Egeu (mitologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Maio de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Têmis e Egeu. Um cálice ático de figuras vermelhas atribuído ao pintor de Codro, 440430 a.C. De Vulci.

Na mitologia grega, Egeu era filho de Pandion II, pai de Teseu e rei de Atenas. Em algumas versões, ele não é o pai de Teseu, que seria filho de Posidão.

Nascimento no exílio[editar | editar código-fonte]

Seu pai,Pandião II, rei de Atenas, era filho de Cécrope II e Metiadusa, filha de Eupalamus;[1] Cécrope era filho de Erecteu e Praxiteia[2] Pandião II foi expulso de Atenas pelos metiônidas, filhos de Metion.[3] Metion era irmão de Cécrope[2] ou, segundo Diodoro Sículo, filho de Eupalamus, filho de Erecteu.[4]

Pandião fugiu para Mégara, segundo Pausânias, porque ele era casado com a filha do rei Pylas, [3] mas, segundo Pseudo-Apolodoro, Pandião se casou com a filha de Pylas depois que se refugiou em Mégara.[1] Quando Pylas matou Bias, irmão do seu pai, e foi para o Peloponeso fundar a cidade de Pilos, ele passou o reino para Pandião II.[1] Segundo Pseudo-Apolodoro, os filhos de Pandião II nasceram em Mégara, e se chamavam Egeu, Palas, Niso e Lico.[1] Pseudo-Apolodoro menciona uma versão de que Egeu não seria filho de Pandião II, mas de Scyrius, tendo sido adotado por Pandião.[1] Pandião II ficou doente e morreu em Mégara, onde foi enterrado.[3]

Retomada de Atenas[editar | editar código-fonte]

Os filhos de Pandião retornaram a Atenas e expulsaram os metiônidas,[5] [6] recuperando o reino para Egeu[5] ou dividindo o reino em quatro, com Egeu com o poder supremo.[6]

Nascimento de Teseu[editar | editar código-fonte]

Egeu casou-se com duas mulheres, Meta, filha de Hoples e Chalciope, filha de Rhexenor, mas não teve filhos com nenhuma delas; temendo perder o reino para seus irmãos (Palas, Niso e Lico), Egeu consultou a Pítia, mas não entendeu sua resposta.[6]

Na volta para Atenas, Egeu se hospedou em Trezena, cujo rei Piteu, filho de Pélope, compreendendo o oráculo, fez Egeu se embebedar, e deitar com sua filha Etra.[7] Na mesma noite, porém, Posidão também se deitou com Etra.[7]

Teseu estava em Trezena quando Medeia veio para Atenas e se casou com Egeu. Medeia tentou assassinar Teseu, mas sua tramóia foi descoberta, e ela fugiu.

Guerra com Minos[editar | editar código-fonte]

Androgeu, filho de Minos, rei de Creta,[8] venceu todas as provas dos jogos panatenaicos suscitando a inveja do rei Egeu, que o convidou a matar o touro de Maratona. Androgeu foi morto pelo animal e seu pai, Minos, invadiu a Ática.

Neste guerra, Niso foi atacado por Minos.[9] Niso tinha um cabelo púrpura na sua cabeça, e o oráculo havia dito que ele morreria quando este cabelo fosse tirado; sua filha Cila se apaixonou por Minos, arrancou o cabelo e causou sua morte.[9] Minos, após se tornar mestre de Mégara, amarrou Cila pelos pés no seu navio e a afogou.[9]

Minos não conseguiu tomar Atenas, e rezou a Zeus pedindo vingança, que fez Atenas sofrer fome e peste.[9] Com a derrota do rei Egeu, Minos impôs um tributo de sete rapazes e sete raparigas que deviam ser sacrificados ao Minotauro de nove em nove anos.[9]

Chegada de Teseu[editar | editar código-fonte]

Teseu chegou em Atenas e expulsou Medeia.


Teseu e o Minotauro[editar | editar código-fonte]

Egeu pede a Teseu que vá matar o Minotauro. Combinou com seu filho que ele fosse com as velas negras e, caso voltasse vivo, erguesse as velas brancas. Se morresse, a tripulação levaria o corpo com as velas negras erguidas. Teseu vai a Creta e mata o Minotauro, mas, na volta, cheio de felicidade por ter derrotado o monstro, ele deixa as velas negras, e Egeu, achando que Teseu tinha morrido, se mata, jogando-se no mar que passou a se chamar Mar Egeu.

Referências

Precedido por
Pandião II (legítimo)
Metiônidas (usurpadores)
Reis de Atenas
Sucedido por
Teseu
Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.