Eleições gerais no Brasil em 1982

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em 15 de novembro de 1982 o eleitorado brasileiro foi chamado a eleger os governadores que administrariam seus estados pelo interregno temporal de quatro anos a contar de 15 de março de 1983 num pleito que envolveu cerca de 60 milhões de eleitores sendo a primeira eleição direta para governador de estado desde os anos 1960.[1] Neste pleito valeu o "voto vinculado": o eleitor teria que escolher candidatos de um mesmo partido para todos os cargos em disputa, sob pena de anular seu voto. No cômputo geral os resultados auferidos pelo governo (PDS) foram similares aos quatro partidos de oposição (PMDB, PDT, PTB, PT) e tal equilíbrio influiu na composição do Colégio Eleitoral em 1985.

O pleito foi regido pela Lei nº 6.978 de 19 de janeiro de 1982 e pela Lei nº 7.015 de 7 de julho de 1982, dentre outras.

Governadores eleitos[editar | editar código-fonte]

Em razão do voto vinculado tanto o governador quanto o vice-governador eram filiados a um mesmo partido. Nesta relação consta a legenda a que ambos pertenciam no momento da eleição, ignorando mudanças posteriores. Todavia na mais relevante alteração do quadro partidário de então sete dos governadores do Nordeste[2] deixaram o PDS e ingressaram no PFL em 1985.

Bandeira Estado Sigla Eleito em 15 de novembro de 1982 Partido Vice-governador Resultados
Bandeira do Acre.svg Acre AC Nabor Júnior[3] PMDB Iolanda Fleming[4] AC 1982
Bandeira de Alagoas.svg Alagoas AL Divaldo Suruagy[3] PDS José Tavares AL 1982
Bandeira do Amazonas.svg Amazonas AM Gilberto Mestrinho PMDB Manoel Ribeiro[5] AM 1982
Bandeira da Bahia.svg Bahia BA João Durval Carneiro[6] PDS Edvaldo Flores[6] BA 1982
Bandeira do Ceará.svg Ceará CE Gonzaga Mota PDS Adauto Bezerra CE 1982
Bandeira do Espírito Santo.svg Espírito Santo ES Gerson Camata[3] PMDB José Moraes ES 1982
Bandeira de Goiás.svg Goiás GO Iris Rezende[7] PMDB Onofre Quinan GO 1982
Bandeira do Maranhão.svg Maranhão MA Luís Rocha PDS João Rodolfo MA 1982
Bandeira de Mato Grosso.svg Mato Grosso MT Júlio Campos[8] PDS Wilmar Peres MT 1982
Bandeira de Mato Grosso do Sul.svg Mato Grosso do Sul MS Wilson Martins[3] PMDB Ramez Tebet MS 1982
Bandeira de Minas Gerais.svg Minas Gerais MG Tancredo Neves[9] PMDB Hélio Garcia MG 1982
Bandeira do Pará.svg Pará PA Jader Barbalho PMDB Laércio Franco PA 1982
Bandeira da Paraíba.svg Paraíba PB Wilson Braga[10] PDS Silva Júnior[11] PB 1982
Bandeira do Paraná.svg Paraná PR José Richa[3] PMDB Ferraz de Campos PR 1982
Bandeira de Pernambuco.svg Pernambuco PE Roberto Magalhães[10] PDS Gustavo Krause PE 1982
Bandeira do Piauí.svg Piauí PI Hugo Napoleão[3] PDS Bona Medeiros PI 1982
Bandeira do estado do Rio de Janeiro.svg Rio de Janeiro RJ Leonel Brizola PDT Darcy Ribeiro RJ 1982
Bandeira do Rio Grande do Norte.svg Rio Grande do Norte RN José Agripino Maia[3] PDS Radir de Araújo RN 1982
Bandeira do Rio Grande do Sul.svg Rio Grande do Sul RS Jair Soares PDS Cláudio Strassburger RS 1982
Bandeira de Rondônia.svg Rondônia RO Jorge Teixeira[12] PDS Não disponível RO 1982
Bandeira de Santa Catarina.svg Santa Catarina SC Esperidião Amin PDS Victor Fontana[8] SC 1982
Bandeira do estado de São Paulo.svg São Paulo SP Franco Montoro PMDB Orestes Quércia[13] SP 1982
Bandeira de Sergipe.svg Sergipe SE João Alves Filho PDS Antônio Carlos Valadares[13] SE 1982

Senadores eleitos[editar | editar código-fonte]

Em razão do voto vinculado os senadores e seus suplentes eram filiados a um mesmo partido. Nesta relação consta a legenda a que ambos pertenciam no momento da eleição.

