Ein Gedi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

{{#coordinates:

31 |27 |0 |N |35 |23 |0 |E | |primary |name= }}

Cascata Shulamit, em Nahal David
Nahal David, Ein Gedi
Um damão na reserva natural de Ein Gedi

Ein Gedi (em hebraico: עין גדי, lit. Nascente do Cabrito; é um oásis localizado a Oeste do Mar Morto, perto de Massada e das cavernas de Qumran.

É conhecido pelas suas grutas, nascentes, e a sua rica diversidade de fauna e flora. Ein Gedi é mencionado diversas vezes nos escritos bíblicos, por exemplo, no Cântico dos Cânticos; "A minha amada é para mim como um cacho de flores de henna nos vinhedos de Ein Gedi" (1:14). De acordo com a tradição judaica, David escondeu-se de Saul nas suas cavernas; "Então David saiu de lá, e ficou nas fortalezas de Ein Gedi" (I Samuel 23:29).

Um kibutz, fundado em 1956, está localizado a cerca de um quilómetro do oásis. Oferece várias atrações turísticas e tira vantagem do clima local e da abundância de água natural para cultivar diversos produtos fora da sua época normal. Antes da fundação do kibutz, a área de Ein Gedi não havia sido permanentemente habitada por 500 anos.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

En-gedi ou Ein-gedi é uma expressão composta de dois radicais na língua hebraica. Ein significa fonte, nascente; Gedi significa cabrito. Logo: a expressão En-gedi ou Ein-gedi significa: a fonte do cabrito, a nascente do cabrito.

Parque Nacional de Ein Gedi[editar | editar código-fonte]

O Parque Nacional de Ein Gedi foi fundado em 1972 e é uma das mais importantes reservas naturais de Israel. O parque está situado no extremo oriental do Deserto da Judeia, na costa do Mar Morto, e cobre uma área de 6250 hectares (25 km2). A altitude do terreno vai desde o nível do Mar Morto, 418 metros abaixo do nível do mar, até ao planalto do Deserto da Judeia, 200 metros acima do nível do mar.

O Parque Nacional de Ein Gedi inclui duas ribeiras alimentadas por nascentes que correm durante todo o ano: Nachal David (ribeira de David) e Nachal Arugot (ribeira de Arugot). Duas outras nascentes, Shulamit e Ein Gedi, também correm na reserva. Juntas, as nascentes geram aproximadamente três milhões de metros cúbicos de água por ano. A maior parte da água é usada na agricultura ou é angarrafada para consumo.

O parque é um santuário para muitas espécies de plantas, aves e animais. A vegetação inclui plantas e árvores das regiões de clima tropical, desértico, mediterrânico e estépico, tais como a maçã de Sodoma, acácia, jujuba, and cloupo. Às muitas espécies de aves residentes juntam-se mais de 200 espécies adicionais, durante os períodos das migrações na Primavera e Outono. As espécies de mamíferos incluem o íbex e o damão.

No verão de 2005, cerca de dois terços do oásis ardeu completamente depois de um turista largar um cigarro aceso nos terrenos do parque.

Jardim Botânico[editar | editar código-fonte]

O Jardim Botânico no kibutz Ein Gedi

A área do kibutz contém um jardim botânico famoso internacionalmente que cobre uma área de 10 ha. Lá, é possível encontrar mais de 900 espécies de plantas de todo o mundo.

Referências Bíblicas[editar | editar código-fonte]

No Livro das Crónicas[1] é identificado com Asasonthamar, a cidade do Amoreu, morto por Chedorlaomer[2] na sua guerra contra as cidades da planície. O Livro de Josué[3] enumera Ein Gedi entre das cidades da Tribo de Judá no deserto Bet Arava, mas o Livro de Ezequiel[4] mostra que era também uma povoação de pescadores. Depois, o Rei David esconde-se no deserto de Engaddi[5] e o Rei Saul busca-o mesmo "sobre os penhascos, apenas acessíveis às cabras montesas".[6] De novo, é em Ein Gedi que os Moabitas e os Amonitas se unem para lutar contra Josaphat[7] e para avançarem contra Jerusalém "pela subida de Sis".[8] Finalmente, o Cântico dos Cânticos[9] fala das "vinhas de Engaddi". As palavras, "Eu fui exaltado como uma palmeira em Cades", que ocorre no Eclesiástico 24:18, pode provavelmente ser entendido como as palmeiras de Ein Gedi.

História[editar | editar código-fonte]

A cidade judaica de Ein Gedi era uma importante fonte de bálsamo para o mundo greco-romano até à sua destruição pelo imperador bizantino Justiniano I como parte da sua perseguição aos Judeus no seu reinado. Um belo mosaico da sinagoga testemunha a antiga riqueza de Ein Gedi, incluindo uma inscrição judaico-aramaica alertando os habitantes contra "revelar o segredo da cidade" - os métodos de extração e preparação da muito apreciada resina de bálsamo - para o resto do mundo.

Entre o século XIII e a Guerra da Independência de Israel em 1948, Ein Gedi foi habitada em várias ocasiões tanto por Judeus como por nómadas beduínos.

Em abril de 1848 o Tenente William Francis Lynch liderou uma expedição americana que desceu o rio Jordão até ao mar Morto.[1] Após "descobrir" Ein Gedi, deu-lhe o nome de Nascente de George Washington.

Referências

  1. xx, 2
  2. Génesis 14:7
  3. xv, 62
  4. xlvii, 10
  5. Samuel I 24:1, 2
  6. ibid., 3
  7. II Crónicas 20:1, 2
  8. ibid., 16
  9. i, 13

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ein Gedi