Eleição da cidade-sede dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eleição da cidade-sede
Jogos Olímpicos de
Verão de 2016
Bids for the 2016 Summer Olympics.svg
Mapa das cidades candidatas
(clique na imagem para ampliar)
Sessão
Dinamarca Copenhague, Dinamarca
121ª Sessão do COI
Data da escolha
2 de outubro de 2009
Resultado
Vencedor Brasil Rio de Janeiro - 66 votos
2º colocado Espanha Madri - 32 votos
Olympic rings with transparent rims.svg

O processo de eleição da cidade-sede dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016 ocorreu entre 2007 e 2009 e contou com a participação de sete cidades de três continentes. Outras ainda planejaram participar do processo, mas não se inscreveram.

Em 13 de setembro de 2007 encerrou-se o prazo de inscrições. Duas cidades da América (Chicago e Rio de Janeiro), duas da Ásia (Doha e Tóquio) e três da Europa (Baku, Madri e Praga) oficializaram a postulação.[1] Em junho de 2008, o Comitê Olímpico Internacional escolheu, baseado no relatório do Grupo de Trabalho designado para analisar os sete projetos, as quatro cidades que se tornariam finalistas: Chicago, nos Estados Unidos, Tóquio, no Japão, Rio de Janeiro, no Brasil, e Madri, na Espanha.[2]

A segunda fase começou com o Programa de Observação dos Jogos Olímpicos de Verão de 2008, em Pequim. Depois de elaborar o seu livro de candidatura e receber a visita da Comissão Avaliadora do Comitê Olímpico Internacional, as cidades agora candidatas participaram, em junho, de um encontro, promovido pela primeira vez na história, com os membros do COI, que elegeriam a cidade-sede dos Jogos de 2016.[3]

Em setembro, a Comissão Avaliadora divulgou o relatório com suas impressões sobre os projetos finalistas. Tóquio, a cidade que teve a nota preliminar mais alta, perdeu o favoritismo, principalmente devido aos baixos níveis de apoio popular que a candidatura recebia. Chicago sofreu com protestos internos e com problemas com as leis americanas. Madri também teve problemas com a legislação, sofrendo sérias críticas da Comissão Avaliadora. O Rio de Janeiro, apesar de ter tido boas notas, teve problemas com a acomodação e os transportes.[4] As avaliações foram consideradas equilibradas, não sendo possível até então apontar alguma cidade como favorita, nem pelo presidente do COI, Jacques Rogge,[5] nem pelos membros da entidade, que tinham o direito de escolher a vencedora,[6] assim como por órgãos de imprensa e sites especializados.[7]

A cidade-sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Verão de 2016 foi escolhida em 2 de outubro de 2009, em Copenhague, na Dinamarca, em votação durante a 121ª Sessão do Comitê Olímpico Internacional. Após as eliminações de Chicago e Tóquio, Madri e Rio de Janeiro chegaram à final, vencida pela candidatura brasileira, com mais de 2/3 dos votos. Esta é a primeira vez que os Jogos Olímpicos terão uma sede na América do Sul.[8]

Processo de eleição[editar | editar código-fonte]

O processo de eleição da cidade-sede de uma edição dos Jogos Olímpicos dura sete anos, começando com a inscrição da cidade postulante, através de seu Comitê Olímpico Nacional, e terminando com a eleição da sede, realizada durante uma Sessão do COI. O processo é regido pela Carta Olímpica, em seu quinto capítulo.[9] Após o prazo de inscrições, as cidades postulantes respondem a um questionário com temas importantes para uma organização bem sucedida. Após um estudo detalhado dos questionários, o Comitê Executivo do COI seleciona as cidades classificadas para a fase seguinte, as candidatas oficiais.[10] Na segunda fase, as cidades candidatas respondem a outro questionário, mais detalhado.[11] Esses documentos são cuidadosamente estudados pela Comissão Avaliadora do COI, que também faz inspeções de quatro dias em cada uma das cidades candidatas, nas quais verifica os locais de competição planejados e conhece detalhes dos projetos. A Comissão Avaliadora divulga, cerca de um mês antes da Sessão em que vai ocorrer a votação, um relatório com as impressões do grupo.[11] Na Sessão do COI em que ocorre a eleição, os membros ativos do Comitê Olímpico (excluindo os honorários) têm direito a um voto cada. Membros de países com cidades candidatas não podem votar enquanto estas não forem eliminadas. O processo é repetido quantas vezes for preciso até que uma candidata atinja a maioria absoluta dos votos. Se isso não acontecer na primeira rodada, a cidade com menos votos é eliminada e uma nova sessão começa. Em caso de empate no último lugar, uma rodada extra ocorre para desfazê-lo, com a vencedora se classificando para a seguinte. A cada rodada o nome da cidade eliminada é anunciado. Após o anúncio final, a cidade-sede eleita assina o "Contrato de Cidade-sede" com o COI, que delega as responsabilidades de organizar os Jogos ao país e ao seu respectivo CON.[12]

