Economia do Setor Público

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrow 2.svg
Este artigo ou secção deverá ser fundido com Setor público.
Editor, considere adicionar mês e ano na marcação. Isso pode ser feito automaticamente, com {{Fusão com|....|{{subst:DATA}}}}.

(por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central.).
Portal
A Wikipédia possui o
Portal da economia.

Economia do Setor Público fornece as bases econômicas das atividades governamentais, além de tratar de finanças públicas, pode se ver a dimensão do setor público em uma economia.

Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Papel do Estado[editar | editar código-fonte]

Os governos passaram a atuar no setor econômico, produzindo bens e serviços após a Segunda Guerra Mundial (Teoria Keynesiana). Atualmente, o governo possui 3 funções:

Função Alocativa: São bens e serviços que o governo oferece gratuitamente ou com baixas taxas para toda a população, independente da renda (Saúde pública, transporte público, segurança pública, etc).

Função Distributiva: O governo arrecada mais de setores, população, empresas mais ricas e repassa aos mais pobres. Portanto, o governo banca setores, municípios, população que não conseguem gerar riqueza.

Função Estabilizadora: O governo equilibrará a economia, controlando preços, utilizando os instrumentos macroeconômicos (políticas públicas).

As Falhas de Mercado[editar | editar código-fonte]

Situações em que o mercado, mesmo deixado livre, não produz resultados ótimos (maior eficiência econômica), são situações clássicas: bens públicos (que não nem rivais nem excludentes, sendo assim, não podem ser eficientemente ofertados pelo mercado já que é difícil se apropriar de seus ganhos), externalidades (efeitos externos em transações, sejam de consumo ou produção, à terceiros não envolvidos, podem ser positivas ou negativas como a poluição), informações assimétricas (quando um dos lados da transação sabe mais sobre a qualidade do produto que o outro, exemplo clássico são os carros usados, gerando problemas econômicos como seleção adversa, risco moral, comportamento de manada, efeito contágio e problema agente-principal) e o poder de mercado (em mercados imperfeitos no qual uma empresa tem poder sobre o preço, podendo se chegar a situações de cartel e monopólio), nessas situações o Estado pode intervir para melhorar alocação, contudo sua atuação pode gerar mais problemas que soluções (falhas de governo), sendo criticada por algumas escolas como a austríaca.

O Processo Político[editar | editar código-fonte]

O Orçamento Público[editar | editar código-fonte]

Política Fiscal[editar | editar código-fonte]

Tributação[editar | editar código-fonte]

O Planejamento do Setor Público[editar | editar código-fonte]