El Tajín

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Pix.gif Cidade pré-hispânica de El Tajín *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

El Tajín 1.jpg
El Tajín
País México
Critérios C (iii)(iv)
Referência 631
Coordenadas 20° 28′ N 97° 22′ W
Histórico de inscrição
Inscrição 1992  (16ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

El Tajín é um sítio arqueológico pré-colombiano situado cerca da cidade de Poza Rica, estado de Veracruz, México. A cidade de El Tajín foi a capital do estado Totonaca e o seu nome quer dizer cidade ou lugar do trovão na língua totonaca, acreditando-se que fosse também um dos nomes dados ao deus totonaca da chuva e trovoada. Declarado Património da Humanidade pela UNESCO em 1992.

História de El Tajín[editar | editar código-fonte]

A construção de edíficios cerimoniais em El Tajín terá tido início cerca do século I. Nas partes mais antigas de Tajín (do período clássico antigo) é visível a influência de Teotihuacan; as zonas correspondentes ao período pós-clássico inicial mostram clara influência tolteca. A construção continuou até ao início do século XIII, altura em que a cidade foi destruída e conquistada pelos chichimecas. A ocupação humana da zona manteve-se ainda que com uma grande diminuição do número de habitantes, não tendo sido iniciadas novas construções de envergadura. Encontrava-se totalmente abandonada quando os espanhóis chegaram no início do século XVI.

Com o passar do tempo, esta área foi invadida pela floresta. Em 1785 o engenheiro Diego Ruiz visitou o local tendo publicado a primeira descrição do mesmo. No início do século XIX foi a vez de Guillermo Dupaix, Alexander von Humboldt e Carlos Nebel visitarem o local tendo publicado descrições adicionais.

A primeira escavação arqueológica do sítio foi levada a cabo por José García Payon entre 1943 e 1963. O Instituto Mexicano de Antropologia e História efectuou obras de restauro adicionais desde os anos 80.

Monumentos[editar | editar código-fonte]

O centro cerimonial do sítio cobre apenas cerca de 1 km² existindo no entanto numerosos vestígios, maioritariamente por escavar, num raio considerável. O centro cerimonial é constituído por várias pirâmides-templo, palácios, e vários campos de jogo da bola. A construção mais famosa é a Piramide de los Niches. Esta pirâmide de degraus, com 6 plataformas tem cerca de 20 metros de altura. Trata-se de uma pirâmide de tamanho médio, em termos da Mesoamérica, mas a sua arquitectura produz um efeito visualmente agradável e de grande impacto. Os degraus são feitos de blocos de pedra bem aparelhada, formando uma série de 365 nichos. Uma escadaria percorre a face este da pirâmide. Originalmente existia um templo no topo da pirâmide, do qual pouco resta. Alguns dos edifícios tem relevos esculpidos existindo também algumas estelas de pedra. Muitas das esculturas mostram o ritual do jogo da bola e as sangrias rituais da elite. Existe no sítio um museu.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]