O processo de 2016[editar | editar código-fonte]

Cronograma[editar | editar código-fonte]

Data Evento[13]
14 de maio de 2007 Abertura do processo de candidatura.
13 de setembro de 2007 Encerramento do prazo de inscrição para as Cidades Postulantes.
14 de janeiro de 2008 Data final para envio do relatório com as respostas ao questionário do COI.
Janeiro a junho de 2008 Avaliação dos relatórios enviados.
4 de junho de 2008 Divulgação das Cidades Candidatas.
8 a 24 de agosto de 2008 Programa de Observação dos Jogos Olímpicos - Pequim 2008.
12 de fevereiro de 2009 Envio dos livros de candidatura das Cidades Candidatas.
2 de setembro de 2009 Publicação do Relatório da Comissão Avaliadora, com as impressões sobre as cidades candidatas.
2 de outubro de 2009 Eleição da sede dos Jogos Olímpicos de 2016 em Copenhague, Dinamarca.

Potenciais candidatas[editar | editar código-fonte]

Berlim teve sua candidatura cancelada.
Lisboa também desistiu de se candidatar.

Avaliação das cidades postulantes[editar | editar código-fonte]

Apoio político é um dos critérios de avaliação. Na imagem, políticos brasileiros fazem campanha a favor da candidatura do Rio de Janeiro em Londres.

As sete cidades que se inscreveram tiveram até 14 de janeiro de 2008 para responder ao primeiro questionário.[11] Através da análise das respostas, o COI deu notas a cada projeto em cada um dos onze critérios de avaliação:[32]

Cidades com nota geral média superior a seis (nível definido pelo COI) são consideradas aptas a receber os Jogos. Em junho de 2008, o COI fez o anúncio oficial, classificando quatro cidades e eliminando outras três:[33]

As quatro finalistas tiveram assegurado o direito de usar os anéis olímpicos em seus logotipos, junto com a expressão "Candidate City" ("Cidade Candidata").[11]

Candidaturas eliminadas[editar | editar código-fonte]

Doha planejava usar nos Jogos de 2016 o legado dos Jogos Asiáticos de 2006.

As cidades eliminadas na primeira fase tiveram problemas variados na avaliação do Grupo de Trabalho. O projeto de Doha previa, em virtude de condições climáticas mais favoráveis, a realização dos Jogos em outubro. A segurança receberia investimentos de 44 milhões de dólares e 70% dos eventos seriam realizados em instalações construídas para os Jogos Asiáticos de 2006.[34] A cidade, apesar de ter obtido uma nota mais alta que o Rio de Janeiro, não foi classificada exatamente por propôr a realização dos Jogos em um período fora do proposto pelo COI (junho a setembro) e por estar numa região propensa a ataques terroristas.[35] Praga havia projetado a construção de três centros: um estádio para a natação, um complexo olímpico na periferia da cidade e um velódromo em Brno.[36] A falta de infraestrutura da cidade, que havia sido apontada por integrantes do governo nacional,[37] foi um dos fatores que determinaram a eliminação da capital da República Checa.[32] Já o projeto de Baku previa a realização dos Jogos em quatro regiões, todas a menos de 10 km da Vila Olímpica. Seriam construídas 23 instalações esportivas e cerca de 80.000 quartos em hotéis.[38] A cidade recebeu as notas mais baixas em praticamente todos os quesitos.[33]

Avaliação das cidades candidatas[editar | editar código-fonte]

Cartazes divulgam a candidatura de Tóquio no museu Edo-Tokyo.

Em 12 de fevereiro de 2009, todas as candidatas enviaram o documento de candidatura ao COI.[39] Após um período de análise pelo órgão, as cidades foram visitadas pela Comissão Avaliadora, composta por doze membros e liderada pela ex-atleta marroquina Nawal El Moutawakel. As visitas, de quatro dias cada, ocorreram entre 4 de abril e 8 de maio.[4]

Em 2 de setembro de 2009, o COI divulgou os relatórios da inspeção das quatro candidatas.[4] Por não conter notas ou rankings, as avaliações foram consideradas muito equilibradas.[7]

Madri teve o projeto mais criticado, principalmente por causa da falta de clareza das leis antidoping da Espanha e da estrutura organizacional do comitê local.[40] As críticas fizeram os representantes da candidatura correrem contra o tempo, e, mesmo com o prefeito Alberto Ruiz-Gallardón chegando a admitir uma derrota,[41] conseguiram mudanças nas leis antidoping do país poucos dias antes da votação.[42]

Tóquio também teve bastantes críticas, nomeadamente em relação ao tamanho do terreno destinado à vila olímpica, às condições de algumas instalações e ao baixo apoio popular,[43] embora os números da pesquisa conduzida pelo COI tenham sido sutilmente contestados.[44]

Edifícios em Chicago divulgam a candidatura da cidade.

Chicago recebeu críticas em virtude do alto orçamento e da falta de garantias financeiras, além da falta de um projeto claro para o transporte público e dos problemas relacionados ao trânsito intenso na região onde o comitê local pretendia realizar os Jogos.[45] Com o objetivo de corrigir as falhas apontadas no relatório, o Conselho Municipal aprovou por unanimidade garantias governamentais para o financiamento dos Jogos.[46]

O Rio de Janeiro teve um projeto bastante elogiado, mas a Comissão Avaliadora demonstrou preocupação com as acomodações, o trânsito e a segurança.[47] Segundo representantes do Comitê Olímpico Brasileiro, o relatório deu um impulso à candidatura, que já havia sido fortemente elogiada em apresentações anteriores.[48] O Rio de Janeiro era a cidade favorita para vencer em duas avaliações de sites especializados em candidaturas olímpicas, o BidIndex, do site GamesBids.com,[49] e o Power Index, do site AroundTheRings.com.[50] Órgãos de imprensa de países com cidades concorrentes, como o jornal espanhol El País,[51] também anunciavam o Rio como favorito.

A presença de chefes de Estado na sessão do COI em que a votação ocorreria era vista como decisiva.[52] O presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva foi o primeiro a confirmar a presença semanas antes,[53] seguido do Rei Juan Carlos da Espanha.[54] Poucos dias antes da votação, também confirmaram presença o presidente dos Estados Unidos Barack Obama[55] e o chefe de governo do Japão, o primeiro-ministro Yukio Hatoyama.[56]

Processo final[editar | editar código-fonte]

Veja também: 121ª Sessão do COI

A cerimônia de abertura da 121ª Sessão do COI, em Copenhague, na Dinamarca, ocorreu em 1 de outubro de 2009. Em discursos oficiais, o presidente do Comitê Olímpico Internacional Jacques Rogge e a Rainha da Dinamarca Margarete II elogiaram as cidades candidatas e o processo de eleição, que era um dos mais disputados da história.[57]

Em 2 de outubro, dia da eleição, a Sessão foi realizada no centro de convenções Bella Center, com coordenação geral do presidente Rogge.[58] Dos 106 membros do Comitê Olímpico Internacional, onze não votaram na primeira rodada:[59]

Assim, a primeira rodada contabilizou 95 votos.

Membros da delegação brasileira comemoram a escolha do Rio de Janeiro.

A votação eletrônica começou pouco depois das 15 horas (UTC), e as primeiras eliminadas foram, pela ordem, Chicago e Tóquio. Após a eliminação de uma cidade, os membros do seu país ficam autorizados a votar nas rodadas seguintes.[61] Rio de Janeiro e Madri chegaram à final, concluída em poucos minutos. Por volta das 17 horas UTC, o Rio de Janeiro foi formalmente declarado vencedor pelo presidente Jacques Rogge.[62]

Após o anúncio, os resultados da votação foram divulgados:[8]

Cidade NOC 1ª rodada 2ª rodada 3ª rodada
Rio de Janeiro  Brasil 26 46 66
Madri Flag of Spain.svg Espanha 28 29 32
Tóquio  Japão 22 20
Chicago  Estados Unidos 18

Candidaturas finalistas[editar | editar código-fonte]

Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

O projeto do Rio de Janeiro prevê a realização dos Jogos em instalações espalhadas pela cidade.

