de 2011.
  146. History : Sumitomo Mitsui Banking Corporation. Acesso em 19 de agosto de 2011 (em inglês)

Notas[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bandeira do Japão Japão
Bandeira • Brasão • Hino • Cinema • Culinária • Cultura • Demografia • Economia • Forças Armadas • Geografia • História • Ilhas • Penínsulas • Portal • Política • Rios • Subdivisões • Imagens