Eleição presidencial do Chile em 2009–2010

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

As eleições presidenciais no Chile em 2009 ocorreram em dois turnos. No primeiro turno, que teve lugar no dia 13 de dezembro de 2009, os candidatos mais votados foram Sebastián Piñera, de centro-direita, com 44% dos votos, e o ex-Presidente Eduardo Frei Ruiz-Tagle, de centro-esquerda, com 29,6%.

Com base no sistema de dois turnos, uma vez que nenhum dos candidatos à presidência obteve a maioria absoluta dos votos, foi realizado um segundo turno em 17 de janeiro, entre os dois candidatos mais votados.[1] Sebastián Piñera venceu, com quase aproximadamente 52% dos votos, e deverá suceder Michelle Bachelet em 11 de março de 2010.[2]

As eleições parlamentares chilenas também se realizaram no dia 13 de dezembro.

Candidatos[editar | editar código-fonte]

Sebastián Piñera[editar | editar código-fonte]

Economista e empresário. Foi o candidato vencedor, representando a Coligação para a Mudança, composta por conservadores e liberais de centro-direita. Obteve 44,0% dos votos, no primeiro turno, e 52%, no segundo turno, vencendo as eleições.

Eduardo Frei[editar | editar código-fonte]

Engenheiro. Representante da Coligação para a Democracia, composta por democratas-cristãos, radicais, sociais-democratas e socialistas. Obteve 29,6% dos votos no primeiro turno. Disputou o segundo turno com Piñera e foi derrotado.

Marco Enríquez-Ominami[editar | editar código-fonte]

Filósofo e cineasta. Representante da coligação Nova Maioria para Chile, composta por ecologistas, humanistas e outras forças progressistas. Conseguiu 20,1% dos votos no primeiro turno.

Jorge Arrate[editar | editar código-fonte]

Advogado e economista. Representante da coligação Juntos Podemos Más, composta por comunistas e outras forças de esquerda, obteve 6,2% dos votos no primeiro turno.

Referências

  1. Cronograma Electoral, Servicio Electoral. Republica de Chile (em espanhol).
  2. Eleição de Piñera marca guinada do Chile à direita, por Alonso Soto e Simon Gardne. O Globo, 18 de janeiro de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Serviço eleitoral
Candidatos
Precedido por
2005–2006
Eleições no Chile
2009–2010
Sucedido por
2013