O Rio de Janeiro apostou em alguns fatores como desenvolvimento social, abertura de novos territórios para o Movimento Olímpico (já que os Jogos nunca ocorreram na América do Sul), criação de núcleos esportivos e fortalecimento da marca do Comitê Olímpico Internacional, para conseguir o direito de realizar os Jogos Olímpicos. O planejamento urbano e social de longo prazo e o desenvolvimento do esporte estão sendo importantes legados para a região. Toda a cidade estará envolvida na realização das Olimpíadas, com a divisão dos eventos em quatro regiões: Barra (com vinte modalidades mais a Vila Olímpica e os centros de imprensa), Copacabana (sede de oito modalidades ao ar livre), Maracanã (que irá sediar 5 modalidades e as cerimônias) e Deodoro (sede de sete modalidades). Brasília, São Paulo, Salvador e Belo Horizonte serão as subsedes do torneio de futebol.[63] O custo da realização dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016 no Rio de Janeiro (excluindo gastos públicos) foi estimado em 750 milhões de dólares, sendo 290 milhões gerados com a venda de ingressos e o restante pelo setor privado. Receitas adicionais deverão provir da Lei Agnelo/Piva, da circulação de moedas especiais e do Plano Conjunto de Marketing, parceria do Comitê Organizador e do Comitê Olímpico Internacional.[63] Para facilitar a locomoção entre os locais de competição, três corredores serão criados interligando as regiões, com a utilização de veículos leves sobre pneus, Veículo leve sobre trilhos na Zona Central e Portuária da cidade, pórtico de entrada da cidade para turistas que chegam de navio ou voos domésticos e metrô.

Madri[editar | editar código-fonte]

O Estádio Santiago Bernabéu seria a sede da final do futebol.

O projeto de Madri era realizar os Jogos Olímpicos em duas áreas, a Zona Núcleo (o "coração" dos Jogos) e a Zona Rio (os "pulmões" dos Jogos). A candidatura esperava desenvolver a infraestrutura esportiva da região e gerar legados em cinco áreas: social, esportiva, econômica, ambiental e cultural. As obras de infraestrutura necessárias seriam custeadas com dinheiro público e o restante da receita proviria de fontes privadas, principalmente do marketing.[64] Das trinta instalações projetadas para os Jogos de Madri, 21 estariam a menos de quinze quilômetros da Vila Olímpica e 25 a menos de doze quilômetros do centro da cidade. Na Zona Núcleo, na região leste da cidade, estariam quinze locais de competição (entre eles o Estádio Olímpico), a Vila Olímpica e os centros de imprensa. Na Zona Rio, um projeto de revitalização urbana e ambiental do Rio Manzanares permitiria a realização de onze modalidades em suas margens. Além de Madri, seis cidades também receberiam eventos dos Jogos: Valência (sede da Vela), Córdoba, Málaga, Mérida, Barcelona e Palma de Mallorca (todas subsedes do torneio de futebol).[65]

Tóquio[editar | editar código-fonte]

O Tokyo Metropolitan Gymnasium foi usado nos Jogos de 1964 e estava no projeto para 2016.

Tóquio planejava realizar os Jogos Olímpicos mais compactos da história,[66] com mais de 90% das instalações localizadas em duas regiões no centro da cidade, estando o Estádio Olímpico e a Vila Olímpica na interseção das duas áreas.[67] Das 31 instalações projetadas para receber as Olimpíadas, 21 já estavam prontas e em pleno uso. Algumas delas, como o Tokyo Metropolitan Gymnasium, o Estádio Kasumigaoka e o Nippon Budokan, foram utilizadas nos Jogos Olímpicos de Verão de 1964 e fazem parte do legado que esta edição olímpica deixou na cidade. Fora de Tóquio, Sapporo, Saitama, Yokohama e Osaka receberiam partidas do futebol, nos mesmos estádios que sediaram a Copa do Mundo FIFA de 2002. A hotelaria era um dos pontos fortes da candidatura, já que haveria uma oferta de quase 130 mil quartos num raio de cinquenta quilômetros a partir do centro da cidade. Os mais de 230 km de autoestradas e mais de mil quilômetros de linhas de metrô formariam uma excelente estrutura de transportes, que não precisaria de obras especiais em virtude dos Jogos.[67]

Chicago[editar | editar código-fonte]

A maioria das competições seria realizada próximo ao Lago Michigan.