Bandeira Estado Sigla Eleito em 15 de novembro de 1982 Partido Suplente
Bandeira do Acre.svg Acre AC Mário Maia PMDB Laélia de Alcântara
Bandeira de Alagoas.svg Alagoas AL Guilherme Palmeira[14] PDS João Lira
Bandeira do Amazonas.svg Amazonas AM Fábio Lucena[15] PMDB Leopoldo Peres
Bandeira da Bahia.svg Bahia BA Luís Viana Filho[16] PDS Luís Viana Neto
Bandeira do Ceará.svg Ceará CE Virgílio Távora[17] PDS Afonso Sancho
Bandeira do Espírito Santo.svg Espírito Santo ES José Ignácio Ferreira PMDB Berredo de Menezes[18]
Bandeira de Goiás.svg Goiás GO Mauro Borges PMDB Lázaro Barbosa
Bandeira do Maranhão.svg Maranhão MA João Castelo PDS Luís Fernando Freire
Bandeira de Mato Grosso.svg Mato Grosso MT Roberto Campos PDS Gabriel Novis Neves
Bandeira de Mato Grosso do Sul.svg Mato Grosso do Sul MS Marcelo Miranda[13] PMDB Mendes Canale
Bandeira de Minas Gerais.svg Minas Gerais MG Itamar Franco[19] PMDB Simão da Cunha[20]
Bandeira do Pará.svg Pará PA Hélio Gueiros [13] PMDB João Menezes
Bandeira da Paraíba.svg Paraíba PB Marcondes Gadelha PDS Amir Gaudêncio
Bandeira do Paraná.svg Paraná PR Álvaro Dias[13] PMDB Leite Chaves
Bandeira de Pernambuco.svg Pernambuco PE Marco Maciel[21] PDS Nivaldo Machado
Bandeira do Piauí.svg Piauí PI João Lobo PDS Bernardino Viana
Bandeira do estado do Rio de Janeiro.svg Rio de Janeiro RJ Saturnino Braga[22] PDT Adão Pereira Nunes[23]
Bandeira do Rio Grande do Norte.svg Rio Grande do Norte RN Carlos Alberto PDS Ulisses Potiguar[24]
Bandeira do Rio Grande do Sul.svg Rio Grande do Sul RS Carlos Chiarelli[25] PDS Alberto Hoffmann
Bandeira de Rondônia.svg Rondônia RO Claudionor Roriz[26] [27]
Galvão Modesto[26]
Odacir Soares
PDS
PDS
PDS
Alcides Paio
Flávio Donin
Eudes Lustosa
Bandeira de Santa Catarina.svg Santa Catarina SC Jorge Bornhausen[28] PDS Ivan Bonato
Bandeira do estado de São Paulo.svg São Paulo SP Severo Gomes PMDB Almino Afonso[29]
Bandeira de Sergipe.svg Sergipe SE Albano Franco[30] PDS José Rollemberg

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

A maior bancada coube ao PDS que ocupou 235 assentos dos 479 possíveis elegendo representantes em todas as unidades federativas[31] vindo a seguir o PMDB com 200 vagas. Completam o escore o PDT com 23 deputados graças ao cabedal político de Leonel Brizola,[32] o PTB com 13 e o PT com 08 integrantes. Percentualmente o governo conquistou quase metade das vagas.

São do PDS os campeões de votos: a maior votação nominal do país coube a Paulo Maluf[33] e a proporcional a Augusto Franco.[34] O partido governista levou ainda à Câmara dos Deputados nomes como Manoel Novaes, que conquistou o décimo segundo mandato consecutivo,[35] e Fernando Collor, futuro presidente da República. Do PMDB vieram Dante de Oliveira, autor da emenda que restaurava o voto direto para presidente da República, e Ulysses Guimarães, liderança da campanha das Diretas Já. Os demais partidos elegeram figuras ligadas ao meio artístico como Agnaldo Timóteo (PDT-RJ), Moacir Franco (PTB-SP) e Bete Mendes (PT-SP). Nove deputados foram ungidos prefeitos de capitais em 1985[36] e em 1986 cinco foram eleitos governadores[37] e quinze triunfaram para senador.[38]

Apenas o Distrito Federal[39] e o Território Federal de Fernando de Noronha[40] não elegeram deputados federais.

