Eduardo Mascarenhas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde março de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Eduardo Mascarenhas
Nascimento 6 de Julho de 1942
Rio de Janeiro, Brasil
Morte 29 de abril de 1997 (54 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Nacionalidade Brasil brasileiro
Ocupação psicanalista e político

Eduardo Mascarenhas (Rio de Janeiro, 6 de julho de 1942Rio de Janeiro, 29 de abril de 1997) foi um psicanalista e político brasileiro.

Famoso na década de 1980 pela participação em vários programas de TV, como o TV Mulher, Eduardo Mascarenhas sofreu por ter denunciado, junto com Hélio Pellegrino, a conivência do então presidente da Sociedade Brasileira de Psicanálise com Amílcar Lobo e com as torturas praticadas durante o regime militar, chegando a ser expulso daquela associação.[1]

Foi casado com a atriz Christiane Torloni na mesma época. Escreveu três livros sobre assuntos relativos à psicanálise: Emoções (1986), Cartas a um Psicanalista (1986) e Alcoolismo, Drogas e Grupos Anônimos de Ajuda Mútua (1990). Manteve, também, até sua morte, colunas em revistas femininas, como Cláudia e Contigo!.

Filiou-se ao PDT em 1989, pelo qual foi eleito deputado federal pelo estado do Rio de Janeiro em 1990, chegando a ser vice-líder da bancada do partido na Câmara. Mudou para o PSDB em 1993, por onde foi reeleito deputado no ano seguinte. Não conseguiu terminar o segundo mandato, por ter falecido de câncer em 29 de abril de 1997, aos 54 anos.[1]

Referências

  1. a b Doutor Eduardo Mascarenhas Conselho Brasileiro de Psicanálise. Visitado em 23/05/2013.[ligação inativa]
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) Psicólogo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.