O projeto de Chicago era realizar Jogos compactos, estando a maioria das instalações nas proximidades do Lago Michigan, de modo a reduzir o tempo de deslocamento entre os locais de competição, o que possibilitaria que o trajeto fosse feito a pé.[68] Com custo estimado em 3,8 bilhões de dólares,[69] cinco instalações permanentes e onze temporárias seriam construídas, juntando-se a onze já existentes. O McCormick Place, maior centro de convenções da cidade, poderia abrigar onze esportes olímpicos e oito paraolímpicos, além dos centros de imprensa. Após os Jogos, o Estádio Olímpico, uma das novas instalações, teria sua capacidade reduzida e receberia diversos eventos acessíveis à comunidade. 91% dos atletas competiriam a até quinze minutos de distância da Vila Olímpica, que teria capacidade para mais de dezessete mil pessoas.[70] O relatório da candidatura reconheceu que o trânsito da cidade era um problema, mas apontou a criação de faixas exclusivas e a concepção de uma agenda de eventos, que otimizasse o uso dos transportes, como soluções para a questão. A segurança dos Jogos seria coordenada pela Polícia de Chicago, com apoio de órgãos nacionais, como o FBI e o Departamento de Segurança Interna, e estaduais, como a Guarda Nacional de Illinois.[70]

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Críticas à candidatura do Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

Outdoor promove a candidatura carioca próximo ao Morro Dois Irmãos, no Leblon.

Na semana que antecedeu a votação, duas declarações envolvendo a candidatura do Rio de Janeiro geraram polêmica. A primeira foi feita pelo prefeito de Chicago, Richard M. Daley, que disse ter sua cidade uma vantagem sobre o Rio, por causa da Copa do Mundo FIFA de 2014, que, segundo ele, anularia a escolha da cidade.[71] Representantes da candidatura carioca levaram o caso ao Comitê Olímpico Internacional, embora nenhuma queixa formal tenha sido feita. Questionado sobre a denúncia, o prefeito foi evasivo e declarou não ter conhecimento do caso.[72]

A outra declaração foi a do vice-presidente do Comitê Olímpico Espanhol, José María Odriozola, que classificou o projeto do Rio de Janeiro como "a pior candidatura" e creditou o favoritismo da cidade ao marketing e ao ineditismo, já que os Jogos nunca ocorreram na América do Sul.[73] O Comitê Rio 2016, em resposta a essas declarações, fez uma queixa formal contra a candidatura de Madri e chamou de "inaceitáveis" as críticas de Odriozola, consideradas pelo comitê o oposto do que a Comissão Avaliadora do COI manifestou em seu relatório, divulgado no início de setembro.[74] No mesmo dia da declaração, a chefe do Comitê Madrid 2016, Mercedes Coghen, pediu desculpas oficiais pelo ocorrido. Odriozola, entretanto, manteve-se firme e apenas lamentou que alguém tenha se ofendido com a opinião pessoal dele.[75]

Protestos em Copenhague[editar | editar código-fonte]

Duas cidades, Tóquio e Chicago, sofreram com protestos nos dias anteriores a eleição. Os manifestantes contra o projeto da capital japonesa argumentavam que a candidatura havia sido desenvolvida de forma antidemocrática, sem apoio popular.[76] Já o grupo No Games Chicago, que havia feito protestos durante a visita da Comissão Avaliadora à cidade, em abril,[77] foi até Copenhague tentar falar com o presidente Barack Obama e convencê-lo de que Chicago não era uma boa escolha.[78] As duas cidades ficaram de fora da rodada final da votação.

Desconfianças sobre a lisura do processo de eleição[editar | editar código-fonte]

Após a escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos, surgiram desconfianças de representantes de outras candidaturas sobre a lisura do processo de eleição. Representantes da candidatura de Chicago declararam que a eliminação da cidade americana estava relacionada com a polêmica sobre os direitos de mídia dos Jogos nos Estados Unidos e com o repasse de verba do COI para o Comitê Olímpico do país, o que significava que Chicago não havia sido escolhida por questões externas ao processo, e não por mérito do projeto.[79] O governador de Tóquio, Shintaro Ishihara, também demonstrou desconfiança com o processo, insinuando que o presidente brasileiro Luís Inácio Lula da Silva havia feito promessas ilegais e que a vitória havia sido conquistada "nos bastidores". Em resposta a essas declarações, o Comitê Olímpico Brasileiro entrou com um protesto no Comitê Olímpico Internacional.[80]

