Editora Martin Claret

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Editora Martin Claret
Indústria Indústria cultural
Gênero Editora
Fundador(es) Martin Claret
Página oficial Site oficial

Editora Martin Claret é uma editora brasileira fundadada na década de 1970 pelo jornalista gaúcho chamado Martin Claret. É especializada em coleções de obras clássicas, internacionais e nacionais, lançadas em versões de bolso.

Fundador[editar | editar código-fonte]

Martin Claret é um empresário, editor e jornalista brasileiro. Nasceu na cidade de Ijuí, RS. Presta consultoria a entidades culturais e ecológicas. Na indústria do livro inovou, criando o conceito do livro-clipping. É herdeiro universal da obra literária do filósofo e educador Huberto Rohden.

Acusação de Plágio[editar | editar código-fonte]

Há anos a editora vem sofrendo diversas acusações de plágio provenientes de diversas traduções. Em 2000, ela respondeu a uma intimação judicial da Companhia das Letras, reconhecendo posteriormente ter usado uma parte das traduções de Modesto Carone para três novelas de Franz Kafka (1883-1924): "A Metamorfose", "Um Artista da Fome" e "Carta ao Pai".[1] [2] Já em 2007, por sua vez, a obra A República, de Platão, tinha a tradução assinada por Pietro Nassetti, mas na verdade o texto é uma adaptação com pequenas mudanças da tradução de Maria Helena da Rocha Pereira, uma das maiores especialistas portuguesas em Grécia Antiga.[3] O editor Martin Claret, dono da Editora Martin Claret, admitiu que sua edição de A República, é plágio da edição da Fundação Calouste Gulbenkian.[3] Há ainda a suspeita de que muitos outros livros da editora usem traduções plagiadas, já que poucos e desconhecidos nomes, como por exemplo o de Alex Marins e Jean Melville, assinam variados títulos publicados por ela. Pietro Nassetti teria traduzido Shakespeare, Maquiavel, Descartes, Rousseau, Voltaire, Schopenhauer, Balzac, Poe e outros.[1]

Em fevereiro de 2012 ainda existiam repercussões na mídia sobre as acusações de plágio, especificamente quanto a Fundação Biblioteca Nacional instalar uma comissão interna para verificar a remoção da editora do Cadastro Nacional de Livros de Baixo Preço. [4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências