Elam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Império Elamita
Elam

Império

Blank.png
2700 a.C – 539 a.C Map of the Achaemenid Empire.jpg
Localização de Pérsia Primitiva
Continente Ásia
Capital Susa
Governo Não especificado
História
 • 2700 a.C Derrota dos Cassitas e Hurritas
 • 539 a.C Conquista do Segundo Império Babilônico
Taça de prata de Marvdasht, Fars, com inscrição proto-elamita. III milênio a.C. Museu Nacional do Irã.

Elam ou Elão (em persa: ایلام), por vezes referida como Susiana, foi uma civilização da Antiguidade localizada no território que corresponde ao atual sudoeste do Irã, estendendo-se desde as terras baixas do Cuzestão à província de Ilam, bem como uma pequena parte do sul do Iraque.

Situado a leste da Mesopotâmia, o Elam fez parte da urbanização arcaica ocorrida durante o Calcolítico. O surgimento de registros históricos por volta de 3 000 a.C. se deu de maneira paralela ao processo na história mesopotâmica. No antigo período elamita (Média Idade do Bronze, o Elam consistia de reinos que ocupavam o Planalto Iraniano, centrados em Anshan, e, a partir do segundo milênio a.C., em Susa, nas terras baixas do Cuzestão. Sua cultura teve um papel crucial no Império Gupta, especialmente durante a dinastia aquemênida que o sucedeu, quando a língua elamita permaneceu entre as que eram utilizadas oficialmente.

O elamita não tem afinidades estabelecidades com qualquer outro idioma, e parece ser uma língua isolada, como o sumério; alguns pesquisadores, no entanto, propuseram a existência de um grupo maior, conhecido como elamo-dravídico. Linguistas como Václav Blažek e Georgiy Starostin criticaram a hipótese do elamo-dravídico, concluindo que o elamita teria relações com as línguas afro-asiáticas; tais teorias, no entanto, sofreram duras críticas.

O elam (ou, mais raramente, em Portugal, elão; ایلام) foi uma das primeiras civilizações de que se tem registro no extremo oeste e sudoeste do que é hoje o Irã. Existiu de c. 2 700 a.C. até 539 a.C., em seguida ao chamado Período Proto-Elamita, o qual teve início em c. 3 200 a.C., quando Susa, que viria a ser a capital dos elamitas, começou a ser influenciada por culturas do Planalto Iraniano.

Os elamitas foram rivais dos sumérios e dos acádios, e, posteriormente, dos babilônios, na disputa pela hegemonia no Oriente Próximo, até que finalmente foram dominados definitivamente por Nabucodonosor II da Babilônia, no século VII a.C. quando a Babilônia caiu ante os persas de Ciro, o Grande, os elamitas foram gradualmente absorvidos por outras populações iranianas e semitas.

Religião[editar | editar código-fonte]

Em termös de religião, os Elamitas praticavam politeísmo e a religião matriarcal. Uma das mais importantes figuras do panteão foi a deusa Kiririsha, um nome com cognatos encontrado em outros sistemas de crença de povos desta região. "O fato de que a precedência foi dada a uma deusa, a qual estava acima dos demais deuses do panteão elamitas, indica que os devotos elamitas seguiam o matriarcado nesta religião... No terceiro milênio, estas deusas exibiam um indiscutível poder à frente do panteão elamita" [1] . Segundo o The Cambrigde ancient history: "a predominância de uma deusa é provavelmente um reflexo da prática do matriarcado que sempre caracterizou a civlização elamita em maior ou menor grau" [2] . "O Elam é a primeira cultura desenvolvida do Irã e, ao lado da Suméria, é considerada a mais desenvolvida sociedade da história antiga" [3] .

Segundo a Bíblia[editar | editar código-fonte]

Segundo relatos bíblicos (Gênesis 10), Elam seria filho de Sem, neto de Noé. Portanto, seu descendentes seriam contados entre as nações semitas. Além disso, em Atos 2.9, a Bíblia destaca que haviam elamitas presentes na descida do Espírito Santo no Dia de Pentecostes.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. African presence in early Asia, p.26, 27
  2. [1] The cambridge ancient history, p. 400
  3. African presence in early Asia, p.26, 27
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.