Referências

  1. Comitê Olímpico Internacional (14 de setembro de 2007). Seven Applicant NOCs/ Cities for the 2016 Games (em inglês). Visitado em 10 de outubro de 2009.
  2. Comitê Olímpico Internacional (4 de junho de 2008). Four Cities to Compete to Host The 2016 Olympic Games (em inglês). Visitado em 10 de outubro de 2009.
  3. Comitê Olímpico Internacional (17 de junho de 2009). 2016 candidate cities brief IOC members (em inglês). Visitado em 10 de outubro de 2009.
  4. a b c Comitê Olímpico Internacional (2 de setembro de 2009). The International Olympic Committee (IOC) today released the report of the Evaluation (em inglês). Visitado em 10 de outubro de 2009.
  5. GamesBids.com (11 de setembro de 2009). No Favourites In 2016 Race - Rogge (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  6. GamesBids.com (1 de outubro de 2009). 2016 Race Too Close To Call (em inglês). Visitado em 1 de outubro de 2009.
  7. a b GamesBids.com (2 de setembro de 2009). IOC Evaluation Report Confirms Race For 2016 Olympics Has Yet To Be Won (em inglês). Visitado em 14 de setembro de 2009.
  8. a b Comitê Olímpico Internacional (2 de outubro de 2009). Rio de Janeiro Elected As 2016 Host City (em inglês). Visitado em 2 de outubro de 2009.
  9. Comitê Olímpico Internacional (1 de setembro de 2004). Carta Olímpica (PDF) (em inglês). Visitado em 29 de maio de 2009.
  10. Comitê Olímpico Internacional. Choice of the Host City (em inglês). Visitado em 10 de outubro de 2009.
  11. a b c d Comitê Olímpico Internacional. 2016 Candidature Procedure and Questionnaire (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  12. Comitê Olímpico Internacional. Organising Committees for the Olympic Games (em inglês). Visitado em 10 de outubro de 2009.
  13. Comitê Olímpico Internacional (16 de maio de 2007). 2016 Bid Process launched (em inglês). Visitado em 10 de outubro de 2009.
  14. GamesBids.com (22 de junho de 2006). Mayor Believes Durban Should Host 2016 Olympics (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  15. GamesBids.com (10 de julho de 2006). World Cup Success Bolsters Hamburg 2016 Olympic Games Bid (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  16. GamesBids.com (29 de maio de 2006). Argentina Wants To Bid For Olympics (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  17. GamesBids.com (15 de outubro de 2004). Brussels Drops 2016 Olympic Bid (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  18. GamesBids.com (1 de agosto de 2005). Montreal Contemplates Bid For 2016 Summer Olympic Games (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  19. GamesBids.com (1 de março de 2004). Dubai To Build Sports City Ahead of 2016 Bid (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  20. GamesBids.com (14 de abril de 2007). Chicago Chosen to Bid for 2016 Olympic Games (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  21. GamesBids.com (24 de junho de 2006). The Answer Is "No" To Joint San Diego-Tijuana 2016 Olympic Bid (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  22. BBC (28 de abril de 2007). Delhi will bid for 2020 Olympics (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  23. Corriere della Sera (5 de julho de 2007). Olimpiadi, Roma si candida per il 2020 (em italiano). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  24. GamesBids.com (30 de agosto de 2006). Tokyo To Be Japan’s 2016 Summer Games Bid Candidate (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  25. GamesBids.com (13 de setembro de 2007). Mexico's Olympic Committee Rejects Monterrey's 2016 Olympic Bid (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  26. UOL Esporte (27 de novembro de 2004). Portugal prepara candidatura para receber os Jogos Olímpicos (em português). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  27. People.com.cn (13 de janeiro de 2005). Kenya plans to bid for 2016 Olympic Games (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  28. Coolrunning.com (7 de julho). Kenya not ready to bid for 2016 Olympics (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  29. GamesBids.com (1 de fevereiro de 2005). Moscow To Bid For 2016 If It Loses 2012 Games (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  30. GamesBids.com (15 de setembro de 2004). Thailand To Bid For 2016 Summer Olympic Games (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  31. GamesBids.com (13 de setembro de 2007). Istanbul Refrains From 5th Consecutive Olympic Bid - Will Bid For 2020 Games Instead (em inglês). Visitado em 16 de setembro de 2009.