UF PDS PMDB PDT PTB PT Soma
Acre 04 04 08
Alagoas 05 03 08
Amapá 04 04
Amazonas 04 04 08
Bahia 25 14 39
Ceará 17 05 22
Espírito Santo 04 05 09
Goiás 05 11 16
Maranhão 14 03 17
Mato Grosso 04 04 08
Mato Grosso do Sul 04 04 08
Minas Gerais 26 27 01 54
Pará 07 08 15
Paraíba 07 05 12
Paraná 14 20 34
Pernambuco 14 12 26
Piauí 06 03 09
Rio de Janeiro 14 10 16 05 01 46
Rio Grande do Norte 05 03 08
Rio Grande do Sul 13 12 07 32
Rondônia 05 03 08
Roraima 04 04
Santa Catarina 08 08 16
São Paulo 16 30 08 06 60
Sergipe 06 02 08
Total 235 200 23 13 08 479
Percentual 49,06% 41,75% 4,80% 2,72% 1,67% 100%

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Apresentamos a composição das Assembleias Legislativas nos 23 estados brasileiros.[41] O número de deputados estaduais correspondia ao triplo de deputados federais e, atingido o número de 36 vagas, seriam acrescidas tantas quantas fossem as cadeiras acima de doze.

UF PDS PMDB PDT PTB PT Soma
Acre 11 12 01 24
Alagoas 15 09 24
Amazonas 11 13 24
Bahia 40 23 63
Ceará 34 12 46
Espírito Santo 11 16 27
Goiás 13 27 40
Maranhão 33 08 41
Mato Grosso 13 11 24
Mato Grosso do Sul 12 12 24
Minas Gerais 37 40 01 78
Pará 19 20 39
Paraíba 22 14 36
Paraná 24 34 58
Pernambuco 28 22 50
Piauí 17 10 27
Rio de Janeiro 21 16 24 07 02 70
Rio Grande do Norte 15 09 24
Rio Grande do Sul 23 21 12 56
Rondônia 15 09 24
Santa Catarina 21 19 40
São Paulo 22 42 11 09 84
Sergipe 19 05 24
Total 476 404 36 18 13 947
Percentual 50,27% 42,66% 3,80% 1,90% 1,37% 100%

Eleitorado por unidade federativa[editar | editar código-fonte]

As informações a seguir foram extraídas do Anuário Estatístico do Brasil, edição de 1984, disponível na Biblioteca do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.[42]

Unidade Federativa Eleitorado Percentual
 São Paulo 13.144.018 22,42%
 Minas Gerais 6.738.879 11,50%
 Rio de Janeiro 6.252.529 10,67%
 Bahia 4.285.922 7,31%
 Rio Grande do Sul 4.278.043 7,30%
 Paraná 4.144.310 7,07%
 Pernambuco 2.542.935 4,34%
 Ceará 2.429.859 4,14%
 Santa Catarina 2.107.512 3,60%
 Goiás 2.063.128 3,52%
Pará 1.475.009 2,52%
 Maranhão 1.447.578 2,47%
 Paraíba 1.275.613 2,18%
 Piauí 970.888 1,66%
 Espírito Santo 963.016 1,64%
 Rio Grande do Norte 955.932 1,63%
 Mato Grosso do Sul 752.329 1,28%
 Alagoas 734.418 1,25%
 Mato Grosso 580.483 0,99%
 Amazonas 547.782 0,93%
 Sergipe 470.548 0,80%
 Rondônia 233.412 0,40%
 Acre 115.474 0,20%
 Amapá 69.699 0,12%
 Roraima 37.272 0,06%
Total 58.616.588 100%

