Edward Albee

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Edward Albee, fotografado por Carl Van Vechten, 1961

Edward Albee (Virginia, 12 de Março de 1928) é um dramaturgo norte-americano.


Biografia[editar | editar código-fonte]

As suas peças, de carácter psicológico, analisam e desmascaram as crises do homem e da sociedade actual. Viveu em meio a uma família rica que estava envolvida na gerência do teatro de vaudeville, a sua casa era freqüentada pelos performers aposentados. Ele era adotado e nunca se sentiu confortável com os pais adotivos. Para ele, seus pais o mandaram para a escola para não tê-lo ao redor. Ele era interessado nas artes, descobrindo a poesia quando tinha nove anos. Ele lembra de ter sido advertido por ter pego emprestado um livro da biblioteca da família. O fato de ser adotado não causou um tipo de obrigação aos pais. Ele não se relacionava com eles, tinha um tipo de objetividade sobre a relação inteira. Era e ainda é um visitante permanente. Isso provavelmente é onde aquela linha em O Jardim zoológico em que fala "Eu sou um visitante permanente. Minha casa é o os alojamentos doentes do Lado Ocidental Superior de New York City que é a maior cidade no mundo. Amém!" Aos treze anos foi para Greenwich Village que para ele era aonde todas as pessoas interessantes iam. Ele completou sua educação visitando os grandes pintores abstratos e expressionistas, e ouvindo toda música contemporânea e espetáculos da off-off Broadway. Sem falar nos livros e a convivência com os escritores. A sua primeira peça foi feita em duas semanas. Chamou a história do jardim zoológico. Acreditou que era uma boa peça e que todas as influências tinham sido postas de lado. Albbe diz que escreve suas peças com aquilo que tem na cabeça, bem simples, bem fácil e verdadeiro. Eu não sou um dramaturgo didático que fala, “Eu preciso escrever uma peça a respeito de..." e daí escolhe as personagens, ele que ouvir as personagens, conhecê-las, colocá-las em ação. A fonte de inspiração esta nas idéias que vem à mente e querem deixar a cabeça. O papel do dramaturgo na sociedade no sentido de instruir às pessoas um pouco mais a respeito de suas responsabilidades e consciência. Mas todos nós escrevemos porque não gostamos do que vemos, e nos gostaríamos que as pessoas fossem melhores e diferentes. Ele acredita que algumas das suas melhores peças foram as menos populares e por isto não pode nunca deixar de acreditar no seu talento. Se você escreve com aquilo que tem em mente e com talento, o público prestará atenção e aprenderá alguma coisa. Sem a preocupação de fazer algo impopular, de simplificar ou tornar mais complexo. Albee não costuma reescrever as peças porque a criatividade está no inconsciente, as suas peças já estão determinadas muito antes dele tomar conhecimento delas, assim como se as personagens escrevessem a peça para ele.Não há uma imposição, ele as deixa pensar e falar o que querem e se transformar numa peça. Albee prefere pequenas audiências, quanto menor o teatro, mais atenta esta a audiência, e quanto mais jovens, mais inteligentes. Toda arte deve ter sua utilidade, se é meramente decorativa ou escapista, é perda de tempo. Você escreve para tentar fazer com que as pessoas acreditem naquilo que você quer que elas acreditem. Esta utilidade está ligada à consciência. Ela deve nos engajar numa reflexão e reavaliação dos nossos valores para encontrar aquela coisa que nós estivemos acreditando pelos últimos 20 anos se ainda tem alguma validade, a arte nos ajuda a entender as mudanças de valores. Se nós paramos de explorar as possibilidades da nossa mente, então nós ficamos dormindo. Assim como a arte africana que é utilitária, feita para fins religiosos para a dança. Os valores estão na luta contra as forces da escuridão que ameaçam a democracia. Manter acordado ao fato que a democracia demanda voto informado e ela é frágil. A arte é fundamentalmente política no senso filosófico. Albee acredita que exista uma mensagem na sua arte, que as pessoas só vivem uma vez, e o que poderia ser pior do que chegar ao final e perceber que não havia vivido. Um livro, uma peça, uma pintura, uma música deve expandir os horizontes, fazer pensar diferente, pensar com maior vigor, numa experiência útil, senão foi apenas perda de tempo. A sua maior preocupação com os rumos da America no início do século XXI está nos perigos contra a democracia devido a um eleitorado que vota de uma maneira tão mesquinha. Muitos dos votos não se preocupoam com a maioria da sociedade.São mesquinhos e isto pode matar a democracia muito rapidamente. A forma de Albee para contribuir para que isto não aconteça está em persuadir as pessoas a se manterem atentas, viver uma vida de completude, não se vender, não se comprometer , encorajando-as a fazer isto, então restará a esperança. Para as gerações de escritores deixa o recado de que busquem na própria mente e imaginem o que querem fazer com a vida, de uma forma real, e que percebam quem realmente são. Que não percam tempo fazendop algo que os aborreça, o que sintam que é fútil ou perda de tempo. É a sua vida, o seu bem mais importante, utilize da melhor forma. "Utilidade" é a coisa mais importante. A vida deve ser usada de uma forma útil, e não ser mesquinha.

Bibliografia activa[editar | editar código-fonte]

  • The Zoo-Story (1959)
  • Who's Afraid of Virginia Woolf (1962)
  • The Death of Bessie Smith (1959)
  • The Sandbox (play)|The Sandbox (1959)
  • Fam and Yam (1959)
  • The American Dream (play)|The American Dream (1960)
  • The Ballad of the Sad Cafe (1963) (adaptado da novela de Carson McCullers)
  • Tiny Alice (1964)
  • Malcolm (play)|Malcolm (1965) (adaptado da novela deJames Purdy)
  • A Delicate Balance (1966)
  • Breakfast at Tiffany's (musical)|Breakfast at Tiffany's (1966)
  • Everything in the Garden (1967) (adapted from a play by British playwright Giles Cooper)
  • Box (play)|Box and Quotations From Chairman Mao Tse-Tung (1968)
  • Sandbox (play)|Sandbox (1968)
  • All Over (1971)
  • Seascape (play)|Seascape (1974)
  • Listening (play)|Listening (1975)
  • Counting the Ways (1976)
  • The Lady From Dubuque (1977-79)
  • Lolita (adaptado da novela de Vladimir Nabokov)
  • The Man Who Had Three Arms (1981)
  • Finding the Sun (1982)
  • Marriage Play (1986-87)
  • Three Tall Women (1990-91)
  • The Lorca Play (1992)
  • Fragments (1993)
  • The Play About the Baby (1996)
  • The Goat or Who is Sylvia? (2000, Tony Award for Best Play|Tony Award)
  • Occupant (play)|Occupant (2001)
  • Peter & Jerry (Act One: Homelife. Act Two: The Zoo Story) (2004)
  • Me, Myself & I (em progresso)

Adaptações para o cinema[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Edward Albee
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.