  32. a b Comitê Olímpico Internacional (Março de 2008). Games of the XXXI Olympiad 2016 Working Group Report (em inglês). Visitado em 13 de setembro de 2009.
  33. a b Globoesporte.com (4 de junho de 2008). Rio de Janeiro tem a pior nota entre as cidades finalistas para os Jogos de 2016 (em português). Visitado em 13 de setembro de 2009.
  34. GamesBids.com (14 de janeiro de 2008). Doha 2016 Releases Olympic Bid Questionnaire Response (em inglês). Visitado em 17 de setembro de 2009.
  35. Globoesporte.com (4 de junho de 2008). Doha lamenta ausência entre as cidades finalistas aos Jogos Olímpicos de 2016 (em português). Visitado em 13 de setembro de 2009.
  36. GamesBids.com (27 de setembro de 2007). Prague 2016 Unveils Bid Plans (em inglês). Visitado em 15 de setembro de 2009.
  37. GamesBids.com (7 de dezembro de 2007). Prague 2016 Bid Gets Opposition (em inglês). Visitado em 15 de setembro de 2009.
  38. GamesBids.com (22 de janeiro de 2008). Baku 2016 To Convert Former Oil Field Into Flourishing Olympic Park: Bid Dossier (em inglês). Visitado em 17 de setembro de 2009.
  39. Comitê Olímpico Internacional (12 de fevereiro de 2009). Candidature procedure 2016 - All four candidate cities submit their files to the IOC (em inglês). Visitado em 10 de outubro de 2009.
  40. Globoesporte.com (2 de setembro de 2009). Críticas do COI às leis antidoping locais complicam a candidatura de Madri a 2016 (em português). Visitado em 18 de setembro de 2009.
  41. Globoesporte.com (3 de setembro de 2009). Madri já admite possível derrota por 2016 (em português). Visitado em 18 de setembro de 2009.
  42. GamesBids.com (18 de setembro de 2009). Madrid 2016 Boosted By Changes In Doping Rules (em inglês). Visitado em 18 de setembro de 2009.
  43. Globoesporte.com (2 de setembro de 2009). Falta de apoio popular é maior obstáculo de Tóquio na candidatura a 2016 (em português). Visitado em 18 de setembro de 2009.
  44. GamesBids.com (3 de setembro de 2009). Tokyo 2016 Support Higher Than IOC Report (em inglês). Visitado em 18 de setembro de 2009.
  45. Globoesporte.com (2 de setembro de 2009). Chicago aposta em alto orçamento para realizar 'experiência espetacular' em 2016 (em português). Visitado em 18 de setembro de 2009.
  46. GamesBids.com (9 de setembro de 2009). City Council Gives Green Light To Chicago 2016 Bid Financial Guarantee (em inglês). Visitado em 18 de setembro de 2009.
  47. Globoesporte.com (2 de setembro de 2009). COI elogia foco social do Rio para 2016, mas hospedagem e transporte preocupam (em português). Visitado em 18 de setembro de 2009.
  48. GamesBids.com (2 de setembro de 2009). Rio's 2016 Olympic Bid Continues To Gain Momentum at a Critical Time (em inglês). Visitado em 18 de setembro de 2009.
  49. GamesBids.com (28 de setembro de 2009). Chicago 2016 Boosted on BidIndex by Obama's Travel Plans (em inglês). Visitado em 1 de outubro de 2009.
  50. Around the Rings (27 de setembro de 2009). ATR Bid Power Index (em inglês). Visitado em 1 de outubro de 2009.
  51. El País (2 de setembro de 2009). Tokio y Río de Janeiro toman la delantera en la lucha olímpica (em espanhol). Visitado em 14 de setembro de 2009.
  52. IG Esportes (28 de setembro de 2009). Chefes de Estado são decisivos em caso de votação apertada, diz Rogge (em português). Visitado em 28 de setembro de 2009.
  53. ESPBR (28 de setembro de 2009). Lula volta a defender escolha do Rio como sede das Olimpíadas em 2016 (em inglês). Visitado em 28 de setembro de 2009.
  54. Globoesporte.com (23 de setembro de 2009). Rei da Espanha viajará a Copenhague (em inglês). Visitado em 28 de setembro de 2009.
  55. Globoesporte.com (28 de setembro de 2009). Fonte da Casa Branca garante presença de Barack Obama em Copenhague, dia 2 (em inglês). Visitado em 28 de setembro de 2009.