Referências

  1. Os estados realizaram eleições alternadas para governador entre os anos de 1962 e 1965.
  2. Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas e Sergipe. Na Bahia o governador permaneceu no PDS e no Ceará o mandatário foi para o PMDB.
  3. a b c d e f g Renunciou ao mandato e foi eleito senador em 1986.
  4. Ao ser efetivada no cargo tornou-se a primeira mulher a governar um estado brasileiro.
  5. Eleito prefeito de Manaus em 1985, renunciou ao cargo.
  6. a b Na Bahia um acidente aéreo vitimou o candidato a governador Clériston Andrade e o candidato a vice-governador Rogério Rego em 1º de outubro de 1982, o que forçou a sua substituição pelos deputados federais João Durval Carneiro e Edvaldo Flores, respectivamente.
  7. Ministro da Agricultura do governo José Sarney entre 14 de fevereiro de 1986 e 15 de março de 1990.
  8. a b Foi eleito deputado federal em 1986.
  9. Renunciou ao mandato em 14 de agosto de 1984 e foi eleito presidente da República em 15 de janeiro de 1985.
  10. a b Renunciou ao mandato e disputou a eleição para senador em 1986 sendo, porém, derrotado.
  11. Renunciou ao mandato para disputar as eleições de 1986.
  12. Rondônia foi elevada à categoria de 23º estado brasileiro mediante a Lei Complementar nº 41 de 22 de dezembro de 1981, todavia não pôde eleger seu governador pelo voto direto por casuísmo, assim foi mantido no cargo o Coronel do Exército Jorge Teixeira.
  13. a b c d e Eleito governador de seu estado em 1986.
  14. Eleito prefeito de Maceió em 1988.
  15. Embora tivesse mais quatro anos de assento foi eleito para um novo mandato em 1986 e assim renunciou à vaga obtida em 1982.
  16. Faleceu de enfarte em São Paulo em 5 de junho de 1990.
  17. Faleceu em São Paulo em 3 de junho de 1988.
  18. Nomeado prefeito de Vitória em 1983. Teve Dirceu Cardoso como segundo suplente.
  19. Eleito vice-presidente da República em 17 de dezembro de 1989. Com a morte de seu primeiro suplente assumiu Edgar da Mata Machado.
  20. Faleceu em Belo Horizonte em 12 de julho de 1983.
  21. Ao longo do governo José Sarney foi Ministro da Educação (entre 15 de março de 1985 e 14 de fevereiro de 1986) e chefe da Casa Civil (entre 14 de fevereiro de 1986 e 30 de abril de 1987).
  22. Eleito prefeito do Rio de Janeiro em 1985.
  23. Faleceu na capital fluminense em 13 de abril de 1985 e foi substituído por Jamil Haddad, efetivado senador após as eleições de 1985.
  24. Eleito vice-prefeito de Parelhas em 1988.
  25. Ministro da Educação do governo Fernando Collor entre 15 de março de 1990 e 22 de agosto de 1991.
  26. a b Rondônia foi convertida no 23º estado brasileiro por força da Lei Complementar nº 41 de 22 de dezembro de 1981 e assim pôde eleger três senadores sendo que Odacir Soares teria o seu mandato renovado após as eleições de 1990, já seus companheiros de bancada deveriam disputar um novo mandato já em 1986.
  27. Secretário de Saúde no governo Ângelo Angelim.
  28. Ministro da Educação do governo José Sarney entre 14 de fevereiro de 1986 e 6 de outubro de 1987.
  29. Eleito vice-governador de São Paulo em 1986, deu lugar ao segundo suplente, Hélio Navarro.
  30. Em 1978 foi eleito primeiro suplente do senador Lourival Batista.
  31. Exceto no Distrito Federal e no Território Federal de Fernando de Noronha, onde não houve eleição.
  32. Dezesseis pelo Rio de Janeiro e sete pelo Rio Grande do Sul.
  33. Segundo o site do Tribunal Superior Eleitoral ele amealhou 672.972 votos.
  34. Obteve 102.006 votos cerca de 30% dos votos válidos em Sergipe.
  35. Eleito pela primeira vez em 1934 mantém esse recorde até os dias atuais.
  36. Carneiro Arnaud, Coutinho Jorge, Dante de Oliveira, Djalma Falcão, Jackson Barreto, Jarbas Vasconcelos, Jerônimo Santana, Sérgio Ferrara e Wall Ferraz.
  37. Epitácio Cafeteira, Fernando Collor, Max Mauro, Miguel Arraes e Tarcísio Buriti.
  38. Aluizio Bezerra, Antônio Farias, Carlos Alberto de Carli, Dirceu Carneiro, Edison Lobão, Francisco Rollemberg, Iram Saraiva, Irapuan Costa Júnior, José Fogaça, Mansueto de Lavor, Márcio Lacerda, Mário Covas, Olavo Pires, Ronan Tito e Rui Bacelar.
  39. O Distrito Federal passou a ter representação no Congresso Nacional por força da Emenda Constitucional nº 25 de 15 de maio de 1985 e elegeu seus representantes em 1986.
  40. Criado pelo Decreto-lei nº 4.102 de 09/02/1942 e extinto pela Constituição de 1988, foi o único território federal que não elegeu representantes à Câmara dos Deputados.
  41. O Distrito Federal só elegeria seus representantes na Câmara Legislativa a partir de 1990 e os territórios federais do Amapá, Roraima e Fernando de Noronha não elegiam deputados estaduais.
  42. Biblioteca do IBGE: Anuário Estatístico do Brasil. Visitado em 9 de outubro de 2013.

Fonte de pesquisa[editar | editar código-fonte]