Ecumenópole

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ecumenópole é um termo criado pelo arquiteto e urbanista grego Constantínos Apóstolos Doxiádis, em 1967. O termo refere-se à idéia de que, no futuro, as áreas urbanas e metrópoles serão fundidas em uma única gigantesca cidade global, dada a crescente urbanização e o crescimento populacional.

Um planeta com este nível extremo de desenvolvimento e infraestrutura, logicamente, necessitaria importar seus alimentos de outros planetas, ou possuir grandes instalações hidropônicas orbitais ou subterrâneas, o que não é muito viável. Uma civilização capaz de construir uma ecumenópole é definida como tipo I na Escala de Kardashev.

Doxiadis criou um cenário baseado na tradição e tendências do desenvolvimento urbano do seu tempo, prevendo o surgimento de uma Eperópole (um continente-cidade) na Europa, com a fusão de grandes centros como Paris, Berlim e Roma com cidades menores ao redor, pertencentes a suas respectivas zonas metropolitanas, e consecutivamente, estas megacidades se tornarão centros urbanos cada vez maiores, processo que já ocorre atualmente nas maiores cidades do planeta. Como consequência, no futuro, estes gigantescos centros urbanos, que se somam a outras pequenas e médias cidades de acordo com o crescimento populacional, tocarão suas fronteiras metropolitanas umas nas outras, onde tecnicamente, a conurbação será inevitável e uma cidade jamais vista será formada: Uma eperópole. Um exemplo notável é hoje apresentado pela planície Indo-Ganges, uma área de 700.000 quilômetros quadrados habitada por um bilhão de pessoas, com uma densidade próxima a 1.500 habitantes por quilômetro quadrado que atualmente se tornou uma espécie de super-mega-cidade. No caso brasileiro, há previsões de que em torno de 2030, as grandes cidades de São Paulo (6ª maior cidade do mundo) e Rio de Janeiro (27ª maior cidade do mundo) se conurbarão, se tornando um caso de megalópole.

Ecumenópole na ficção[editar | editar código-fonte]

Ecumenópole é um termo bastante abordado pela ficção científica, quase sempre representando uma espécie de planeta-capital da civilização, centros de tecnologia e ciência, ou como um ponto de referência na galáxia, do mesmo modo como Megalópoles são hoje para nós, alguns exemplos são:


A questão da Terra

Entusiastas sugerem que a Terra daqui a milhares de anos vai se tornar uma ecumenópole, unificando todas as suas cidades e se tornando puramente urbana, obviamente, um processo de colonização espacial já deve ter sido formado no Sistema Solar, fornecendo matérias-primas e produtos agrícolas.

A questão de futuramente a Terra se tornar um planeta-cidade é uma idéia revogada por ambientalistas, que afirmam que a Terra é um planeta com vida natural, e assim, suas florestas e animais devem ser preservados, uma das hipóteses para resolver este problema seria, a liberação para a Terra suportar uma densidade populacional superelevada somente poderá acontecer quando houver outros planetas terraformados completamente, onde a partir daí as espécies não serão ameaçadas.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre urbanismo, planejamento e estudos urbanos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.