  56. UOL Esportes (28 de setembro de 2009). Premiê japonês apoiará Tóquio em Copenhague (em inglês). Visitado em 28 de setembro de 2009.
  57. Globoesporte.com (2 de outubro de 2009). Jacques Rogge abre Congresso e elogia o nível das cidades candidatas a 2016 (em português). Visitado em 1 de outubro de 2009.
  58. Comitê Olímpico Internacional. 121st IOC Session, XIII Olympic Congress (em francês e inglês). Visitado em 19 de setembro de 2009.
  59. Globoesporte.com (30 de setembro de 2009). Entenda o processo de votação para a escolha da sede das Olimpíadas de 2016 (em português). Visitado em 30 de setembro de 2009.
  60. Globoesporte.com (2 de outubro de 2009). COI confirma ausência de dois delegados que seriam pró-Chicago (em português). Visitado em 2 de outubro de 2009.
  61. Globoesporte.com (2 de outubro de 2009). Chicago e Tóquio ficam pelo caminho; Rio e Madri travam a batalha final por 2016 (em português). Visitado em 2 de outubro de 2009.
  62. Globoesporte.com (2 de outubro de 2009). Rio transforma o sonho olímpico em realidade e conquista os Jogos de 2016 (em português). Visitado em 2 de outubro de 2009.
  63. a b Rio 2016 (Dezembro de 2007). Candidature Acceptance Application for Rio de Janeiro to host the 2016 Olympic and Paralympic Games (em francês e inglês). Visitado em 10 de setembro de 2009.
  64. USA Today (13 de fevereiro de 2009). 2016 Chicago, Tokyo, Rio and Madrid Olympic bids released (em inglês). Visitado em 30 de outubro de 2009.
  65. GamesBids.com (7 de outubro de 2008). Madrid 2016 Previews Bid At Expo Cibeles (em inglês). Visitado em 30 de outubro de 2009.
  66. Globoesporte (24 de setembro de 2009). Projeto de Tóquio promete para 2016 uma Olimpíada compacta e sustentável (em português). Visitado em 30 de setembro de 2009.
  67. a b USA Today (13 de fevereiro de 2009). 2016 Chicago, Tokyo, Rio and Madrid Olympic bids released - TOKYO BID (em inglês e francês). Visitado em 24 de outubro de 2009.
  68. USA Today (17 de janeiro de 2008). Chicago Games would center on downtown (em inglês). Visitado em 22 de setembro de 2009.
  69. Globoesporte.com (2 de setembro de 2009). Chicago aposta em alto orçamento para realizar 'experiência espetacular' em 2016 (em inglês).
  70. a b USA Today (13 de fevereiro de 2009). 2016 Chicago, Tokyo, Rio and Madrid Olympic bids released - CHICAGO BID (em inglês). Visitado em 4 de fevereiro de 2010.
  71. Inside the Games (21 de setembro de 2009). Daley claims Chicago has the edge over Rio because of the World Cup (em inglês). Visitado em 30 de setembro de 2009.
  72. Globoesporte.com (29 de setembro de 2009). Rio de Janeiro faz reclamação ao COI e pega o prefeito de Chicago de surpresa (em português). Visitado em 30 de setembro de 2009.
  73. Globoesporte.com (30 de setembro de 2009). Membro do comitê espanhol ataca aliado: 'Francamente, Rio é a pior candidatura' (em português). Visitado em 30 de setembro de 2009.
  74. Inside the Games (30 de setembro de 2009). Rio 2016 complain to IOC Ethics Commission after Madrid officials claim it is the worst candidate (em inglês). Visitado em 30 de setembro de 2009.
  75. Globoesporte.com (30 de setembro de 2009). Madri 2016 pede desculpas ao Rio por críticas de dirigente espanhol (em português). Visitado em 30 de setembro de 2009.
  76. Diário Popular (1 de outubro de 2009). Japoneses se manifestam contra candidatura de Tóquio para Olimpíadas (em português). Visitado em 1 de novembro de 2009.
  77. UOL Esportes (1 de abril de 2009). Na contramão de Obama, grupo faz protesto contra Chicago-2016 (em português). Visitado em 1 de novembro de 2009.
  78. Globoesporte.com (29 de setembro de 2009). Representantes de 'No Games Chicago' vão a Copenhague para falar com Obama (em português). Visitado em 1 de novembro de 2009.
  79. Inside the Games (2 de outubro de 2009). Decision to award Olympics to Rio hailed by IOC members but anger over treatment of Chicago (em inglês). Visitado em 10 de outubro de 2009.
  80. Inside the Games (5 de outubro de 2009). COB vai encaminhar protesto ao COI após declarações de governador de Tóquio (em inglês). Visitado em 10 de outubro de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]