El Manatí

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
El Manatí e outros sítios arqueológicos da zona nuclear olmeca.

El Manatí é um sítio arqueológico no estado mexicano de Veracruz. El Manatí foi um paul sacrificial sagrado para os olmecas entre aproximadamente 1 600 AEC e 1 200 AEC. Muitos objectos únicos foram recuperados do lodo, incluindo as mais antigas bolas de borracha já descobertas[1] e os mais antigos artefactos de madeira encontrados no México.[2] As bolas de borracha eram possivelmente utilizadas no jogo de bola mesoamericano, enquanto que os artefactos de madeira eram bustos criados no estilo "homem alongado".

O sítio[editar | editar código-fonte]

El Manatí encontra-se situado no sopé do Cerro Manatí, cerca de 15 km a sudeste do importante centro olmeca de San Lorenzo Tenochtitlán. É notável entre os sítios olmecas pela ausência de arquitectura cerimonial ou doméstica contemporânea.

Os arqueólogos identificaram três fases diferentes entre os depósitos de El Manatí: Fase A (ca. 1700 - 1600 AEC), Fase B e a Fase Macayal (ca. 1040 AEC ± 150 anos). Todos os bustos de madeira encontrados pertencem a esta última fase.

El Manatí poderá ter sido escolhido como lugar sagrado devido a uma ou mais das suas características naturais:[3]

Descobertas[editar | editar código-fonte]

Além das várias bolas de borracha e 37 bustos de madeira, foram também encontrados durante as escavações numerosos machados cerimoniais de jadeíte, cerâmica, contas de pedra-verde arranjadas em grupos (aparentemente antes constituíam dois colares separados), fragmentos de figuras do tipo cara-de-bebé, cajados de madeira trabalhada, facas cerimoniais de obsidiana (sem evidências de uso), ossadas de recém-nascidos e de fetos humanos, bem como fragmentos de ossos animais e humanos. Muitos destes objectos foram encontrados como se houvessem sido dispostos com cuidado e não como se apenas atirados ao paul, indicando um propósito sacrificial sagrado.

São dignos de nota os bustos de madeira, os quais eram muitas vezes embrulhados em esteiras de fibra e atados com um cordel. Apesar da forma obviamente estilizada da cabeça, os investigadores sugerem que, devido às suas expressões individuais, os bustos representavam pessoas reais.[5]

Os bustos de madeira eram geralmente acompanhados de outros objectos. Por exemplo:

  • A escultura 1 estava associada a um bastão de madeira e um machado de pedra-verde.
  • A escultura 2 estava associada com um grande pedaço de obsidiana, um feixe de folhas e plantas, uma bola de hematite, uma pilha de pedras de arenito, "comum a várias outras esculturas"[6] além de fragmentos de ossos de recém-nascidos. Perto desta escultura e na direcção este encontrou-se o esqueleto de uma criança.
  • As esculturas 5, 6 e 7 foram enterradas em grupo, cada uma colocada de lado constituindo um triângulo, com as faces voltadas para o interior deste. Estas esculturas estavam acompanhadas de feixes de matéria vegetal e cobertas por uma esteira. Um bastão de madeira incompleto e um crânio infantil foram também encontrados em associação a este enterramento.

Ossadas infantis[editar | editar código-fonte]

As ossadas de recém-nascidos ou de fetos consistiam de vários esqueletos completos bem como de fémures e crânios desmembrados. Estes restos são particularmente intrigantes pois indicam a possibilidade de sacrifício humano, um ritual do qual não existem evidências concretas no registo arqueológico olmeca. As ossadas infantis encontravam-se associadas e subordinadas ao enterramento de um busto de madeira. Não se sabe qual a causa da morte das crianças.[7]

História das investigações[editar | editar código-fonte]

O sítio foi descoberto por habitantes locais que pretendiam construir um lago de peixes na nascente. Começando em 1998, os investigadores passaram quatro temporadas escavando o sítio.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Hosler et al. (1999)
  2. Ortíz and Rodríguez (1999, p.225).
  3. a b Rodriguez and Ortiz (1997) p.93.
  4. O Cerro Manatí é um domo de sal
  5. Ver por exemplo Diehl, (2004, p.45); também Ortiz e Rodríguez (1999, p.248) comentam: "a individualidade dos bustos poderia indicar tratarem-se de representações de chefes, governantes, ou pessoas que atingiram um alto grau de prestígio, conduzindo a uma tentativa da sua imortalização pelo meio de imagens."
  6. Ortíz e Rodríguez (1999, p.238).
  7. Ortíz and Rodríguez (1999, p.249).

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Diehl, Richard. The Olmecs: America's First Civilization. London: Thames and Hudson, 2004. OCLC 56746987 ISBN 0-500-02119-8
  • Hosler, Dorothy; Sandra Burkett, Michael Tarkanian. (1999-06-18). "Prehistoric Polymers: Rubber Processing in Ancient Mesoamerica". Science 284 (5422): 1988–1991 pp.. DOI:10.1126/science.284.5422.1988. ISSN 0036-8075.
  • Ortíz C., Ponciano; María del Carmen Rodríguez. In: David C. Grove and Rosemary A. Joyce (Eds.). Social Patterns in Pre-Classic Mesoamerica: a symposium at Dumbarton Oaks, 9 and 10 October 1993. Dumbarton Oaks etexts ed. Washington, DC: Dumbarton Oaks Research Library and Collection, 1999. 225–254 pp. OCLC 39229716 ISBN 0-88402-252-8 Página visitada em 2007-06-08.
  • María del Carmen Rodríguez; Ortíz C., Ponciano. In: Barbara L. Stark and Philip J. Arnold III (Eds.). Olmec to Aztec, Settlement Patterns in the Ancient Gulf Lowlands. Tucson, Arizona: University of Arizona Press, 1997. 68–95 pp. ISBN 0-8165-1689-8